quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Curdistão sírio: realidade política ou utopia?

Por Guillaume Fourmont, Areion24, 23 de dezembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de dezembro de 2020.

Marginalizados pelas autoridades em Damasco desde a independência em 1946, os curdos na Síria viram a revolta popular de 2011 contra Bashar al-Assad (desde 2000) como uma virada de jogo. Inspirados na luta armada de seus "irmãos" na Turquia e na autonomia política daqueles no Iraque, eles se engajam em duas frentes, lutando tanto contra o regime baathista quanto contra a organização do Estado Islâmico (ISIS ou Daesh). Objetivo: criar um corpo político autônomo no norte da Síria, que se tornou uma realidade no terreno com a declaração de autonomia de Rojava ("Curdistão Ocidental") em novembro de 2013, depois a declaração da Federação Democrática do Norte da Síria (FDNS) em março de 2016.

Curdos, mas não somente

É difícil acessar dados sobre a presença curda na Síria. Na verdade, a guerra civil que assola o país desde 2011 torna as estatísticas pouco confiáveis. Em 2012, de um total de 35 milhões de pessoas, os curdos estavam assim distribuídos: 18,1 milhões na Turquia, 7,87 milhões no Irã, 7,16 milhões no Iraque e 1,92 milhão na Síria, os mesmos números em circulação desde então sem muita mudança.

No caso da Síria, o conflito e suas consequências humanas, com o fluxo de refugiados, dificultam ainda mais as estimativas populacionais, principalmente porque o último censo oficial data de 2004. Os curdos se instalaram principalmente no norte do país, nas regiões de Afryn no oeste, Kobane e Tal Abyad no norte, e Hassaké, Qamichli e Al-Malikiyah no leste. No entanto, este território é rico em comunidades, em particular os árabes, distribuídas por toda parte: os turcomanos perto de Azaz, Al-Raai e na costa do Mediterrâneo, ao sul de Kessab, e os assírios em Tal Tamer, envolvendo tantas religiões e idiomas diferentes. No total, cerca de 3 milhões de pessoas vivem neste espaço.

A fronteira turco-síria na guerra.

No outono de 2018, os curdos não controlavam totalmente este território, especialmente desde a incursão do exército turco em Afryn em janeiro. Através do Partido da União Democrática (PYD), uma organização irmã do Partido dos Trabalhadores do Curdistão Turco (PKK), criado em 2003, e de seu braço armado, as Unidades de Defesa do Povo (YPG), eles impuseram sua autoridade no norte da Síria em 2012, as forças de Bashar al-Assad preferiram se retirar para lutar contra os rebeldes em áreas mais estratégicas e, ao mesmo tempo, criar uma zona tampão entre a Síria e a Turquia. Estamos falando de Rojava, formada pelos cantões de Afryn, Kobane (Eufrates desde 2014) e Djézireh. Sob a liderança dos curdos iraquianos no poder em Erbil, o Conselho Nacional Curdo da Síria (ENKS) foi criado em outubro de 2011, mas foi rapidamente dominado pelo PYD.

Este último anunciou a autonomia da região em novembro de 2013, bem como uma constituição dois meses depois. O texto desta é revelador das intenções políticas curdas: fiel à ideologia do PKK, que se opõe à criação de um Estado-nação curdo no Oriente Médio, indica que Rojava continua sendo uma "parte integrante da Síria ”(artigo 12) na esperança de formar uma federação pós-conflito. Além disso, reconhece a diversidade étnica, religiosa e linguística do Djézireh (artigos 3 e 9).

Essa visão será a chave para o PYD manter sua autoridade sobre as novas administrações, até o nascimento da FDNS. Na verdade, se os curdos permanecem no topo dos órgãos de gestão e governança, eles clamam pela reconciliação, integrando nas várias organizações todas as comunidades, em particular os árabes, anteriormente privilegiados pelo regime baathista em detrimento dos outros.

Combatentes do PYD e PKK seguram um retrato de Abdullah Öcalan.

Uma ambição política

O PYD obtém essa legitimidade política do seu sacrifício em combate. Já em 2013, grupos armados curdos estavam lutando contra elementos da Al-Qaeda e do ISIS que queriam se estabelecer no norte. Lembraremos a batalha de Kobane: os jihadistas do Daesh marcharam sobre a cidade em outubro de 2014, mas foram repelidos em janeiro de 2015. Localizada no centro geográfico de Rojava, a cidade foi e continua sendo estratégica aos olhos dos curdos para estabelecer seu projeto de autonomia ao longo da fronteira com a Turquia, do outro lado da qual existe, é claro, uma grande população curda, mas onde as forças de Ancara lutam contra o PKK desde 2015. Com essa vitória, o YPG garantiu o apoio do Ocidente, principalmente dos Estados Unidos, e, em outubro de 2015, nasceram as Forças Democráticas da Síria (SDF), que reuniram curdos, árabes e sírios contra um inimigo comum: os jihadistas.

Os atores da guerra na Síria.

Em seguida, eles se impõe gradativamente em todo o nordeste do país, até Deir ez-Zor e na fronteira com o Iraque, passando por Thaoura e Raqqa. A captura da “capital” do EI em outubro de 2017, após onze meses de combates, marca o fim territorial da organização terrorista, tornando a SDF, e portanto a YPG, grandes aliadas dos americanos. Mas sem eles, os curdos sabem que não poderiam resistir às forças leais à Síria apoiadas pela Rússia e pelo Irã. Este apoio à rebelião também é uma questão importante na coalizão anti-Bashar al-Assad, os Estados Unidos tendo que poupar seu aliado turco, que tem uma visão sombria das nascentes administrações autônomas da FDNS.

Ao estabelecer-se no norte da Síria, o PYD coloca em prática a teoria do confederalismo democrático do líder do PKK, Abdullah Öcalan, preso na Turquia desde 1999. Cada cantão tem conselhos populares eleitos por assembleias de comunas. Cada conselho administra recursos agrícolas e energéticos, finanças, educação, etc. Assim, no final de 2018, havia uma certa paz no norte da Síria, em relação ao resto do país, com a retomada de uma vida “normal”, por exemplo com a abertura de escolas e centros de saúde. No entanto, as difíceis relações entre as SDF e o regime de Damasco, a dependência do primeiro do “guarda-chuva americano” bem como o possível retorno das tensões entre as comunidades nos convidam a fazer a pergunta: por quanto tempo?

Guillaume Fourmont é o editor-chefe das revistas Carto et Moyen-Orient. Anteriormente, trabalhou para os jornais espanhóis El País e Público. Graduado pelo Instituto Francês de Geopolítica (Universidade de Paris VIII Vincennes Saint-Denis), ele é o autor de Geopolítica da Arábia Saudita: A Guerra Interna (Géopolitique de l’Arabie saoudite : La guerre intérieure, Editora Ellipses, 2005) e Madri: Regenerações (Madrid: Régénérations, Autrement, 2009). Ele leciona no Instituto de Estudos Políticos de Grenoble sobre as monarquias do Golfo Pérsico.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

O perigo de abandonar nossos parceiros5 de junho de 2020.

Combatentes Femininas Peshmerga: Da Linha de Frente à Linha de Retaguarda16 de outubro de 2019.

FOTO: Guerrilheiras assírias no século XX18 de setembro de 2020.

VÍDEO: Fuzis Anti-Material curdos Zagros 12,7mm e Şer 14,5mm11 de abril de 2020.

GALERIA: Fuzis anti-material Zastava M93 modificados dos curdos peshmerga21 de julho de 2020.

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante24 de maio de 2020.

Mísseis TOW americanos foram cruciais para destruir blindados russos na Síria21 de setembro de 2020.

Ministro da Síria chama Turquia de principal patrocinador do terrorismo na região28 de setembro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário