quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

A Turquia está testando os limites no Oriente Médio

Tripulantes do anfíbio do navio de desembarque de carros de combate "TCG Bayraktar" posam após um exercício de desembarque durante o exercício naval Blue Homeland na Baía de Izmir, Turquia, em março de 2019. (Murad Sezer/ Reuters)

Por Laha Harkov, The Jerusalem Post, 7 de agosto de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de dezembro de 2020.

Como as ações da Turquia no Mediterrâneo Oriental impactam os ambiciosos planos de energia de Israel?

Por uma década agora, as políticas de exploração e exportação de energia de Israel trouxeram uma navegação tranquila no Mediterrâneo e no exterior, com políticas tempestuosas em casa.

O governo viu a descoberta de energia no Mediterrâneo Oriental como uma fonte de oportunidades diplomáticas, uma oportunidade para expandir a cooperação com outros países. Grécia e Chipre tornaram-se mais próximos do que nunca com Israel, trabalhando juntos em projetos de energia. O principal é o gasoduto EastMed, das águas israelenses ao continente europeu, passando por Chipre e Grécia, que deve ser o mais longo do mundo. O governo de Israel ratificou o plano no mês passado.

Mas os parceiros de Jerusalém têm observado as ações da Turquia com preocupação. Entre a assinatura de um acordo com o Governo Líbio de Entendimento Nacional, dividindo os direitos econômicos do Mediterrâneo Oriental entre Trípoli e Ancara em novembro, e invadindo as zonas econômicas exclusivas da Grécia e de Chipre, conduzindo uma pesquisa sísmica perto da ilha grega de Kastellorizo e colocando a Marinha Helênica em alerta nas últimas semanas, os últimos movimentos da Turquia no Mediterrâneo Oriental podem significar que uma tempestade está se formando, com implicações para Israel.

Israel e a Turquia têm oficialmente relações diplomáticas, mas a maioria está em um nível muito baixo desde 2010, quando a IHH, uma organização com ligações com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, enviou o Mavi Marmara para acabar com o bloqueio naval das FDI em Gaza, armando alguns das pessoas a bordo. Comandos navais das FDI pararam o navio, matando nove ativistas.

O presidente cipriota Nicos Anastasiades, o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu posam para uma foto antes de assinarem um acordo para construir o gasoduto submarino EastMed para transportar gás natural do Mediterrâneo oriental para a Europa, no Zappeion Hall em Atenas, Grécia. (Alkis Konstantinidis / Reuters)

Ainda assim, Israel não está procurando entrar em um conflito com a Turquia e acredita que a Turquia também não está tentando escalar as coisas com Israel. Apesar do mau estado dos laços diplomáticos, a Turquia é o décimo maior parceiro comercial de Israel, e há uma grande quantidade de turismo entre os dois países, bem como intercâmbios culturais. A Turkish Airlines é a empresa com o segundo maior número de vôos partindo de Israel.

Publicamente, o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Energia não têm nada a dizer sobre os últimos desenvolvimentos com Ancara no Mediterrâneo Oriental. Mas eles têm examinado o acordo Turquia-Líbia, porque pode bloquear a capacidade de Israel de exportar energia para a Europa. A Turquia essencialmente deu a si mesma direitos de veto ao gasoduto EastMed.

Gabriel Mitchell, um bolsista político da Mitvim - Instituto Israelita de Políticas Externas Regionais, disse que “quando se trata do Mediterrâneo Oriental, Israel está obviamente frustrado com a abordagem agressiva da Turquia... Israel investiu nas suas parcerias com a Grécia, Chipre e Egito, e não quer desconsiderar a importância de defender seus parceiros.”

A abordagem israelense tem sido "um meio-termo", em vez de tomar grandes medidas diplomáticas, explicou Mitchell, o que reflete uma hesitação de ambos os lados, Ancara e Jerusalém, em entrar em um conflito.

“O cálculo da Turquia... é que no momento em que Israel se envolver é o momento em que o envolvimento e a sensibilidade dos americanos aumentarão de alguma forma, mesmo que apenas diplomaticamente. Manter Israel fora das conversas significa que os EUA ficarão fora de cena”, disse ele.

O desafio de Israel, então, é permanecer neutro na disputa da Turquia com a Grécia e Chipre, sem prejudicar sua parceria com os dois últimos países. Mas os interesses de Israel ainda podem ser prejudicados, mesmo que Jerusalém não esteja diretamente envolvida.

O projeto EastMed sempre foi um tiro no escuro, no que diz respeito à sua viabilidade comercial; é caro e os preços da energia são baixos. Agora há uma questão de viabilidade política. Quanto mais o Mediterrâneo Oriental começa a parecer um local para um conflito potencial, menos provável que as empresas de energia queiram desenvolver empreendimentos sérios como o gasoduto EastMed.

Apoiadores do Hamas em Gaza seguram pôsteres do presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante um comício.

Mitchell disse que a Turquia vê o projeto EastMed como político: “Eles vêem a região e dizem que a Grécia, Chipre e Israel estão cooperando, e agora o Egito também, e eles não estão nos incluindo, então faremos o possível para descarrilar a viabilidade política desse tipo de projeto, a menos que queiram negociar conosco”.

O Prof. Mark Meirowitz, especialista em Turquia do SUNY Maritime College, referiu-se às negociações de paz entre o norte do Chipre, de língua turca, e o Chipre de língua grega, mais recentemente em 2015-2017 na Suíça, nas quais as partes não chegaram a um acordo: “O fracasso em chegar a um acordo amigável sobre os recursos do Mediterrâneo Oriental precipitou a situação.”

Da perspectiva da Turquia, Meirowitz disse: "A Grécia e o Chipre grego deram direitos de exploração, então a Turquia teve que fazer valer suas reivindicações ou teria ficado em desvantagem tremenda".

“A principal motivação para a Turquia apresentar essas reivindicações [com a Líbia] é contrabalançar algumas das outras reivindicações”, argumentou. Meirowitz viu o acordo com a Líbia como um ponto de partida para eventuais negociações entre a Turquia e a Grécia e Chipre.

Israel, entretanto, está preso no meio disso, tendo feito acordos com a Grécia e Chipre para a exploração no Mediterrâneo Oriental.

“Todo o mundo da delimitação marítima está em aberto. Existem afirmações concorrentes que você elabora por meio de negociação. Você não resolve isso dizendo: 'Vamos criar uma coalizão e dividi-la entre nós e não deixar a Turquia e o Chipre turco compartilharem'. A Turquia e o Chipre turco têm suas próprias reivindicações com base no Direito do Mar, o que deveria ser levado a sério. O imperativo seria trabalhar uma discussão amigável e uma resolução com base no Direito do Mar”, disse ele.

Mitchell alertou que a Turquia está tentando “levar a conversa em uma direção específica e sendo muito agressiva ao fazê-lo”, com os muitos incidentes internacionais ocorrendo no Mediterrâneo Oriental.

Isso nos leva à visão que muitos têm em Israel, tanto no governo quanto em grupos de reflexão, de que o comportamento da Turquia no Mediterrâneo Oriental é uma extensão das ambições neo-otomanas de Erdogan e sua busca por maior influência no mundo muçulmano. Isso vai junto com seu apoio ao Hamas, retórica inflamada sobre os palestinos e financiamento de organizações hostis a Israel em Jerusalém Oriental.

Ativistas pró-palestinos agitam bandeiras turcas e palestinas durante a cerimônia de boas-vindas ao "Mavi Marmara", em Istambul, em dezembro de 2010. Nove ativistas turcos morreram no mês de maio anterior, quando comandos navais das FDI pararam o navio. (Stringer/ Reuters)

Mitchell explicou que a política de "pátria azul" da Turquia, reforçando sua reivindicação sobre o espaço marítimo no Mediterrâneo Oriental, foi "desenvolvida pela liderança secular da Marinha turca", refletindo que "por décadas, estrategistas e formuladores de políticas turcos têm procurado identificar oportunidades para fortalecer a posição regional da Turquia.”

Ao mesmo tempo, essas políticas se misturaram com “o sabor atual da política doméstica turca e da ideologia de Erdogan e seu círculo interno”, incluindo a criação de parcerias com grupos afiliados à Irmandade Muçulmana em toda a região, explicou Mitchell.

Ainda assim, Mitchell postulou que a Turquia seria “feliz” em ser parceira em projetos de energia com Israel, Grécia e Chipre, caso se oferecesse para participar.

“Autoridades israelenses e turcas falaram sobre um oleoduto Israel-Turquia até 2017”, disse Mitchell. “O preço era o verdadeiro obstáculo, não as questões políticas ou jurídicas internacionais.”

Meirowitz observou que as últimas preocupações sobre a Turquia apenas destacam “a necessidade de melhorar as relações entre a Turquia e Israel, reintegrar os embaixadores e voltar para onde estávamos depois de finalmente resolver os desacordos após a Mavi Marmara... e nesse contexto de trabalharmos uns com os outros, tente resolver essas questões pendentes.”

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário