segunda-feira, 13 de abril de 2020

Os Centuriões: 10 passagens que farão você refletir sobre guerra e liderança


Por Joe Byerly, From the Green Notebook, 17 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2020.

Recentemente, li Os Centuriões, de Jean Lartégy. O romance segue um grupo de paraquedistas franceses durante sua turnê no Vietnã, tempo como prisioneiros de guerra, seu retorno à França e sua subsequente mobilização na Argélia.



Embora tenha sido escrito há 40 anos, está repleto de lições poderosas sobre guerra e liderança que permanecem válidas hoje. Uma das minhas passagens favoritas do livro é a descrição de dois exércitos:

“Gostaria que a França tivesse dois exércitos: um para exibição, com armas adoráveis, tanques, soldadinhos, fanfarras, estados-maiores, generais distintos e trêmulos, e queridos oficiais regimentais que ficariam profundamente preocupados com os movimentos intestinais dos seus generais ou das hemorróidas do seu coronel: um exército que seria exposto por uma taxa modesta em todas as feiras do país.

O outro seria o real, composto inteiramente por jovens entusiastas em uniformes de batalha camuflados, que não seriam colocados em exposição e de quem seriam exigidos esforços possíveis e para quem toda sorte de truques seriam ensinados. Esse é o exército no qual eu gostaria de lutar."


Atores Alain Delon e Anthony Quinn no filme Lost Command (1966), adaptação do livro Os Centuriões.

Enquanto lia essas palavras, não pude deixar de refletir sobre o nosso exército hoje, imaginando qual força armada representamos: aquela que está em exibição ou aquela para a luta. Os líderes em que investimos e elevamos através das fileiras são os que contribuem e se destacam no exército em exibição ou podem se destacar nos requisitos do campo de batalha moderno? Damos grande valor à aderência a regulamentos, costumes e cortesias, ou promovemos uma cultura combatente de guerra? Nós treinamos nossas formações para a guerra que queremos combater ou as guerras que estamos travando agora? Sinceramente, não sei a resposta.



Abaixo estão algumas das outras passagens que achei que mereciam ser destacadas. Espero que, ao ler este post, se você já não o leu, você pegará uma cópia d'Os Centuriões e pense no tipo de soldado e líder que deseja ser.

Os Procedimento Operacionais Padrão (POP) e Regulamentos, sozinhos, são limitados...

"Olhe aqui, coronel, notei que seus homens não usam capacete de aço. Os regulamentos...”

"Os regulamentos estão muito bem, coronel, mas eles ignoram um ponto importante."

"E qual seria?"

"Que primeiro precisamos vencer. Agora, ninguém pode lutar adequadamente e vencer enquanto caminha pesadamente sobre as montanhas no mês de julho com um capacete pesado na cabeça. Dei aos meus homens ordens para deixarem seus capacetes no Camp des Pins, mas para levar duas garrafas de água cada um.”


Paraquedistas franceses e vietnamitas do 6e BPC em marcha forçada de Tu Lê ao Rio Negro, no Tonkin, em outubro de 1952.

Quando a guerra entra em conflito com a tradição

“Na guerra moderna, todos esses ritos eram ridículos; não bastava ser bem-nascido, elegante e limpo; primeiro de tudo você tinha que ganhar.”



A necessidade dos líderes entenderem a natureza da guerra

"Toda guerra é destinada a se tornar política, coronel, e um oficial sem treinamento político logo se mostrará ineficaz. Com frequência, a palavra "tradição" serve apenas para ocultar nossa preguiça."

A realidade da vida militar

“... A vida militar se encaixa com uma certa forma de preguiça. A existência de um oficial é dividida de maneira muito desigual entre momentos de dificuldade, fadiga e perigo e períodos mais longos de inatividade e lazer. Nesses momentos de esforço supremo, um oficial pode ser levado, apesar do medo, da fome e do cansaço, a realizar feitos extraordinários que o transformarão, mas apenas por um instante, em alguém maior, mais desinteressado e mais intrépido do que outros homens. Durante períodos de inatividade, ele se move com a lentidão de um urso sonolento em um mundo próprio, pequeno e fechado. Todo esforço é banido dele, ou é de qualquer maneira extremamente restrito por regulamentação, ritual e costume.”


Oficiais do 13º Regimento de Dragões Paraquedistas (13e RDP) acompanhando a Princesa Alix Bonaparte, madrinha do regimento, na Argélia.

O tipo de homens e mulheres que precisamos para a guerra moderna

“Para o nosso tipo de guerra, você precisa de homens perspicazes e astutos, capazes de lutar longe do rebanho, que também tenham muita iniciativa - uma espécie de civis que podem virar a mão para qualquer profissão, caçadores ilegais e missionários também, que pregam, mas mantenham uma mão na coronha de seus revólveres, caso alguém os interrompa... ou que venha discordar.”

Sobre liderança

“Os homens devem ter seus líderes muito próximos; não, eu não sei como explicar, mas deve haver uma comunhão branda de sofrimento, perigo, e morte. Cada vez que o menor de seus soldados for morto, o líder deve sentir que perdeu algo de si mesmo; deveria machucá-lo até ele sentir vontade de gritar. Eu não acredito em bucha de canhão humana; Eu sou mesmo contra, muito contra."



Sobre leitura profissional

"Não sei como foi em Verdun. Mas eu já li alguns livros, vários livros. Eu não digo o que li; esse é o meu segredo. Eu leio e aprendo às escondidas. Um homem não pode descobrir tudo sozinho. Então, um belo dia, os estrelados olham surpresos com o que lhes digo e acreditam que pensei em tudo sozinho. Ou foi em César, ou ainda em Clausewitz."

Liderança e lealdade

"Não concordo com os métodos de comando de Raspeguy. Eles te comprometem muito profundamente. Só porque mandei um soldado raso para a sua morte, não me sinto obrigado a convidá-lo para tomar café na sala de estar e ouvi-lo falando sobre sua mãe ou expondo suas opiniões sobre o mundo. Unidades como a comandada pelo seu Raspeguy provavelmente se transformarão em seitas que não mais lutarão por um país ou um ideal, mas apenas por si mesmas.”



Lutando nos limites do Império

“O que passou pela cabeça dos centuriões romanos que foram deixados para trás na África e que, com alguns veteranos, alguns auxiliares bárbaros sempre prontos para se tornarem traidores, tentaram manter os postos avançados do Império enquanto o povo de Roma se afundava no cristianismo, e os césares em devassidão.”


Centurião romano comandando seus legionários no assalto anfíbio da Bretanha. (Ilustração de Angus McBride)

Original: https://fromthegreennotebook.com/2020/01/17/the-centurions-10-passages-that-will-make-you-reflect-on-war-and-leadership/?fbclid=IwAR1Tz6w1_tHQAnA87B-OMdds7kL5vmWm8kzbhcp389I3aEiLZkDaoLlqukQ

Leitura recomendada:

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

O Estilo de Guerra Francês12 de janeiro de 2020.

COM FUZIL E BIBLIOGRAFIA: GENERAL MATTIS SOBRE A LEITURA PROFISSIONAL6 de outubro de 2018.

A Doutrina estaria afetando a liderança militar?12 de abril de 2020.

Escolhendo Líderes: Selecionando Liderança12 de abril de 2020.

Caráter x Competência: A Equação da Confiança25 de fevereiro de 2020.

Ser um líder rebelde: desobediência disciplinada no exército18 de fevereiro de 2020.

"A tortura se justifica quando pode evitar a morte de inocentes"27 de março de 2020.

O Legionário romano, este atleta desconhecido27 de março de 2020.

Até os romanos eram melhores em Contra-Insurgência do que nós12 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Bawouans em combate no Laos28 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário