Mostrando postagens com marcador Documentário. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Documentário. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 5 de maio de 2022

DOCUMENTÁRIO: A história do Exército Vermelho soviético


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de maio de 2022.

Documentário em duas partes sobre a história do Exército Vermelho soviético pelo canal alemão Deutsche Welle ("Onda Alemã"), de suas origens brutais na Guerra Civil Russa ao caldeirão da Grande Guerra Patriótica. Criado em 1918, com o nome de Exército Vermelho dos Operários e Camponeses (RKKA), o Exército Vermelho soviético lutaria contra os brancos contra-revolucionários e esmagaria as revoltas camponesas de forma brutal - especialmente a de Tambov. O momento de catarse deste exército do socialismo internacionalista foi a invasão alemã, com o enfrentamento titânico das forças da Wehrmacht e do Exército Vermelho Soviético.

Inicialmente despreparado, milhares de soldados soviéticos foram mortos e capturados, com muitos se unindo aos alemães por apostarem em uma vitória dos nazistas. Com forte apoio ocidental e uma incrível quantidade de sangue soviético, o Exército Vermelho sairia por cima da disputa.

A segunda parte lida com o retorno dos veteranos que, deixando de serem heróis, passaram a ser tratados com suspeita; rebaixados a cidadãos de segunda-classe. Foi apenas com Khrushchov, 11 anos depois, que os veteranos e o exército foram reabilitados. A profissionalização do Exército Soviético para travar a Guerra Fria o afastou do velho exército dos operários e camponeses, tornando-o mais sofisticado e engajado na nova disputa nuclear com os Estados Unidos. Outro campo de batalha foi a exploração especial. O lançamento da cachorra Laika em órbita levou os EUA a criarem a NASA. A disputa levou à conquista do espaço por Yuri Gagarin, um dos momentos de apoteose do Exército Vermelho e da ideologia socialista. No entanto, a sua principal função continuou como sendo de repressão, como gendarmaria do Pacto de Varsóvia. As intervenções na Polônia, Hungria e Tchecoslováquia sendo os maiores exemplos.

Em meio a isso, a miséria da vida no Exército Vermelho, com os soldados sendo abusados e até mesmo estuprados, atingiu o ponto de ebulição na tragédia da guerra no Afeganistão, marcando o ponto mais baixo da experiência do exército do internacionalismo socialista. Uma tentativa de repressão contra os próprios russos em Moscou levou à perda de poder do partido comunista diante da resistência liderada por Boris Yeltsin. O Exército Soviético deixou de existir com o colapso e dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em 1991.



Descrição da Primeira Parte:

Em 1918, Leon Trotsky fundou o Exército Vermelho. Em pouco tempo, o exército seria usado não apenas contra o mundo exterior, mas também contra o povo soviético. Preocupado com o grande poder do exército, Stalin iniciou expurgos em 1937 e 1938.

Em 1918, a Rússia soviética estava travando uma guerra total – contra inimigos estrangeiros e seu próprio povo. Logo, o Exército Vermelho, fundado por Trotsky, teve que abandonar seus nobres ideais de igualdade e democracia. Quando o racionamento de alimentos foi ordenado durante a guerra civil, a população rural se revoltou contra o incipiente Estado comunista. Para acabar com a revolta camponesa em Tambov, o ex-oficial czarista Mikhail Tukhachevsky usou gás venenoso contra os aldeões por ordem de Lenin em 1920.

General Mikhail Tukhachevsky com a Budyunovka,
"O Napoleão Vermelho".

 Selo soviética com Mikhail Tukhachevsky, 1963.

O Exército Vermelho emergiu mais forte e confiante como resultado de sua vitória na guerra civil contra os "brancos" e a Rússia czarista. No entanto, Stalin, que chegou ao poder após a morte de Lenin em 1924, temia a crescente influência do exército, bem como a popularidade do comandante marechal Mikhail Nikolayevich Tukhachevsky. Ele o executou em 12 de junho de 1937 e ordenou expurgos. Aqueles anos, 1937 e 1938, ficaram na história como a época do "Grande Terror".

Quando a Wehrmacht alemã invadiu a Rússia, o Exército Vermelho era apenas uma sombra de seu antigo eu. Além de Tukhachevsky, outros três marechais, 13 generais e cerca de 5.000 oficiais foram executados como parte dos expurgos de Stalin. Quase metade da liderança do Exército Vermelho estava morta, assassinada por seu próprio líder.

Prisioneiros soviéticos capturados pelos alemães, 1941.

Para combater o ataque alemão, Stalin ordenou a mobilização geral. Em novembro de 1941, os alemães estavam às portas de Moscou. O General Zhukov conseguiu forçá-los a recuar no último momento. O Exército Vermelho recebeu ajuda do movimento partisan [guerrilheiro], que cresceu como resultado do genocídio dos judeus [pelos nazistas], e conseguiu enfraquecer o moral de combate alemão por meio de ataques direcionados.

Infantaria soviética em combate perto de Tula, durante a Batalha de Moscou, em novembro de 1941.

Soldados alemães marchando em direção a Moscou, 1941.

Em Stalingrado, Zhukov foi capaz de desgastar o inimigo. Graças à coalizão anti-Hitler que a URSS formou com os EUA e a Grã-Bretanha, o Exército Vermelho conseguiu lançar uma contra-ofensiva. Em sua marcha triunfal para Berlim, o Exército Vermelho descobriu os campos de concentração e extermínio, os quais acenderam o desejo de vingança dos soldados. [Durante a marcha sobre a Alemanha] seguiram-se saques e estupros generalizados. Os principais homens de Stalin, os generais Zhukov e Konev, capturaram a capital alemã. A Alemanha nazista se rendeu em 8 de maio de 1945, e o documento de rendição foi assinado em Karlshorst na noite de 9 de maio de 1945.

Pintura do hasteamento da bandeira soviética sobre o Reichstag.

Hasteamento da bandeira sobre o Reichstag, por Yevgeny Khaldei, 2 de maio de 1945.

Descrição da Segunda Parte:

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, a glória do Exército Vermelho diminuiu. Então, com o desenrolar da Guerra Fria, Khrushchev poliu a reputação do exército mais uma vez. Mas, a partir de então, o exército passou a ter uma função puramente repressiva.

Após a Segunda Guerra Mundial, as atividades do Exército Vermelho foram direcionadas principalmente contra levantes populares na esfera de influência da URSS. Estes foram brutalmente reprimidos. Hoje, o Exército Vermelho é principalmente um símbolo de aspirações nacionalistas nostálgicas.

Manifestantes tchecos em cima de tanques soviéticos, 21 de agosto de 1968.

Tanques soviéticos em Praga, 1968.

Após a vitória sobre o fascismo no verão de 1945, nove milhões de soldados soviéticos voltaram para casa. Mas os prisioneiros de guerra que sobreviveram aos campos alemães eram frequentemente acusados de traição quando finalmente chegavam à sua pátria e enviados para gulags. Outros foram forçados a mendigar, pois suas pensões de guerra foram cortadas, ou se viram banidos das grandes cidades. Stalin decidiu pôr fim aos dias gloriosos do Exército Vermelho, após a vitória contra a Alemanha de Hitler. Quando a Guerra Fria começou, a única função do Exército Vermelho era manter a ordem e a segurança públicas.

Mas após a morte de Stalin em 1953, as cartas foram re-embaralhadas. O novo homem forte Nikita Khrushchov havia se livrado de seu rival, o chefe do Ministério do Interior Lavrenti Beria, com a ajuda do Exército Vermelho. Depois de tomar o poder, Khrushchov iniciou um programa de desestalinização. Ele nomeou o marechal Georgi Zhukov, que havia caído em desgraça com Stalin, como ministro da Defesa. Khrushchov então reorganizou e modernizou o Exército Vermelho. Ele restaurou seu prestígio e reintroduziu uma pensão para o serviço de guerra.

Cosmonauta Yuri Alekseyevich Gagarin,
o primeiro homem no espaço em 12 de abril de 1961.
Oficial da força aérea do Exército Vermelho.

Soldados do Exército Vermelho em combate no Afeganistão.
A coluna blindada foi emboscada por guerrilheiros mujahideen.

Com o apoio dos tanques soviéticos, o Exército Vermelho foi fundamental para esmagar sangrentamente as revoltas na Polônia e Budapeste em 1956 e em Praga em 1968. E eles desempenharam um papel nas batalhas da Guerra Fria em curso com o Ocidente.

Na década de 1970, as condições de vida dos soldados do Exército Vermelho se deterioraram drasticamente. Muitos recrutas tentaram evitar o serviço militar. Mas muitas vezes não havia como escapar da missão de pesadelo no Afeganistão. O Exército Vermelho estava cada vez mais enfraquecido e desmoralizado à medida que crescia a antipatia pelo sistema soviético. Em 1989, dez anos após o início do conflito no Afeganistão, o presidente Mikhail Gorbachov ordenou que o Exército Vermelho se retirasse daquele país e trouxesse seus soldados para casa. Essa derrota desempenhou um papel na desintegração da URSS, que ocorreu após a renúncia de Gorbachov em 25 de dezembro de 1991.

Bibliografia recomendada:

The Soviet Union at War: 1941-1945.
David R. Stone.

Meninos de Zinco.
Svetlana Aleksiévitch.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 28 de abril de 2021

DOCUMENTÁRIO: Geopolítica do Sudeste Asiático


Análise geopolítica do grupo Caspian Report


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de abril de 2021.

O território do sudeste asiático é composto principalmente pela região continental da ex-Indochina, contendo o Vietnã, Laos, Camboja, o reino da Tailândia e a Birmânia. Estes países formaram corações densos em áreas irrigadas por rios e deltas, formando cidades em terreno agrário fértil, o que permitiu o florescimento de civilizações populosas.

Porém, o terreno torna a região distinta do resto do continente asiático, com uma topografia e vegetação inóspitas para a habitação humana. A paisagem impenetrável não permite que cartógrafos delineiem fronteiras na selva, o que traz problemas para o controle de fronteiras, com a contestação de fronteiras entre países sendo uma causa de tensões.

Curso fluvial passando pelo Laos, Tailândia e Camboja.

A natureza acidentada do terreno acaba formando bolsões de coletividades humanas espalhados pelas fronteiras dos território, e separados dos corações populacionais, formando vários grupos étnicos e sociais que não necessariamente respondem às autoridades dos grandes centros. Esses bolsões não-governados criam forças separatistas e espaços de atividades ilegais. Essas áreas sem governo, com multiculturalismo, formam uma barreira geopolítica à unidade nacional e abrem a porta dos fundos à intervenção estrangeira, criando uma tradição de exploração por potências externas - atualmente, Pequim.

O rios do subcontinente afluem da China, e Pequim usa o controle ou bloqueio (como represamento) do Mekong para forçar a mão desses países, que dependem da irrigação. Essa forma de diplomacia acaba sempre colocando a China em uma posição de força diante dos demais.

Rios afluindo da China no subcontinente.

Esses problemas geográficos atrapalham o desenvolvimento da área continental, impedindo a integração física dos territórios. Todos esses países precisam destinar um mínimo de 5% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) para projetos de infraestrutura, com o objetivo de atingir a integração territorial. A Tailândia, sendo abençoada com terras baixas perto da costa na bacio do rio Chao Phraya, pôde formar um "heartland" próspero e etnicamente homogêneo que formou um poderoso reino unificado na região. Sua capital, Bangcoc, é uma das capitais mais centralizadas da região. O terreno com montanhas e rios também ajudou a impedir invasões da Birmânia e do Vietnã. A Tailândia também jamais foi colonizada, um ponto de enorme orgulho para o povo tailandês até hoje.

PIB per capita dos países do subcontinente.

A Indonésia, um país formado por múltiplas ilhas (mais de 17.000 ilhas), é a encarnação dos potenciais e deficiências do sudestes asiático. O país está no nexus do comércio global, com a 4ª maior população do mundo e uma abundância de recursos naturais (além de uma grande capacidade de produção). Jacarta, no entanto, é enorme e tem um problema geográfico de integração basicamente insolúvel: a distância total dos territórios indonésios é igual àquela entre Paris, na França, até Cabul, no Afeganistão.

O arquipélago malaio.

O tipo de terreno e distâncias marítimas força os países da região a possuírem marinhas fortes, o que nenhum deles é capaz de manter. Os investimentos de infraestrutura disputam recursos com os investimentos militares; e a falta de integração territorial força os investimentos militares a se dividirem entre as marinhas e os exércitos, pois grandes forças terrestres são necessárias para subjugar as minorias sob controle do Estado governante. Essas fraquezas mantém os países da região em eterna situação de intervenção e vassalagem estrangeiras; sendo a China o novo entrante.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: