sexta-feira, 1 de maio de 2020

A Guerra Sino-Vietnamita de 1979 foi o crisol que forjou as novas forças armadas da China

Soldados vietnamitas sobre um Tipo 59 do 8º Exército Chinês, 1979.

Por Charlie Gao, National Interest, 5 de janeiro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de maio de 2020.

Uma grande perda leva a reformas necessárias.

Ponto-chave: nas palavras de um general chinês, o conflito na fronteira "permitiu que ele realizasse seu sonho de travar uma guerra moderna por métodos modernos".

Quando a guerra sino-vietnamita terminou em 16 de março de 1979, dificilmente seria uma resolução definitiva do conflito. Ambos os lados reivindicaram a vitória, e o Vietnã continuou a pressionar os aliados da China no Camboja e na Tailândia. Como resultado, o PLA (Exército de Libertação Popular chinês) continuou a pressionar o Vietnã ao lançar ataques através da fronteira vietnamita ao longo dos anos 80. Embora as baixas tenham sido pequenas em relação às dezenas de milhares de pessoas que morreram durante a guerra de 1979, as operações em escala regimental e divisional na fronteira infligiram baixas significativas nos dois lados.


As operações chinesas contra o Vietnã na década de 1980 são frequentemente divididas em quatro fases. Na primeira, chineses e vietnamitas entrincheiraram mais suas posições ao longo da fronteira. Isso durou até 1981. A segunda e terceira fases consistiram na escalada de operações ofensivas na fronteira entre 1981 e 1987, aumentando gradualmente a intensidade. A última fase envolveu a retirada do PLA da região de fronteira. Os objetivos políticos das incursões chinesas eram "punir" o Vietnã por sua contínua beligerância em relação à Tailândia e ao Camboja. Desde que as tropas vietnamitas estavam entrando no Camboja, as tropas chinesas continuariam fazendo o mesmo. Militarmente, a China viu o conflito na fronteira como uma maneira de evoluir o PLA de uma força de combate antiquada para uma moderna, testando novas doutrinas e equipamentos na fronteira.

Miliciana vietnamita guardando prisioneiros chineses, 1979.

O desempenho do PLA na guerra de 1979 foi tão ruim que até os comandantes vietnamitas ficaram surpresos, segundo algumas fontes. Isso foi resultado da sua dependência das táticas de ataque de infantaria no estilo da Guerra da Coréia, devido à inflexibilidade operacional e estagnação do pensamento militar no PLA. A disposição da estrutura de comando e a infraestrutura que a apoiava não podia suportar a guerra de manobras por unidades menores de forças de melhor qualidade.

Após a guerra de 1979, muitas reformas e reorganizações ocorreram dentro do PLA. A liderança antiga foi removida e um novo conjunto de novos oficiais foi trazido. Finalmente, em 1984, a situação se apresentou para um teste dessas reformas. No final de 1983, Deng Xiaoping se encontrou com o príncipe Norodom Sihanouk, do Camboja. O príncipe queria ajuda, pois os soldados vietnamitas estavam obtendo ganhos significativos dentro do Camboja. Como resultado, Deng decidiu mobilizar o PLA para uma operação ofensiva significativa em 1984. Os objetivos da ofensiva eram capturar as áreas de Laoshan e Zheyinshan. Após barragens preparatórias durante a maior parte de abril de 1984, a ofensiva terrestre foi finalmente lançada em 28 de abril. Cinco regimentos de infantaria atacaram posições no topo de colinas ao redor de Laoshan, tomando-as uma a uma. Esta não foi uma história de sucesso total, pois esses regimentos sofreram pesadas baixas e usaram táticas inflexíveis semelhantes àquelas de 1979. Os dois regimentos designados para atacar Zheyinshan se saíram melhor. O comando flexível permitiu que os ataques fossem adiados até o momento oportuno, e o ataque foi um grande sucesso, com todas as posições vietnamitas sendo capturadas. O comandante da divisão encarregado desses regimentos foi logo promovido para comandar o Décimo Primeiro Exército, e o ataque foi citado como um exemplo didático do que o PLA poderia agora realizar.


Os vietnamitas lançaram contra-ataques na campanha MD-84, na tentativa de recuperar as posições que perderam na ofensiva de Laoshan. Contra-ataques ocorreram contra as posições chinesas em Laoshan ao longo de junho e julho. Os relatórios pós-ação dessas ofensivas sugerem que a modernização militar chinesa provou ser uma possível razão para o sucesso. Veteranos vietnamitas se lembraram de serem bombardeados pela artilharia chinesa mesmo durante a noite, devido à utilização de novos dispositivos de visão noturna chineses na linha de frente. Além disso, a logística chinesa alcançou novos níveis de eficiência. Um comandante de artilharia chinês observou que, ao repelir os contra-ataques, ele poderia executar tantas missões de tiro quanto desejasse, sem se preocupar com o suprimento de munição pela primeira vez em sua carreira.

As operações no setor de Laoshan também foram o catalisador do desenvolvimento de uma maior capacidade de ação direta entre as unidades de reconhecimento do PLA. Depois que uma unidade comando Dac Cong vietnamita destruiu um radar da contra-bateria do PLA em 1984, Deng Xiaoping pediu ao Estado-Maior do PLA que criasse capacidades semelhantes. Todas as regiões militares chinesas receberam ordens de organizar brigadas de reconhecimento, que depois foram rotacionadas em todo o setor de Laoshan. Quinze brigadas de reconhecimento foram criadas, das quais três a cinco foram desdobradas no setor a qualquer momento. Essas brigadas foram muito ativas na invasão de áreas da retaguarda, e a experiência adquirida por elas foi mais tarde usada pelo PLA para ajudar a criar suas próprias forças de operações especiais.

Demonstração de comandos Dac Cong (sapadores de assalto) vietnamitas camuflados com lama negra. (Ngoc Thanh)

No geral, embora as guerras fronteiriças sino-vietnamitas possam parecer insignificantes, elas provaram ser um campo de teste eficaz para as reformas do PLA. Testes de fogo no setor de Laoshan permitiram ao PLA criar um novo quadro de liderança com visão de futuro. Novas tecnologias e estruturas organizacionais também foram testadas e reformadas, e foi adquirida experiência de combate que levou à criação das SOF chinesas. Nas palavras de um general chinês, o conflito fronteiriço "permitiu que ele realizasse seu sonho de travar uma guerra moderna por métodos modernos". O conflito fronteiriço sino-vietnamita de 1979 a 1990 pode ser visto como o crisol no qual nasceu o moderno PLA, reformado do pesado e desajeitado exército que atacou o Vietnã em 1979.

Charlie Gao estudou ciência política e da computação no Grinnell College e é um comentarista frequente em questões de defesa e segurança nacional.

Bibliografia consultada:

Chinese Military Strategy in the Third Indochina War: The Last Maoist War (Asian Security Studies), Edward C. O'Dowd, 2007.

Deng Xiaoping's Long War: The Military Conflict between China and Vietnam, 1979-1991 (The New Cold War History), Xiaoming Zhang, 2015.

Bibliografia recomendada:





Leitura recomendada:

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China, 7 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate 26 de janeiro de 2020.

Face à China, o Vietnã busca cooperação, 7 de janeiro de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia20 de abril de 2020.

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes), 4 de março de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário