Mostrando postagens com marcador Escandinavos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escandinavos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria

Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria em 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Mercenários noruegueses do Grupo Wagner na Síria, a famosa Companhia Militar Privada (Private Military Company, PMC) russa controlada pelo GRU - a inteligência militar russa. Os voluntários noruegueses têm armas russas, como o AK-74M, e o sniper, sentado no canto direito, tem um fuzil M1891/30 Mosin-Nagant com a luneta PU de ampliação de 3,5x; um fuzil veterano do final do século XIX, que lutou em conflitos tão diversos quanto a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), as guerras mundiais, a Guerra Civil Espanhola (1936-39) e as guerras na Indochina (1945-89).

O Grupo Wagner chegou à Síria no final de outubro de 2015 e participou de operações em Palmira, al-Shaer, Deir ez-Zor, Latakia e Damasco. Suas missões incluíam funções técnicas de aconselhamento e controle de apoio aéreo aproximado, além de atuarem como tropas de assalto à frente do Exército Árabe Sírio de Assad.

Mercenários com o fuzil de assalto russo AK-74M com o lança-granadas GP-25 ou GP-30M.

O mercenário tem um fuzil AK-74M com lança-granadas, e a viatura tem uma metralhadora Degtyaryov RP-46.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.
Leitura recomendada:







quinta-feira, 8 de outubro de 2020

AKS: A Força de Ação Especial da Polícia Dinamarquesa

O AKS durante o exercício conjunto do PET em um local não divulgado na Dinamarca.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de outubro de 2020.

A Força de Ação Policial (Politiets Aktionsstyrke, AKS) uma unidade especial da polícia cujo papel principal é ser uma equipe de intervenção nacional treinada em uma ampla gama de operações, principalmente para ações contra-terroristas. Estão sob a supervisão direta do Ministro da Justiça dinamarquês, enquanto as suas atividades estão - desde 2005 - sob a jurisdição do Serviço de Informações e Segurança Dinamarquês (Politiets EfterretningstjenestePET). 

Suas funções abrangem situações criminais extremamente difíceis ou com risco de vida, como terrorismo, situações de reféns e sequestro. Os "AKSers" também são encarregados de situações de resgate de emergência que seriam muito perigosas para outras unidades de aplicação da lei.

Enquanto nos Estados Unidos, a maioria das unidades táticas da polícia é conhecida pelo termo genérico de equipe SWAT (Special Weapons And TacticsArmas e Táticas Especiais), a União Europeia usa o termo "Unidade de Intervenção Especial" para definir unidades táticas da polícia contra-terrorista.

AKSers durante o exercício conjunto do PET em um local não divulgado na Dinamarca.

As funções operacionais da unidade são segredos bem guardados, o pouco que foi publicado afirma que a unidade foi criada logo após o incidente das Olimpíadas de Munique, em 1972, e os subsequentes sequestros em Beirute e Malmö. No momento da sua criação, a unidade contava com cerca de 50 a 70 operadores mas, em 1998, a unidade foi reorganizada para incluir uma força permanente de cerca de 100 policiais; anteriormente, ela "tomava emprestado" policiais de unidades regulares conforme a necessidade.

A unidade adotou o modelo ocidental de organização semelhante ao GSG-9 alemão. Novos candidatos são escolhidos entre voluntários policiais e militares durante um curso intensivo de seleção. A AKS usa as mesmas armas da polícia dinamarquesa, mas seu armamento também inclui adições para a sua especificidade como a submetralhadora MP5, a pistola USP Compact, os fuzis C8 (M16 canadense), G36C (versão mais compacta) e SIG MCX, e o fuzil de precisão Sako TRG. Durante as operações, em vez dos rádios comuns da polícia e frequências associadas, o seu próprio sistema de rádio criptografado é usado.

Manifestantes anarquistas-esquerdistas armados de bastões, e com capacetes e máscaras, na manifestação de 26 de dezembro de 2006.

Uma das suas ações conhecidas foi durante o clímax da crise de manifestações pela propriedade da Casa da Juventude (Ungdomshuset). A AKS liderou a operação de limpeza e despejo dos grupos anarquistas e esquerdistas do edifício em 1º de março de 2007.

Por volta das 7:00h da manhã, uma área de 50 metros ao redor do prédio foi isolada. O prédio foi tomado com a ajuda de um helicóptero militar, um caminhão de emergência aeroportuário e dois guindastes, usadas como torres de cerco modernas. As forças especiais entraram no edifício pelo telhado, pelas janelas e pelo solo, enquanto a casa foi coberta com espuma para diminuir a eficácia de possíveis contra-ataques, como coquetéis molotov.

Tropa de choque dinamarquesa imobilizando um manifestante.

Um policial da AKS foi gravemente ferido em 7 de janeiro de 2013, durante uma operação de prisão contra três contrabandistas de drogas. Um dos contrabandistas foi morto com um tiro na cabeça e outro foi ferido; um terceiro foi preso. Foi a primeira vez que um operador "AKSer" foi ferido durante uma operação. A PET se recusa a relatar quantas vezes operadores da AKS dispararam suas armas durante operações.

Hoje, o AKS é orientado para vários tipos de treinamento, que geralmente incluem treinamentos cruzados com as unidades de elite Jægerkorpset e Frømandskorpset do Exército e da Marinha dinamarqueses respectivamente, com as unidades militares atuando sob autoridade policial. A unidade é dividida em alguns grupos de tarefas especiais, que incluem inclui atiradores de precisão (Finskytte/ Sniper) e socorristas (Paramediciner). Essas equipes operam com duas pessoas em uma motocicleta (Dobbelt MCer). Para o socorrista, isso pode, por exemplo, levar um médico rapidamente ao local da lesão. Os mergulhadores (Dykkere) colaboram com o Frømandskorpset quando, por exemplo, os canais e portos de Copenhague devem ser protegidos. O pioneiro (Pioner) tem a função de fornecer acesso ao resto da equipe, seja de forma silenciosa ou rápida e explosiva.

Seu portfólio inclui operações contra-snipers, operações de entrada forçada, apreensão de suspeitos armados e/ou barricados, força de proteção durante desdobramentos, situações de reféns e proteção VIP; provendo assistência em conexão com a proteção de, por exemplo, chefes de Estado estrangeiros que visitam a Dinamarca. A AKS também contribui em esforços contra organizações transfronteiriças, crimes graves ou observação em locais de difícil acesso.

Operadores AKSers à procura de um suspeito na capital Copenhagem.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

FOTO: 48º aniversário do GSG-926 de setembro de 2020.

GALERIA: Pinturas em aquarela sobre o GIGN do artista Alexis Le Borgne25 de abril de 2020.

Terrorismo: Ataque ao prédio antigo do Charlie Hebdo, 28 de setembro de 2020.

FOTO: Operador CQB da Heckler & Koch USA29 de janeiro de 2020.

FOTO: Contra-terrorismo clássico3 de setembro de 2020.

FOTO: Diensteinheit IX, unidade especial da Alemanha Oriental5 de março de 2020.

GALERIA: Retirada da Islândia do Afeganistão9 de maio de 2020.

FOTO: Cão especial de volta ao serviço3 de setembro de 2020.

FOTO: Operações conjuntas do GIGN, BOPE e CORE30 de janeiro de 2020.

FOTO: Sniper belga da SIE/ESI, anos 9030 de janeiro de 2020.

FOTO: Sniper na chuva16 de setembro de 2020.