Mostrando postagens com marcador Neve. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Neve. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

FOTO: A felicidade é um Barrett

Comandante do Exército Norueguês com um fuzil sniper Barret MRAD durante uma visita, 17 de fevereiro de 2022.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de fevereiro de 2022.

O comandante do Exército Norueguês foi fotografado sorrindo enquanto carrega um fuzil sniper Barrett MRAD durante um encontro com comandantes de exércitos nórdicos na Noruega, no dia de hoje, 17 de fevereiro.

Você nunca será tão feliz quanto este homem!

O general à direita, com o camuflado diferente, é um tenente-general finlandês. O países nórdicos andam realizando programas de amizade diante da recente atividade russa na região.

O Barrett MRAD (Multi-role Adaptive Design / Projeto Adaptável Multi-funcional) é um fuzil sniper ferrolhado projetado pela Barrett para atender aos requisitos do SOCOM PSR. O MRAD é baseado no Barrett 98B e inclui várias modificações e melhorias. O Barrett MRAD foi nomeado o Fuzil do Ano de 2012 pela National Rifle Association of America (NRA).

O Barrett MRAD é multi-calibre, podendo ser calibrados nos seguintes modelos:

  • 6.5 Creedmoor
  • .260 Remington
  • .308 Winchester
  • 7mm Remington Magnum
  • .300 Winchester Magnum
  • .300 PRC
  • .300 Norma Magnum
  • .338 Norma Magnum
  • .338 Lapua Magnum
  • 7.62×51mm NATO

As Forças Armadas da Noruega encomendaram o Barrett MRAD em 2013. Ele está em uso com as Forças de Operações Especiais da Noruega (NORSOF) desde 2015, bem como os Kystjegerkommandoen da Marinha e várias unidades do Exército Norueguês. Atiradores de elite do grupo Beredskapstroppen Delta da polícia norueguesa também utilizam o Barrett MRAD.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

“Gravemente inferior à Rússia na região”: como os Estados Unidos pretendem defender seus interesses no Ártico


Por Irina Taran e Elizaveta Komarova, RT Russia7 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de dezembro de 2021.

Os EUA estão "observando de perto" a Rússia no Ártico. O anúncio foi feito pelo porta-voz do Pentágono, John Kirby. Ele observou que o Ártico é "um território-chave, extremamente importante para a defesa" dos Estados Unidos, e chamou a região de "vulnerável à crescente competição". Segundo especialistas, Washington percebe que eles são inferiores à Rússia no Ártico. Ao mesmo tempo, os esforços de Moscou visam exclusivamente a garantir a segurança de suas próprias rotas.

As atividades militares russas e o aumento da infraestrutura no Ártico não passam despercebidos. O anúncio foi feito pelo porta-voz do Pentágono, John Kirby, durante uma reunião. Segundo ele, os militares americanos conhecem bem a atuação da Federação Russa na região.

“Sem entrar em conclusões específicas da análise de inteligência, observarei que, é claro, estamos acompanhando isso muito de perto”, disse ele.

Soldados americanos no Ártico.

Como Kirby destacou, o Ártico é "um território fundamental, extremamente importante para a defesa" dos Estados Unidos. Ele também chamou a região de um "corredor estratégico em potencial" entre a região do Indo-Pacífico, a Europa e os Estados Unidos, que, segundo o porta-voz, "é vulnerável à crescente competição".

O Pentágono também disse que, com o derretimento do gelo ártico, novas oportunidades de trânsito pelo Ártico estão se abrindo, bem como "as barreiras naturais das quais a Rússia dependia para proteger seus interesses na região estão sendo removidas".

"Agora ela [a Rússia] busca fortalecer sua segurança restaurando campos de aviação da era soviética, expandindo a rede de sistemas de mísseis para defesa aérea e costeira, bem como desenvolvendo capacidades para restringir e negar acesso e manobra", afirmou o site do Departamento de Defesa americano.

Soldados russos no Ártico.

A mesma postagem também contém um trecho da Estratégia Ártica do Pentágono, publicada em 2019.

“Para atingir seus objetivos nessas regiões, concorrentes estratégicos podem realizar ações maliciosas ou coercitivas no Ártico. O Departamento de Defesa deve estar pronto para proteger os interesses da segurança nacional dos EUA, tomando as medidas apropriadas no Ártico como parte da manutenção de um equilíbrio de poder favorável na região do Indo-Pacífico e na Europa ", disse a agência no documento.

Na véspera, o chefe do Estado-Maior da Marinha dos Estados Unidos, Michael Gildey, disse que só no ano passado os Estados Unidos realizaram mais de 20 exercícios e operações diferentes no Ártico.

“Nossa presença no Ártico não é mais rara; está se tornando parte integrante de nossas atividades, especialmente, eu diria, na área de responsabilidade do Comando Europeu das Forças Armadas dos Estados Unidos”, disse ele em um evento organizado pelo Grupo de Escritores de Defesa. Suas palavras são citadas no site do Instituto Naval dos Estados Unidos (United States Naval Institute, USNI).

Atividade ártica

Paraquedistas durante o exercício Artic Edge 2020.

Lembrando que em fevereiro e março de 2020, manobras conjuntas Arctic Edge - 2020 dos Estados Unidos e Canadá ocorreram no Ártico. Naquela época, cerca de 1.000 militares de todos os tipos de forças dos Estados Unidos e membros do Comando de Operações Conjuntas do Canadá participaram do treinamento. Eles foram confrontados com a tarefa de determinar "a capacidade das forças armadas para conduzir ações táticas em condições de clima extremamente frio".

Além disso, no ano passado, em 2 de março, exercícios em larga escala Cold Response da OTAN começaram no norte da Noruega, nos quais cerca de 15 mil soldados de dez países, incluindo os Estados Unidos, estiveram envolvidos. Estava planejado que as manobras levassem mais de duas semanas, mas foram concluídas antes do previsto devido à pandemia da COVID-19.

Conforme especificado, os exercícios visavam "praticar operações de combate de alta intensidade em condições rigorosas de inverno".

“Outro aspecto importante do exercício é praticar ações para usar o potencial significativo das forças e recursos anfíbios. Isso inclui o desenvolvimento prático da interação entre as forças que operam na costa e as forças que fornecem apoio nas áreas costeiras”, - observou em um comunicado no site das Forças Armadas da Noruega.

Já em março deste ano, os Estados Unidos e o Canadá realizaram um exercício conjunto de defesa antimísseis na região ártica, "Amalgam Dart". O anúncio foi feito pelo Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (North American Aerospace Defense CommandNORAD). O objetivo das manobras era aumentar a prontidão para o combate e demonstrar "a capacidade de defender as abordagens do norte do território" dos Estados Unidos e Canadá.

T-80 russo em exercício de desembarque anfíbio no Ártico, 2018.

Pouco antes do início dessas sessões de treinamento, o NORAD e o Comando Norte dos EUA (United States Northern CommandUSNORTHCOM) publicaram uma estratégia conjunta. O documento relata a preocupação dos militares americanos e canadenses com a intensificação das atividades da Federação Russa na região ártica.

“O lançamento de mísseis de cruzeiro avançados de longo alcance pela Rússia, capazes, após serem lançados de seu território, de superar as abordagens do norte e tentar atingir alvos nos Estados Unidos e Canadá, tornou-se a principal ameaça militar no Ártico”, afirmou o documento.

Enquanto isso, em 16 de março, em uma audiência no Comitê de Forças Armadas do Senado dos Estados Unidos, o general americano Glen Van Hirk falou a favor da ideia de formar uma base naval na cidade americana de Nome (no Alasca). A necessidade de tal passo na Câmara Alta do Congresso foi explicada pela crescente presença naval do lado russo na região e pelo atraso técnico-militar dos Estados Unidos.

"Recupere o tempo perdido"

Submarino nuclear americano, USS Alexandria (SSN-757), quebrando gelo no Ártico.

Conforme observado por Konstantin Blokhin, pesquisador líder do Centro de Estudos de Segurança da Academia Russa de Ciências, as ações e declarações recentes do lado americano indicam que os Estados Unidos estão pensando cada vez mais em seus interesses na região Ártica.

“O Ártico é importante para Washington, antes de mais nada, do ponto de vista de manter sua liderança mundial. No entanto, os Estados Unidos já perceberam que são seriamente inferiores à Rússia nesta região, que é uma das principais forças lá", disse o especialista em conversa com a RT.


Conforme explicado por Blokhin, ao mesmo tempo os Estados Unidos, em vez de se concentrarem no desenvolvimento da região ártica, "concentraram-se na realização de intervenções militares no Oriente Médio".

“Agora eles precisam de um aumento colossal de suas forças militares no Ártico, incluindo a naval. No entanto, os Estados Unidos levarão muitos anos para alcançar resultados como a Federação Russa. Para acompanhar e fundamentar suas afirmações de presença, os Estados Unidos estão criando novas estratégias e conceitos. Mas isso não os ajudará a aumentar rapidamente a capacidade de produção e criar alternativas aos quebra-gelos russos”, disse o especialista.

Ao mesmo tempo, a liderança americana sempre reage de forma violenta e negativa aos esforços da Rússia para fortalecer o sistema de segurança em seus territórios árticos, observou Blokhin.

“Seria estranho se Moscou não fizesse isso em face do confronto intensificado com o Ocidente. Hoje, o Ártico está se tornando um verdadeiro tesouro de recursos naturais, incluindo gás e hidrocarbonetos, que estão se tornando cada vez menos numerosos no planeta. A competição entre as grandes potências está cada vez mais acirrada. Os Estados Unidos estão extremamente alarmados de que, devido ao derretimento do gelo, a Federação Russa terá acesso a toda essa riqueza, mas eles não. Além disso, os Estados Unidos têm vistas sobre a Rota do Mar do Norte, que no futuro pode ser usada de forma muito mais eficiente do que o Canal de Suez”, disse o analista.

Soldado russo e sistema anti-aéreo Pantsir-S1.

Como Lev Voronkov, professor do Departamento de Processos de Integração do MGIMO, especialista em problemas geopolíticos do Ártico moderno, explicou em um comentário à RT, a Federação Russa está "restaurando sua infraestrutura de segurança" na região do Ártico.

“Ao mesmo tempo, os esforços do lado russo nesta área não se dirigem contra nenhum outro estado, seja os Estados Unidos ou o Canadá. A Rússia está preocupada em garantir seus próprios interesses e a segurança de suas rotas no Ártico”, disse o especialista.

Ao mesmo tempo, Voronkov destacou que, apesar dos ataques agressivos à Federação Russa e das acusações dos Estados Unidos, a cooperação ártica entre os próprios países ainda está sendo construída em grande parte com base no consenso, interesses comuns e uma vontade comum para protegê-los.

“E o que às vezes é reproduzido por representantes dos militares americanos ou de outros departamentos, os custos da cozinha política interna dos Estados Unidos. Especialistas na área, incluindo os representantes dos Estados Unidos responsáveis ​​pela política do Ártico, avaliam com bastante calma e equilíbrio os esforços que a Rússia está fazendo para garantir a segurança da Rota do Mar do Norte e da região como um todo”, concluiu o especialista.

Leitura recomendada:



FOTO: Fuzileiro naval no Ártico, 20 de agosto de 2021.

GALERIA: Exercício de cães e renas no Ártico

Soldados da unidade de reconhecimento de uma das brigadas de infantaria mecanizada do Ártico utilizando cães e trenós na área de Murmansky, 1º de fevereiro de 2016.
(Lev Fedosseyev)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Batedores da unidade de reconhecimento da 80ª Brigada de Infantaria Mecanizada do Ártico, em Alakurtti no Oblast de Murmansk e pertencente à Frota do Norte (FN), conduzem exercícios militares e demonstram a forma correta de andar de trenó puxado por cães - da raça Husky, de olhos azuis e pêlo acinzentado - e com renas, conforme os povos nativos da região. Os batedores de reconhecimento (Razvedchiki / Razvedika) são uma parte importante do sistema militar russo, tendo o mesmo padrão de treinamento das Spetsnaz. Os militares foram fotografados por Lev Fedosseyev em 1º de fevereiro de 2016.

“Os cães de trenó são selecionados quando ainda são muito jovens. Você pode dizer se um cachorrinho husky será um bom cão de trenó logo em um mês e meio”, disse o Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada.

Insígnia da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Os militares russos realizaram seu primeiro exercício de treinamento usando renas e trenós puxados por cães para realizar patrulhas nas duras condições do Ártico. O exercício foi realizado como resultado dum programa especial para preparar os huskies para servir nas forças armadas. O exercício foi gravado e intitulado "No Extremo Norte, os batedores da FN aprendem a usar renas e trenós puxados por cães".

Vídeo do exercício


As aulas foram ministradas em uma fazenda de pastoreio de renas perto da aldeia de Lovozero, na região de Murmansk. Os militares aprenderam a administrar equipes de cães e renas e desenvolveram os elementos táticos para conduzir operações de incursão no ambiente invernal da região. Criadores de renas e condutores contaram aos batedores sobre as peculiaridades para se manter e treinar os animais.

Durante o exercício, os soldados também aprenderam a erguer as moradias tradicionais dos povos nômades do norte chamados chumy, que são tendas de couro cru, para se manterem aquecidos. De acordo com Vadim Serga, chefe do serviço de imprensa da Frota do Norte, pastores de renas experientes podem montar um acampamento de abrigos chumy em apenas 10 ou 15 minutos. Os batedores enfrentaram tempo inclemente, com temperaturas atingindo -30ºC, mas mesmo assim os soldados e cães de trenó da brigada cumpriram sua missão, sendo auxiliados por indígenas locais.







Durante a Segunda Guerra Mundial - chamada de "Grande Guerra Patriótica" na Rússia - renas foram empregadas na região de Kola, no Ártico. Esta renas foram usadas para transportar carga militar, evacuar os feridos, enviar batedores para as linhas inimigas e até mesmo para destruir aeronaves e eliminar suas tripulações.

Através do transporte por renas, mais de 10 mil feridos foram retirados da linha de frente, cerca de 17 mil toneladas de munições e outras cargas militares foram movimentadas para a linha de frente, 160 aeronaves foram evacuadas da tundra, após terem feito pousos de emergência devido a avarias, e cerca de 8 mil militares e guerrilheiros foram transportados para cumprirem missões especiais atrás das linhas inimigas. Entre as operações bem-sucedidas de sabotagem usando o transporte de renas está o ataque ao campo de aviação de Petsamo em 1942.

Durante a guerra, várias brigadas de transporte e batalhões de esqui de renas foram formados, nos quais pastores de renas dentre os habitantes indígenas do Extremo Norte - Sami, Nenets, Komi - serviram com suas renas. Mais de 10 mil renas foram mobilizadas no total. Em Naryan-Mar, na rua Pobeda, foi inaugurado um monumento ao feito dos participantes dos batalhões de transporte de renas durante a Grande Guerra Patriótica.









“Se o filhote quiser ficar ao ar livre a maior parte do tempo, se tiver energia e não puder ficar parado em casa, deve ser enviado para um centro de treinamento de cães.”
- Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

FOTO: T-72B3 russo na neve

Raro T72B3 da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados, Moscou, 31 de janeiro de 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de setembro de 2021.

Em 31 de janeiro deste ano, na capital Moscou, infantaria motorizada, unidades blindadas e de artilharia realizaram um exercício de força contra força no campo de treinamento de Sernovodsky na região de Stavropol, empregando tanques T-72B3 e aviação do exército. As manobras envolveram militares da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados do 58º Exército de Armas Combinadas, parte do Distrito Militar do Sul.

Dois grupos táticos de valor companhia realizaram operações de combate um contra o outro no campo de provas, executando ações de armas combinadas e desembarcando uma força de assalto aerotransportada como parte de um exercício tático "força contra força". Helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh "Terminator" foram empregados para desembarcar forças aerotransportadas e fornecer apoio aproximado.

Os exercícios envolvem cerca de 500 soldados e mais de 50 itens de equipamento militar: tanques T-72B3, veículos de combate de infantaria BMP-3, helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh, canhões de artilharia autopropulsados e veículos blindados BTR-82A.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

FOTO: Fuzileiro naval no Ártico

Fuzileiro naval americano com um M16A2, lança-granadas M203, camuflado de nove e óculos escuros.

Legenda original:

"Um fuzileiro naval fixa seus olhos em um alvo durante seu treinamento em clima frio, 1989."

Bibliografia recomendada:

Homens ou fogo?
S.L.A. Marshall.

Leitura recomendada:



FOTO: Comandos camuflados no inverno, 21 de setembro de 2020.




sexta-feira, 18 de junho de 2021

FOTO: Legionários alpinistas

Legionários da companhia de montanha com fuzis FAMAS nos Alpes franceses, anos 1980.
A 2ª companhia do 2e REP, especializada em combate de montanha e alpinismo.

Após a guerra da Argélia, o 2e REP permaneceu como o único regimento paraquedista da Legião. O 2e REP então se reformou como um regimento pára-comando com as companhias possuindo uma especialização cada uma, seguindo o estilo do SAS britânico. A 2e Cie, companhia de lenço vermelho, é especializada em guerra de montanha.

Deslocar-se, morar e lutar a 3.000 metros de altitude, ou em frio extremo é uma das especializações dos legionários da 2ª Companhia, "Compagnie de Montagne".

Treinamento de alpinismo em Calvi, na Córsega, anos 80.
O legionário tem um fuzil sniper FR F1.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion Paratroops,
Martin Windrow & Wayne Braby, Kevin Lyles.



GALERIA: Mulas ou Blindados?12 de abril de 2021.


FOTO: Comandos camuflados no inverno21 de setembro de 2020.


sexta-feira, 13 de novembro de 2020

FOTO: Caçadores de artilharia no Ártico

Caçadores de artilharia da Bateria STA norueguesa (Vigilância e Aquisição de Alvos) no Batalhão de Artilharia, praticando JTAC/FAC com helicópteros de combate Apache britânicos do 656 Squadron Army Air Corps, no campo de tiro de Setermoen, Noruega.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de novembro de 2020.

A diferença entre o Observador Avançado (FO) e os caçadores de artilharia é que o FO nas forças armadas norueguesas apenas conduz fogo terrestre (fogo de artilharia ou morteiro) e esse é seu único trabalho. Eles são responsáveis por direcionar o fogo de artilharia e morteiros contra um alvo. Alguns dos membros habilitados também têm curso JTAC (apoio aéreo aproximado, mas não muitos. O FO também segue as baterias sob as quais estão subordinados durante as missões ou exercícios de treinamento - em outras palavras, se a bateria precisar se mover, o FO se move. Sem FO, sem missões de fogo.

Os caçadores de artilharia podem fazer uma plêiade de missões, mas os caçadores de artilharia trabalham principalmente muito atrás das linhas inimigas com o propósito de infligir ao inimigo o máximo de perdas possível dentro e ao redor de sua organização de retaguarda, sejam departamentos inteiros, instalações e infraestrutura. Eles também coletam informações/inteligência sobre o inimigo, detecção de alvos (para o FO) e combate a alvos com recursos de aeronaves (caças e bombardeiros), artilharia de campanha, de foguetes e de navios de trás da linha de frente. Os caçadores de artilharia também são treinados para o combate de infantaria e podem, portanto, se necessário, apoiar as unidades de manobra norueguesas na frente - como os observadores avançados. Eles também são as primeiras tropas a saírem em campanha, muito antes das baterias começarem a sair, para obter informações.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Comandos camuflados no inverno, 21 de setembro de 2020.

Apaches no Ártico, 2 de março de 2020.

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

FOTO: Comandos camuflados no inverno

Forças especiais franceses do 13e RDP em manobras de inverno, 2015.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de setembro de 2020.

O 13º Regimento de Dragões Paraquedistas (13e Régiment de Dragons Parachutistes, 13e RDP) é um dos regimentos da Brigada de Forças Especiais do Exército (Brigade des Forces Spéciales Terre, BFST), e sua especialização é o reconhecimento de longa distância. Trabalhando em grande profundidade atrás das linhas inimigas e isolados das forças amigas, os dragões especiais são conhecidos por robustez física e, como dito pelo autor e boina verde Gordon L. Rottman no livro "World Special Forces Insignia", eles "carregam as maiores mochilas que eu já vi".

Ontem (20/09) a imprensa britânica incorretamente circulou a foto como sendo operadores do Serviço Aéreo Especial (Special Air Service, SAS) testando um novo camuflado de montanha.

O 13e RDP é um regimento tradicional do exército francês, traçando linhagem desde o Ancien Régime quando foi criado em 4 de outubro de 1676 no Languedoc, pelo Marquês de Barbezières. Servindo notáveis comandante reais como o Grande Condé (o regimento foi renomeado Dragons de Condé em 12 de dezembro de 1724), e até mesmo participando da expedição em apoio à independência dos Estados Unidos (tratado pelo blog aqui e aqui). Com a Revolução Francesa, o regimento serviu a Napoleão até a sua dissolução em 1815.

Em 20 de dezembro de 1855, durante o Segundo Império, um “regimento de dragões da Imperatriz” (em referência à Imperatriz Eugênia e aos dragões da Guarda de Napoleão I) foi formado dentro da Guarda Imperial pelo Imperador Napoleão III, e ativado em Fontainebleau em 1º de julho de 1856 com 6 esquadrões usando elementos escolhidos de todos os regimentos de cavalaria.e permanece até hoje como "o Regimento da Imperatriz".

Oficiais do "Regimento da Imperatriz" com a Imperatriz Alix Napoleon na Argélia, 1960.

O regimento lutou na Guerra Franco-Prussiana (1870-71) e foi capturado em Metz. Lutando na Primeira Guerra Mundial na Frente Ocidental, participa da ofensiva de Verdun de outubro a novembro de 1917.

Participa da Batalha da França (1940) operando carros de combate Hotchkiss H35 e Somua S35 na 2ª Divisão Leve Mecânica (2ème Division Légère Mécanique2e DLM) do Corpo de Cavalaria do General René Prioux, parte do 1º Exército - de elite - que avançou na Bélgica, participando da operação do rio Dyle e da Batalha de Hannut. Evacuado em Dunquerque sem os veículos, é incorporado a um regimento misto de dragões e colocado em uma divisão improvisado que tenta uma resistência fútil em combates de cobertura à retirada geral do exército até o armistício. Como os carros de combate são proibidos pelas cláusulas do armistício, o regimento é dissolvido.

Durante a libertação da França a unidade foi recriada em 16 de outubro de 1944 e servindo na eliminação dos bolsões de resistência alemã no Atlântico, o que durou até maio de 1945 depois da rendição oficial alemã. No mesmo mês o regimento foi enviado para a Alemanha, e em setembro de 1945 participou da ocupação do Palatinado Renano.

Dragões paraquedistas aguardando o embarque nos Nord 2501 nas cercanias da Maison Blanche de Argel, verão de 1956.

O regimento tornou-se pára-quedista em 1952 e foi enviado à Argélia em 1954, sendo integrado à 25ª Divisão Paraquedista (25e DP) formada em 1º de junho de 1956. Em 1º de julho de 1957, foi transferido à 10e DP. Inicialmente, os dragões paraquedistas lutaram com a boina azul dos paraquedistas metropolitanos, trocando para a boina vermelha em 1957 segundo a padronização que encerrou o modelo anterior de boinas paraquedistas (vermelho para os coloniais, azuis para os metropolitanos e verdes para os legionários). A tropa saltava de pára-quedas, executava assaltos helitransportados e também "cavalgava" em batalha com blindados M8 Greyhound, Ferret Mk I e Mk II, e M24 Chaffee.

Com a reformulação do exército francês em 1962, o 13e RDP foi transformado em regimento de forças especiais para vigilância em profundidade sendo baseado na Alemanha Ocidental, e recebendo o brevê paraquedista alemão. Entre as muitas honras de batalha do regimento pós-1962, existem numerosas campanhas na África francófona, a Guerra do Golfo, Bálcãs, Afeganistão e, atualmente, o Mali, a Síria e o Iraque.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

FOTO: Embarque para salto de treinamento na Argélia24 de fevereiro de 2020.

GALERIA: Bawouans em combate no Laos28 de março de 2020.

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.



O Estilo de Guerra Francês12 de janeiro de 2020.

sábado, 9 de maio de 2020

GALERIA: Primeira expedição antártica da China de 1984 a 1985

Em 20 de novembro de 1984, a primeira equipe de expedição antártica da China realiza uma cerimônia de navegação em Xangai.

Em 1984, a China organizou sua primeira expedição científica à Antártica, liderada por Guo Kun (setembro de 1935 - 3 de abril de 2019) e consistindo de uma equipe de expedição de 591 membros. A equipe partiu de Xangai em 20 de novembro de 1984 em dois navios, o Xiang Yang Hong 10 e o J121, e chegou à Ilha King George, na costa da Antártida, em 30 de dezembro. Fotos do People's Daily.

Esboço do mapa da primeira expedição antártica da China.

A parte principal de sua missão era construir a primeira base antártica da China, a Estação da Grande Muralha. Como o Xiang Yang Hong 10 não era um quebra-gelo, a equipe teve que sair antes do final do verão antártico e tinha apenas uma pequena janela de oportunidade para concluir sua missão. Sob a supervisão de Guo, a equipe trabalhou 16 a 17 horas por dia em condições climáticas severas e concluiu a construção em apenas 40 dias. A estação foi aberta em 14 de fevereiro de 1985.

Todos os membros da equipe da expedição.

Em 2012, o Sistema do Tratado da Antártica designou dois locais na Estação da Grande Muralha erigidos pela equipe de Guo como Locais Históricos e Monumentos na Antártica: o edifício número 1 da estação e um monólito com a inscrição chinesa: "Estação da Grande Muralha, Primeira Expedição de Pesquisa Antártica Chinesa , 20 de fevereiro de 1985".

Navio de pesquisa Xiang Yang Hong 10.

Chegada do Xiang Yang Hong 10 em Adelie Land, na Antártica.

Tripulação do Xiang Yang Hong 10 se divertindo no mar revolto.

Um membro da equipe de expedição tira uma foto com pinguins.

Um membro da equipe de expedição brinca com uma foca na Ilha King George.

Membros da equipe de expedição tiram uma foto na frente da estação antártica da Grande Muralha.