Mostrando postagens com marcador Inteligência Militar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Inteligência Militar. Mostrar todas as postagens

sábado, 8 de maio de 2021

A reforma do sistema de inteligência do Japão


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de maio de 2021.

Quando os Aliados derrotaram o Japão no final da Segunda Guerra Mundial, eles desmantelaram o aparato de segurança japonês e deliberadamente deixaram o país dependente de potências externas. Isso implicou não apenas em desmontar as forças armadas, mas também o extenso aparato imperial de inteligência que havia facilitado a expansão japonesa na Ásia. Ao se reconstituir, o Japão do pós-guerra optou por um sistema de inteligência descentralizado como alternativa ao modelo anterior à guerra. O resultado foi mais um fragmento de um aparato de inteligência do que um sistema completo, com Tóquio terceirizando os componentes que faltavam para seus aliados. Esse sistema funcionou durante a Guerra Fria, quando o Japão era mais essencial para a estratégia anti-soviética dos EUA. Desde então, no entanto, o Japão se viu incapaz de contar com seus aliados para fornecer inteligência vital em tempo hábil. A crise dos reféns do Estado Islâmico em janeiro de 2015, durante a qual o Japão dependeu da inteligência jordaniana e turca, reforçou essa lição.

Em resposta ao incidente, o então governante Partido Liberal Democrata do Japão começou a esboçar uma proposta para criar uma nova agência especializada em inteligência estrangeira. Para lidar com a dependência japonesa de estranhos, o novo sistema mudará de um modelo descentralizado com capacidade de coleta limitada para um sistema centralizado com recursos internos. O plano apoiaria a lenta normalização do Japão de suas capacidades militares gerais para enfrentar novas ameaças.

O então primeiro-ministro japonês Shinzo Abe (centro) inspeciona as tropas no campo de treinamento de Asaka, da Força de Autodefesa Terrestre, em 1º de julho de 2014. Em 2015, o premier Abe sugeriu modificações no Artigo 9 da Constituição japonesa. (Toru Yamanaka / AFP)

Durante a Guerra Fria, Tóquio poderia depender de Washington para garantir a segurança externa do Japão, enquanto contava com sua própria força econômica para obter acesso a recursos. Mas o Japão não é mais visto pelos americanos como o baluarte vital da Guerra Fria no Pacífico, dando aos Estados Unidos menos incentivo para cooperar. Enquanto isso, tanto a China quanto a Coréia do Norte surgiram como ameaças à segurança japonesa. Mais longe, os japoneses se envolveram mais profundamente em regiões como a África e o Oriente Médio. Hoje, o Japão precisa de inteligência rápida, precisa e confiável. Quase um quarto de século desde o fim da Guerra Fria, no entanto, o Japão ainda está usando um sistema antigo mal adaptado a um mundo em mudança.

O atual aparato de inteligência do Japão está fragmentado em cinco organizações. O Gabinete do Serviço de Informação e Pesquisa concentra-se em inteligência de código aberto e geo-espacial. O Ministério das Relações Exteriores japonês coleta inteligência diplomática. O Quartel-General da Inteligência de Defesa reúne inteligência de comunicações, incluindo sistemas eletrônicos e de telecomunicações. No âmbito do Ministério da Justiça, a Agência de Inteligência de Segurança Pública conduz principalmente investigações internas e monitora grupos domésticos subversivos. A mais poderosa delas é a Agência Nacional de Polícia, responsável pela aplicação da lei nacional, contra-terrorismo e combate ao crime transnacional; também possuindo pessoal posicionado nas outras quatro instituições como diretores de inteligência de alto nível.

A falta de uma agência central de análise no Japão significa que agências de inteligência separadas e não integradas se reportam de forma independente ao gabinete do primeiro-ministro.

- Gabinete do primeiro-ministro:
  • Gabinete do Serviço de Informação e Pesquisa
  1. Dá resumos semanais ao primeiro-ministro.
  2. Fornece inteligência de código aberto e geo-espacial.
  3. Concebido inicialmente como coordenador de inteligência, mas geralmente é ignorado por outras agências de inteligência.
  • Quartel-General da Inteligência de Defesa
  1. Coleta inteligência derivada da interceptação de comunicações ou transmissões eletrônicas.
  2. Serviço de Inteligência do Ministério da Defesa.
  3. Fundado em 1997 para integrar inteligência coletada pelas Forças de Autodefesa.
  4. Formado majoritariamente por militares oficiais de inteligência.
  • Ministério das Relações Exteriores
  1. Coleta informações diplomáticas de missões no exterior.
  2. Formada por diplomatas profissionais que não são treinados como oficiais de inteligência.
  • Agência de Inteligência de Segurança Pública
  1. Agência de investigação interna criada para monitorar grupos domésticos subversivos e extremistas.
  2. Tem funções de contra-espionagem e contra-terrorismo, mas não tem poder de prisão.
  3. Subordinado ao Ministério da Justiça.
  • Agência Nacional de Polícia
  1. O objetivo principal é a aplicação da lei.
  2. Responsável pelo combate ao crime e pela execução de missões de contra-terrorismo, bem como de contra-espionagem.
  3. Depois que as forças armadas japonesas foram desmanteladas em 1945, eles assumiram muitas funções de inteligência doméstica.
  4. Pessoal de alto nível é incorporado como oficiais de inteligência em todas as outras agências, dando à Agência Nacional de Polícia grande poder institucional.
Membros do 374º Esquadrão de Forças de Segurança da USAF e a Divisão Fussa da Polícia Nacional Japonesa respondem a um "incidente" de munições não-detonadas durante um exercício de treinamento de resposta conjunta na Base Aérea de Yokota, no Japão, em 27 de março de 2009. (Osakabe Yasuo / Força Aérea dos EUA)

Este sistema carece de dois componentes principais: Sua maior fraqueza é a ausência de um corpo de inteligência clandestino, privando o Japão de acesso confiável à inteligência humana. O país também não possui uma instituição que reúna a inteligência coletada pelos diferentes departamentos. Tal instituição forneceria uma análise abrangente para os principais formuladores de políticas e garantiria o compartilhamento eficaz de informações entre as agências. Em vez disso, as agências de inteligência do Japão se reportam diretamente ao gabinete do primeiro-ministro. A ausência desses dois nós-chave deixou os formuladores de políticas japoneses com enormes lacunas de percepção, forçando-os a reagir às crises em vez de evitá-las. Repetidamente, isso levou a consequências trágicas para os cidadãos japoneses.

Comandos peruanos resgatando diplomata e funcionários japoneses na Operação Chavín de Huántar, o assalto à embaixada japonesa em Lima, 22 de abril de 1997.

Raízes Imperiais e da Guerra Fria

Para entender as limitações atuais do sistema de inteligência japonês, é preciso olhar para o passado militarista do país e sua grande estratégia da era da Guerra Fria. Antes de 1945, os militares japoneses dominavam a estrutura do governo. As Forças Armadas viram a conquista da Ásia como o melhor meio da nação-ilha garantir o acesso aos recursos de que precisava. Para desestabilizar seus inimigos e preparar a Ásia para a conquista, os militares desenvolveram um forte aparato de inteligência estrangeira modelado ao longo das linhas alemãs: o exército e a marinha administravam seus próprios serviços de inteligência, enquanto o corpo de polícia militar (Kempeitai para o exército e Tokkeitai para a marinha) conduzia funções de contra-espionagem e polícia secreta.

Militares da Kempeitai com as braçadeiras contendo os caracteres 憲兵 (ken-pei, Polícia Militar).

O sistema de inteligência do império foi altamente eficaz. Os militares realizavam operações clandestinas por meio de redes de espionagem chamadas Tokumu Kikan, ou agências de serviços especiais. Além de coletar inteligência, o Tokumu Kikan conduziu uma série de atividades para manter os adversários do Japão desequilibrados, realizando assassinatos e operações de bandeira falsa, bem como treinando de quintas colunas como o Exército Nacional Indiano de Subhas Chandra Bose e, principalmente, forças auxiliares de ocupação; além de massacres contra populações conquistadas.

Oficialmente, os comandantes da inteligência militar se reportavam aos ramos da inteligência de vários exércitos e marinhas regionais, mas suas conexões em Tóquio lhes davam ampla latitude. Como o resto dos militares do Japão Imperial, os Tokumu Kikan tiveram pouca supervisão e subverteram a autoridade civil com impunidade, às vezes conduzindo operações com motivação política com o objetivo de justificar a expansão militar. Durante o Incidente de Mukden em 1931, por exemplo, agentes da inteligência militar japonesa agindo por iniciativa própria explodiram a Ferrovia do Sul da Manchúria (operada pelos japoneses) e culparam as forças chinesas locais. A operação forneceu o pretexto para que o Japão se apoderasse da região industrializada e rica em recursos da Manchúria, no atual nordeste da China.

Em 1928, ocorrera um incidente semelhante de indisciplina, onde o Coronel Komoto Daisaku, um oficial do exército japonês Kwantung,  decidiu por iniciativa própria matar o senhor-da-guerra chinês Chang Tso-lin. O plano consistiu em plantar uma bomba ao longo de uma ponte ferroviária próxima a Shenyang, onde a linha passava pela Ferrovia do Sul da Manchúria, que explodiu quando o trem de Chang passou por baixo dela. Mortalmente ferido, Chang morreu algumas horas depois. No Tribunal de Crimes de Guerra de Tóquio em 1946, o Almirante Okada Keisuke testemunhou que Chang foi assassinado porque o Exército Kwantung estava enfurecido por seu fracasso em deter o exército nacionalista de Chiang Kai-shek, que era apoiado por Moscou (o rival estratégico de Tóquio), na campanha da Expedição do Norte (1926–1928).

Chang Tso-lin (Zhang Zuolin, 張作霖), conhecido como "O Tigre do Norte" e líder da clique Fengtian.

Na época do assassinato, o Exército Kwantung já estava em processo de preparar Yang Yuting, um alto general da clique Fengtian, para ser o sucessor de Chang. No entanto, o assassinato pegou até mesmo a liderança do Exército Kwantung desprevenida, uma vez que as tropas não foram mobilizadas e o Exército Kwantung não poderia tirar nenhuma vantagem culpando os inimigos chineses de Chang e usando o incidente como um casus belli para uma intervenção militar japonesa. Em vez disso, o incidente foi veementemente condenado pela comunidade internacional e pelas autoridades militares e civis da própria Tóquio. A emergência do filho de Chang, Chang Xueliang - "O Jovem Marechal" - como sucessor e líder da clique Fengtian, também foi uma surpresa.

O Jovem Marechal, para evitar qualquer conflito com o Japão e o caos que pudesse provocar uma resposta militar dos japoneses, não acusou diretamente o Japão de cumplicidade no assassinato de seu pai, mas, em vez disso, executou discretamente uma política de reconciliação com o governo nacionalista de Chiang Kai- shek, que o deixou como governante reconhecido da Manchúria em vez de Yang Yuting. O assassinato enfraqueceu consideravelmente a posição política do Japão na Manchúria.

Militares da Kempeitai se rendendo em Saigon, Cochinchina, sul da então Indochina Francesa, em 13 de dezembro de 1945.

Após a Segunda Guerra Mundial, os vitoriosos Aliados desmantelaram as forças armadas do Japão Imperial, junto com o aparato de inteligência militar. Desarmado e ocupado pelos Estados Unidos, o Japão foi forçado a recuar em sua força econômica para adquirir recursos. Disto surgiu a Doutrina Yoshida, em homenagem ao então primeiro-ministro Shigeru Yoshida, na qual o Japão terceirizou a segurança externa para os Estados Unidos enquanto se concentrava na reconstrução econômica.

Felizmente para o Japão, sua localização o tornou indispensável para a contenção da União Soviética pelos EUA. Os Estados Unidos garantiram a segurança externa do Japão em um tratado de defesa mútua de 1952. O sistema de inteligência seguiu esse modelo. O Japão passou a depender da CIA para coletar inteligência e informar o governo japonês, que manteve acesso confiável a informações oportunas durante a Guerra Fria.

No entanto, o Japão continuou a enfrentar ameaças internas. Isso incluía o apoio soviético ao Partido Comunista Japonês e a grupos terroristas como o Exército Vermelho Japonês. A força policial do Japão agiu para preencher a lacuna, coletando inteligência doméstica. A partir dessa base, o Japão desenvolveu uma rede de inteligência descentralizada focada principalmente em ameaças domésticas. A Agência Nacional de Polícia dominava essa estrutura de inteligência, posição que continua ocupando até hoje.

Embora o sistema de inteligência da era da Guerra Fria fosse limitado e dependente dos Estados Unidos, ele atendeu às necessidades do Japão ao longo desse período. As tentativas de fortalecer o sistema de inteligência encontraram forte oposição de legisladores e do público, que lembrou os excessos dos serviços de inteligência militar da era imperial.

Desafios pós-Guerra Fria

Após o fim da Guerra Fria, o Japão se viu em um novo contexto. Seu envolvimento econômico se aprofundou na América Latina, África e Oriente Médio. Enquanto isso, o crescimento explosivo da China desde 1978 a transformou de uma economia fraca e atrasada em um agressivo concorrente tanto em segurança quanto em economia, exatamente quando o próprio crescimento do Japão começou a declinar vertiginosamente.

O colapso da União Soviética colocou em risco a segurança da Coréia do Norte e levou Pyongyang a redobrar os esforços para adquirir e testar a capacidade nuclear e de mísseis balísticos. Também diminuiu o interesse dos EUA em subscrever a segurança do Japão, especialmente depois que Washington começou a canalizar mais de seus recursos e atenção para estabilizar o Oriente Médio. À medida que os interesses dos Estados Unidos e do Japão divergiam, cada vez menos recursos de inteligência eram direcionados para objetivos que o Japão considerava importantes.

Comandos peruanos celebrando a vitória em Chavín de Huántar, 22 de abril de 1997.

O declínio do apoio dos americanos expôs as fraquezas inerentes ao sistema de inteligência subdesenvolvido do Japão. Em 1996, por exemplo, o Movimento Revolucionário Marxista Tupac Amaru do Peru ocupou a residência oficial do embaixador japonês em Lima, levando 24 reféns japoneses, incluindo o embaixador e vários funcionários de alto escalão. O ministro das Relações Exteriores do Japão vôou para Lima, onde precisava ser informado pelo embaixador canadense e passar um tempo coletando informações em primeira mão.

O Japão também foi pego de surpresa em 1998 com o lançamento de um foguete Taepodong norte-coreano e sua incapacidade de rastrear o vôo do míssil. Este incidente levou o Japão a investir em satélites de reconhecimento e desenvolver seu próprio programa de inteligência geoespacial alojado no Gabinete de Informação e Escritório de Pesquisa. Este pequeno passo foi insuficiente, no entanto, e o Japão se viu mais uma vez pego de surpresa pela tomada de reféns pelo Estado Islâmico em 2015, estimulando o partido no poder a propor uma reforma mais completa da inteligência, contando até mesmo com a criação de uma unidade contra-terrorista com alcance internacional subordinada à uma inteligência central.

Uma situação semelhante foi prevista por Tom Clancy dez anos antes no jogo Splinter Cell: Chaos Theory (Splinter Cell: Teoria do Caos, de 2005), com um líder japonês - o Almirante Toshiro Otomo - criando uma força especial que violava os termos de desmilitarização japonesa: a Força de Autodefesa de Informação (Information Self-Defense Force, ISDF).


No período pós-Guerra Fria, o Partido Liberal Democrata defendeu a reforma da inteligência. Em 2006, um comitê parlamentar do partido produziu o Segundo Relatório Machimura, que propôs uma nova agência para coletar inteligência estrangeira operando nas embaixadas japonesas. A proposta também pedia que uma agência realizasse análises de inteligência centralizadas de maneira semelhante ao Escritório do Diretor de Inteligência Nacional dos EUA.

O Segundo Relatório Machimura não mudou o sistema de inteligência japonês, mas a última proposta do Partido Liberal Democrata - nove anos depois - aborda os mesmos problemas enraizados. No entanto, a reforma da inteligência japonesa continua enfrentando vários desafios. O primeiro são os persistentes sentimentos antimilitaristas do público japonês. A Constituição japonesa é famosa por conter um artigo, o Artigo 9, que proíbe o uso da guerra para resolver conflitos internacionais. Embora não haja equivalente ao Artigo 9 para a inteligência, que proíba um serviço de inteligência clandestino, aos olhos do público, inteligência e militarismo estão profundamente interligados. As memórias da Segunda Guerra Mundial ainda são profundas.

Obstáculos burocráticos também impedem a reforma. A ala geoespacial do Gabinete do Serviço de Informação e Pesquisa, estabelecida após o incidente com a Coréia do Norte em 1998, tinha o objetivo de desempenhar um papel fundindo os fluxos separados de inteligência. No entanto, as outras agências de inteligência optaram por contorná-lo totalmente. Qualquer nova organização central de análise enfrentaria resistência semelhante, especialmente da influente Agência Nacional de Polícia, que historicamente reluta em compartilhar informações.

O mesmo vale para uma nova agência de inteligência estrangeira, que provavelmente desviaria pessoal e recursos fiscais das agências existentes. Os Estados Unidos também lidaram com as mesmas questões ao estabelecer seus "centros de fusão" do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional e Segurança Interna após o 11 de setembro. A agência de supervisão dos EUA ainda não teve sucesso total em seu objetivo de coletar informações de outras 16 agências da comunidade de inteligência americana.

Soldado japonês com um lança-rojão.

O Japão, entretanto, está avançando lenta e inexoravelmente em direção à reforma da inteligência, assim como está avançando com sua normalização militar. Desde o fim da Guerra Fria, os japoneses adicionaram recursos quando absolutamente necessário. Na esteira do lançamento do foguete norte-coreano em 1998, por exemplo, Tóquio conseguiu preencher lacunas críticas, investindo em satélites de reconhecimento e construindo suas capacidades de inteligência geoespacial; este último permanecendo hoje um ponto forte do sistema de inteligência japonês.

Em 2013, o Partido Liberal Democrata aprovou a Lei de Sigilo Especial, que estabeleceu um sistema de classificação unificado entre as agências e expôs consequências claras para o vazamento de segredos. Anteriormente, as diferentes agências protegiam as informações de maneiras diferentes, o que significa que não podiam confiar umas nas outras para manter os segredos protegidos. A padronização dos esquemas de classificação encorajou a colaboração. A lei é altamente impopular junto ao público, mas encerrou uma longa disputa para impor tal reforma.

Não há garantia de que a atual proposta do Partido Liberal Democrata levará a mudanças imediatas ou radicais. No entanto, as demandas por inteligência rápida e precisa estão aumentando, e o Japão não pode depender de seus aliados para atender às suas necessidades. O processo de reforma será lento, mas Tóquio acabará por adquirir e desenvolver totalmente sua própria inteligência humana e capacidades de análise central. O país vai investir em suas capacidades de inteligência cibernética, bem como se esforça para desenvolver um sistema de inteligência para gerenciar todos os aspectos das operações de inteligência. O amadurecimento dos aspectos técnicos desse sistema levará tempo, mas as instituições do Japão têm se mostrado historicamente capazes de dominar novos procedimentos em um período de tempo relativamente curto.

A situação global

Fuzileiros navais americanos e soldados da nova Brigada Anfíbia de Desdobramento Rápida japonesa durante a cerimônia de abertura do Exercício Punho de Ferro 2020 (Iron Fist 2020) no acampamento de Pendleton, na Califórnia, em 17 de janeiro de 2020.

Com a falta de transparência dos Estados Unidos nos anos recentes, com um rastro de abandonos diplomáticos e até mesmo militares de aliados (como os curdos no Oriente Médio), a liderança do Japão sente-se ameaçada por um aliado não confiável e uma China cada vez mais assertiva (e agressiva). Uma enquete sobre a proposta de revisão do Artigo 9, realizada em junho de 2020, mostrou que a população não está "no mesmo passo", com 69% se opondo à idéia. “Para o povo japonês, o Artigo 9 é uma espécie de Bíblia”, disse em 2019 Hajime Funada, legislador governista do Partido Liberal Democrata e ex-chefe de um painel para revisar a carta.

Afetando ainda mais a ansiedade de defesa da nação-arquipélago, o Japão tem problemas de baixa natalidade e de falta de efetivos militares; os jovens japoneses não se interessem pelo uniforme citando baixos salários e incômodos típicos da vida militar, como habitação em quartéis e transferências longe da cidade de origem.

A geopolítica internacional continua como sempre foi: imprevisível e violenta. Em meio aos caos global da pandemia, com manifestações na Tailândia, fechamento político brutal no Vietnã e no Camboja, o exército birmanês - o Tatmadaw - executou um golpe de estado em 1º de fevereiro; iniciando uma repressão brutal de manifestantes civis, que escalou no mês passado para confrontos entre guerrilhas étnicas e o Tatmadaw. O Japão foi signatário da declaração do Ministro das Relações Exteriores do G7 em 3 de fevereiro, "condenando o golpe militar". Em 21 de fevereiro e novamente em 28 de fevereiro, o governo japonês disse "condenar veementemente" a situação em Mianmar. Na mesma declaração, ele disse, "o governo do Japão, mais uma vez, exorta veementemente os militares de Mianmar a libertarem aqueles que estão detidos... e restaurar rapidamente o sistema político democrático de Mianmar".

A abordagem do Japão para o golpe em Mianmar foi marcada pela temperança. No dia seguinte à tomada do poder pelo Tatmadaw, o Ministro de Estado para Defesa Yasuhide Nakayama afirmou: "Se não abordarmos isso bem, Mianmar pode crescer mais longe das nações democráticas politicamente livres e se juntar à liga da China". Isso revela a compreensão do governo japonês sobre a importância geoestratégica de Mianmar na região. A influência crescente da China em Mianmar tem sido uma preocupação para os líderes japoneses. O medo do aumento da dependência da China foi um dos fatores que levaram o Tatmadaw a decidir iniciar reformas políticas e abrir Mianmar em 2011. O governo do Japão foi fundamental neste processo, facilitando o reengajamento entre a comunidade internacional e o governo de Mianmar.

Com a condição de que a democratização continuasse, o Japão perdôou grande parte da dívida pendente de Mianmar em 2012. Mas o mais importante, talvez, o Japão forneceu um empréstimo-ponte a Mianmar para permitir que pagasse seus atrasados com o Banco Mundial e o Banco de Desenvolvimento Asiático no mesmo ano. Isso permitiu que essas instituições financeiras iniciassem a ajuda ao desenvolvimento e apoiassem a transição democrática do então presidente Thein Sein.

A diplomacia do Japão também deve ser vista no quadro das relações com a ASEAN, um parceiro estratégico chave para o Japão. Tóquio passou décadas investindo na estabilidade e prosperidade dos países do sudeste asiático e a economia do Japão depende muito deles. No dia 10 de fevereiro houve um telefonema entre os chanceleres do Japão e da Indonésia, sendo os principais assuntos discutidos a situação em Mianmar e questões relacionadas com o Mar da China Meridional e Mar da China Oriental. Para o Japão - e também para a ASEAN - essas questões estão todas interligadas.

Conforme a retórica do Partido Comunista Chinês fica cada vez mais agressiva, os países do ASEAN têm agido para forjar aliançasEm 2010, o governo japonês levou um susto: Pequim cortou abruptamente todas as exportações de terras raras para o Japão por causa de uma disputa com uma traineira de pesca. Tóquio era quase totalmente dependente da China para os metais essenciais, e o embargo expôs essa vulnerabilidade aguda. Atualmente, a China comunista até mesmo fala abertamente em "preparação para a guerra", se aproveitando da pandemia mundial originada em Wuhan.

Quando o então primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse no mês de abril do ano passado que a pandemia de Covid-19 foi a maior crise nacional desde a Segunda Guerra Mundial, foi amplamente esquecido que, poucas semanas antes, seu governo aprovou de longe o maior orçamento de defesa do país desde o fim do conflito. A prioridade atual é na força de mísseis, claramente mirando ações anti-navio na disputa de ilhas com Pequim.

O Almirante Yamamura em teleconferência com o Almirante Vandier, comandante da marinha francesa, em 1º de outubro de 2020.

Recentemente, o Japão se aproximou da França, um país que sempre foi culturalmente próximo dos japoneses (apesar da brutal ocupação da Indochina de 1940-1945 e do apoio à invasão tailandesa em 1941), e manobras militares conjuntas entre o Japão, Estados Unidos e França foram marcadas de 11 a 17 de maio de 2021 no Campo Ainoura, na Prefeitura de Nagasaki, onde está instalada a Brigada Anfíbia de Desdobramento Rápido da GSDF, unidade especializada na defesa de ilhas remotas. Os exercícios também serão realizados no Campo de Treinamento de Kirishima, nas prefeituras de Miyazaki e Kagoshima, e no mar e espaço aéreo a oeste de Kyushu. De acordo com a GSDF, esta será a primeira vez que tropas japonesas, americanas e francesas realizarão exercícios de campanha conjuntos no Japão.

"A França é um camarada em nossa visão Indo-Pacífico. Queremos melhorar nossas habilidades táticas na defesa da ilha", enfatizou o ministro da Defesa do Japão, Nobuo Kishina em entrevista coletiva em abril de 2021.

Em uma tal situação de insegurança e instabilidade, é mais do que recomendável uma central de inteligência que permita pelo menos um certo nível de aviso antecipado e liberdade de ação.

Bibliografia recomendada:


quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Dez sugestões para uma "Estratégia da Rússia" para o Reino Unido


Por Mark Galeotti, War on the Rocks, 29 de julho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de setembro de 2020.

A divulgação de um relatório há muito adiado sobre a interferência russa no Reino Unido pelo Comitê de Segurança e Inteligência interpartidário britânico inevitavelmente reavivou o debate sobre como um Estado democrático pode resistir à intromissão de Moscou.

O problema, é claro, é que a pontuação política e a retórica competitiva dominam rapidamente essas discussões. O Comitê de Inteligência e Segurança se recusou a discutir seriamente se as operações políticas russas afetaram ou não o resultado do referendo de independência da Escócia de 2014 ou da votação do Brexit de 2016. Junto com uma falta geral de clareza sobre como certas fontes de influência potencial, de oligarcas a trolls, podem afetar o sistema político, isso significa que todos podem colocar sua própria visão pessoal sobre o assunto. O risco, então, é que isso simplesmente gere uma tempestade de comentários de curto prazo, chegando a poucas conclusões políticas viáveis, que logo é superada pela próxima edição do momento.

Isso seria desperdiçar uma oportunidade. O governo já tem uma estratégia da Rússia com o objetivo de minimizar o impacto das atividades russas no curto prazo, enquanto trabalha para "uma Rússia que opta por cooperar, em vez de desafiar ou confrontar". O Comitê de Inteligência e Segurança é brutal em dissecar o que vê como um processo descoordenado em Whitehall, no entanto, e uma falta de táticas claras sobre como avançar a estratégia, então aqui estão 10 sugestões.


1. Enfrente o ‘problema do oligarca’, mas primeiro decida o que ele é

Russos ricos migraram para Londres, e sua riqueza compra um grau de influência política: isso é um problema de segurança, um desafio ético ou simplesmente como a Grã-Bretanha sempre fez negócios? O relatório levanta preocupações sobre a forma como o Reino Unido se tornou um destino preferido para os russos ricos e seu dinheiro sujo. Aparentemente, os parlamentares veteranos de um país que por décadas acolheu os ricos das ditaduras e cleptocracias mundiais ficaram “chocados, chocados” ao descobrir que os oligarcas russos não menos apreciam os encantos de um dos grandes centros financeiros do mundo combinado com uma das grandes cidades do mundo.


O relatório afirma que esse dinheiro "também é investido na extensão do patrocínio e na construção de influência em uma ampla esfera do establishment britânico". Um ponto fraco em particular é que o Comitê de Inteligência e Segurança não dá exemplos de como essa prática realmente influenciou o processo político e como o Kremlin pode ter se beneficiado disso.

É claro que existem laços estreitos entre muitos russos ricos e o Kremlin, assim como entre muitos expatriados chineses ricos e o Partido Comunista, por exemplo. Indiscutivelmente, esta não é uma questão do “oligarca russo”, mas um problema mais amplo de como o dinheiro pode comprar acesso e alavancagem, distorcendo o processo democrático em nome dos interesses estrangeiros. Nesse caso, ele precisa ser abordado de maneira geral, abordando tudo, desde o controle da mídia até o financiamento político.

Seria bom pensar no Reino Unido se tornando uma superpotência da ética. No entanto, vamos ser honestos: ele valoriza seu papel como um ímã para ativos globais. Especialmente ao enfrentar o impacto econômico potencial do Brexit, nenhum governo britânico ficará ansioso para recusar dinheiro estrangeiro. A prioridade será lidar com a ameaça imediata de que russos ricos se tornem lobistas do presidente Vladimir Putin.


O governo britânico precisará de vontade e poderes para lidar com casos específicos em que o dinheiro russo está comprando influência a mando do Kremlin. Este é um problema difícil, que realmente pertence aos serviços de inteligência e não à polícia. No entanto, ser mais cauteloso ao distribuir passaportes para russos ricos (para que eles possam ser deportados ou excluídos mais facilmente) e ter um registro de "agentes estrangeiros" (criminalizar agir como um instrumento do Kremlin sem declarar esse papel) é um começo. Na verdade, não é mais do que isso, mas por ora provavelmente representa o máximo que é politicamente viável.

No entanto, também precisamos ser honestos aqui: assim como receber russos ricos no Reino Unido e permitir que eles desfrutassem de todos os benefícios de uma sociedade democrática baseada na lei não levou, como observa o Comitê de Inteligência e Segurança, a reformas na Rússia , portanto, reprimi-los agora não colocará uma pressão significativa sobre o Kremlin. Putin está comprometido com uma agenda pessoal de política de grandes potências e com a construção do seu legado histórico. Se alguns oligarcas tiverem de perder alguns dos milhões que já tiveram permissão para roubar sob seu comando, ele não ficará especialmente preocupado.

2. O crime organizado russo não é apenas para a polícia

O conjunto de expatriados “Londongrad” deve ser visto como funcionando dentro da lei; uma ameaça potencial ainda mais séria que precisa ser tratada vem de gangsters mobilizados como ferramentas do Kremlin.

Cena da série britânica McMafia, lançado pela BBC One.

Paralelamente, deve haver um foco mais nítido nos aspectos do crime transnacional que representam uma ameaça clara e presente à segurança nacional. O crime organizado com base na Rússia tem sido usado para gerar fundos chyornaya kassa (“contas negras” ou dinheiros negáveis e indetectáveis), realizar assassinatos no exterior e até contrabandear agentes procurados através das fronteiras. Mais recentemente, um checheno georgiano foi morto a tiros em Berlim pelo que parece ter sido um assassino-de-aluguel gangster, recrutado pelo Serviço de Segurança Federal da Rússia, e um fraudador online acusado de roubar até US$ 2 bilhões está supostamente protegido pela inteligência militar russa. A terceirização de suas operações para criminosos pelo Kremlin continua inabalável.

No Reino Unido, apesar das declarações retóricas regulares sobre assumir uma posição dura em relação à criminalidade russa, na prática isso tem sido uma prioridade menor para as agências policiais. Houve várias mortes de russos de destaque, mas na prática a maioria provavelmente não foram assassinatos (apesar de alegações de venenos indetectáveis e acidentes falsos cuidadosamente planejados) e aqueles que foram essencialmente resultado de acerto de contas criminais. Apenas dois, o assassinato do desertor Alexander Litvinenko em 2006 e a tentativa de matar o oficial de inteligência russo Sergei Skripal em 2018, foram atribuídos ao Kremlin.


A ameaça parece limitada aos russos, que provavelmente estiveram envolvidos em atividades questionáveis e geralmente motivados exclusivamente por interesses comerciais. Para ser franco, para a polícia isso a torna menos preocupante do que as gangues diretamente responsáveis pela inquietação pública. Como um policial me disse: “Contanto que os russos não cometam crimes nas ruas, não seremos capazes de justificar a aplicação de recursos para ir atrás deles”. Em vez disso, no Reino Unido, as gangues sediadas na Rússia atuam principalmente como facilitadoras e fornecedoras de atacado por trás das gangues mais perigosas. Por mais que faça sentido, do ponto de vista da segurança pública, dar a eles uma prioridade menor, por causa da preocupação mais ampla com a segurança nacional, a Agência Nacional do Crime precisa receber a tarefa - e os recursos - de dificultar a vida das gangues russas.


3. Combata a desinformação por meio da demanda, não da oferta

As operações de informação continuam a ser consideradas uma ameaça séria, mesmo que ainda haja muito poucas evidências de que elas realmente têm um grande impacto nas atitudes das pessoas. No máximo, esses esforços tendem a fortalecer as crenças existentes de qualquer matiz, embora isso não seja algo a ser encarado levianamente, pois pode transformar uma leve insatisfação em protesto.

Como a corrupção, porém, isso não é algo “exportado” para uma nação infeliz e indefesa. Você não pode subornar um funcionário honesto e, da mesma forma, é difícil obter tração nas mentes das pessoas que estão essencialmente satisfeitas com o status quo e que confiam em seus políticos e na grande mídia. A razão de haver tanto apetite por narrativas alternativas é que, atualmente, assim como em outras partes do Ocidente, o Reino Unido está passando por uma crise de legitimidade. Comunidades que se sentem alienadas e desconhecidas são o constituinte natural das operações de informação que vendem respostas alternativas, teorias da conspiração e ressentimento.


Assim como na luta contra os narcóticos, é fácil se concentrar na oferta em vez da demanda. Já existem chamadas renovadas para que o canal de TV russo em língua estrangeira RT seja banido, por exemplo. Para ter certeza, RT traz propaganda flagrante (assim como também traz cobertura de notícias decente), mas um meio de comunicação com apenas 3.400 espectadores a qualquer momento não é uma ameaça séria. Da mesma forma, a moda de operações destruidoras de mitos destinadas a conter "notícias falsas" é sempre tentador para governos ansiosos para serem vistos em ação, e burocracias que confundem atividade com impacto, mas há pouca evidência confiável de que realmente funcionam, exceto como parte de um programa mais amplo.

Uma recomendação organizacional clara no relatório do Comitê de Inteligência e Segurança é que o Serviço de Segurança (mais conhecido como MI5) deve ser responsável pela integridade do processo democrático. A implicação é que o desafio vem principalmente de hackers e trolls. Mas este não é o caso, e seguir este conselho seria desastroso. Na realidade, o principal problema da Grã-Bretanha consiste em comunidades alienadas. Não seria sensato basicamente colocar o MI5 no comando do policiamento do crime de pensamento e da precisão das notícias, quanto mais da educação para a mídia.


Claro, deve haver uma regulamentação adequada sobre mídia e mídia social, mas isso não deve se limitar aos veículos russos. Em vez disso, a tarefa mais difícil e importante é atender à demanda. Em parte, a resposta é a educação para a mídia, e não apenas para crianças em idade escolar, mas em todos os níveis, incluindo os idosos (isso não precisa ser em uma sala de aula: como a luta contra o cigarro e as drogas mostrou, até mesmo as histórias das novelas têm seus papel) para criar resiliência contra este problema. É também uma questão muito maior, sobre fechar a “lacuna de confiança” e explorar como os sistemas democráticos originalmente fundados na era industrial do século XIX funcionam na era da informação pós-moderna do século XXI. É claro que isso é muito mais amplo do que apenas ser sobre a Rússia, mas também é uma questão fundamental que, enquanto for evitada, deixa o Reino Unido - e o resto do Ocidente - vulneráveis a tais operações de informação.

4. Aumentando o jogo de inteligência da Grã-Bretanha, uma tarefa crítica e cara

As operações de informação são apenas uma pequena parte do desafio mais amplo das “medidas ativas” russas (atividades políticas encobertas). Muitos dos mais nefastos, envolvendo corrupção, chantagem, apoio das chyornaya kassa para movimentos políticos subversivos e semelhantes, são administrados ou apoiados pela extensa comunidade de inteligência da Rússia. A Rússia precisa ser muito mais um foco para coleta de inteligência e contra-inteligência, mas isso precisa ser apoiado com financiamento real, não apenas suposições vagas de que isso pode ser coberto por um trabalho mais inteligente.

Flores durante o funeral do famoso chefe mafioso Vyacheslav Ivankov, 2009.

A Grã-Bretanha precisa de mais e melhores informações sobre os objetivos e métodos do Kremlin, especialmente para tornar a estratégia de resposta a ele o mais eficazmente possível. Aqui, o Comitê de Inteligência e Segurança foi fundamental, destacando até que ponto o MI5, o Serviço Secreto de Inteligência (mais conhecido como MI6), a Inteligência de Defesa e a Sede de Comunicações do Governo (GCHQ, o equivalente britânico da Agência de Segurança Nacional) foram reduzidos a atenção que prestaram dramaticamente à Rússia nas décadas de 1990 e 2000.

Não se pode culpá-los, pois durante esse tempo seus mestres políticos exigiam que eles se concentrassem em novas ameaças, do terrorismo jihadista à China, Coréia do Norte e cartéis de drogas transnacionais. Eles também continuaram a manter o status do Reino Unido como uma das superpotências de inteligência do mundo, embora a Conta Única de Inteligência (o orçamento para MI5, MI6 e GCHQ) seja apenas cerca de um vigésimo dos $ 85,75 bilhões que os Estados Unidos irão (oficialmente) gastar em inteligência este ano.

Parece provável que haverá uma nova Lei de Espionagem para substituir a Lei de Segredos Oficiais "empoeirada e amplamente ineficaz" (originalmente aprovada em 1911, embora revisada desde então), incluindo alguns registros de agentes estrangeiros no estilo da Lei de Registro de Agentes Estrangeiros da América. No entanto, o Comitê de Inteligência e Segurança não pediu um aumento nos gastos, em vez disso, falou de “trabalho mais inteligente e coordenação eficaz” - a burocracia usual para fazer mais com o mesmo.


Isso não é suficiente: a sugestão de que a comunidade de inteligência deve ser capaz de reunir informações mais eficazes contra o que ainda é um alvo difícil como a Rússia e também fazer mais para conter a atividade agressiva de Moscou e também manter os compromissos existentes com outros problemas e desafios - tudo com o mesmo orçamento - é insustentável. Mais dinheiro para a inteligência do Reino Unido será um bom investimento quando comparado aos custos diretos e indiretos de tudo, desde segredos tecnológicos perdidos para hackers russos até o impacto político de influências encobertas. Esses fundos também irão posicionar melhor a Grã-Bretanha para lidar com outro ator cada vez mais adversário: a República Popular da China.

5. Uma guerra com a Rússia é improvável, mas planejá-la é fundamental

Em termos brutos - embora essas comparações sejam tão sem sentido quanto tentadoras - os orçamentos de defesa do Reino Unido e da Rússia são bastante semelhantes. Claro, em termos reais, a Rússia é talvez três vezes maior. O Reino Unido não precisa planejar para ganhar ou impedir uma guerra cara-a-cara com a Rússia, sendo tanto parte da OTAN quanto estando do outro lado da Europa. A questão é, então, até que ponto o desafio russo deve informar o planejamento e os gastos da defesa britânica, algo que cada vez mais significará segurança cibernética em uma era de conectividade ubíqua e conflitos ambíguos não-declarados. A Grã-Bretanha não pode fingir ser capaz de - ou de precisar - deter a própria Rússia, mas deve parar de tentar e falhar em fazer tudo. Em vez disso, deve assumir um compromisso sério de ser capaz de montar operações expedicionárias como parte de alianças mais amplas, mas ser capaz de fazê-lo face às mais recentes táticas e tecnologias russas.


A Grã-Bretanha quer claramente desempenhar um papel credível dentro da OTAN: já gasta uma proporção maior de seu produto interno bruto na defesa do que a maioria dos membros. Também tem interesses particulares relacionados à defesa de suas águas territoriais e linhas de comunicação para territórios ultramarinos, objetivos que às vezes se chocam com as operações russas. Embora o planejamento para a próxima Revisão Estratégica de Defesa e Segurança integrada, prevista para este ano, tenha sido temporariamente interrompido por causa do COVID-19, algumas decisões difíceis terão que ser tomadas em breve. Como escreveu Jack Watling do Royal United Services Institute, dadas as limitações de recursos, o Reino Unido enfrentará uma escolha dura: “acelerar e expandir a modernização de suas forças pesadas ou se afastar das forças pesadas e priorizar o desenvolvimento de forças resilientes de reconhecimento e fogos”.

Até agora, o governo parece inclinado para o último, a fim de manter uma capacidade expedicionária rápida e confiável, pelo menos porque isso se encaixa no compromisso contínuo com uma "Grã-Bretanha Global". No entanto, como Moscou vende mais e mais de seu mais recente kit para compradores ao redor do mundo, mesmo que eles não enfrentem a Rússia, as forças britânicas terão que ser configuradas e preparadas para lutar contra as forças equipadas e treinadas pela Rússia. Além disso, como a dissuasão está ancorada na capacidade e na intenção de sinalizar, o Reino Unido deve parecer disposto e capaz de enfrentar as forças russas. Ao que parece, não há como escapar da contínua centralidade da Rússia no pensamento militar britânico.


6. Cultive a solidariedade defendendo os outros

As alianças também são importantes para responder a desafios não-militares. Após a tentativa de assassinato de Sergei Skripal em 2018, Moscou ficou surpresa e abalada quando a Grã-Bretanha intermediou com sucesso uma campanha de expulsão de 130 suspeitos espiões russos de 28 estados mais a OTAN. Este foi um exemplo marcante e inovador de solidariedade internacional de um tipo que havia estado infelizmente ausente até então. E desde então, por falar nisso, mas se o Reino Unido quiser poder recorrer a um apoio semelhante no futuro, deve fazer os preparativos agora e também estar disposto a oferecê-lo a outros, e não estar dependente de respostas ad hoc. Isso não deveria se concentrar na OTAN, nem - em uma época de Brexit - na União Europeia. Em vez disso, deve ser uma coalizão de boa vontade, talvez começando com os parceiros de inteligência da Anglosphere "Five Eyes" (Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia), expressando coletivamente uma vontade de responder ao futuro aventureirismo russo.

7. Engajamento também é uma arma

A resposta à “guerra política” russa destinada a dividir, distrair e desmoralizar é geralmente não tentar combater fogo com fogo. Não há apenas uma posição moral elevada a ser perdida - um elemento central da narrativa de Putin é que a Rússia está simplesmente respondendo à subversão ocidental - mas sociedades abertas e democráticas tendem a ser mais vulneráveis a tais medidas ativas de corrida armamentista. Em vez disso, vale a pena considerar como as melhores lições da Guerra Fria podem ser adaptadas e ampliadas na era moderna, usando o poder brando para combater o "poder negro" de Putin.


Embora os falcões acenem com as tradições históricas, ou noções de que de alguma forma os russos são “geneticamente” predispostos à tirania e à agressão, a mudança não só é possível como inevitável. Embora contenha a agressão e interferência do Kremlin, isso deve ser equilibrado com um esforço sustentado e significativo de engajamento. Ainda existe uma forte veia de anglofilia na cultura russa: incentive e amplie isso. Bolsas de estudo, intercâmbios culturais, celebrações extravagantes de laços históricos entre os dois países (lembre-se: Ivan, o Terrível, até mesmo ofereceu à Rainha Elizabeth I sua mão manchada de sangue em casamento), tudo isso terá um impacto mínimo hoje - especialmente porque o Kremlin faz o que pode para limitá-los - mas colherá benefícios no futuro, quando Londres puder, com razão, dizer aos russos que nunca os abandonou.


Eles têm poucas ilusões sobre seus próprios líderes, portanto, expor suas corrupções e hipocrisias tem um valor real limitado (embora alguns no Ocidente pensem que essa é sua solução mágica). De forma mais ampla, usar as capacidades da mídia moderna para apoiar a corajosa mídia independente da Rússia e também eliminar algumas das mentiras do Kremlin aceleraria a decadência existente da legitimidade do regime. A BBC ainda tem uma marca poderosa e pode ser uma poderosa conexão para os russos, que cada vez mais recebem notícias online. Isso não significa ser um braço de propaganda - é importante ser objetivo, e isso inclui destacar os sucessos russos também -, mas sim, junto com a academia britânica, um contraponto aos esforços cada vez mais flagrantes do Kremlin para mobilizar as notícias de hoje e a história de ontem para seus fins.

8. Vá fundo, mas permaneça otimista


Afinal, a Grã-Bretanha tem mais um “problema de Putin” do que um “problema da Rússia”.

Pode haver pouca esperança de uma melhoria realmente significativa nas relações com a Rússia enquanto Putin e seus comparsas continuarem a governar o país. As tentativas anteriores de "reconfiguração", como a do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2009, foram exercícios grandiosos de auto-engano, como o presidente francês Emmanuel Macron descobrirá, se prosseguir com um alcance semelhante próprio. O povo de Putin é produto de uma educação soviética, da cleptocracia enraizada na era sem lei dos anos 1990 e de uma sensação amarga de que o status global da Rússia foi de alguma forma "roubado" pelo Ocidente. É altamente improvável que eles mudem.

No entanto, essa geração política está envelhecendo. Putin poderia reinar até 2036, mas não está claro se ele deseja ou se sua saúde o permitiria. A elite política mais jovem, embora respeitando obedientemente os pontos de discussão anti-ocidentais do Kremlin, não mostra sinais de estar realmente entusiasmada com uma cruzada geopolítica. É mais provável que sejam oportunistas pragmáticos, que adorariam voltar aos dias em que podiam roubar em casa, fazer transações bancárias e gastar no exterior. Hoje em dia, para qualquer um, exceto os super-ricos, é cada vez mais difícil viajar para o Ocidente, quanto mais mover dinheiro para lá, não apenas por causa de nossos controles, mas também porque o Kremlin está reprimindo a fuga de capitais.


O povo russo parece ainda menos consumido pela estridente propaganda do Kremlin. Pesquisas mostram que eles são muito mais positivos em relação aos ocidentais do que o contrário. Eles não aceitam a linha oficial de que seu país está sob ameaça e - agora que o “efeito Criméia” passou - não mostram entusiasmo por aventuras estrangeiras. A Rússia não se tornará uma democracia liberal tão cedo, mas o Reino Unido pode ter relações razoáveis com todos os tipos de reforma híbrida ou mesmo com estados totalmente autoritários. É a demanda do Kremlin por um status especial, por uma esfera de influência e pelo direito de desrespeitar as normas e leis internacionais que causa o problema, e isso provavelmente será um produto da geração de transição de Putin.

9. Conheça o seu inimigo

Embora existam alguns especialistas no assunto em vários ramos do governo e um esforço recente real e louvável para aprofundar a base de conhecimento dentro das forças armadas, do Foreign and Commonwealth Office e de outras agências relevantes, isso acontece no final de um longo e acentuado declínio. Simplesmente não há especialistas genuínos suficientes, e a influência persistente do "culto do generalista" - almas rudes diriam "do amador" - dentro do serviço diplomático muitas vezes significa até mesmo aqueles que investem tempo e esforço aprendendo russo e, mais importante, a Rússia mudará para postagens totalmente desconexas por causa de suas carreiras. Em 2017, Crispin Blunt, presidente do Comitê Parlamentar de Relações Exteriores, advertiu que a "expertise da Rússia do Ministério das Relações Exteriores se desintegrou desde o fim da Guerra Fria".


As pessoas que devem implementar a política devem entender o país com o qual estão lidando. Essa política deve estar enraizada em uma compreensão detalhada e matizada do país. A Rússia é um país complexo em transição, ainda lidando com o trauma político e sócio-cultural do fim do império e do status de grande potência. Muitas vezes o país e até mesmo sua liderança são reduzidos a algum clichê simplificado: Estado mafioso, novo czarismo, nova União Soviética, tirania, o que quer que seja. A política enraizada em qualquer caricatura desse tipo, despojada da nuance e do contexto necessários, será infrutífera na melhor das hipóteses, e perigosa na pior.

Também contribui para o que pode ser considerado uma falha de tom, algo que de forma alguma se limita ao Reino Unido. Os dias de "falar com ternura, mas carregar um grande porrete" parecem ter sido substituídos por "gritar alto, enquanto agita um pequeno galho". A Rússia, ainda aceitando seu status reduzido, às vezes também é ridiculamente espinhosa e agudamente consciente de desprezo por sua dignidade. Claro, tem ambições práticas e políticas, mas também é administrada por seres humanos que desejam desesperadamente “respeito”. É possível resistir à agressão e ao aventureirismo do Kremlin, mesmo tratando-o com esse respeito, quer isso signifique dar todo o crédito aos soldados soviéticos e aos cidadãos que caíram na Segunda Guerra Mundial (não é à toa que eles ainda a chamam de Grande Guerra Patriótica ) ou não repetir o erro calamitoso de rejeitar a Rússia como uma mera "potência regional". Maneira e educação, idioma e tom são importantes nas relações internacionais, especialmente quando se trata de um sistema personalista, em que um punhado de indivíduos dá as cartas.


10. Faça a estratégia importar novamente

O Comitê de Inteligência e Segurança reclamou que sua investigação “nos levou a questionar quem é responsável por um trabalho mais amplo contra a ameaça russa e se essas organizações têm poderes suficientes para enfrentar uma ameaça de estado hostil como a Rússia”. Este é um ponto justo. No entanto, o documento fica muito mais confortável fazendo críticas do que propondo remédios além do já mencionado sobre o MI5.

Prédio do Foreign and Commonwealth Office, Londres.

Se a estratégia da Rússia cruzada com Whitehall significar alguma coisa, então a questão é como garantir que ela realmente conduza a política para todo o governo. Este é, em muitos aspectos, um caso de teste da retórica eloquente de sucessivas administrações sobre respostas de "governo unido" ou "governo todo". A estratégia está nas mãos do Grupo de Implementação da Estratégia de Segurança Nacional para a Rússia, que reúne 14 departamentos e agências diferentes sob a presidência da Unidade da Rússia no Foreign and Commonwealth Office. Muito foi feito para envolver as partes interessadas nas discussões, mas em pelo menos alguns casos, a sensação tem sido - o que é, claro, um código para as fofocas que ouvi de diferentes bairros - que os participantes trataram isso como uma oportunidade de promover seus próprios interesses departamentais, ou simplesmente para fazer uma demonstração de participação. A estratégia precisa ter dentes, e está aberta a discussão se aquelas no Foreign and Commonwealth Office são afiadas o suficiente. Do contrário, elas precisam ser aprimorados ou o Gabinete do Governo deve ser responsável por, se não administrar o grupo, pelo menos desempenhar o papel de seu quebrador de pernas elegante, visto que esta é sem dúvida sua função principal em Whitehall.


Afinal, tudo isso importa. É importante não apenas em termos do desafio de Moscou - que, afinal, precisa ser levado a sério, mas não exagerado - mas também porque as habilidades, políticas, atitudes e estratégias adotadas hoje provavelmente serão necessárias para enfrentar muito mais ameaças problemáticas amanhã. À medida que a China passa para a fase de ascensão da “diplomacia do guerreiro lobo”, a Grã-Bretanha pode até querer agradecer ao Kremlin pelo despertar precoce e pela oportunidade de desenvolver essas capacidades.

Mark Galeotti é professor honorário da University College London e membro associado sênior do Royal United Services Institute (RUSI).

Bibliografia recomendada:

The Modern Russian Army 1992-2016.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Russian Security and Paramilitary Forces since 1991.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada: