sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Os obuseiros AS90 do Exército Britânico ficarão por perto em meio ao atraso na substituição


Por Andrew Chuter, Defense News, 30 de julho de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de agosto de 2020.

LONDRES - O programa para substituir o envelhecido blindado de artilharia autopropulsada AS90 do Exército Britânico teve um atraso de pelo menos dois anos, pois o próximo obuseiro não deverá atingir a capacidade operacional inicial até o primeiro trimestre de 2029.

A decisão de adiar o Programa de Fogos Móveis foi tomada para permitir ao Ministério da Defesa abordar os principais riscos técnicos e atender aos requisitos da defesa integrada do governo, segurança e revisão da política externa esperada para o final do ano, de acordo com fontes com conhecimento da programa.

A nova artilharia pesada da Grã-Bretanha deveria ganhar capacidade operacional inicial no quarto trimestre de 2026, mas o MoD confirmou que agora foi adiada para o primeiro trimestre de 2029.

O atraso na aquisição do obus significa que a data atual para o descomissionamento dos AS90 também foi de dois anos. Uma parte da força do obus permanecerá operacional até 2032.

Cronogramas revisados para um novo processo de aquisição estão atualmente em desenvolvimento pelo MoD.


Uma solicitação inicial de informações foi enviada à indústria em abril de 2019. O MoD emitiu requisitos revisados do usuário-chave em janeiro de 2020, com um prazo para respostas da indústria definido para 17 de fevereiro.

A BAE Systems da Grã-Bretanha, a Hanwa Defense da Coréia do Sul, a Soltham Systems de Israel, a Nexter da França e a Rheinmetall da Alemanha estão entre as empresas que manifestaram interesse no programa, disse um executivo do setor à Defense News sob condição de anonimato.

No final do ano passado, o centro de estudos do Royal United Services Institute em Londres atacou as forças armadas britânicas por sua falta de poder de fogo de artilharia em comparação com um país como a Rússia.

As forças terrestres do Reino Unido estão totalmente em inferioridade de armamentos e de capacidade de alcance, deixando a artilharia inimiga livre para realizar missões de fogo com impunidade”, escreveu o analista Jack Watling da RUSI em um relatório. “Se a dissuasão convencional deve permanecer um componente-chave da estratégia de segurança nacional do Reino Unido, então a modernização de suas capacidades de fogo deve ser uma prioridade”.

A revisão integrada, conduzida pelo primeiro-ministro Boris Johnson e seus assessores, deve ser anunciada este ano. O secretário de Defesa, Ben Wallace, disse em um artigo de 26 de julho no Sunday Telegraph que a revisão desviaria as forças armadas das armas convencionais em direção às capacidades espaciais, cibernéticas e submarinas.

Enquanto o MoD embaralha os recursos para financiar a mudança de foco, alguns esperam que as forças terrestres sejam um alvo para cortes.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário