quinta-feira, 21 de maio de 2020

Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 2024


Por John T. KuehnTask&Purpose, 27 de novembro de 2018.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2020.

Maio de 2024 foi muito parecido com o verão que o precedeu 85 anos antes. Os russos sabiam disso, razão pela qual seu nome secreto para a operação recebeu a alcunha "Molotov".

O pacto público de não agressão China-Rússia no ano anterior entre a República Popular da China (RPC) e Moscou foi outro sinal de alerta, especialmente seu idioma. Os russos (e chineses) estavam contando com o a-historicismo do ocidente (e especialmente dos americanos) para se safar com sua pequena "piada" no uso da linguagem (isto é, a língua do Pacto de Não Agressão Molotov-Ribbentrop). Eles fizeram - e devem ter sorrido o tempo todo enquanto os tanques avançavam em uma ampla frente para avistar o rio Vístula, um corpo de água que a maioria dos americanos não conseguia encontrar em um mapa mesmo que suas vidas dependessem disso.



Os sinais de alerta, como sempre, estavam lá para todos verem. Mas conectar os pontos antes que algo aconteça não é tão fácil. A crescente retórica russa sobre a repressão das minorias étnicas russas nos países bálticos vizinhos no início de 2020 foi a primeira dica. Essa retórica desviou a atenção da OTAN para o norte e causou uma má interpretação do aumento do poder de combate da Rússia em Kaliningrado (antiga Prússia Oriental), presumivelmente focada no norte, não no sul e no oeste. Também permitiu à Rússia chegar a um acordo com o governo da Bielorrússia para uma série de exercícios no local, os quais forneciam uma cobertura para a mobilização secreta da Rússia nas áreas que poderiam facilitar as operações contra a Polônia. 

O segundo sinal de alerta envolveu o acordo com Kiev para um armistício verificável no leste da Ucrânia em 2022, intermediado pela Secretária de Estado dos EUA Nikki Haley. Ao concordar e realmente aderir a este cessar-fogo, os russos levaram a OTAN a uma sensação de falsa segurança que levou sua liderança a aderir ao pedido do Secretário de Defesa John Bolton de mais tropas da OTAN para a missão em andamento de proteger o governo afegão sitiado no Enclave de Cabul. 

O leitor pode querer revisitar as circunstâncias da falha na evacuação de não-combatentes (NEO) das embaixadas americanas e ocidentais quando Cabul quase caiu em uma ofensiva combinada da Al-Qaeda-ISIS (Operação Hattin) em 2021, logo após Donald Trump ter sido reeleito para seu segundo mandato de lavada em 2020. Isso resultou na operação Desperate Resolve (Determinação Desesperada), que recolocou as principais forças de combate da OTAN na missão humanitária de proteger os habitantes do enclave de Cabul de um genocídio prometido pela Frente de Unificação Islâmica (Islamist Unification FrontIUF).



Esse sinal de alerta - o redirecionamento da OTAN para o Afeganistão - foi seguido pelo agora infame Pacto de Não-Agressão China-Rússia de 2023. Como sempre, os americanos escolheram ver isso através de uma lente do Pacífico, em vez de uma lente da Europa, como algo que pudesse dar a Pequim mais liberdade de ação, não como precursor da ação russa no oeste.

Essa paranóia foi alimentada ainda mais pela desorientação russa por meio do que foi relatado no Ocidente como uma campanha cibernética chinesa em favor do presidente Donald Trump e dos republicanos nas eleições parlamentares de 2024, distraindo ainda mais os americanos (e verdade seja dita a maioria dos europeus). Agora está claro que os chineses conspiraram nessa operação e isso pode pressagiar uma cooperação sino-russa adicional para as “apropriações de terras” chinesas em sua esfera de influência.

A retórica pública russa sobre as minorias perseguidas nos países bálticos (e na Finlândia) continuou até a 11ª hora com a OTAN, e seus extensos ativos de inteligência, vigilância e reconhecimento (intelligence, surveillance, reconnaissanceISR) concentraram-se na maciça campanha russa maskirovka (dissimulação) que retratava uma provável invasão da Estônia. Os canhões de agosto não demoraram a chegar. O grande desafio operacional russo envolveu operações simultâneas de Kaliningrado e contra o leste da Polônia. A separação geográfica parecia intransponível para os padrões modernos, mas os russos haviam planejado e preparado, particularmente no centro de estudos secretos de Shaposhnikov, em Moscou.



O componente Kaliningrado da Molotov envolveu operações muito limitadas, mas violentas, especialmente contra Gdansk, a fim de interromper o fluxo rápido de qualquer material de guerra navegando dos EUA ou da OTAN por esse porto. Os russos basearam seu plano no oeste naquele dos egípcios na Guerra do Yom Kipur de 1973. Eles ocupariam o chamado "Corredor Polonês" e Gdansk, ou pelo menos neutralizariam esse porto, e então estabeleceriam um guarda-chuva letal anti-acesso sobre ele com seus sistemas de mísseis S-300 e S-400 e fogos terrestres (artilharia e foguetes) e sistemas anti-tanque. No lado marítimo, eles desdobrariam uma mistura de submarinos nucleares e a diesel e minariam portos alemães e dinamarqueses usando esses submarinos.

A OTAN, após seu choque inicial, reagiu como esperado e concentrou toda a sua atenção no oeste e conduziu, como os israelenses, contra-ataques insensatos para retomar Gdansk e atacar a base de poder russa em Kaliningrado. O massacre resultante trouxe de volta memórias daqueles poucos historiadores que o estudam, das dezenas de milhares de baixas nos primeiros dias da Primeira Guerra Mundial.



As defesas anti-acesso russas (A2) foram letais e abateram 6 dos 7 C-17 dos EUA trazendo elementos da 82ª Divisão Aerotransportada para os aeroportos poloneses, matando centenas de paraquedistas americanos, e chocando os americanos para fora da sua letargia. No entanto, o verdadeiro choque ocorreu quando a reserva de guerra americana, material para toda uma equipe de combate de brigada pesada (cujo pessoal embarcou de suas bases na Alemanha para a Polônia), no USNS Sgt York, USNS Omar Bradley e USNS Harvey Milk sem escolta, foi afundado pelo que os americanos mais tarde estimaram ser um submarino de ataque da classe Akula (Shark).

Ao mesmo tempo, as forças aéreas russas, juntamente com suas forças de defesa aérea (o PVO Strany), estabeleceram o comando local absoluto do ar nas áreas ao redor de Gdansk e Kaliningrado. Mas este foi apenas o aquecimento.



A guerra tinha apenas 10 dias quando o principal esforço eclodiu no leste, saído dos Pântanos de Pripet e diretamente para a Polônia, através de um “corredor” secreto, anteriormente não revelado, pela Bielorrússia. Os ucranianos não puderam ajudar, atrapalhados pelo cessar-fogo e a maioria de suas tropas estava no leste da Ucrânia, observando esse cessar-fogo. Mais chocante ainda, os húngaros se recusaram a honrar seus acordos da OTAN até obterem um acordo para renegociar queixas territoriais de longa data sobre as regiões da Transilvânia e Trans-Dniester.

Esta ação, por sua vez, congelou as forças romenas e viu essas duas nações se mobilizarem umas contra as outras, e não em nome da OTAN. Ao mesmo tempo, a IUF abriu sua campanha de outono contra Cabul com equipamentos que havia obtido clandestinamente dos russos através do Uzbequistão. O escopo global desses esforços coordenados pela Rússia praticamente congelou os tomadores de decisão ocidentais em um ciclo de recriminação e indecisão.

E os tanques russos rolaram as lagartas. No início de outubro, eles atravessaram o sul da Polônia sem esforço e “libertaram” a Cracóvia, ao mesmo tempo em que a Rússia fez uma oferta secreta através da embaixada norte-coreana em Berlim para devolver a Silésia à Alemanha e depois publicou o entretenimento dessa manobra diplomática por um político alemão de extrema-direita na coalizão reinante pós-Merkel através das mídias sociais e da imprensa internacional em todo o mundo. Quando os russos se aproximaram do Vístula, em frente a Varsóvia, estavam prontos para parar. Eles estabeleceram defesas apressadas e estenderam sua cobertura aérea anti-acesso quase até a fronteira alemã. Eles então declararam um cessar-fogo unilateral, convidando todas as partes para uma conferência organizada pela China, que se ofereceu como mediadora imparcial, em Xangai.



A triste história política e diplomática se desenrolou, como todos sabem, para o próximo ano e ainda está se desenrolando no cenário global hoje. No entanto, o que realmente interessa a todos os envolvidos será uma análise do excelente desempenho dos russos em todos os aspectos no domínio militar na condução de operações de combate em larga escala e alta intensidade contra as forças polonesas, americanas e da OTAN. Essas lições mais detalhadas aprendidas serão abordadas em um segundo artigo neste site em um futuro próximo. Especialmente de interesse serão as operações do Kamfgruppe Schmidt alemão, ligado à "brigada" de armas combinadas americana em desdobramento avançado, baseada em Poznan, como parte da divisão provisória da OTAN desdobrada para retomar Gdansk na primeira semana da guerra.

Original: https://taskandpurpose.com/thelongmarch/operation-molotov-nato-russia-ukraine

Todo esse cenário, posicionado para muitos anos no futuro, é obviamente ficcional. John T. Kuehn é professor de História Militar e oficial reformado da Marinha dos Estados Unidos.

Bibliografia recomendada:









Leitura recomendada:

Paraquedistas: a arma secreta da Rússia em uma invasão no Báltico26 de janeiro de 2020.

A Batalha pelo Aeroporto de Donetsk - A história por dentro19 de janeiro de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia1º de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário