quinta-feira, 16 de julho de 2020

Os condutores da estratégia russa


Por Michael Kofman, Russian Military Analysis, 1º de maio de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2019.

A Rússia parece ressurgir na política internacional, entrincheirada em um crescente confronto com os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que representa um desafio cada vez mais global para um estado que apenas recentemente foi considerado pelo ex-presidente dos EUA como uma potência regional em declínio. A política costuma ser uma questão de percepção. Na concepção ocidental, a Rússia normalmente existe em um dos dois estados analíticos, declínio ou ressurgimento. Tais representações são frequentemente combinadas com outra dicotomia, uma Rússia que é tática e oportunista, ou uma dirigida por uma estratégia coerente de organização central. Essas concepções não são especialmente úteis. O oportunismo deve ser avaliado dentro da estrutura de uma liderança russa com uma visão e um consenso relativo sobre o papel desejado do país nos assuntos internacionais, isto é, decisões táticas tomadas na busca de um estado final desejado. Declínio e ressurgimento são termos relativos, baseados mais na percepção, do que métricas úteis do poder econômico e militar.


Soldado russo na Chechênia queimando dinheiro soviético, completamente sem valor, em 1995.

Moscou foi amarrada a ciclos históricos de ressurgimento, após períodos de declínio, com estagnação após a mobilização. Mas, afastando-se desse padrão, pode-se ver facilmente que, ao longo dos séculos, a Rússia tem sido e continua sendo hoje uma grande potência duradoura. A Rússia é mais bem caracterizada como uma grande potência relativamente fraca, habitualmente atrasada em tecnologia e desenvolvimento socioeconômico em comparação com os contemporâneos. Portanto, a visão estratégica de Moscou sempre foi moldada tanto pelas percepções de vulnerabilidade, ameaças externas e domésticas, quanto pela ambição e uma busca por reconhecimento.


A União Soviética foi de longe a mais fraca das duas superpotências, apesar de ter se mostrado um adversário capaz dos Estados Unidos na segunda metade do século XX. Da mesma forma, o império russo, apesar dos momentos de força geopolítica, se viu enfrentando adversários mais capazes e tecnologicamente superiores em seu próprio tempo, e forças centrífugas de dentro. A tomada de decisão, a estratégia e o pensamento militar da Rússia permanecem profundamente influenciados pela história do país, uma visão compartilhada entre a elite dominante do lugar de direito da Rússia no sistema internacional e uma forte crença na eficácia das forças armadas como instrumento do poder nacional.


Exército russo avançando em Tskhinvali durante a invasão da Geórgia, 2008.

Além disso, não é necessariamente um prólogo, mas a história tem uma influência profunda na estratégia russa, a teoria do estado de como obter segurança para si e expandir a influência na política internacional. Embora não possua o dinamismo econômico dos concorrentes atuais, o Estado russo tem demonstrado propensão a assumir poderes mais fortes, que competem efetivamente na política internacional bem acima de seu poder relativo, ou, para simplificar, acima de seu peso. Ao mesmo tempo, a Rússia sofreu períodos de estagnação, instabilidade interna e ocasional colapso estatal, muitas vezes se engajando em ciclos de reconstrução ao invés de construção.

A estratégia russa para a competição de grandes potências começa com uma decisão de estabelecer dissuasão convencional e nuclear credível, moldando positivamente o equilíbrio militar, que paradoxalmente concede a Moscou confiança para se engajar em concorrência indireta contra os Estados Unidos. Essa é uma estratégia de imposição de custos e erosão, uma abordagem indireta que pode ser considerada uma forma de incursão. Enquanto a dissuasão convencional e nuclear se mantiver, ela torna várias formas de competição abaixo do limiar da guerra não apenas viáveis, mas altamente atraentes. Moscou espera se tornar um grande espinho estratégico pressionando os Estados Unidos, envolvendo-se em arbitragem geopolítica, estabelecendo-se como um intermediário de poder barato e enfraquecendo efetivamente as instituições que fortalecem a ação coletiva ocidental. Por fim, a Rússia busca um acordo, não baseado no equilíbrio de poder real no sistema internacional, mas vinculado ao seu desempenho na competição. Esse acordo pode ser melhor comparado a uma forma de afastamento, reconhecimento de status e privilégios ou entendimentos decorrentes, que têm profundas ramificações geopolíticas para a política na Europa.

O desafio russo


Príncipe Bagration na Batalha de Borodino, 1812.
(Quadro de Alexander Yurievich Averyanov)

A Rússia se mede primeiro e principalmente contra os Estados Unidos e, quando busca reconhecimento, atenção ou busca de um acordo, é o desejo de Moscou de negociar com Washington mais do que qualquer outro poder. Moscou vê a OTAN como o Pacto de Varsóvia dos EUA, não uma aliança de defesa coletiva em que as políticas ou pontos de vista de cada estado são importantes. O desafio russo e, conseqüentemente, os insumos da estratégia russa podem ser definidos estritamente como um concurso nascido de visões conflitantes para a arquitetura de segurança da Europa, o esforço da Rússia em restaurar uma esfera privilegiada de influência na antiga União Soviética e uma diferença fundamental na perspectivas normativas sobre a condução das relações internacionais, é assim que os estados devem se comportar na política internacional e, portanto, qual deve ser o caráter da ordem internacional.

Os líderes russos buscam uma revisão do acordo pós-Guerra Fria na Europa, tendo concluído que não têm interesse na atual arquitetura de segurança da Europa. Moscou vê o período pós-Guerra Fria como algo semelhante ao tratado de Versalhes, uma ordem imposta em um momento de fraqueza russa. As fronteiras russas hoje refletem mais de perto o Tratado de Brest-Litovsk de 1918, assinado pelos bolcheviques com as potências centrais da Primeira Guerra Mundial, e, embora a Rússia não seja principalmente expansionista, sempre buscou profundidade geográfica contra as potências mais fortes da Europa. Não tendo nenhuma participação no atual quadro de segurança europeu, a liderança da Rússia seguiu uma estratégia tradicional para obter segurança através do estabelecimento de estados-tampão contra bloqueios político-econômicos ou militares. Essa é uma estratégia de defesa estendida, carregada de vulnerabilidade, e um consenso que surgiu após a Operação Barbarossa em 1941 nos círculos estratégicos russos de que a Rússia nunca mais deve ser colocada na posição de combater um conflito de escala industrial em seu próprio território.


Exército alemão avançando União Soviética adentro durante a Operação Barbarossa, 1941.

Os estados-tampão não são neutros por design, mas representam um cálculo de soma zero, pois são os amortecedores da Rússia contra a OTAN ou, inversamente, os amortecedores da OTAN contra a Rússia. Moscou acredita que deve impor soberania limitada a seus vizinhos, a fim de controlar sua orientação estratégica. Os líderes russos passaram a ver os vizinhos como passivos, que muitas vezes apoiarão as grandes potências opostas. Esse processo levou a uma profecia auto-realizável: ao usar a força para impor sua vontade, Moscou inspira a apreensão e o comportamento de cercamento entre seus vizinhos, o que os leva a equilibrar e conter a Rússia em primeiro lugar. Embora Moscou sempre busque corrigir essas tendências por meio de instrumentos não-forçosos para manter sua influência, diante de perdas ou derrotas geopolíticas, invariavelmente recorre ao uso da força, colocando-se como a ameaça revisionista aos seus vizinhos.

Além de perseguir a segurança, a Rússia procura restaurar uma esfera privilegiada de influência, acreditando ser o legítimo hegemon em sua própria região, e reintegrar o antigo espaço soviético na medida do possível em torno de sua própria liderança. No entanto, Moscou carece dos meios econômicos, ou de um modelo atraente de desenvolvimento para outros estados, ainda testemunhando uma fragmentação constante da influência sobre seus países "próximos ao exterior". Há outras forças em jogo. Há um século, a Rússia se encontrava entre duas potências dinâmicas em ascensão, a Alemanha e o Japão. Hoje, está entre duas potências econômicas expansionistas, a China e a União Européia, ambas mais atraentes para os estados vizinhos.

O pensamento russo de longo prazo é conduzida por uma visão de Moscou no centro de sua própria esfera de influência, mas, na prática, a política russa é definida pela aversão à perda, tentando controlar o lento desenrolar da influência russa no que antes constituíra o antigo império soviético. Não muito diferente de outras potências, a estratégia russa é deliberada, mas também o produto de reações a crises, e em parte emergente na prática. Moscou vê os Estados Unidos como instrumentais por trás dessa entropia geopolítica e, embora as elites russas não vejam seu país em declínio, elas ainda são incomodadas com a atração gravitacional de estados mais dinâmicos, versus sua própria estagnação econômica sem brilho.


Fuzileiros navais russo e sírio durante um exercício conjunto na cidade portuária síria de Tartus, em 17 de maio de 2017.

Além da defesa estendida e de se restaurar como hegemonia regional dominante dentro da sua própria região, a cultura estratégica russa não se livrou da percepção de que o país é uma grande potência providencial. Moscou vê esse status como de fato hereditário. A Rússia tem um papel especial no mundo porque é a Rússia, e Moscou acredita que tem uma missão. Nascida de sua herança soviética, hoje a Rússia se considera responsável pela segurança internacional, em grande parte por causa do seu arsenal nuclear estratégico e poder militar substancial, e igualmente porque pode desempenhar o papel de um contrapeso conservador ao revisionismo ideológico americano. Seja na Síria ou na Venezuela, a Rússia se considera uma defensora do status quo internacional e do sistema nacional de estado, enquanto vê os Estados Unidos como uma força radical que revisa os assuntos internacionais.

A perspectiva russa dificilmente é diferente de outras grandes potências clássicas, a maioria das quais praticava uma forma de excepcionalismo e hipocrisia de grande potência. No entanto, a visão de Moscou empresta coerência intelectual às ações mais básicas de sua política externa, além da mera busca de segurança à custa da soberania de outros, ou simplesmente mais poder. A Rússia é uma potência cínica, mas as elites russas têm uma visão e uma história que contam a si mesmas sobre o "porquê" da política externa russa. A atual concepção russa de seu papel nos assuntos internacionais está intrinsecamente ligada aos Estados Unidos, e é por isso que Moscou está em uma eterna busca por reconhecimento e em um acordo com Washington.

Um choque de visões


Churchill, Roosevelt e Stalin na Conferência de Yalta, 1945.

Menos reconhecido é o embate fundamental nas perspectivas da política internacional e a conduta dos assuntos entre os estados. Moscou quer fazer parte de todas as instituições que governam a atual ordem internacional e participar de grupos de contato ou fóruns de discussão para várias questões internacionais, ou seja, promover seus interesses e ser visto como um sistema que determina o poder nos assuntos internacionais. Isso não é incomum, nem é a fonte do conflito com Washington. O problema é que a Rússia mantém uma visão do sistema internacional que vê apenas grandes potências como tendo verdadeira soberania e a capacidade de conduzir uma política externa independente. Pequenos estados inerentemente têm soberania limitada a partir dessa perspectiva. Mais importante, o objetivo da política internacional é garantir a estabilidade ou a "previsibilidade" das relações entre as grandes potências, evitando uma guerra de grande potência. Portanto, na concepção russa, não apenas as potências nucleares são as primeiras entre iguais, mas os interesses de outros estados estão subordinados a essa busca. Moscou pensa que um mundo estabilizado por esferas de influência (Yalta, 1945) e arbitragem entre um concerto de poderes (Concerto da Europa em 1815) é o sistema mais estável e com maior chance de perseguir seus próprios interesses.

Notavelmente, essa visão coloca primazia na força e status militares como potência nuclear, sobre o desempenho econômico. Os líderes russos também chegaram a acreditar que, como o Ocidente enfatiza a soberania individual e os direitos humanos acima do poder do Estado, ele inerentemente não vê regimes autoritários como legítimos ou com interesses legítimos. Assim, emerge uma perspectiva mutuamente exclusiva da política internacional, onde a Rússia sente que está de um lado do argumento com a China, promovendo uma ordem internacional conservadora com preferência aos interesses das grandes potências e, por outro, uma visão ideológica que promove a independência de estados menores e a liberdade dos indivíduos em seus respectivos sistemas políticos.


Soldados soviéticos e britânicos durante a ocupação conjunta do Irã, em 1941.

Os EUA podem ver a agenda de Moscou como fundamentalmente retrógrada, mas o núcleo ideológico visível no centro do consenso de política externa de Washington convenceu a liderança da Rússia de que os Estados Unidos sempre buscarão mudanças de regime na Rússia e nunca reconhecerão o regime autoritário de Vladimir Putin como tendo interesses legítimos. A interpretação de Moscou da intenção dos EUA tende ao paranóico, entregando-se a narrativas infundadas da subversão política organizada dos EUA na periferia da Rússia. No entanto, ao mesmo tempo, a visão de Washington para a integração da Rússia com o Ocidente sempre teve um componente de mudança de regime não-declarado, presumindo que isso encorajaria Moscou a fazer uma transição democrática. Moscou percebe corretamente um impulso missionário no centro da política externa dos EUA.

Os caminhos da estratégia russa


General Shoigu, ministro da Defesa, estudando geografia.

A Rússia sempre foi melhor em alavancar instrumentos militares e diplomáticos do poder nacional em oposição à sua economia. Moscou investiu pesadamente na restauração do poder militar convencional, construindo um exército equilibrado que inclui uma força de propósito geral para conflitos locais, um dissuasor convencional não-nuclear e um arsenal nuclear capaz para a guerra nuclear no teatro de operações. Isso permite que Moscou imponha sua vontade aos vizinhos por meio de operações convencionais limitadas, mas, e de forma mais importante, se envolva em negociações coercitivas e manipulação de riscos contra os Estados Unidos e a OTAN. Inerente à estratégia russa está a presunção de que os interesses em jogo favorecem Moscou nessas competições, permitindo à Rússia ameaçar ataques convencionais de longo prazo em crises nas quais os adversários podem recuar. Escalada nuclear escalável está sempre sobre a mesa - algo para se pensar. Como conseqüência, o desafio para o Ocidente não é simplesmente uma lacuna de capacidade, mas uma lacuna cognitiva na compreensão do que importa no caráter moderno da guerra entre grandes potências.

A estratégia militar russa é fortemente influenciada pelas perspectivas sobre o caráter atual e emergente da guerra, considerando-a baseada na blitzkrieg com armas guiadas de precisão de longo alcance e em uma disputa pela superioridade da informação. O Estado-Maior da Rússia vê a guerra como de natureza sistêmica ou 'nodal', em que um sistema militar possui nós críticos que podem destruir sua capacidade de lutar e, da mesma forma, um sistema político possui elementos essenciais à sua vontade ou resolução política em uma crise. Os conceitos operacionais russos são voltados para moldar o ambiente durante um período ameaçado de guerra e alcançar o sucesso em uma competição de sistemas durante o período inicial da guerra. Há pouca noção no pensamento militar russo de uma guerra apenas convencional com a OTAN ou que, além de um período inicial decisivo de guerra, provavelmente haverá outras fases prolongadas, ou seja, um lado será comprovadamente bem-sucedido nas primeiras semanas da disputa. Desde o início, Moscou está decidida a empregar armas nucleares não-estratégicas, caso se encontre no lado perdedor da guerra.


Sistema de míssil inter-continental RS-24 Yars (SS-27 Mod 2) na Sibéria, 2017.

Nas competições, a Rússia usou o poder militar com base em suficiência razoável, não buscando a superação tanto quanto o poder coercitivo para alcançar os objetivos políticos desejados. As guerras recentes demonstraram alguma eficácia no emparelhamento da guerra indireta com o poder militar convencional, mas, em última análise, é o poder militar duro que alcançou os resultados desejados em disputas locais. O Estado-Maior Geral da Rússia valoriza a utilidade da guerra política e acredita que um conflito começará com subversão política organizada, guerra de informação e coisas do gênero. No entanto, eles vêem esse desafio sub-convencional como a vanguarda de uma ponta-de-lança, onde o verdadeiro poder coercitivo vem do poder militar tecnológico ocidental e do impressionante arsenal de armas guiadas com precisão. Moscou vê a guerra sem contato e a blitzkrieg aeroespacial, como os elementos definidores do modo de guerra ocidental. Eles são combinados com a subversão política para criar revoluções coloridas dentro da esfera de influência auto-atribuída da Rússia. Os elementos convencionais são, portanto, o golpe final de uma guerra não-declarada que começa com meios não-militares.

Apoiada por um crescente dissuasor convencional e nuclear, Moscou está mais confiante em perseguir a competição indireta por meio de hackers, guerra política e outras formas de coerção contra os Estados Unidos, na esperança de impor custos ao longo do tempo. Essa é uma forma de retaliação pelas sanções ocidentais e uma abordagem mais 'medieval' às disputas de grande potência, alavancando a capacidade de alcançar e afetar diretamente a coesão política entre os estados ocidentais. É mais eficaz quando se considera os esforços ocidentais para reduzir o papel do Estado-nação e estabelecer economias interdependentes baseadas na liberdade de circulação de bens e mão-de-obra. A Rússia combina a imposição de custos sobre os Estados Unidos com uma série de apostas no cenário global para estabelecer um papel de arbitragem ou tornar-se um intermediário de poder em competições, conflitos ou questões de interesse do Ocidente. O objetivo final é criar custos de transação para a política externa dos EUA, forçar o Ocidente a lidar com Moscou, com o eventual desejo de forçar uma negociação sobre os principais interesses russos descritos acima.



Um terceiro esforço está centrado nas principais potências da Europa, criando dependências assimétricas por meio de gasodutos, comércio ou outros acordos com suas respectivas elites. A Rússia é mais poderosa que qualquer Estado europeu, mas muito mais fraca que a União Européia. O problema de Moscou no relativo equilíbrio de poder é auto-evidente, portanto, a Rússia procura enfraquecer a capacidade européia de ação coletiva e o papel das instituições que limitam sua liberdade de manobra na política externa. A Rússia está menos interessada na coesão da OTAN e mais preocupada com a atratividade e o expansionismo econômico da UE. A OTAN, na concepção russa, é simplesmente uma cabeça-de-ponte para a projeção do poder militar americano.

A UE não é simplesmente um projeto europeu, mas também uma conseqüência da grande estratégia dos EUA. Ou seja, a Europa não goza de autonomia estratégica de Washington. A Rússia se recusa a aceitar um teatro europeu de operações militares, onde os EUA gozam de domínio militar, enquanto seu aliado, a UE, tem primazia econômica e política. Portanto, na medida do possível, a Rússia trabalhará ativamente para incentivar forças centrífugas no continente, esperando restaurar a primazia política do Estado-nação e o ressurgimento de um sistema de poderes semelhante a um concerto sobre aquele de blocos políticos ou militares . A influência política russa, operações de informação e esforços semelhantes estão vinculados por essa visão geral, não para o revisionismo geográfico, mas para a restauração do poder relativo da Rússia nos assuntos europeus.

Original: https://russianmilitaryanalysis.wordpress.com/2019/05/01/drivers-of-russian-grand-strategy/

Bibliografia recomendada:





Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia1º de fevereiro de 2020.

Poderia haver uma reinicialização da Guerra Fria na América Latina?, 4 de janeiro de 2020.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?22 de março de 2020.

Chineses no Extremo Oriente russo: uma bomba-relógio geopolítica?, 10 de julho de 2020.

Por que Moçambique está terceirizando a contra-insurgência para a Rússia25 de março de 2020.

Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 202421 de maio de 2020.

Unidade 29155 Revelada: Esquadrão Indiscreto da Rússia tem um histórico desleixado em toda a Europa11 de junho de 2020.

Recrutamento de Agentes Terroristas Ecológicos no Ocidente17 de fevereiro de 2020.

A Batalha pelo Aeroporto de Donetsk - A história por dentro19 de janeiro de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário