segunda-feira, 20 de abril de 2020

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia


Por Abraham Denmark, Charles Edel e Siddharth Mohandas, War on the Rocks, 16 de abril de 2020.
Tradução FdL, do Warfare Blog, 20 de abril de 2020.

Enquanto a retórica superaquecida e as recriminações mútuas de Washington e Pequim em meio à pandemia de coronavírus em andamento estão ganhando manchetes, igualmente importante é o que vem ocorrendo nas periferias leste e sul da China nas últimas semanas. No momento em que o Partido Comunista Chinês vem divulgando a generosidade de sua abordagem ao COVID-19, houve um aumento acentuado no número de incidentes entre a China e seus vizinhos. Pequim usou suas forças navais e paramilitares, bem como suas operações de informação cada vez mais sofisticadas, para aumentar as tensões, sondar as respostas e ver o quanto ela pode se safar.

Isso levanta a questão do que exatamente a China está fazendo. Pequim realmente adotou uma nova abordagem de cooperação com seus vizinhos? Está tentando tirar proveito da bagunça do COVID-19 para afirmar seus interesses de forma mais agressiva? Ou isso é simplesmente uma extensão - embora oportunista - de sua estratégia pré-pandêmica?

A nova pandemia de coronavírus não reduziu a geopolítica - na verdade, parece estar intensificando tensões preexistentes. Entender se e como a política externa da China mudou é fundamental para avaliar o que está acontecendo na periferia da China e o que Pequim poderá fazer a seguir. É necessário responder a essas perguntas para que os Estados Unidos e seus aliados formem uma resposta adequada. Isso, por sua vez, exige entender o que Pequim estava fazendo antes da crise e refletir sobre o que realmente pode sinalizar uma mudança significativa em direção a uma política externa mais conflituosa.

Como eu cheguei aqui? Os últimos movimentos da China

Navios e aeronaves chineses estiveram envolvidos em uma série de incidentes recentes na periferia marítima da China. Embora não tenha havido fatalidades, vidas foram certamente colocadas em risco. Considerando que esses incidentes envolveram dois dos principais rivais regionais da China - Japão e Vietnã - bem como Taiwan, deve-se considerar a possibilidade de Pequim ver a pandemia do COVID-19 como uma oportunidade de pressionar uma vantagem durante um período de distração e incerteza geopolítica.


O presidente Xi Jinping passando marinheiros em revista no 69º aniversário da Marinha Chinesa, abril de 2019

Em meados de março, um grupo de aeronaves do Exército Popular de Libertação (PLA) cruzou a linha mediana no Estreito de Taiwan - uma linha de demarcação não-oficial entre Taiwan e China - em um exercício destinado a intimidar Taiwan, demonstrando a capacidade da China de realizar operações noturnas enquanto também testando a capacidade de reagir de Taiwan. Enquanto navios e aeronaves do PLA operam nas proximidades de Taiwan há vários anos, o ritmo e a assertividade dessas atividades aumentaram visivelmente nos últimos anos: O último incidente foi a quarta vez em dois meses que os aviões do PLA forçaram a força aérea de Taiwan a se mobilizar (scramble) e interceptar. Considerando a iminente segunda inauguração do líder de Taiwan, a presidente Tsai Ing-wen, bem como os níveis cada vez menores de apoio em Taiwan à formulação "Um país, dois sistemas" de Pequim, esses exercícios provavelmente se tornarão ainda mais comuns e assertivos.

No final de março, no mar da China Oriental, um navio de pesca chinês colidiu com um destróier japonês. A colisão abriu um buraco no destróier, mas o navio conseguiu se mover por conta própria e sua tripulação não sofreu baixas. Pequim anunciou que um pescador chinês foi ferido e culpou o navio japonês pelo incidente, pedindo a cooperação do Japão para evitar futuros incidentes. Não está claro se o navio chinês fazia parte da “milícia marítima da China”, descrita pelo Departamento de Defesa dos EUA como “uma força de reserva armada de civis disponíveis para mobilização”, que desempenha um “papel importante em atividades coercitivas para alcançar os objetivos políticos da China sem lutar."



O Mar da China Meridional também viu vários incidentes recentes envolvendo navios chineses. No início de março, um navio de pesca vietnamita estava atracado perto de uma pequena ilha no arquipélago de Paracel - ilhas reivindicadas pelo Vietnã e pela China, entre outros - quando um navio chinês o perseguiu e disparou um canhão d'água, fazendo com que o barco afundasse após atingir alguns pedras. A tripulação foi resgatada por outro barco de pesca vietnamita, com Hanói alegando que o barco foi abalroado pela embarcação chinesa. O Departamento de Estado dos EUA emitiu uma declaração no início de abril expressando suas sérias preocupações sobre o incidente e exortando a China a "manter o foco no apoio aos esforços internacionais para combater a pandemia global e parar de explorar a distração ou vulnerabilidade de outros estados para expandir suas reivindicações ilegais no Mar da China Meridional.” O Departamento de Estado também observou que, desde o início da pandemia, "Pequim também anunciou novas 'estações de pesquisa' em bases militares construídas no Recife de Fiery Cross e Recife de Subi, e pousou aeronaves militares especiais no Recife de Fiery Cross". Mais recentemente, um navio da guarda costeira chinesa (CCG) - um dos vários navios chineses que assediaram uma embarcação comercial filipina em setembro de 2019 - foi visto patrulhando perto do Banco de Areia de Scarborough, representando um dos muitos navios da CCG que vem patrulhando quase todas as áreas disputadas entre a China e as Filipinas no Mar da China Meridional.



Esses incidentes são apenas uma coincidência? Eles são um sinal de que Pequim está distraída com o COVID-19 e a resultante desaceleração econômica histórica, e comandantes locais agressivos estão empurrando o envelope por conta própria? Ou isso é meramente o resultado da China colocar em serviço mais navios e mais aeronaves, levando a um aumento previsível de incidentes e exercícios? Embora essas explicações sejam plausíveis, um fator mais provável das ações da China é, de fato, a continuidade.

Esses incidentes não são inéditos e provavelmente não indicam uma nova estratégia chinesa pós-pandemia. Em vez disso, esses incidentes são consistentes com uma abordagem chinesa das relações exteriores sob a liderança do Secretário Geral do PCC, Xi Jinping, que mesmo antes do surto do COVID-19 demonstrava flexibilidade, assertividade e um desejo singular de explorar oportunidades de fraqueza e distração externas, a fim de avançar Interesses da China.


Marinheiros chineses e americanos dos destroyeres USS Stockdale e Xian, respectivamente, durante o exercício Rim of the Pacific 2016, em 20 de julho de 2016.

Por mais de uma década, os líderes chineses passaram a ver seu ambiente de segurança externa como geralmente favorável, representando uma “janela estratégica de oportunidade” na qual a China poderia alcançar seu objetivo principal de revitalização nacional por meio de desenvolvimento econômico e social, modernização militar e expansão da sua influência regional e global. Desde a crise financeira global de 2008 a 2009, Pequim percebeu uma oportunidade de expandir seu poder geopolítico em relação aos Estados Unidos, mas não busca um conflito explícito com os Estados Unidos ou seus aliados.

Como resultado, Pequim intensificou o uso de táticas de “zona cinzenta”, que buscam promover gradualmente os interesses chineses, usando ambigüidade e táticas personalizadas para não provocar retaliação militar. Essas atividades também servem como "comportamento de sondagem" que testa até onde a China pode chegar antes de encontrar resistência determinada. Nos últimos anos, Pequim usou essa abordagem para aumentar a pressão sobre o Japão no Mar da China Oriental e avançar as reivindicações territoriais de Pequim no Mar da China Meridional contra Filipinas, Vietnã, Malásia e Indonésia.


Marinheira chinesa à bordo do Jinggangshan como parte de uma força-tarefa no Golfo de Áden, 2013. (People's Daily Online/Chen Geng)

Durante todo o processo, a abordagem de Pequim à geopolítica regional foi adaptável a condições específicas, flexível a tendências estratégicas mais amplas e oportunista às percepções de fraqueza ou distração em seus adversários. As ações chinesas não são as apostas imprudentes que podem parecer inicialmente. Em vez disso, são sondas premeditadas que procuram identificar fraquezas e oportunidades. A pressão chinesa é cuidadosamente calibrada para se ajustar, mas não necessariamente para exceder, uma determinada situação.

Essa abordagem reflete uma máxima de Vladimir Lênin, a quem o Partido Comunista Chinês continua a reverenciar até hoje: “Sonde com uma baioneta: se você encontrar aço, pare. Se você encontrar mingau, então empurre." Em vários casos, Pequim continuou a pressionar quando percebeu que é improvável que suas ações causem uma resposta significativa. Mas quando a assertividade chinesa é recebida com uma contrapressão resoluta, a resposta de Pequim não tem sido previsivelmente escalatória.


Fuzileiros navais russos e chineses concluem exercício terrestre durante o exercício Joint Sea 2016, no Mar da China Meridional.

Pequim demonstrou flexibilidade quando confrontada com uma oposição determinada. Exemplos incluem a resposta do Japão à implantação da China de uma zona de identificação de defesa aérea no Mar da China Oriental em 2013 e o presidente Obama relatou o desenho de uma linha vermelha em torno do Banco de Areia de Scarborough para Xi Jinping em março de 2016. Além disso, a resposta da Índia às atividades chinesas em Doklam não levou à guerra.

As ações recentes da China no Estreito de Taiwan, Mar da China Oriental e Mar da China Meridional demonstram uma continuação dessa abordagem flexível e oportunista. Com os Estados Unidos vacilando em sua resposta doméstica e falhando em liderar uma resposta internacional unificada e o Sudeste Asiático sitiado pelo COVID-19, certamente há espaço para Pequim pressionar sua vantagem e buscar oportunidades para defender seus próprios interesses. Além disso, preocupações crescentes de que as forças armadas dos EUA possam enfrentar problemas de prontidão com vários múltiplos navais provavelmente confirmarão as percepções de Pequim de que a situação é propícia a mais oportunismo. De fato, a versão em inglês do site oficial do PLA publicou um comentário afirmando: "O surto de COVID-19 reduziu significativamente a capacidade de desdobramento de navios de guerra da Marinha dos EUA na região Ásia-Pacífico". E um artigo separado afirmava que nenhum militar havia sido infectado com COVID-19 e que a pandemia “melhorou a prontidão de combate das forças armadas chinesas”.


Um complexo de bares e boates em Bangcoc antes do governo tailandês anunciar planos de fechar lugares que atraem multidões. (Adam Dean / The New York Times)

As ações pós-pandemia da China sugerem fortemente que Pequim procura demonstrar ao mundo que o PLA não foi afetado pelo coronavírus (com toda a probabilidade ele foi). Essa mensagem pretende enfatizar que não é o momento de tentar tirar proveito do foco da China em suprimir a epidemia, reviver sua economia e sustentar a estabilidade política interna. Ao mesmo tempo, Pequim provavelmente está usando esses incidentes para sondar seus adversários em busca de indícios de fraqueza e distração, buscando oportunidades para mudar o status quo a favor da China. Embora a pandemia possa ser a causa de tal comportamento, não é uma nova estratégia. Pelo contrário, é um reflexo do oportunismo e assertividade que têm sido uma marca registrada da abordagem pré-pandêmica da China. Olhando para o futuro, os Estados Unidos e o restante do Indo-Pacífico devem esperar um oportunismo contínuo da China.

Queimando a casa: pontos de observação para escalada

Dizer que a China está apenas perseguindo sua estratégia oportunista de longa data em sua periferia não significa dizer que uma escalada adicional é improvável. Dependendo do que Pequim julgue ser o nível de fraqueza entre os estados regionais e a distração em Washington, pode determinar que agora é precisamente o momento de impulsionar suas ambições na região o máximo possível.

Há vários pontos de observação que analistas e formuladores de políticas devem procurar para averiguar se a estratégia da China, particularmente no Mar do Sul da China, entrou em uma fase nova e escalatória.

- Tentativa decisiva de alterar o status quo


Grupo de assalto chinês comunista atacando com lança-chamas a Cota 203, defendida pelos chineses nacionalistas, em 18 de janeiro de 1955.

Claramente, a coisa mais significativa que a China poderia fazer para tirar proveito do caos causado pelo novo coronavírus seria tomar ações decisivas para tentar afastar um requerente de um ativo no qual ele tenha controle militar ou administrativo de fato. Tal ação não precisa constituir um grande esforço novo da China, mas poderia ser simplesmente a extensão lógica dos esforços atuais. Por exemplo, a Ilha Thitu é um ativo controlado pelas Filipinas em torno das quais milícias marítimas chinesas estão patrulhando há 16 meses. Seria um candidato potencial a um esforço em larga escala da China para interromper o movimento e reabastecimento filipinos com o objetivo de tornar insustentável a posição filipina na ilha. De fato, a única razão pela qual Pequim pode não fazer tal movimento é que a orientação estratégica das Filipinas está tendendo à China há algum tempo, e ela pode simplesmente não querer atrapalhar. Outro passo escalatório que Pequim poderia considerar seria estender suas fronteiras marítimas traçando linhas de base retas ao redor das Ilhas Spratly, afirmando assim uma reivindicação legal a ainda mais das águas do Mar da China Meridional. Tal medida aumentaria a guerra legal de Pequim no Mar da China Meridional e aumentaria drasticamente as tensões com os estados demandantes afetados, talvez mais notavelmente o Vietnã.

- Nova militarização


Fuzileiros navais vietnamitas com o uniforme azul claramente influenciado pelo azul chinês, mas no padrão Flecktarn alemão. As forças navais da região vêm respondendo à escalada militar chinesa.

Desde que a China iniciou seu esforço de construção de ilhas em 2014, ela vem adicionando constantemente infraestrutura e ativos militares aos ativos expandidos que construiu no Mar da China Meridional. Isso incluiu novas pistas, hangares e portos que abrigam aeronaves de combate de ponta, mísseis terra-ar e anti-navio e dispositivos de radar - tudo isso apesar do compromisso público de Xi Jinping de não militarizar o Mar da China Meridional. Embora o cavalo tenha saído quase todo do celeiro em termos de militarização da China, qualquer nova introdução de ativos militares ofensivos nos ativos chineses no Mar da China Meridional seria outra escalada notável. As possibilidades incluem a introdução de novos recursos de guerra anfíbia, navios da marinha ou da guarda costeira chinesas em portos continentais com ativos recém-militarizados, e a introdução de novos sistemas de guerra hipersônicos ou anti-submarinos, cada um dos quais aumentaria materialmente os recursos de projeção de poder da China e a aproximaria do objetivo de controle efetivo do Mar da China Meridional.

- Comunicações Públicas Aprimoradas

Outro indicador a ser observado é uma linha pública mais assertiva nas declarações oficiais e nos órgãos da mídia estatal sobre os direitos históricos chineses à região, ao Mar da China Meridional em geral, ou ativos em particular. Esse tipo de mensagem serve como uma distração útil para as turbulências domésticas relacionadas a pandemias em andamento para Pequim e pode servir para minar a vontade política em outros estados demandantes. Embora não seja necessariamente necessária - a China fez grandes movimentos no Mar da China Meridional com pouco alarde público - uma mudança nas mensagens oficiais seria um indicador principal útil do próximo estágio do seu oportunismo.

- Oportunismo "Horizontal"


Forças Especiais da Real Gendarmeria do Camboja armados com fuzis QBZ-95 chineses.

Embora os pontos de observação acima se refiram principalmente a ações assertivas contra outros estados que se opõem às reivindicações expansivas de Pequim no Mar da China Meridional, a China também poderia usar esse tempo para consolidar e expandir ganhos entre estados regionais amigos. O candidato mais óbvio aqui é o Camboja, com seus laços mais profundos com, e dependência de, Pequim. Apesar das múltiplas garantias do primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, de que violaria a constituição para permitir que forças estrangeiras entrassem no Camboja, ele poderia escorregar uma mudança na interpretação da constituição de várias maneiras. Apesar das preocupações com doenças, a China e o Camboja acabaram de encerrar um exercício conjunto de duas semanas, e ampliar as instalações proto-militares de Pequim no país seria o aprimoramento mais direto da posição de poder da China na região. Tal medida não implicaria reivindicações territoriais de nenhum outro país, seria bastante desafiadora para os Estados Unidos e outros responderem e teria efeitos estratégicos significativos no Mar da China Meridional de várias maneiras diferentes.


O embaixador chinês Wang Wentian (centro) e o Ministro da Defesa cambojano Tea Banh no encerramento do exercício militar Dragão Dourado 2020 na província de Kampot, no Camboja, em 31 de março de 2020. (PRC Embaixada do Camboja)

- Mar da China Meridional Quid Pro Quos*

*Nota do Tradutor: Quid pro quo é uma expressão latina que significa "tomar uma coisa por outra", fazendo referência, no uso do português e de todas as línguas latinas, a uma confusão ou engano. Em inglês indica "um favor por um favor".

Talvez a ação mais provável e insidiosa da China seja a de vincular as disputas de soberania do Mar da China Meridional à assistência econômica e de saúde aos países que lidam com o COVID-19. Até o momento, a China não teve vergonha de estabelecer vínculos entre a assistência ao coronavírus e seus projetos da Iniciativa do Cinturão e Rota, e não seria exagero estendê-lo à “coprodução” relacionada a depósitos de energia ou acesso a certos ativos no Mar da China Meridional para a China. As Filipinas, novamente, seriam um alvo provável para esses esforços, embora os blocos de exploração de petróleo atualmente mantidos pelo Vietnã e outros também sejam um foco potencial. Com o tempo, esse tipo de vinculo só pode crescer. Como as economias dos EUA e da Europa são duramente atingidas pela crise econômica induzida pelo coronavírus, os Estados Unidos podem esperar que Pequim perceba e procure explorar uma grande janela de oportunidade.

Em suma, existem muitas maneiras pelas quais a estratégia oportunista da China pode evoluir no meio da crise do COVID-19, e uma atenção cuidadosa ao conjunto de indicadores acima pode ajudar a prever o próximo estágio da escalada.

Tem que haver uma maneira: respondendo ao oportunismo da China

A assertividade chinesa não desaparecerá. De fato, considerando as tensões em curso no Estreito de Taiwan e o crescente número de ativos militares, de guarda costeira e milícias da China nos mares da China Oriental e Meridional, é provável que o potencial para futuros incidentes aumente com o tempo. Ainda assim, à medida que esses desafios se intensificam, aumentará a necessidade dos Estados Unidos demonstrarem capacidade de estabelecer uma agenda internacional e liderar o restante da região em uma resposta coordenada à assertividade e ao oportunismo chineses. Em outras palavras, se os chineses pressionarem, os Estados Unidos devem garantir que encontrem aço.


Fuzileiros navais americanos do III MEU no Mar do Japão, em 6 de setembro de 2015.

Primeiro, os Estados Unidos devem deixar claro que não tolerarão esforços de nenhum país para tirar proveito da pandemia em andamento para revisar o status quo. É necessária uma mensagem clara de Washington, ecoada por aliados e parceiros em todo o mundo, de que o mundo precisa de estabilidade se ele for conseguir enfrentar essa crise com sucesso. No entanto, na Ásia, as palavras devem ser apoiadas com ações. Qualquer mensagem deve incluir esforços de apoio para demonstrar a vontade e a capacidade de se opor ao oportunismo chinês, continuando um ritmo constante de operações em todo o Indo-Pacífico e conduzindo operações multilaterais em conjunto com aliados e parceiros regionais que não expõem os militares a riscos adicionais, tais como patrulhas marítimas ou aéreas combinadas.

Uma questão importante é como os vizinhos da China no Mar da China Meridional - especialmente Filipinas, Vietnã, Malásia e Indonésia - reagem a esse oportunismo. Isso pode representar uma oportunidade para os Estados Unidos empoderarem esses relacionamentos e capacitá-los a reagir contra a assertividade chinesa. Isso exigirá fornecer aos reclamantes as capacidades, infraestrutura e treinamento necessários para monitorar seus domínios marítimos e complicar os esforços de Pequim para afirmar seus interesses sem o risco de escalada. Diplomaticamente, Washington poderia apoiar os esforços dos vizinhos da China para negociar um código de conduta válido e robusto com base em leis e normas internacionais estabelecidas que seja consistente com a decisão de arbitragem do Tribunal de Haia em 2016 sobre o Mar da China Meridional.

Economicamente, os Estados Unidos têm a oportunidade de ajudar Taiwan e os países do Sudeste Asiático que disputam as reivindicações da China sobre o Mar da China Meridional a reduzir sua dependência econômica da China, buscando acordos para expandir o comércio e o investimento bilaterais e multilaterais. Um aspecto dessa estratégia poderia incluir o empréstimo de uma iniciativa do Japão, que anunciou recentemente planos para alocar US$ 2 bilhões em incentivos para empresas deixarem a produção fora da China. Considerando a fuga significativa de manufatura da China e para Taiwan e sudeste da Ásia, iniciada antes do surto de COVID-19, esse esforço poderia apoiar forças de mercado preexistentes.

Por fim, é importante que os Estados Unidos e seus aliados e parceiros entendam que a China não mudou sua abordagem. O oportunismo e assertividade que foram demonstrados nos últimos meses, na realidade, existem há anos. No entanto, Washington estaria se iludindo se confiasse que a China não tiraria vantagem da situação atual. Mesmo enfrentando perdas devastadoras do novo coronavírus, os Estados Unidos não podem se dar ao luxo de agir como se a geopolítica e a concorrência tivessem sido suspensas. De qualquer forma, a competição pelo futuro do Indo-Pacífico se intensificou, e os Estados Unidos devem liderar uma resposta.

Original: https://warontherocks.com/2020/04/same-as-it-ever-was-chinas-pandemic-opportunism-on-its-periphery/

Abraham Denmark é diretor do Programa da Ásia no Centro Internacional para Acadêmicos Woodrow Wilson (Woodrow Wilson International Center for Scholars) e ex-vice-secretário de defesa adjunto para o Leste Asiático.

Charles Edel é membro sênior do Centro de Estudos dos Estados Unidos da Universidade de Sydney e trabalhou anteriormente na Equipe de Planejamento de Políticas da Secretaria de Estado dos EUA (U.S. Secretary of State’s Policy Planning Staff).

Siddharth Mohandas é membro sênior adjunto do Center for a New American Security e atuou anteriormente como vice-diretor principal da Equipe de Planejamento de Políticas da Secretaria de Estado dos EUA (U.S. Secretary of State’s Policy Planning Staff).

Leitura recomendada: 

Quer entender a história chinesa? Estes 5 eventos são a chave, 6 de janeiro de 2020.

O fim da visão de longo prazo da China, 6 de janeiro de 2020.

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável5 de fevereiro de 2020.

Indonésia desdobra aviões de combate para Natuna em impasse com a China, 9 de janeiro de 2020.

O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação10 de março de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China, 7 de janeiro de 2020.

Face à China, o Vietnã busca cooperação, 7 de janeiro de 2020.

VÍDEO: Documentário animado sobre a Guerra da Coréia (4 partes), 4 de março de 2020.

FOTO: Assalto chinês na Batalha das Ilhas Yijiangshan4 de abril de 2020.

FOTO: Forças Especiais da Real Gendarmeria do Camboja8 de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário