Mostrando postagens com marcador Cães de Guerra. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cães de Guerra. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

GALERIA: Exercício de cães e renas no Ártico

Soldados da unidade de reconhecimento de uma das brigadas de infantaria mecanizada do Ártico utilizando cães e trenós na área de Murmansky, 1º de fevereiro de 2016.
(Lev Fedosseyev)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Batedores da unidade de reconhecimento da 80ª Brigada de Infantaria Mecanizada do Ártico, em Alakurtti no Oblast de Murmansk e pertencente à Frota do Norte (FN), conduzem exercícios militares e demonstram a forma correta de andar de trenó puxado por cães - da raça Husky, de olhos azuis e pêlo acinzentado - e com renas, conforme os povos nativos da região. Os batedores de reconhecimento (Razvedchiki / Razvedika) são uma parte importante do sistema militar russo, tendo o mesmo padrão de treinamento das Spetsnaz. Os militares foram fotografados por Lev Fedosseyev em 1º de fevereiro de 2016.

“Os cães de trenó são selecionados quando ainda são muito jovens. Você pode dizer se um cachorrinho husky será um bom cão de trenó logo em um mês e meio”, disse o Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada.

Insígnia da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Os militares russos realizaram seu primeiro exercício de treinamento usando renas e trenós puxados por cães para realizar patrulhas nas duras condições do Ártico. O exercício foi realizado como resultado dum programa especial para preparar os huskies para servir nas forças armadas. O exercício foi gravado e intitulado "No Extremo Norte, os batedores da FN aprendem a usar renas e trenós puxados por cães".

Vídeo do exercício


As aulas foram ministradas em uma fazenda de pastoreio de renas perto da aldeia de Lovozero, na região de Murmansk. Os militares aprenderam a administrar equipes de cães e renas e desenvolveram os elementos táticos para conduzir operações de incursão no ambiente invernal da região. Criadores de renas e condutores contaram aos batedores sobre as peculiaridades para se manter e treinar os animais.

Durante o exercício, os soldados também aprenderam a erguer as moradias tradicionais dos povos nômades do norte chamados chumy, que são tendas de couro cru, para se manterem aquecidos. De acordo com Vadim Serga, chefe do serviço de imprensa da Frota do Norte, pastores de renas experientes podem montar um acampamento de abrigos chumy em apenas 10 ou 15 minutos. Os batedores enfrentaram tempo inclemente, com temperaturas atingindo -30ºC, mas mesmo assim os soldados e cães de trenó da brigada cumpriram sua missão, sendo auxiliados por indígenas locais.







Durante a Segunda Guerra Mundial - chamada de "Grande Guerra Patriótica" na Rússia - renas foram empregadas na região de Kola, no Ártico. Esta renas foram usadas para transportar carga militar, evacuar os feridos, enviar batedores para as linhas inimigas e até mesmo para destruir aeronaves e eliminar suas tripulações.

Através do transporte por renas, mais de 10 mil feridos foram retirados da linha de frente, cerca de 17 mil toneladas de munições e outras cargas militares foram movimentadas para a linha de frente, 160 aeronaves foram evacuadas da tundra, após terem feito pousos de emergência devido a avarias, e cerca de 8 mil militares e guerrilheiros foram transportados para cumprirem missões especiais atrás das linhas inimigas. Entre as operações bem-sucedidas de sabotagem usando o transporte de renas está o ataque ao campo de aviação de Petsamo em 1942.

Durante a guerra, várias brigadas de transporte e batalhões de esqui de renas foram formados, nos quais pastores de renas dentre os habitantes indígenas do Extremo Norte - Sami, Nenets, Komi - serviram com suas renas. Mais de 10 mil renas foram mobilizadas no total. Em Naryan-Mar, na rua Pobeda, foi inaugurado um monumento ao feito dos participantes dos batalhões de transporte de renas durante a Grande Guerra Patriótica.









“Se o filhote quiser ficar ao ar livre a maior parte do tempo, se tiver energia e não puder ficar parado em casa, deve ser enviado para um centro de treinamento de cães.”
- Sargento Sergei Timonin, chefe do canil da 80ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti e Johnny Shumate.

Leitura recomendada:

sábado, 17 de julho de 2021

Forças Especiais: Inovação de suboficial do 13e RDP melhora a segurança dos saltadores operacionais

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX 360, 17 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de julho de 2021.

Durante a sua última viagem a Biscarrosse, no centro de “Teste de Mísseis” da Direção-Geral dos Armamentos (Direction générale de l’armementDGA), a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, citou a palavra “inovação” 19 vezes… e em particular para insistir na “inovação participativa”, ou seja, sobre a capacidade dos militares de imaginar soluções para os problemas operacionais com os quais são regularmente confrontados.


Assim, e no sentido de fomentar ainda mais esta inovação participativa, que já é tema do "prix de l’Audace" ("Prêmio da Audácia”), atribuído a cada dois anos pela Fundação Maréchal Leclerc de Hauteclocque, a Sra. Parly anunciou a criação, no próximo mês de Novembro, do “Troféu dos Inovadores da Defesa”, sob a égide da Agência da Inovação da Defesa (Agence de l’innovation de défenseAID). Este troféu "terá como objetivo premiar inovadores de todos os estatutos, civis ou militares, pertencentes ao ministério" e a sua primeira edição "terá como tema" operações em campos intangíveis", seja ciber, inteligência, luta por influência, ou capacidades cognitivas e psicológicas”, disse a Ministro.

De qualquer forma, 2020 terá sido um ano "dinâmico" para a inovação participativa. Excluindo aqueles relacionados com a Covid-19, a AID investigou 75 projetos, 32 dos quais foram financiados. E o DAPCO, para "Dispositivo de auxílio à aterragem para saltadores operacionais", foi distinguido na última edição do DROID (Document de référence de l’orientation de l’innovation de DéfenseDocumento de referência para a orientação da inovação em defesa).

Saltadores operacionais do 13e RDP.
Saltadores livres qualificados em saltos HALO e HAHO.

Concretamente, o DAPCO visa melhorar a segurança dos saltadores operacionais. Portanto, trata-se principalmente das forças especiais. Assim, em uma zona desértica e em condições de visibilidade zero, um paraquedista não percebe o solo quando está no final de suas linhas. Daí a ideia de avisá-lo que está prestes a pousar por meio de um sinal sonoro, para evitar o risco de perder velocidade ou chegar numa velocidade muito alta.

Este é, portanto, o princípio do DAPCO, desenvolvido por um chefe de gabinete do 13º Regimento de Dragões Paraquedistas (13e Régiment de Dragons Parachutiste, 13e RDP), com a ajuda da empresa de Bordéus BE Électronique. Em detalhes, este dispositivo tem a forma de uma "caixa que emite ondas de rádio na direção do solo e um receptor conectado à caixa V60 INVISIO, que emite sons no fone de ouvido PELTOR [anti-ruído]" do operador.

INVISIO V60.

Este projeto inovador recebeu um financiamento de 45.000 euros no âmbito da inovação participativa do Ministério das Forças Armadas.

Salto livre/operacional das forças especiais francesas


Bibliografia recomendada:

Commandos Parachutistes:
Au coeur de l'action.
Louis-Frédéric Dunal.

French Airborne Troops Wings and Insignia:
From the origins to the present day.
Jacques Baltzer e Éric Michéletti.

Leitura recomendada:



O primeiro salto da América do Sul, 13 de janeiro de 2020.



GALERIA: Reencenação do salto no Passo de Mitla, 31 de março de 2020.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

O Exército Francês está testando arneses para lançar seus cães soldados de paraquedas

O exército adquire cerca de 300 cães por ano que acompanham as forças francesas, bem como os ministérios e administrações.

Para Simon Chodorge, L'Usine Nouvelle, 8 de janeiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de junho de 2021.

O cachorro, o melhor amigo do homem na terra e no céu. O Exército Francês revelou imagens impressionantes de cães soldados saltados de paraquedas com seus donos.


Você deve estar familiarizado com o trabalho em andamento no sucessor do Rafale ou no tanque do futuro. Outros projetos menos conhecidos unem a França e a Alemanha no setor de defesa. Inclusive em áreas de nicho como a criação de cães (cynotechnie)... Em dezembro de 2020, o Exército Francês apresentou dois projetos que devem permitir facilitar o salto de paraquedas de seus cães-soldados.

“Até hoje, o único arnês para cães paraquedistas datava da década de 1990 e não era mais adequado para o uso operacional moderno”, disse o Ministério das Forças Armadas em um comunicado. Um capitão do 132º Regimento de Infantaria Cinotécnica (132e Régiment d’infanterie cynotechnique132e RIC) trabalha desde 2015 com a empresa alemã Paratec para desenvolver um arnês mais ergonômico para o cão soldado e seu tratador.


Cães usados ​​para neutralização


Instalado em Suippes (Marne), o 132e RIC adquire cerca de 300 animais por ano, que apoiam as forças francesas, bem como os ministérios e administrações. Os cães soldados não procuram apenas explosivos ou munições. Eles também operam em teatros de operações sensíveis no exterior para detectar e neutralizar adversários.

O dispositivo pode assustar os amantes de cães. No entanto, o exército insiste na sua importância na absorção de choques durante a queda e ao abrir a vela. As patas do cão, por exemplo, permanecem protegidas no arnês para evitar uma fratura na aterrisagem. Com peso vazio de cinco quilos, o equipamento permite que o cão seja liberado em menos de 10 segundos para realizar, por exemplo, uma ação de neutralização.

“Uma mochila, um paraquedas, uma arma, um cão. Uma vez no solo, o soldado está pronto para um combate de alta intensidade”, explica o Exército Francês. Um vídeo de outubro de 2019 mostra um teste de vôo.


Uma máscara de respiração para cães

O projeto Arcane foi testado pela primeira vez em um manequim representando um cachorro. (Força Aérea e Espacial Francesa)

O arnês sozinho não era suficiente. Ao mesmo tempo, o exército teve que desenvolver um sistema para lançar cães de paraquedas de altitudes muito elevadas, onde o oxigênio é escasso. Uma unidade das forças especiais da Força Aérea trabalhou por dois anos no Projeto Arcane (Adaptador de respiração canina em evolução).

Os militares explicaram que tiveram que passar por estudos sobre a respiração canina em grandes altitudes, em colaboração com um hospital veterinário especializado. “A pesquisa existente sobre esse tipo de salto se limitou ao estudo da hipóxia em cães colocados em condições extremas em altas montanhas. Portanto, não tínhamos conhecimento de como manter as aptidões olfativas, atléticas ou acústicas do cão para esse tipo de salto”, explica o tenente por trás do projeto no site da Força Aérea e Espacial Francesa.



Adaptado à morfologia do cão, foi feito um protótipo em impressão 3D. Os primeiros testes de salto foram realizados com um manequim canino. Então, em novembro de 2020, o cão soldado Laos foi lançado com seu treinador de um C160 Transall. “Depois de cada salto, o Laos fazia exercícios de mordidas ou busca de explosivos, tudo sob controle veterinário”, explicou o tenente.

De acordo com o Exército Aéreo e Espacial Francês, essas inovações tornam a França o único exército do mundo a saltar sob oxigênio com uma equipe canina. “Ao saltar a uma altitude de 7.500 metros, eles podem ser lançados a mais de 20 quilômetros de seu alvo. Por ser tão furtivo, o inimigo não consegue detectar a presença dos comandos”, sublinha o Exército Francês.

Um tenente do Comando Paraquedista Aéreo Nº 10, ou CPA 10, iniciou o Projeto Arcano. (Força Aérea e Espacial Francesa)

Post-script: D Dog paraquedista

D Dog lançado de paraquedas.

D Dog, o famoso cão soldado dos Diamond Dogs.

Bibliografia recomendada:

AIRBORNE: A Guided Tour of an Airborne Task Force,
Tom Clancy.

Leitura recomendada:


quarta-feira, 19 de maio de 2021

FOTO: Operadores e cães do RAID

Operadores e cães do RAID posando juntos em 17 de maio de 2021.
(Twiteer / 
@AllaisF)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 19 de maio de 2021.

Os europeus fazem uso intensivo de cachorros táticos em suas operações.

O RAID (Recherche, Assistance, Intervention, Dissuasion/ Busca, Assistência Intervenção, Dissuação) é a unidade de intervenção especial da Polícia Nacional francesa, treinada pelo famoso GIGN em 1985. Sua primeira missões foi um resgate de reféns no tribunal de Nantes pouco tempo depois, em dezembro de 1985.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:






FOTO: Sniper na chuva16 de setembro de 2020.


sexta-feira, 23 de abril de 2021

Um cão do Comando Kieffer foi condecorado postumamente com a maior homenagem da Grã-Bretanha para animais


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 23 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2021.

Criada em 1943 por iniciativa de Maria Dickin, fundadora do Dispensário do Povo para Animais Doentes (People’s Dispensary for Sick AnimalsPDSA) durante a Primeira Guerra Mundial, a Medalha Dickin é a mais alta condecoração militar britânica concedida aos animais por suas ações em combate. Até o momento, já foi concedida 72 vezes, o último a recebê-la sendo Kuno, um pastor Malinois que se destacou durante um ataque noturno no Afeganistão contra combatentes da Al-Qaeda pelo Special Boat Service (SBS), a unidade de forças especiais da Marinha Real britânica.

Em 23 de abril, Leuk, outro pastor Malinois que serviu na divisão K9 do comando naval Kieffer (forças especiais da marinha francesa), receberá, postumamente, esta distinção britânica por seus "atos" que "sem dúvida salvaram as vidas de membros de sua unidade em várias ocasiões” no Sahel, disse Jan McLoughlin, diretor-geral do PDSA.

Nascido em 2013, Leuk, apelidado de "Lucky Leuk", foi treinado por dois anos antes de ser confiado ao Mestre "Forest", um suboficial do Comando Kieffer.

Em abril de 2019, ele expulsou jihadistas escondidos na vegetação densa. “Naquela altura, estávamos tão perto do inimigo que não havia mais apoio possível. O inimigo claramente nos avistou. Assim, apesar de todos os meios tecnológicos de que dispomos, o único que realmente nos pôde fornecer informações foi Leuk", testemunha o mestre "Forest" num vídeo carregado online pelo PDSA. E fez melhor do que isso porque, apesar do fogo, permitiu que sua unidade se aproximasse dos terroristas e "neutralizasse a ameaça".


Em outra missão, Leuk "atacou ferozmente o inimigo que estava armado e graças a isso posso falar com vocês hoje", testemunhou o Mestre "Forest". Infelizmente, um mês depois, a sorte o abandonaria: ele foi morto por um jihadista. No vídeo, durante seu repatriamento para a França, seus restos mortais são vistos, cobertos com a bandeira tricolor e saudados por uma guarda de honra.

Antes de Leuk, o cão Diesel, morto no ataque do RAID contra terroristas envolvidos nos ataques de 13 de novembro de 2015, foi premiado com a Medalha Dickin.

Observe que, na França, a Société Centrale Canine entregará seus “Troféus de cães heróis" ("Trophées des chiens héros") no dia 21 de setembro. “O objetivo deste evento nacional é destacar a ajuda e o apoio que os cães prestam ao ser humano em muitas áreas, e homenageá-los publicamente pelo trabalho que realizam diariamente ao nosso lado”, especifica.

Em 2019, o cão Ice, do Comando Paraquedista Aéreo nº 10 (Commando Parachutiste de l’Air n°10, CPA 10) foi agraciado com a medalha "cão de intervenção" pela sua atitude "excepcional" no Mali.

Ice, do CPA 10, com a medalha "cão de intervenção" ("chien d’intervention").

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


sábado, 20 de março de 2021

Este pastor alemão de uma veterana é o primeiro de cão a visitar Machu Picchu

Por Blake Stilwell, Military.com, 18 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2021.

Para os veteranos que viajam para o exterior, o uso de animais de serviço pode ser difícil, dependendo do país que estão visitando. O turismo e as viagens de negócios podem ser afetados por limitações ao acesso de animais.

Onde há vontade, há pelo menos possibilidades, como mostrou a veterana da Força Aérea americana (USAF), Melanie Boling, em uma recente viagem ao Peru. Os regulamentos para visitar Machu Picchu proibiam cães, mas a lei peruana permitiu.

Bastou descobrir uma maneira de conectar os dois regulamentos díspares.

Boling serviu nos assuntos mortuários da Força Aérea, operando no Aeroporto Internacional de Bagdá em 2003. Depois de deixar o serviço ativo em 2004, ela trabalhou para uma empresa contratante de segurança. Hoje, ela frequenta a Universidade de Harvard, estudando conservação e política ambiental. Ao mesmo tempo, ela dirige uma organização sem fins lucrativos que ensina crianças no terceiro mundo sobre conservação e fotografia.

“Em alguns desses lugares, eles não têm eletricidade ou meios para processar filme, então usamos filme instantâneo”, disse Boling. “Dar a uma criança uma câmera que mostra uma foto é algo de que ela se lembrará. Então, enquanto fazemos pesquisas científicas, eles estão aprendendo sobre a importância de conservar seus próprios quintais.”

Machu Picchu.

Uma viagem de reconhecimento para sua organização sem fins lucrativos a trouxe ao Peru inicialmente, mas nenhuma viagem à Cordilheira dos Andes estaria completa sem uma visita a Machu Picchu.

Restava apenas um problema: em 2018, Boling sofreu um derrame aos 37 anos que a deixou com problemas nos olhos e na visão. Hoje, ela precisa da ajuda de seu pastor alemão, River Roux, um cão de serviço certificado.

River Roux tem guiado Melanie Boling desde 2018.
(Cortesia de Melanie Boling)

Machu Picchu é o local de uma propriedade real em ruínas do imperador inca, datada de 1450. As ruínas, agora um patrimônio mundial da UNESCO, ficam a uma altitude de quase 8.000 pés (2.438m). O governo peruano presta muita atenção nos visitantes das antigas ruínas.

“Há pessoas que abusam dos sistemas de cães de serviço”, disse Boling. “No Peru, eles permitem animais de apoio emocional, mas eles não têm permissão para subir a Machu Picchu. Combinamos com nossos guias - que farão de tudo para ajudá-lo a chegar aonde deseja - para resolver o problema com o Peru”.

A letra da lei no Peru afirmava que apenas “cães-guia” teriam acesso ao local com seu acompanhante. Boling conseguiu demonstrar sua dependência de River Roux, e o cachorro foi liberado pelo governo.

Boling e Roux em Machu Picchu.
(Cortesia de Melanie Boling)

Quando a dupla chegou ao topo da montanha, os guardas e a polícia continuaram a parar Boling e River Roux.

“Começou a ficar frustrante”, disse ela. “Eu disse ao meu guia que temos permissão para estar aqui e perguntei por que continuamos sendo parados. Ele me disse que é porque ela foi a primeira a estar aqui. O primeiro animal de serviço em Machu Picchu. Todos queriam fotos.”


Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

PERFIL: Veterana da USAF estampa a capa da Playboy em três países28 de setembro de 2020.

PINTURA: Mulheres na Grande Marcha6 de março de 2020.

Novo Memorial aos Cães da Guerra do Vietnã Celebra “O Laço Inquebrável”15 de outubro de 2019.

Nova escultura homenageia cães militares7 de março de 2020.

GALERIA: Primeira turma de mulheres paraquedistas do Exército Mexicano em 22 anos1º de junho de 2020.

GALERIA: Pessoal feminino do exército no Tonquim3 de março de 2021.

As forças armadas canadenses querem atrair recrutas encurtando e apertando suas saias dos uniformes3 de maio de 2020.

ENTREVISTA: A biógrafa Jung Chang diz que a Imperatriz-Viúva "Não é um modelo a ser seguido"1º de julho de 2020.

FOTO: Cavalaria Aérea na Coréia16 de maio de 2020.

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

FOTO: Cão especial de volta ao serviço

Cooper, o cão de assalto da unidade RAID de Marselha. Cooper havia se ferido gravemente há um ano durante uma operação. Após a recuperação, ele voltou ao serviço.

O RAID (Recherche, Assistance, Intervention, Dissuasion/ Busca, Assistência Intervenção, Dissuação) é a unidade de intervenção especial da Polícia Nacional francesa, treinada pelo famoso GIGN em 1985. Sua primeira missões foi um resgate de reféns no tribunal de Nantes pouco tempo depois, em dezembro de 1985.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sábado, 7 de março de 2020

Nova escultura homenageia cães militares

"My Hero, My Friend", uma homenagem aos cães militares da escultora Susan Norris.
(Foto de Susan Norris)

Por Olivia Vermane, Military Times, 2 de março de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de março de 2020.

A escultora Susan Norris tem uma longa história de tocar o coração dos outros através de sua arte, mas recentemente ela assumiu um novo projeto - um envolvendo o melhor amigo do homem na vida cotidiana, mas talvez ainda mais no campo de batalha.

Intitulada "My Hero, My Friend" (Meu Herói, Meu Amigo), a mais nova estátua de Norris é uma escultura de bronze em tamanho real de um cão militar com um Coração Púrpura (Purple Heart), lamentando a perda de seu companheiro de duas pernas.

"Sempre gostei de animais, mas o vínculo entre um cão militar e seu parceiro é de outro nível", disse Norris em comunicado à imprensa.

Esta escultura tem como objetivo homenagear a bravura e dedicação de um cão militar ao seu treinador humano, puxando as cordas do coração dos transeuntes. A escultura residirá no Veterans Memorial Park em Trophy Club, Texas, dentro do metroplex de Dallas-Fort Worth.


"É emocionante ver as pessoas chorarem quando vêem minha escultura", acrescentou Norris sobre as reações à mesma.

Cães militares passaram por todos os tipos de apelidos ao longo da história militar dos EUA, incluindo K-9 Corps e "cães de guerra". Em várias épocas de combate, eles serviram como guardas, mensageiros, mascotes e batedores, de acordo com um livro do Exército sobre serviços veterinários militares. 

À medida que as operações no Afeganistão e no Iraque aumentavam, também aumentavam os esforços das forças armadas dos EUA para construir um programa canino.

"Devido à crescente ameaça de dispositivos explosivos improvisados no Afeganistão e no Iraque, o treinamento para detecção de minas também foi retomado", diz o livro. "Os cães se tornaram membros de equipes avançadas desdobradas, serviram com unidades aerotransportadas e foram transportados por helicópteros quando necessário".


A escultura de Norris não é o primeira honrando caninos de combate. Em 2008, o Congresso aprovou o Monumento Nacional das Equipes de Cães Militares, que foi inaugurado em 2013 na Joint Base San Antonio - Lackland. 

"Os seres humanos estão continuamente redescobrindo que a tecnologia não pode corresponder a muitos sentidos caninos e outras habilidades inerentes, e também percebem que os cães continuam leais, mesmo quando os equipamentos e os conflitos evoluem ao seu redor", segundo o livro.