quarta-feira, 3 de junho de 2020

Como evitar uma guerra no Estreito de Taiwan

Militares da marinha de Taiwan participam de uma cerimônia para comissionar duas fragatas de mísseis guiados da classe Perry dos Estados Unidos em Kaohsiung, Taiwan, em novembro de 2018. As duas fragatas serão desdobradas para patrulhar o Estreito de Taiwan. (AFP)


Por Grant Newsham, Asia Times, 17 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de junho de 2020.

Com considerável esforço, obstinação, coragem e boa sorte, os EUA, Taiwan e parceiros podem impedir o conflito.

A partir dos fatos expostos nas partes 1 e 2, conclui-se, com certa relutância, embora com relutância, que uma guerra no Estreito de Taiwan pode escalar e se espalhar, com efeitos prejudiciais sobre sociedades, atividades comerciais, economias e toda a estrutura global existente desde 1945. Como isso aconteceu?

Como chegar lá

O Ocidente e outras nações desperdiçaram décadas esperando que, se acomodassem Pequim, a RPC liberalizasse e ajustasse seu comportamento ao sistema mundial liderado pelos EUA. No entanto, ficou claro há pelo menos 20 anos que isso não iria acontecer - que a China era uma ameaça militar, política e econômica. De fato, os EUA criaram e financiaram seu principal inimigo.



É tão enlouquecedor quanto evitável. Por todo o lado, Taiwan recebeu o mínimo apoio possível, na esperança de que a República Popular da China apreciasse o favor. Pequim não apreciou. Sorriu presunçosamente, embolsou as concessões - e gritou por mais enquanto aumentava a pressão sobre Taiwan.

Assim é a vida. Mas estudar o que aconteceu é útil. Além disso, mostra o que funciona e o que não funciona ao lidar com a RPC. Certamente, qualquer estudo da história que remonta a 2.500 anos diz muito sobre como lidar com nações poderosas, agressivas e cobiçosas.

Evitando uma luta

Uma opção é dar à RPC o que ela deseja. Teoricamente, isso evitaria o massacre de uma guerra de tiros. O mesmo foi dito em 1938-1939, quando as potências ocidentais permitiram a Hitler apreender a Checoslováquia pedaço por pedaço. Adotar a “solução da Checoslováquia” também é chamado de apaziguamento. O resultado é bem conhecido.



Além disso, entregar Taiwan a uma Pequim expansionista totalitária e o Japão será o próximo. Além disso, a China será incentivada a afirmar  sua dominância ainda mais longe depois que  - ou mesmo quando - o Japão for colocado de joelhos.

Além disso, sem Taiwan, a posição dos EUA na Ásia entrará em colapso em virtude da perda da localização estratégica de Formosa. E ninguém em qualquer lugar valorizará as promessas de proteção dos EUA - reais ou implícitas. Em vez disso, eles decidirão fazer o melhor acordo possível com Pequim.

No entanto, existem ações a serem tomadas agora que podem reduzir as perspectivas de uma luta futura. Paradoxalmente, elas dependem da vontade demonstrada de defender Taiwan.



Primeiro, admitir que uma guerra no Estreito de Taiwan é possível - e até provável - na trajetória atual, mesmo que um ataque da RPC a Taiwan seja irracional da nossa perspectiva.

Infelizmente, os regimes autoritários nem sempre se comportam racionalmente. É tudo sobre poder e mantê-lo. Jogar com ressentimentos históricos e atacar exteriores unifica e distrai os problemas domésticos. É fácil acreditar que uma guerra curta e aguda atordoará outros países e apresentará a eles um fato consumado com o qual eles terão que conviver.

Segundo, não se preocupar tanto em provocar Pequim. Pequim toma suas próprias decisões. Para ajudar Xi a acertar os cálculos, a estratégia deve ser: Sem apaziguamento. Ajude Taiwan a se defender. Deixar claro que as liberdades que Taiwan representa são os principais interesses dos EUA e do mundo livre - e valem a pena serem defendidas lutando - exatamente como Pequim declara ter "linhas vermelhas" e "interesses principais".



Com esse objetivo: fornecer apoio político e econômico claro a Taiwan democrática, além do hesitante e simbólico apoio prestado até o momento. Terminar imediatamente 40 anos de isolamento militar e realizar exercícios de treinamento conjunto com as forças armadas de Taiwan. Tratar Taiwan como amigo e aliado.

Terceiro, acelere urgentemente o esforço atrasado de reorientar as forças armadas dos EUA para combater um adversário sério como o PLA - e atrair o maior número possível de aliados e parceiros, mesmo que seja apenas um apoio político a Taiwan. E é melhor Washington pensar em sua resposta quando Pequim fizer ameaças nucleares - como fará.

Além do big stick*, deixar claro para Pequim que o primeiro tiro será o fim das relações EUA-RPC: desencadeará o fim de todo o comércio e o suprimento abundante de moeda conversível que as empresas e banqueiros dos EUA vêm fornecendo à China nas últimas quatro décadas. Pequim pode então descobrir como empregar e alimentar 1,4 bilhões de pessoas.



*Nota do Tradutor: Grande porrete, o jargão vem da diplomacia americana do Big Stick - "Fale macio, mas carregue um grande porrete - criada por Theodore Roosevelt em 1900, e que se tornaria seu lema na presidência.

E ameaçar com credibilidade a riqueza das elites do PCC. Durante anos, essas elites têm movido freneticamente sua riqueza (e, idealmente, um ou dois membros da família) para a nação (os EUA) contra a qual a guerra é contemplada - e/ou seus aliados.

Tudo isso é suficiente para dissuadir Pequim? Talvez não. Mas vale a pena tentar, dadas as alternativas.

Passar a próxima década (ou enquanto Pequim ainda tiver domínio regional ou mesmo global como objetivo) será difícil. Mas, com um esforço considerável, obstinação, coragem e boa sorte, nós (EUA, Taiwan e parceiros) talvez consigamos deter o conflito sobre Taiwan. E se não, podemos garantir que somos o lado que perderá um pouco menos.



O tempo vai dizer. Os Estados Unidos nunca enfrentaram um inimigo como a República Popular da China.

De fato, os Estados Unidos permitiram que a RPC e as forças armadas chinesas se tornassem um adversário que, se os EUA e seus amigos “vencerem” uma guerra sobre Taiwan, será um enfrentamento tão acirrado que merecerá repetir as palavras do Duque de Wellington depois de Waterloo: “A corrida mais apertada que você já viu em sua vida.”

Original: https://asiatimes.com/2020/01/how-to-avoid-a-war-in-the-taiwan-strait/

Grant Newsham é um oficial fuzileiro naval americano reformado. Ele foi o primeiro oficial de ligação do USMC junto à Força de Autodefesa do Japão e passou muitos anos na Ásia. Ele conduziu pesquisas em Taipei em 2019 como bolsista do Ministério de Relações Exteriores de Taiwan. Seu tópico de pesquisa abrangeu a melhoria da defesa de Taiwan, ajudando as Forças Armadas de Taiwan a romperem 40 anos de isolamento. Ele escreveu originalmente este artigo para o Journal of Political Risk, onde foi publicado em 1º de novembro de 2019.

Bibliografia recomendada:






Leitura recomendada:

Guerra de Taiwan: danos econômicos e psicológicos globais2 de junho de 2020.

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável5 de fevereiro de 2020.

O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação10 de março de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia20 de abril de 2020.

O fim da visão de longo prazo da China, 6 de janeiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário