terça-feira, 10 de março de 2020

O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação

Um navio porta-contêiner sai do porto de Ningbo, na China, ao nascer do sol, em 21 de fevereiro de 2020. Tudo naquele barco foi construído ou montado na China. A guerra comercial e o coronavírus expuseram o risco de tornar a China o balcão único para tudo. (Foto de Zhou Daoxian/VCG via Getty Images)

Por Kenneth Rapoza, Forbes, 1º de março de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de março de 2020.

O novo coronavírus Covid-19 acabará sendo a cortina final do papel de quase 30 anos da China como principal fabricante do mundo.

"Usando a China como um centro... esse modelo morreu esta semana, eu acho", diz Vladimir Signorelli, chefe da Bretton Woods Research, uma empresa de pesquisa de macro investimento.

A economia da China está sendo afetada com mais força pelo surto de coronavírus do que os mercados reconhecem atualmente. Wall Street parecia ser a última a perceber isso na semana passada. O S&P 500 caiu mais de 8%, o mercado com pior desempenho de todos os grandes países infectados por coronavírus. Até a Itália, que já tem mais de mil casos, se saiu melhor na semana passada do que os EUA.

A China em espera

Em 23 de janeiro, Pequim ordenou a prorrogação do feriado do Ano Novo Lunar, adiando o retorno ao trabalho. O coronavírus estava se espalhando rapidamente no epicentro da província de Hubei e a última coisa que a China queria era que isso se repetisse em outros lugares. As restrições de viagens e as quarentenas de quase 60 milhões de pessoas levaram a atividade comercial a parar.

O aspecto mais assustador desta crise não é o dano econômico de curto prazo que está causando, mas a potencial interrupção duradoura das cadeias de suprimentos, escreveu Shehzad H. Qazi, diretor-gerente do China Beige Book, no Barron's na sexta-feira.

Fabricantes de automóveis e fábricas de produtos químicos chineses registraram mais fechamentos do que outros setores, escreveu Qazi. Os funcionários de TI não retornaram à maioria das empresas na semana passada. As empresas de transporte e logística registraram taxas de fechamento mais altas que a média nacional. "Os efeitos cascata dessa grave interrupção serão sentidos nas cadeias globais de suprimentos de autopeças, eletrônicos e farmacêuticos nos próximos meses", escreveu ele.


Trabalhadores de uniforme em uma fábrica de iluminação LED em Dongguan, China. Cerca de 70% das lâmpadas LED do mundo são fabricadas na China.

Que a China está perdendo sua proeza como o único jogo na cidade para qualquer bugiganga que se queira criar já estava em andamento. No entanto, estava se movendo no ritmo de um urso panda e principalmente porque as empresas estavam fazendo o que sempre fazem - pesquisam o mundo atrás dos menores custos de produção. Talvez isso significasse custos trabalhistas. Talvez isso significasse algum tipo de regulamentação. Eles já estavam fazendo isso quando a China subiu a escada em termos de salários e regulamentos ambientais.

Sob o presidente Trump, aquele panda lento se moveu um pouco mais rápido. As empresas não gostaram da incerteza das tarifas. Elas terceirizaram em outro lugar. Seus parceiros na China se mudaram para o Vietnã, Bangladesh e por todo o sudeste da Ásia.

Entra o misterioso coronavírus, que se acredita ter vindo de uma espécie de morcego em Wuhan, e quem quereria esperar Trump agora é forçado a reconsiderar sua dependência de uma década na China.

As farmácias de varejo de algumas partes da Europa informaram que não conseguiam obter máscaras cirúrgicas porque eram todas fabricadas na China. A Albânia não pode fazer essas coisas para você? Parece que os custos de mão-de-obra são ainda mais baixos que os da China, e eles estão mais próximos.

O coronavírus é a canção de cisne da China. Não há mais como ela continuar sendo o fabricante mundial de baixo custo. Esses dias estão chegando ao fim. Se Trump vencer a reeleição, ele apenas acelerará esse processo, pois as empresas temerão o que acontecerá se o acordo comercial da segunda fase falhar.

Escolher um novo país, ou países, não é fácil. Nenhum país possui logística estabelecida como a China. Poucos países grandes têm as taxas de imposto que a China possui. O Brasil certamente não tem. A Índia tem. Mas tem uma logística terrível.

Depois veio o recém-assinado Acordo EUA-México-Canadá, assinado por Trump no ano passado. O México é o maior beneficiário.

É a vez do México?


Hecho en Mexico. Porque no?

Sim. É a vez do México.

O México e os EUA se dão bem. Eles são vizinhos. O presidente deles, Andrés Manuel Lopez Obrador, quer supervisionar um boom de colarinho azul em seu país. Trump gostaria de ver isso também, especialmente se isso significa menos centro-americanos entrando nos EUA e salários deprimentes para os trabalhadores de colarinho azul americanos.

De acordo com 160 executivos que participaram da pesquisa 2020 Comércio e Tendências Internacionais da Foley & Lardner LLP no México, divulgada em 25 de fevereiro, entrevistados dos setores de manufatura, automotivo e tecnologia disseram que pretendiam transferir negócios para o México de outros países - e planejam fazê-lo nos próximos um a cinco anos.

"Nossa pesquisa mostra que a grande maioria dos executivos está se mudando ou mudou partes de suas operações de outro país para o México", diz Christopher Swift, sócio e litigante da Foley na Prática de Investigação e Defesa de Execução Governamental da empresa.

Swift diz que a medida se deve à guerra comercial e à aprovação da USMCA. 

O acordo comercial da fase um da China é positivo, mas o coronavírus - embora provavelmente temporário - mostra como uma dependência excessiva da China é ruim para os negócios. 

Haverá consequências, provavelmente na forma de investimento direto estrangeiro sendo redirecionado para o sul do Rio Grande.

"Nossas estimativas de possível IED* a ser redirecionado para o México dos EUA, China e Europa variam de US $ 12 bilhões a US $ 19 bilhões por ano", diz Sebastian Miralles, sócio-gerente da Tempest Capital na Cidade do México.

*Nota do Tradutor: Investimento Estrangeiro Direto.

"Após um período de aceleração, o efeito multiplicador da fabricação de IED no PIB pode levar o México a crescer a uma taxa de 4,7% ao ano", diz ele.


Trump chega para falar sobre o acordo Estados Unidos - México - Canadá, conhecido como USMCA, durante uma visita à Dana Incorporated, fabricante de fornecedores de automóveis, em Warren, Michigan, em 30 de janeiro de 2020. (Foto por SAUL LOEB/AFP) (Foto por SAUL LOEB/AFP via Getty Images)

O México está na melhor posição para aproveitar a brecha geopolítica de longo prazo entre os EUA e a China. É o único país de fronteira de baixo custo com um acordo de livre comércio com os Estados Unidos, então aí está.

Graças a mais de 25 anos de Nafta, o México se tornou um dos principais exportadores e produtores de caminhões, carros, eletrônicos, televisores e computadores. O envio de um contêiner do México para Nova York leva cinco dias. Demora 40 dias vindo de Xangai.

Eles fabricam itens complexos, como motores de avião e micro semicondutores. O México é o 8º no ranking de países em termos de graduados de engenharia.

Empresas multinacionais estão todas lá. A General Electric está lá. A Boeing está lá. A Kia está lá.

"A guerra comercial ainda está para ser decidida, mas os danos que já foram causados não serão desfeitos. Está aberto espaço para um novo aliado comercial importante."
- de "O divórcio EUA-China: ascensão da década mexicana", da Tempest Capital.


Um trabalhador na fábrica da Bombardier do Canadá no México. (Foto de Carlos Tischler / SOPA Images / LightRocket via Getty Images)

A segurança continua sendo uma questão importante para empresas estrangeiras no México que precisam se preocupar com seqüestros, cartéis de drogas e extorsões de proteção pessoal. Se o México tivesse metade da segurança que a China, seria um benefício para a economia. Se fosse tão seguro, o México seria o melhor país da América Latina.

"As repercussões da guerra comercial já estão sendo sentidas no México", diz Miralles. 

O México substituiu a China como o principal parceiro comercial dos EUA. A China ultrapassou o México apenas por pouco tempo.

De acordo com o relatório da pesquisa de 19 páginas de Foley, mais da metade das empresas que responderam possuem manufatura fora dos EUA e 80% que fabricam no México também fabricam em outros lugares. Quarenta e um por cento dos que operam no México também estão na China.

Quando os entrevistados foram questionados sobre se as tensões comerciais globais os estavam levando a transferir operações de outro país para o México, dois terços disseram que já o tinham ou planejavam fazê-lo dentro de alguns anos. Um quarto dos entrevistados já havia transferido operações de outro país para o México por conta da guerra comercial.

Para aqueles que consideram as operações de mudança, 80% disseram que o farão nos próximos dois anos. Eles estão "dobrando em cima do México", segundo o relatório de Foley.

Das empresas que recentemente mudaram sua cadeia de suprimentos, ou planejam fazê-lo, cerca de 64% delas disseram que as estão mudando para o México.

Original: https://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2020/03/01/coronavirus-could-be-the-end-of-china-as-global-manufacturing-hub/?fbclid=IwAR0GqfAXTDlX1BSAhKARGXpAiR4cls5lxBezVIAVPvr51KF6E9r4gqHSIc8#2e50976e5298

Kenneth Rapoza
Passei 20 anos como repórter para os melhores do ramo, inclusive como funcionário do WSJ no Brasil. Desde 2011, concentro-me em negócios e investimentos nos grandes mercados emergentes exclusivamente para a Forbes. Meu trabalho foi publicado no The Boston Globe, The Nation, Salon e USA Today. Convidado ocasional da BBC. Ex-titular das séries 7 e 66 da FINRA. Não segue o rebanho.





Leitura recomendada:

Não acredite na história da China: o coronavírus pode ter vazado de um laboratório11 de março de 2020.

Foto de 'Hospital de Coronavirus' postado por jornal estatal chinês é na verdade uma foto de arquivo do Alibaba, 28 de janeiro de 2020.

FOTO: Riders of Doom, 12 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário