quinta-feira, 11 de junho de 2020

Leclerc operacional com mais blindagem no Exército dos Emirados Árabes Unidos

Leclerc com o kit AZUR operado pelas forças armadas dos Emirados Árabes Unidos.

Do blog Below de Turret, 16 de dezembro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de junho de 2020.

Os Emirados Árabes Unidos estão operando uma variante do tanque de batalha principal (main battle tankMBT) Leclerc equipado com blindagem de apliques. Essa blindagem é entendida como uma blindagem reativa explosiva (explosive reactive armorERA) fabricada pela Dynamit Nobel Defense (DND) da Alemanha. Em 2016, a empresa foi contratada pelas forças armadas dos Emirados Árabes Unidos (EAU) para fornecer kits de blindagem reativa para mais de 200 MBT Leclerc. Segundo o relatório oficial sobre a exportação de armas da Alemanha, o contrato tem um valor total de 125,84 milhões de euros, sugerindo que cada kit ERA custa cerca de 500.000 euros.


Extrato do relatório de exportação de armas.

As imagens mostrando um MBT Leclerc com mais blindagem foram divulgadas pela Agência de Notícias emirática em 9 de dezembro de 2017. De acordo com a notícia correspondente, o vídeo mostra forças dos Emirados Árabes Unidos juntamente com aliados que avançam na costa oeste do Iêmen, onde veículos são usados para combater rebeldes houthis.

A Dynamit Nobel Defense costumava comercializar sua blindagem reativa explosiva sob o acrônimo CLARA, que significa "blindagem reativa leve e adaptável composta" (composite lightweight adaptable reactive armour, CLARA), mas nos últimos anos o nome HL-Schutz Rad/Kette ("proteção contra carga oca para veículos de sobre rodas e lagartas" abreviado em alemão) foi utilizado pelo menos no mercado interno. A principal diferença entre outras soluções ERA e a CLARA/HL-Schutz Rad/Kette da DND está na construção. Enquanto a blindagem reativa convencional utiliza metal (geralmente aço) para as chapas, que é bastante pesada e põe em perigo a infantaria próxima, a blindagem da DND não tem metais. Testes mostraram que fragmentos das placas do ERA podem atingir vários metros de distância do ponto de impacto, formando projéteis perigosos para soldados e civis desembarcados nas proximidades do veículo.



Para lidar com esse problema, a solução ERA da DND é totalmente livre de metal (exceto os parafusos para segurar os ladrilhos). De acordo com as descrições das patentes, a armadura pode fazer uso de fibras de vidro, fibra de carbono, fibra de aramida, fibra de cerâmica e/ou fibra de PBO (fenileno-benzobisoxazol). As fibras também podem ser combinadas entre si ou com partículas feitas dos materiais mencionados anteriormente. Uma placa secundária feita de um tecido balístico (tal como o kevlar) também pode ser incorporada à blindagem. Foi sugerido envolver os explosivos em papel alumínio para facilitar o manuseio.

Para um desempenho ideal, o ERA pode consistir em várias placas espaçadas; o espaço vazio pode ser preenchido com borracha, cerâmica ou plástico para maximizar a proteção.


Leclerc equipado com ERA da Dynamit Nobel Defense.

Alega-se que CLARA/HL-Schutz Rad/Kette fornece mais de dez vezes mais proteção do que a "blindagem convencional" contra ogivas de carga oca, como as encontradas em granadas de propulsão a foguete (rocket-propelled grenades, RPGs) e mísseis guiados anti-tanque (anti-tank guided missilesATGMs). Não é mencionado se isso significa uma blindagem simples de aço ou algum tipo de blindagem composta passiva. Ao incluir uma placa anti-KE, o ERA da DND também pode fornecer proteção suficiente contra penetradores de energia cinética (kinetic energy penetratorsKEPs) para interromper a munição de médio calibre e penetradores formados explosivamente (explosively formed penetratorsEFPs).

A CLARA foi testada no veículo de combate de infantaria (infantry fighting vehicle, IFV) Marder e no veículo blindado de transporte de pessoal (armored personnel carrierAPC) Boxer, enquanto foi proposta como atualização de blindagem para o carro de reconhecimento Fennek. O HL-Schutz Rad/Kette foi adotado no IFV Puma, onde é usado para proteger a seção superior dos flancos do chassis; as seções inferiores são equipadas com módulos de blindagem composta.



No caso do Leclerc Tropicalisé dos Emirados Árabes Unidos, o kit de blindagem utiliza módulos ERA muito grandes. No lado direito do veículo há 17 módulos que cobrem o lado do chassis e o lado da torre, mas deixando o compartimento do motor exposto. Presumivelmente, a mesma quantidade de módulos de blindagem é usada para proteger o lado esquerdo do tanque. A parte traseira da torre é protegida por seis ladrilhos menores.

O tamanho grande dos módulos ERA sugere que, dentro de cada módulo, várias placas ERA menores estejam localizadas; caso contrário, seria um projeto bastante ruim, uma vez que o ERA tem uma capacidade baixa de vários acertos e, portanto, um único acerto deixaria uma lacuna desnecessariamente grande na matriz de blindagem. No momento, não se sabe se o ERA também cobre a frente do Leclerc.



O Leclerc Tropicalisé básico operado pelo Exército dos Emirados Árabes Unidos já possui proteção aprimorada da blindagem sobre o modelo francês, pelo menos em termos de blindagem lateral: enquanto os MBT franceses têm apenas três elementos pesados de saia balística feitos de blindagem composta em cada lado do chassis, a variante tropicalizada do tanque apresenta um total de oito esquetes de blindagem compostos por lado - uma configuração também oferecida à Grécia no início dos anos 2000. Os EAU também compraram o pacote de combate urbano AZUR (Action en Zone Urbaine, Ação em Zona Urbana), que é comparável ao kit americano TUSK (Tank Urban Survival Kit, Kit de Sobrevivência Urbana de Tanques) para o M1 Abrams e o pacote PSO (Peace Support Operation, Operação de Apoio à Paz) para o Leopard 2. A atualização do AZUR foi encomendada pelos EAU para 15 MBT em 2011. Uma versão do kit AZUR faz parte do Leclerc Rénové atualizado como parte do programa SCORPION francês.

Em alguns dos tanques equipados com AZUR operados pelos Emirados Árabes Unidos, uma seção adicional de blindagem foi adicionada para proteger o chassis frontal inferior. Supostamente, o desempenho de combate do Leclerc (e do Exército dos EAU em geral) tem sido bastante bom, mas há alguns meses foi relatado que um único tanque foi penetrado por um RPG-29 na placa frontal inferior.

Original: https://below-the-turret-ring.blogspot.com/2017/12/up-armored-leclerc-operational-with-uae.html

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

À Oeste de Suez para os Emirados Árabes Unidos19 de maio de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen22 de fevereiro de 2020.

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

A Arábia Saudita tem o melhor equipamento militar que o dinheiro pode comprar - mas ainda não é uma ameaça para o Irã11 de abril de 2020.

LIVRO: Lawrence da Arábia em Guerra9 de maio de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário