quinta-feira, 11 de junho de 2020

Unidade 29155 Revelada: Esquadrão Indiscreto da Rússia tem um histórico desleixado em toda a Europa


Por Sébastien Roblin, The National Interest, 30 de dezembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de junho de 2020.

Um artigo do New York Times de Michael Schwirtz chama a atenção para as atividades assassinas da Unidade 29155, uma entidade da agência de inteligência militar estrangeira GRU da Rússia que supostamente se tornou bem conhecida dos serviços de inteligência ocidentais devido a um fracassado assassinato na Bulgária em 2015.

De fato, os eventos dos últimos anos deixaram claro o quão ampla e descaradamente o Estado russo recorre ao assassinato para remover seus inimigos percebidos - sejam ex-guerrilheiros chechenos, espiões desertores, jornalistas intrometidos, oligarcas de negócios caídos em desgraça ou líderes problemáticos de partidos políticos. Uma lei de 2006 legalizou assassinatos extraterritoriais como uma medida contra-terrorista.

Mas deixe de lado as fantasias de Hollywood de assassinos de elite eliminando suas vítimas sem deixar vestígios. O histórico de casos da Unidade 29155 revela um padrão de negligência e despreocupação por danos colaterais e pela cobertura de seus rastros.

Emilian Gebrev (2015)

Motivo: Gebrev era um traficante de armas búlgaro que ameaçava reduzir as margens de lucro do comércio de armas portáteis da Rússia. Isso parece uma justificativa frágil para algo tão arriscado quanto o assassinato transnacional, mas um búlgaro pode ter sido visto como apresentando um baixo risco de exposição devido à atividade do crime organizado e de autoridades corruptas.

Método: Um agente da Unidade 29155 envenenou a maçaneta do carro de Gebrev.

Resultado: Gebrev, assim como seu filho e um funcionário, tiveram que ser hospitalizados. Depois de ser liberado do hospital, Gebrev e seu filho foram envenenados novamente com a mesma substância, mas sobreviveram. Embora os investigadores búlgaros não tenham identificado os culpados, o caso passou por um exame minucioso após o envenenamento de Skripal (veja abaixo) e (segundo o Times) é considerado como tendo fornecido a "Pedra da Roseta" para identificar as operações da Unidade 29155.

Presidente Milo Djukanovic (Outubro de 2016)

Motivo: o governante autoritário de Montenegro estava por trás do esforço do pequeno país dos Balcãs para se juntar à OTAN, frustrando as tentativas russas de controlar sua indústria de alumínio e obter acesso militar a um porto do Mediterrâneo.

Método: Um agente russo organizou um grupo de nacionalistas sérvios em uma trama para invadir o parlamento e matar Djukanovic enquanto disfarçados em uniformes das forças especiais.

Resultado: Os conspiradores foram presos pouco antes do lançamento do ataque. Então, dois agentes russos foram presos na Sérvia, apenas para serem libertados depois que um oficial de alto escalão de Moscou chegou para pedir desculpas pela "operação independente".

Dada a natureza não profissional da trama, isso parecia plausível quando escrevi este artigo aprofundado sobre o incidente. Em retrospectiva, eu deveria ter sido mais cínico.

Sergei Skripal (Março de 2018)

Motivo: Skripal era um agente duplo na agência de inteligência FSB da Rússia para o MI6 do Reino Unido. Após sua prisão em 2004, ele foi trocado em uma troca de espiões em 2010.

Método: Dois agentes chegaram da Rússia com vistos de turista e mancharam a maçaneta da porta com Novichok - uma arma química militar russa. Então eles jogaram fora o frasco de perfume que continha o agente.

Resultado: O veneno afligiu gravemente Skripal, sua filha visitante e um policial investigador. Felizmente, todos sobreviveram. Os agentes envolvidos foram plotados por meio de imagens de segurança do aeroporto e eventualmente expostos.

Apesar do incidente diplomático que se seguiu, a Rússia alavancou sua máquina de propaganda, auxiliada por atores nacionais crédulos, para lançar dúvidas sobre seu envolvimento. Tragicamente, em junho, um homem em Amesbury encontrou o frasco de perfume descartado e o presenteou à sua namorada. Ambos tiveram que ser hospitalizados, e a mulher morreu.

Apesar dessas falhas de estilo Keystone Kop, a Unidade ainda machucou e matou pessoas inocentes em seu caminho. E podemos não estar cientes dos assassinatos executados com sucesso, deixando para trás um rastro ambíguo de evidências na melhor das hipóteses.

De fato, a Rússia pode ter participado da morte de quatorze pessoas diferentes no Reino Unido, apenas para as investigações serem enterradas.

Em Washington, o oligarca de alto escalão de Washington DC, Mikhail Lesin, morreu em 2015 depois de sofrer um "trauma de força contundente" em seu quarto de hotel em Dupont Circle - provavelmente espancado até a morte por agentes contratados pelo governo russo, segundo informantes de segurança americanos.

À medida que as relações da Turquia com a Rússia esquentavam, os assassinos russos receberam essencialmente licença gratuita do governo Erdogan para caçar e matar combatentes chechenos exilados.

E em agosto de 2019, um agente russo matou a tiros o ex-líder guerrilheiro checheno Zelimkhan Khangoshvili no famoso Tiergarten de Berlim - apenas para ser pego em flagrante, levando à expulsão de dois diplomatas.

A Unidade 29155 também está ativa na França e na Espanha, segundo o Times. Agentes russos também estão envolvidos em vários assassinatos e tentativas de assassinato na Ucrânia, novamente com desleixo característico.

Um fabricante de armas ucraniano vinculado à inteligência russa recrutou um padre ucraniano online para matar o jornalista russo exilado Arkady Babchenko. Mas o padre informou as autoridades, que falsificaram a morte de Babchenko de forma controversa, a fim de capturar o agente em flagrante enquanto pagava pelo assassinato. Em 2017, um assassino que se apresentava como entrevistador do diário francês Le Monde atirou em um ex-comandante guerrilheiro checheno, apenas para que o agente fosse baleado e capturado pela esposa do comandante.

O fato de ter sido necessário um ato tão descarado quanto o envenenamento de Skripal para que houvesse consequências revela uma sensação de impunidade que Moscou tem ao planejar assassinatos no exterior. O fato de muitas vezes não ser difícil conectar esses assassinatos à Rússia pode, de fato, ser desejável, intimidando assim os oponentes de Moscou e desencorajando potenciais denunciantes.

Original: https://nationalinterest.org/blog/buzz/unit-29155-revealed-russias-indiscrete-hit-squad-has-sloppy-track-record-across-europe

Sébastien Roblin é mestre em resolução de conflitos pela Universidade de Georgetown e atuou como instrutor universitário do Corpo de Paz na China. Ele também trabalhou em educação, edição e reassentamento de refugiados na França e nos Estados Unidos.

Bibliografia recomendada:







Leitura recomendada:

O identidade da Stasi do Putin foi encontrada em arquivo alemão11 de março de 2020.

COMENTÁRIO: Putin como Líder Supremo da Rússia1º de fevereiro de 2020.

Recrutamento de Agentes Terroristas Ecológicos no Ocidente17 de fevereiro de 2020.

FOTO: Diensteinheit IX, unidade especial da Alemanha Oriental5 de março de 2020.

Dividendos da Diplomacia: Quem realmente controla o Grupo Wagner?22 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário