terça-feira, 2 de junho de 2020

Guerra de Taiwan: danos econômicos e psicológicos globais

Primeira Guerra Mundial: incursão de Gothas alemães sobre Paris, em 16 de junho de 1918. (Maurice-Louis Branger e Roger-Viollet/AFP)

Por Grant Newsham, Asia Times, 16 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de junho de 2020.

Pense nos impérios que governaram a maior parte do mundo em 1914 e seu declínio em escombros até o final de 1918.

[Esta é a segunda parte de uma trilogia. Parte 1. Parte 3.]

Além do número de mortos e danos físicos a Taiwan e as prováveis baixas surpreendentes de todos os lados, os efeitos econômicos e financeiros globais de uma guerra por Taiwan serão imensos e duradouros.

Não é exagero sugerir que o mundo será irreconhecível depois: pense nos poderosos impérios que governaram a maior parte do mundo em 1914, e seu declínio em escombros até o final de 1918.

A China está tão profundamente integrada à economia mundial - dada a sua posição como centro de manufatura e exportador como parte das cadeias de suprimentos globais e como um grande consumidor das commodities brutas de muitas nações - que sérias interrupções na atividade econômica global são inevitáveis.



Logo após o início do tiroteio, haverá um caos econômico em todo o mundo, pelo menos no mesmo nível do colapso financeiro de 2008; provavelmente muito pior, uma vez que surge de uma guerra envolvendo grandes potências - por definição, mais perigosa e assustadora do que um evento causado por Wall Streeters e outros simplesmente procurando esfolar o público inocente pelo maior tempo possível.

Os mercados de ações vão despencar - e continuar afundando. A atividade econômica em todo o mundo desacelerará imediatamente, abalada à medida que as cadeias de suprimentos são cortadas e a demanda e a atividade comercial diminuem. A interrupção do comércio na China por si só será prejudicial o suficiente, mas isso terá um efeito de bola de neve.

Tudo o que Taiwan produz - semicondutores, em particular - estará fora do mercado. As estimativas variam, de Taiwan produzindo 30% dos semicondutores do mundo - a quase metade de toda a produção terceirizada de chips e 90% dos chips mais avançados. Os terremotos periódicos de Taiwan causam perturbações suficientes para a produção de semicondutores. Mas recuperar-se dos danos causados pelo terremoto é uma coisa: recuperar-se da destruição e interrupção de tempo de guerra é outra completamente diferente.



Além dos semicondutores, os produtos produzidos por empresas taiwanesas na RPC para exportação para o exterior - o iPhone é um exemplo óbvio - não irão a lugar algum.

Os embarques de tudo para e de Taiwan - e mais importante para e da China - diminuirão rapidamente. As empresas de transporte marítimo e aéreo não estarão dispostas a entrar em uma zona de guerra e as taxas de seguro dispararão. Espera-se que as sanções financeiras e comerciais dos EUA (e até mesmo operações militares) interditem ou reduzam o "comércio da China" em todo o mundo.

E espera que a RPC faça seus próprios esforços para interromper o transporte nos EUA e em países parceiros. O Japão, em particular, dependente de rotas marítimas abertas para importação e exportação, sentirá uma dor imediata - muito além da experimentada após o terremoto e o tsunami de março de 2011.

Mesmo aqueles países que negligenciaram muitas das ações flagrantes de Pequim ao longo dos anos em troca de dinheiro chinês, incluindo a União Européia, sentirão os efeitos. Essa dor pode ser galvanizada contra a RPC - por princípio, vergonha, medo ou a percepção de que o dinheiro do Cinturão e Rota da China não se materializará.

A China surrada

Os problemas são óbvios para empresas estrangeiras dependentes de vendas, fabricação e componentes na China. Mas os problemas são ainda maiores para a RPC, que depende de importações de commodities - incluindo alimentos e petróleo - e de exportações e investimentos estrangeiros diretos que geram moeda que conversível, o que o yuan chinês não é.

Portanto, além da conta do açougueiro dos combates, a economia chinesa será prejudicada. A guerra comercial atual entre EUA e RPC pode resultar em reduções comerciais; mas se a RPC atacar Taiwan militarmente, o comércio global da China vai quase parar. O projeto do Cinturão e Rota da RPC e seu Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura ficarão em espera por muito, muito tempo - provavelmente, permanentemente.



As empresas chinesas que podem produzir sem componentes e tecnologia dos EUA produzirão produtos que ninguém comprará. As empresas dependentes de componentes, materiais e mercados estrangeiros pararão - e rapidamente.

Ironicamente, de acordo com os esforços de Xi Jinping para reviver a reputação de Mao Zedong, um ataque a Taiwan pode levar a China de volta à economia agrária da era Mao.

Cortada do sistema do dólar americano, a China se encontrará buscando moeda conversível. Pesquisadores e estudantes chineses serão enviados para casa dos EUA e de outros países; joint ventures* interrompidas; investimentos estrangeiros, reduzidos.

*Nota do Tradutor: Uma joint venture é uma entidade comercial criada por duas ou mais partes, geralmente caracterizada por propriedade compartilhada, retornos e riscos compartilhados, e governança compartilhada.

As empresas de Pequim terão negócios com "potências econômicas" como Coréia do Norte, Mianmar, Camboja e Rússia. Até os russos provavelmente farão barganhas difíceis caso sintam que a China está com problemas.



De fato, a resposta da Rússia a uma luta por Taiwan pode ocorrer de duas maneiras; ela pode oferecer apoio e assistência diretos à RPC e talvez fazer uma ação diversionária contra os Estados Bálticos ou manter a OTAN e os EUA ocupados. Ou pode fazer declarações pró-Pequim, mas se afastar e derramar lágrimas de crocodilo enquanto observa China e EUA se enfrentando.

Recuperação da guerra



Após a ruptura causada por uma luta por Taiwan, levará algum tempo para as economias ocidentais se endireitarem - à medida que o mercado da China e a manufatura chinesa desaparecem e o Ocidente e outros produtores reconfiguram as cadeias de suprimentos. É uma incógnita, mas uma estimativa conservadora seria de cinco a 10 anos.

Especula-se se os EUA e aliados do mundo livre têm melhores perspectivas de recuperação do que a RPC. Vale lembrar que eles estavam bem até o final dos anos 90, quando a economia da RPC decolou - impulsionada pelo investimento e pela tecnologia ocidentais e pelos mercados abertos dos EUA e ocidentais. A "ascensão" da China foi auxiliada e incentivada pela classe de CEOs dos Estados Unidos, que mudou as empresas para a China para buscar mão-de-obra barata ou até mesmo vender suas empresas para ganhar dinheiro rapidamente.



Mercados livres e empreendimentos livres não são nada caso não sejam adaptáveis, mas isso leva tempo. Uma vez que as nações livres se reúnem, o resultado pode ser uma "comunidade" de nações livres isoladas da RPC. É o suficiente para a globalização sem fronteiras e o "mundo plano" de Thomas Friedman. Mas essa não seria a primeira vez que a civilização teria que se limpar da poeira depois de se defender de um inimigo perigoso.

Cicatrizes psicológicas



Além dos efeitos militares e econômicos de uma guerra por Taiwan, há um dano psicológico - independentemente do resultado - para as sociedades ocidentais e pró-ocidentais que pensaram ter "evoluído além" desse tipo de guerra. Tais coisas só aconteceram com gerações anteriores, menos esclarecidas, ou apenas em países "menos civilizados"; não, nesta época, a uma "democracia do primeiro mundo" como Taiwan.

Assim como a carnificina da Primeira Guerra Mundial atordoou as sociedades européias e lançou as bases para outra guerra global 20 anos depois, uma luta decorrente de Taiwan pode similarmente moldar o futuro em maneiras que dificilmente se imagina. A única avaliação certa do futuro é que não será agradável.



Por exemplo, uma década de estagnação econômica global à medida que os reajustes do mundo livre podem facilmente causar distúrbios sociais - e permitir que políticos extremistas (com esquerdistas e direitistas não sendo muito diferentes) se apoderem como Lênin e Hitler após a Primeira Guerra Mundial. As consequências serão imprevisíveis e ocorrerão também nos países do “primeiro mundo”. Isso já aconteceu antes.

Original: https://asiatimes.com/2020/01/taiwan-war-global-economic-psychological-damage/

Grant Newsham é um oficial fuzileiro naval americano reformado. Ele foi o primeiro oficial de ligação do USMC junto à Força de Autodefesa do Japão e passou muitos anos na Ásia. Ele conduziu pesquisas em Taipei em 2019 como bolsista do Ministério de Relações Exteriores de Taiwan. Seu tópico de pesquisa abrangeu a melhoria da defesa de Taiwan, ajudando as Forças Armadas de Taiwan a romperem 40 anos de isolamento. Ele escreveu originalmente este artigo para o Journal of Political Risk, onde foi publicado em 1º de novembro de 2019.

Bibliografia recomendada:






Leitura recomendada:

A guerra no Estreito de Taiwan não é impensável2 de junho de 2020.

Os EUA precisam de uma estratégia melhor para competir com a China - caso contrário o conflito militar será inevitável5 de fevereiro de 2020.

O coronavírus pode ser o fim da China como centro global de fabricação10 de março de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia20 de abril de 2020.

GALERIA: Tanques M41A3 de Taiwan em tiro de exercício20 de fevereiro de 2020.

Viva Laos Vegas - O Sudeste Asiático está germinando enclaves chineses13 de maio de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário