Mostrando postagens com marcador África do Norte. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador África do Norte. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Por trás da disputa argelino-marroquina, a histórica frustração da Argélia com o Marrocos


Por Bernard Lugan, Actualité Africaine, 25 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Ponto culminante de uma tensão que tem crescido continuamente nos últimos anos, a Argélia acaba de cortar relações diplomáticas com o Marrocos.

O rei Mohammed VI do Marrocos, e o presidente Abdelmadjid Tebboune da Argélia.

A disputa entre os dois países é certamente política, mas também histórico-psicológica. Por quatro razões principais:

1) Passada diretamente da colonização turca para a colonização francesa, a Argélia tem ciúme do Marrocos e de seus 1200 anos de história (veja sobre o assunto no meu livro Algérie, l'Histoire à l'endroit / Argélia, a história no lugar). Ela se recusa a admitir que os brilhantes principados de Tlemcen no oeste, e Bougie no leste, não constituíam as matrizes da Argélia, quando Fez e Marrakech criaram o Marrocos. Com os Idrissidas, os Almorávidas, os Almohads, os Saadianos, os Merinidas e os Alaouitas, durante 1200 anos, o Marrocos de fato desenvolveu um Estado, depois Impérios estendendo-se em certas épocas por todo o Magrebe, parte da Espanha e até Timbuktu. Não havia nada parecido a leste de Moulouya, onde nem os Zianides de Tlemcen nem os Hafsids de Bougie tiveram um destino comparável ao das grandes dinastias marroquinas. É aí que reside o não-dito de toda a política magrebina de Argel.

2) Os dirigentes argelinos não querem reconhecer que herdaram da França territórios historicamente marroquinos, tendo a colonização francesa amputado o Marrocos em favor dos departamentos franceses da Argélia. É por isso que Touat, Saoura, Tidikelt, Gourara e a região de Tindouf são argelinos hoje. Eles se recusam a admitir que, na época da independência, o milenar Marrocos foi convidado a endossar essas amputações territoriais feitas em benefício de uma Argélia nascida em julho de 1962.

Soldados argelinos.

3) Para uma Argélia, "enclavada" neste mar fechado que é o Mediterrâneo, é insuportável constatar que com a recuperação das suas províncias do Saara, o Marrocos tem uma imensa fronteira marítima oceânica a partir de Tânger ao norte, até à fronteira com a Mauritânia ao sul, abrindo assim o reino tanto ao “mar aberto” do Atlântico como à África Ocidental. Recusando-se obstinadamente a admitir esta realidade, a Argélia mantém a Polisario à disposição na tentativa de enfraquecer o Marrocos. No entanto, para Argel, é urgente. Como a última praça dos 24 Estados - dos 193 membros da ONU - ainda reconhecendo este fantasma que é a RASD (República Árabe Sarauí Democrática), tendo finalmente se desintegrado, a tensão com o Marrocos poderia ajudar a conter o sangramento.

4) A Argélia atravessa uma crise econômica, política, institucional e de identidade muito profunda. Ela deve, portanto, procurar reunir as energias nacionais e, para isso, desde a independência, sempre recorreu a dois bodes expiatórios: a França e o Marrocos. Atualmente, por vários motivos, ela precisa da França. Portanto, resta o Marrocos. Esperando que esta política de corrida desenfreada não conduza a uma nova "guerra das areias", como em 1963...

Bernard Lugan (nascido em 10 de maio de 1946 em Meknès) é um historiador francês especializado em história da África. Ele é professor do Institut des hautes études de défense nationale (IHEDN) e editor da revista L'Afrique réelle ("A África Real"). Lugan lecionou anteriormente na Jean Moulin University Lyon 3 e na escola militar especial de Saint-Cyr até 2015. Ele serviu como testemunha especializada para réus hutus envolvidos no genocídio em Ruanda no Tribunal Criminal Internacional para Ruanda.

Bibliografia recomendada:

Novas Geopolíticas.
José William Vesentini.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Por que o Magrebe está "se dissociando" da Europa


Por Francis Ghiles, The Arab Weekly, 24 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de julho de 2021.

A dissociação fala de uma falha mais ampla da imaginação política da UE e de sua falta de pensamento estratégico sobre o Magrebe e a África.

Semelhante a um movimento muito lento das placas tectônicas que nunca produz algo tão dramático como um terremoto ou um tsunami, os países do Magrebe estão passando por um lento processo de fortalecimento de sua soberania nacional e diversificação de seus parceiros econômicos e de segurança.

Soldados argelinos tomam posições durante operação contra militantes extremistas, nas montanhas Ain Defla, a oeste da capital Argel, na Argélia, 26 de janeiro de 2021. (Abdelaziz Boumzar / Reuters)

As revoltas árabes de 2011 aceleraram uma mudança que remonta ao 11 de setembro e à decisão da UE e dos EUA de colocar ênfase na segurança em suas relações com os países árabes. Quando o Ocidente optou por definir suas relações com esses países como uma cama de pregos, o único instrumento de que pôde usar foi um martelo. O espírito do Processo de Barcelona, que incluía laços econômicos e culturais mais estreitos, foi vítima da preocupação da UE, alguns críticos diriam que é obsessão, com a segurança.

É mais fácil observar o detalhe da mudança em curso do que defini-lo. As mudanças resultam de uma combinação de fatores externos e domésticos. Riccardo Fabiani, chefe do Norte da África no Grupo de Crise Internacional, fala do "desligamento seletivo dos assuntos regionais" dos EUA, que inclui a maior parte da região MENA*, não apenas o Magrebe (que para os fins desta análise inclui Argélia, Líbia, Marrocos e Tunísia). Isso enfraqueceu a influência da Europa sobre seus vizinhos do Norte da África por causa das divisões internas da UE e seu foco interno na migração. O desenrolar do jogo francês na Líbia e agora no Mali conferiu um papel militar muito maior à Turquia no primeiro caso e à Argélia no segundo, ambos encorajando o que Fabiani descreve como “dissociação”. Esta dissociação também fala de uma falha mais ampla da imaginação política da UE e sua falta de pensamento estratégico sobre o Magrebe e a África.

MENA.
Países quase sempre incluídos, às vezes incluídos e raramente incluídos.

*Nota do Tradutor: MENA é uma sigla em inglês que se refere ao Oriente Médio e ao Norte da África (Middle East and North Africa).

Quaisquer que sejam os seus méritos, a União para o Mediterrâneo, criada em 2007 por iniciativa de Nicolas Sarkozy, não foi páreo para o Processo de Barcelona de 1995. O Marrocos e a Tunísia estão arrastando os pés sobre a proposta da UE de Acordo de Comércio Livre Abrangente e Aprofundado (DCFTA), já que muitos economistas e acadêmicos, na Tunísia mais abertamente do que no Marrocos, expressam dúvidas sobre seu real valor para suas necessidades de desenvolvimento. O mantra da UE desde os anos 1980 até o início dos anos 2000, de que uma arquitetura crescente de acordos de associação entre os países do norte da África e a UE levaria a um desenvolvimento e convergência mais rápidos, está morto. Seu fim foi acelerado pela agonia do Consenso de Washington e pela ideologia de livre comércio que o sustentava.

Soldados argelinos tomam posições durante operação contra militantes extremistas, nas montanhas Ain Defla, a oeste da capital Argel, na Argélia, 26 de janeiro de 2021. (Abdelaziz Boumzar / Reuters)

O surgimento de novos atores externos, como China, Rússia, Turquia, Qatar e os Emirados Árabes Unidos, para citar apenas os mais influentes, permitiu que as elites governantes do norte da África, muitas vezes precárias, alavancassem novas fontes de laços militares, comerciais e políticos para reduzir sua dependência excessiva na Europa. Com exceção da Líbia, os outros três países do Magrebe evitaram ficar presos na guerra por procuração que colocou a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, de um lado, contra o Qatar e a Turquia, do outro. Na Líbia, por causa do caos que se seguiu à partição de fato do país em 2014, a rivalidade se agravou, ainda mais complicada pelo apoio que o grupo paramilitar russo Grupo Wagner deu ao senhor do leste da Líbia, Marechal-de-Campo Khalifa Haftar e a rivalidade entre potências europeias, notadamente França e Itália.

China e Turquia aumentaram suas exportações e investimentos na Líbia, Tunísia e Argélia, enquanto o Marrocos desenvolveu uma ambiciosa política de investimento e cooperação econômica com a África Subsaariana, estimulada pelo longo congelamento de suas relações com a Argélia e mediada pela empresa OCP estatal de fosfato e de fertilizantes e bancos líderes como BMCE e Attijari-Wafa Bank. A formulação de políticas da UE é prejudicada pela teimosa defesa francesa de seus interesses em suas ex-colônias. Os legisladores franceses têm dificuldade em imaginar um papel diferente daquele de forasteiro dominante que tem desempenhado desde o século XIX.

Tendo privilegiado a estabilidade no sul do Mediterrâneo próximo ao exterior após o 11 de setembro, o que significava apoiar regimes autoritários, a UE teve uma breve mudança de opinião após as revoltas árabes. Apoiou financeiramente a Tunísia, ao lado dos EUA e do FMI, mas ficou em sintonia com os governantes argelinos e marroquinos quando estes últimos reprimiram brutalmente os protestos pacíficos.

M1A1 Abrams do Exército Real Marroquino.

Quando o movimento argelino Hirak irrompeu em protestos massivos e pacíficos em 2019, a UE deu a impressão de estar em um estado de total confusão ao promover a democracia na Tunísia, mas não enviou nenhuma mensagem política aos Hirak e depois alinhou quando o exército reafirmou seu papel dominante há 18 meses.

A repressão contra a sociedade civil no Marrocos e na Argélia é mais violenta do que em qualquer momento no último quarto de século e a Europa não tem nada a dizer.

Fabiani observa que as elites governantes no Norte da África “começaram a esticar os contratos sociais existentes para distribuir os recursos disponíveis para categorias sociais e econômicas que estavam anteriormente à margem”. Isso foi feito na Tunísia por meio do partido islâmico Ennahda e de um aumento no número de funcionários do setor público de 450.000 em 2011 para mais de 600.000 dez anos depois.

Isso teve o efeito lamentável de destruir o investimento público, desacelerar o crescimento e aumentar a carga tributária. Mais do que nunca e apesar de seus crescentes laços econômicos com a Turquia e a China, a Tunísia depende da boa vontade da UE, dos EUA e do FMI.

Mas será que a UE e os EUA vão querer abalar o barco da segurança na Tunísia, um oásis ou uma luta calma e bem-sucedida contra o terrorismo, por causa de alguns bilhões de dólares e rasgando o livro de regras da retidão fiscal? Afinal, as regras políticas têm sido tradicionalmente associadas aos pacotes de resgate do FMI, mesmo quando isso nunca foi explicitado nos acordos oficiais. Depois de deixar de pagar seus empréstimos externos em 1983, o Marrocos teve o forte apoio da França e da Arábia Saudita, enquanto a relutância da UE e do FMI em apoiar as reformas argelinas em 1989-1991 pode ser atribuída à falta de entusiasmo da França por qualquer mudança no status quo.

A maneira como está ocorrendo a dissociação econômica do Magrebe e da Europa é precisamente descrita por Hamza Meddeb.

Uma manifestante tunisiana faz um sinal de paz ao lado de uma flor no cano de um fuzil Steyr AUG do exército durante um protesto em massa pelas mudanças no novo governo em Túnis, capital da Tunísia, 20 de janeiro de 2011.

Olhando para a face oculta do comércio transfronteiriço informal na Tunísia desde 2011, ele escreve que a luta bem-sucedida contra os fluxos de comércio transfronteiriços ilegais, especialmente com a Líbia e o fluxo de terrorismo que o acompanhava, levou a uma mudança para fluxos de comércio frequentemente iligais através das fronteiras marítimas dos países. Sua análise combina um uso astuto de estatísticas e uma compreensão íntima quase antropológica de como as elites tunisianas trabalham para concluir que "a dinâmica dessas rotas de comércio marítimo reflete uma mudança estratégica e progressiva nas relações comerciais da Tunísia com a Turquia e a China e um dissociação progressivo de Europa."

As estatísticas corroboram este argumento, pois “o aumento das importações da China e da Turquia (40% e 50% respectivamente), entre 2010 e 2019) corresponde a uma diminuição quase equivalente nas importações da França e Itália (-28% e -2% respectivamente).

Essa mudança, por sua vez, permitiu que novas elites surgissem na Tunísia e corre o risco de marginalizar grupos mais antigos, cujos interesses estão intimamente ligados aos da França. Na vizinha Argélia, é impressionante testemunhar a velocidade com que, para dar um exemplo significativo, o investimento privado turco na produção de aço em Orã (o Grupo Toysah) prosperou em comparação com a tentativa de dez anos do Grupo Danielli italiano em Jijel e no  malfadado envolvimento do Qatar com a empresa siderúrgica estatal SNS, cuja associação com o Grupo Lakshmi Mittal anteriormente terminou em despojamento de ativos e corrupção.

Soldados tunisianos com o fuzil Steyr AUG.

A estratégia abrangente da Turquia no Magrebe está escondida à vista de todos: a região oferece um mercado de 250 milhões de consumidores, uma plataforma para penetrar na África (o Grupo Toysah está exportando para a África depois de começar a fazer isso para os EUA) e oportunidades para alavancar seu poder diplomático, principalmente na Líbia, onde a Argélia apóia amplamente a política de Ancara.

Neste jogo de areias movediças, todos os países se inscreveram na Iniciativa do Cinturão e Rota da China. Isso pode não render dividendos imediatamente, mas renderá ao longo do tempo se não for controlado por uma resposta mais imaginativa da UE. Na Líbia, a Rússia se tornou um ator importante diplomaticamente. Além disso, sendo de longe o maior fornecedor de armas para a Argélia, pode ser útil diplomaticamente para Moscou quando Argel decidir desempenhar um papel de segurança mais ativo no Mali. Nenhuma das considerações acima significa que a UE não tem mais cartas para jogar no Norte de África. Mas terá de apresentar uma política mais pró-ativa se quiser desacelerar a tendência de médio prazo de uma dissociação entre as duas margens do Mediterrâneo Ocidental.

Francis Ghilès é membro associado do Centro de Assuntos Internacionais de Barcelona. Ele é um colaborador frequente do The Arab Weekly.

Bibliografia recomendada:

Novas Geopolíticas.
José William Vesentini.

Leitura recomendada:









FOTO: Os Terríveis Turcos!, 1º de maio de 2021.

Armas vietnamitas para a Argélia, 14 de dezembro de 2020.

A Arte da Guerra em Duna, 17 de setembro de 2020.

terça-feira, 11 de maio de 2021

GALERIA: Carros de assalto Renault FT-17 na Guerra do Rife


Por Jesus Dapena, Steven's Balagan, 22 de julho de 2017.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de maio de 2021.

O primo da minha mãe, Cipriano Briz ("tio Cipri") estava estacionado no Protetorado espanhol no Marrocos na década de 1920 durante a Guerra do Rife (chamada na Espanha de "La Guerra de Africa" ou "La Guerra de Marruecos"). Ele estava na infantaria.

Cipriano Briz em uma companhia de metralhadoras

Tenente Cipriano Briz em Zoco Tzelatza, no Marrocos, 2 de junho de 1921 .

Cipri nasceu em 1894. A foto o mostra no Zoco El Telata do Yebel Hebib, no extremo oeste da zona de guerra ocidental, em 2 de junho de 1921. Na época, ele era tenente de uma companhia de metralhadoras do 60º Regimento de Infantaria de Ceuta. De 6 a 16 de julho de 1921, seu regimento fazia parte da força “Columna del Jarrub” que penetrou a leste de Megaret profundamente no interior da região de Yebala até Zoco El Jemis de Beni Aros.

Mais tarde naquele ano, seu regimento foi transferido para Buharrax, na extremidade oriental da zona de guerra ocidental, de onde penetrou novamente na região de Yebala, desta vez para o oeste. No primeiro dia desta ofensiva, 19 de dezembro de 1921, Cipri foi baleado na coxa esquerda perto de Ayalia. Ele estava com uma equipe de metralhadora e a cinta de munição emperrou. Cipri se levantou, pressionou a metralhadora com o pé e puxou a cinta com as mãos, tentando desfazer o emperramento. Foi quando ele foi baleado.

Cipri ficou hospitalizado e em licença até agosto de 1922.

Binóculos Zeiss Turact 8x24.
(Cipriano Briz)

Binóculos Zeiss Turact 8x24 de Cipri, fabricados na Alemanha em 1918. Eles provavelmente foram comprados pela Espanha do governo francês após o fim da Primeira Guerra Mundial.

Cipriano Briz na unidade de Renault FT-17

Renault FT-17 nº 4, carro-comando.
(Cipriano Briz)

Depois que ele voltou da licença, Cipri foi transferido para a unidade de tanques leves de infantaria do 67º Regimento de Infantaria de Cádiz, que estava ativo na zona de guerra oriental. Cipri teve má circulação na perna esquerda pelo resto da vida. Isso provavelmente tornou mais difícil para ele suportar longas marchas e pode ter sido o motivo de sua transferência para uma unidade blindada.

A unidade da Cipri foi equipada com tanques Renault FT-17. Ele enviou esta série de fotos para a Espanha, provavelmente para sua mãe. As originais foram impressas em cartões postais.

A imagem acima é intitulada “Meu tanque de comando”. No verso, diz:

"Observe o elefante pintado à esquerda da metralhadora: é o mascote.
Este é o obstáculo mais difícil que um tanque pode enfrentar. Este tanque quase foi queimado pelos mouros.
É por isso que tem um X (que significa "ferido") no círculo branco na parte traseira. É o número 4, e o número 1 da Sección."

Tanques FT para a proteção do comboio para Tizzi-Asa.
(Cipriano Briz)

Tanques FT-17 incluindo um FT-17 TSF (Transmissão Sem Fio) para comunicações sem fio. A imagem acima é intitulada “Tanques para proteção do comboio para Tizzi-Asa”. No verso, diz:

"Meu pequeno tanque é aquele marcado por uma flecha. Seu canhão (sic) foi atingido por cinco balas, e partículas de duas delas penetraram como um spray de pólvora fina. Afinal, isso é engraçado! Esta foto foi tirada em Tafersit."

Observe o mascote da tartaruga pintado na torre do tanque de Cipri.

Carros FT-17, incluindo o TSF.
(Cipriano Briz)

Tanques FT-17 e FT-17 TSF. O tanque de Cipri não é aquele marcado pela seta, mas o segundo da esquerda. Observe na foto ampliada que tem a tartaruga de Cipri pintada no lado esquerdo da torre.

Coluna de carros Renault FT-17 no Rife.
(Cipriano Briz)

Renault FT-17 nº 5.
(Cipriano Briz)

Renault FT-17 nº 8.
(Cipriano Briz)

Renault FT-17 nº 8 no Rife.
(Cipriano Briz)

Observe nas duas últimas fotos o mascote da tartaruga pintado na torre do tanque identificado por um número “8” pintado de branco na trave horizontal do trem de tração. Este é obviamente o tanque de Cipri novamente.

Tanques Renault FT-17 nos caminhões de transporte.
(Cipriano Briz)

Tanques FT-17 em transportes com Dar-Drius em segundo plano.
(Cipriano Briz)

Na parte de trás da foto, está escrito:

"Como você pode ver, é impossível não amar esses tanques (montados em seus caminhões de transporte), porque eles são muito bonitos. Ao fundo você pode ver a cidade de Dar-Drius, um acampamento muito maior do que Riffien, e mais confortável."

Tanque FT-17 TSF Infanteria nº 1.
(Cipriano Briz)

Tanque FT-17 TSF Infanteria nº 1.
(Cipriano Briz)

Tanque FT-17 TSF Infanteria nº 1.
(Cipriano Briz)

Tanque FT-17 TSF Infanteria nº 1.
(Cipriano Briz)

Tanque FT-17 TSF Infanteria nº 1.
(Cipriano Briz)

No verso da imagem acima, diz:

"O tanque do telégrafo e do telefone sem fio que já mandei antes, mas a posição não é a mesma. Aqui está mais além, ao longo da borda do parapeito de onde vai cair. Isso foi publicado no ‘Nuevo Mundo’."

Tanque FT-17 TSF tombando.
(Cipriano Briz)

Tanques Renault FT-17 e Schneider M16 CA1 na Guerra do Rife

FT-17 "Infanteria nº 12" no caminhão de transporte.
(Santiago Dominguez)

“Tanque dirigindo-se às trincheiras inimigas”.
(Santiago Dominguez)

Tripulante ferido.
(Santiago Dominguez)

“O tanque de comando de infantaria descendo do transporte”.
(Santiago Dominguez)

"Campanha da África, 1922".
Dois tanques FT-17 e um FT-17 TSF (no meio), e dois tanques Schneider M16 CA1 quase invisíveis nas bordas esquerda e direita da imagem. (Santiago Dominguez)

Esta é uma imagem rara de um tanque Schneider M16 CA1 na Guerra do Rife. A imagem é intitulada “Tanque de artilharia descendo do trator”. (Santiago Dominguez)

Post-script: A Guerra do Rife (1921-1926)

Por Filipe A. Monteiro, 11 de maio de 2021.

A Guerra do Rife foi um dos conflitos ocorridos no Entre-Guerras (1918-1939) e que caíram no esquecimento. O conflito contou com equipamentos modernos, como os carros de assalto do texto, além de metralhadoras, obuses, fuzis de repetição e granadas (esta última uma novidade das trincheiras européias para a África). A companhia de carros de combate com os Renault FT-17 (efetivo de 12 carros) e os Schneider foram os primeiros blindados usado em um assalto anfíbio, no desembarque de Alhucemas em 8 de setembro de 1925, um dos melhores exemplos de ação anfíbia moderna - com uso de comando unificado de forças aéreas, marítimas e terrestres.

Apesar da presença de carros blindados e tanques, estes veículos mecânicos foram apenas uma parte minúscula do conflito. Em sua essência, ainda se tratou de batalhas por fortificações com marcha e contramarchas abaixo do sol escaldante, cargas de cavalaria e ataques relâmpago de beduínos.

"Desembarque de Alhucemas", pintura de José Moreno Carbonero, 1929.

A guerra também criou figuras importantes, como Francisco Franco - o futuro ditador da Espanha - e Milán Astray, o comandante da Legião Estrangeira Espanhola (Terço de Estrangeiros); uma tentativa fracassada de imitar a Legião Estrangeira Francesa e que jamais atingiu 25% de estrangeiros (sendo boa parte portugueses) e que hoje não aceita mais estrangeiros. A incompetência dos espanhóis durante os quatro primeiros anos da guerra levaram a instabilidades que levariam à Guerra Civil Espanhola (1936-1939). O comandante franco-espanhol não foi ninguém menos que o Marechal Philippe Pétain, o herói de Verdun.

Pétain organizou um sistema de pontos-fortes e colunas móveis em operações de contra-insurgência que seriam familiares aos atuais sistemas usados no Afeganistão, Iraque e na África. Ele comandou a movimentação, re-suprimento e combate de 160 mil tropas francesas de uma força expedicionária bem treinada e bem equipada, contando tropas metropolitanas, argelinas, senegalesas e da Legião Estrangeira Francesa, bem como regulares marroquinos (tirailleurs) e auxiliares (goumiers); além de 90 mil espanhóis e seus auxiliares nativos. Pétain cuidava de tudo isso ao mesmo tempo em que se correspondia com a esposa por cartas, detalhando miniciuosamente os cuidados com suas galinhas na França.

Marechal Pétain e o General Miguel Primo de Rivera em Tetuan, no Marrocos, 4 de agosto de 1925.

Em 3 de setembro de 1925, Pétain foi nomeado o único Comandante-em-Chefe das Forças Francesas no Marrocos para lançar uma grande campanha contra as tribos rifenhas, em conjunto com o Exército espanhol, que foi concluída com sucesso no final de outubro. Posteriormente, foi condecorado, em Toledo, pelo rei Alfonso XIII com a medalha militar espanhola. Em 1940, ele era embaixador em Madri.

Os rifenhos eram grupos bérberes muçulmanos sofisticados liderados por Abid el-Krim, um chefe astuto e carismático. Eles derrotaram os espanhóis catastroficamente em Anoual em 1921, infligindo mais de 13 mil mortos e feridos, além de 700 capturados; o desastre derrubaria o governo espanhol. Os rifenhos perderam cerca de 800 homens entre mortos e feridos. Apesar de serem derrotados pelos franceses em apenas um ano, ofereceram feroz resistência em uma guerra encarniçada cuja brutalidade foi ainda pior do que já era costumeiro na região. Os soldados franco-espanhóis eram aconselhados a guardarem a última bala para eles. Dos 66 fortes franceses na fronteira com a República Rifenha, 9 foram tomados de assalto e 30 abandonados quando os rifenhos atacaram de súbito em abril de 1925 - inclusive ameaçando Fez. Os rifenhos foram sendo progressivamente empurrados e sangrados até a rendição de Abd el-Krim para as autoridades francesas, mas não sem antes terem conseguido vitórias locais. A batalha final, iniciado em 8 de maio de 1925, opôs franceses e espanhóis com 123.000 homens, apoiados por 150 aeronaves, contra 12.000 rifenhos.

Van Damme no filme "Legionário" (Legionnaire, 1998).

A cultura popular moderna tem apenas um único filme ambientado na Guerra do Rife: Legionário. Estrelando Jean Claude van Damme como Alain Lefèvre (alistado na Legião como Alain Duchamp) e combatendo os rifenhos comandados pelo próprio Abid el-Krim (interpretado por Kamel Krifa). O filme mostra o dilema de guarda uma última bala para si mesmo, pois os prisioneiros eram brutalmente torturados antes de serem mortos. Um filme que não deve faltar no léxico dos entusiastas da Legião.


Um outro filme menos recente, chamado Marcha ou Morre (March or Die, 1977), porém considerado por alguns como o melhor filme da Legião Estrangeira, e estrelando Gene Hackman, Terence Hill e Catherine Deneuve possui elementos da Guerra do Rife. A Legião dessa vez enfrenta uma rebelião bérbere fictícia enquanto protege arqueólogos em busca de um artefato no deserto. O líder tribal El-Krim, interpretado por Ian Holm, o Bilbo d'O Senhor dos Anéis, foi inspirado em Abid el-Krim. A ambientação, uniformes, armas e táticas são fiéis ao período histórico.


Em 2017, a Espanha produziu uma minissérie ambientada na Guerra do Rife seguindo um grupo de enfermeiras espanholas: Tempos de Guerra (Tiempos de Guerra), com 13 episódios.


Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

FOTO: O Renault FT na Finlândia, 28 de fevereiro de 2021.

FOTO: Os Terríveis Turcos!, 1º de maio de 2021.


quarta-feira, 5 de maio de 2021

FOTO: M4 Sherman francês do Lend-Lease

Tripulação francesa sobem no seu novo M4 Sherman, Argélia, dezembro de 1943. (Revista LIFE)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de maio de 2021.

Franceses em exercício com seu novo tanque M4 Sherman, recebido através do Lend Lease (Empréstimo e Arrendamento) americano, na Argélia, dezembro de 1943. O potencial industrial dos Estados Unidos era gigantesco e sem paralelo no mundo na época. Os americanos abasteceram não apenas suas forças, lutando em quatro frentes simultâneas, mas também seus aliados franceses, britânicos, soviéticos e chineses. O poderio industrial começou a abastecer até mesmo aliados que ainda não combatiam, como o Brasil, e depois da guerra rearmaram até mesmo ex-inimigos.

Os Exército da África foi incorporado ao Exército Francês Livre do General de Gaulle depois do desembarque anglo-americano durante a Operação Torch e, depois da capitulação ítalo-alemã na Tunísia, foi reequipado pelos americanos. Esse novo exército formou um Corpo Expedicionário de mais de 100 mil homens em 4 divisões que lutou na Itália, e divisões militares que lutaram na Normandia, na Provença e na Alemanha. A 1ª Divisão Francesa Livre, parte do 1º Exército do General de Lattre, realizou junção com a Força Expedicionária Brasileira no norte da Itália em 1945.

Bibliografia recomendada:

Armored Thunderbolt:
The US Army Sherman in WWII.
Steven Zaloga.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 9 de abril de 2021

GALERIA: Motoristas de ambulância voluntárias em Rivoli

Enfermeira motorista prepara uma maca, Rivoli, Argélia, outubro de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de abril de 2021.

Instaladas em um acampamento em Rivoli, a sudeste de Mostaganem, na Argélia, as motoristas voluntárias da 531ª Companhia de Transporte Médico (531e Compagnie Sanitaire de Transport, 531e CST) cuidam de suas ocupações. Algumas estão se preparando para a partida em uma missão, outros, retornando de sua missão, estão ocupadas fazendo a manutenção de seus veículos, ambulâncias Dodge WC 54 (lubrificação, enchimento de pneus, troca de rodas, reabastecimento de combustível). Seu cotidiano é ilustrado por refeições, confecção de roupas e descanso.

Seu recrutamento é principalmente feminino. As voluntárias, apelidadas de "chaufferettes", além da formação como motorista, receberam formação médica sancionada com a concessão de diploma de ambulância que os autoriza a usar a insígnia da Cruz Vermelha. O símbolo da unidade é um Pato Donald representado como um socorrista para marcar a missão de saúde. A companhia é composta por quatro seções de 20 ambulâncias Dodge e comandada pelo Capitão Abdon Monsang.

Criada em fevereiro de 1943 na região de Orã, a companhia dependia do 27º Esquadrão de Logística (27e escadron du Train) e combatia dentro da CEF (Corpo Expedicionário Francês) então do 1º Exército, e serviria na campanha da Itália. As motoristas-enfermeiras seriam apelidadas de "Rochambettes" e de "Marinettes" (caso fossem da marinha).

Distintivo da 531e CST com o Pato Donald.

Duas voluntárias com suas bonecas mascotes.

Vista geral do acampamento da 531ª em Rivoli, na Argélia, outubro de 1943.
As ambulâncias Dodge WC 54 estão organizados em ordem de saída para um exercício noturno. Esse tipo de ambulância, a mais utilizada em todo o conflito, pode transportar quatro feridos deitados em macas ou seis sentados.

Uma motorista voluntária garante a manutenção dos veículos.

Posando e com graxa no rosto, uma motorista se limpa com ajuda do retrovisor após uma sessão de lubrificação do veículo. Na porta da ambulância está a insígnia da companhia, um Pato Donald socorrista.

Duas motoristas voluntárias conduzem a manutenção das ambulâncias.

Duas voluntárias ao volante após um exercício. Os capacetes M26 Adrian possuem a insígnia das tropas coloniais, contendo uma âncora.

“Enquanto uma equipe da companhia de transporte médico se prepara para o exercício e carrega as macas da ambulância, os camaradas do acantonamento tricotam, remendam”, diz a legenda original. No quintal de uma fazenda perto de Rivoli, a sudeste de Mostaganem, outras motoristas penduram roupas ou preparam seus equipamentos com seus colegas homens. Na entrada da fazenda, está pintada a insígnia do 28e du Train, esquadrão de Orã.

Uma motorista da 531ª Companhia de Transporte Médico realiza "a tarefa de reabastecer antes da manobra". Ela está vestida com as uniformes de combate regulamentares: casquete (boné de polícia) americano com cruz de metal vermelha, camisa de sarja com gravata cáqui, braçadeira com cruz vermelha e insígnia de motorista em feltro preto passando pela abertura do ombro esquerdo, calças de malha, polainas de lona e borzeguins.

Uma motorista voluntária da 531ª Companhia de Transporte Médico dirigindo uma ambulância Dodge. No painel, o mascote da companhia.

Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada: