sexta-feira, 16 de abril de 2021

16 de abril de 1917: Primeiro combate de tanques franceses - Felicidade e infortúnio de uma inovação

Coluna de carros de assalto Schneider.

Pelo Ten-Cel Michel Goya, Voi de l'Épée, 16 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de abril de 2021.

Em 16 de abril de 1917, o exército francês engajou pela primeira vez tanques no campo de batalha. Este engajamento surge no âmbito da grande ofensiva organizada pelo General Nivelle na zona de esforço principal entre Laffaux e Reims, setor do 5º Exército francês. A missão dos tanques é apoiar o avanço da infantaria no ataque a sucessivas posições inimigas na área do pequeno vilarejo de Berry-au-Bac, dez quilômetros ao norte de Reims. Em seguida, reuniu-se uma massa substancial de 132 tanques modelo Schneider divididos em dois grupos. O primeiro deles, o grupamento Chaubès, se deparou com a infantaria que assaltava a primeira posição alemã e não foi capaz de ultrapassá-la. Não há efeito nenhum no combate. O segundo, o grupamento Bossut consegue alcançar e ultrapassar a segunda posição alemã, mas apesar da velocidade reduzida de progressão, os soldados de infantaria não podem seguir as máquinas. O fogo da artilharia alemã era então muito denso. O grupo Bossut, portanto, avançou, a 6km/h, em direção à terceira posição inimiga, que eles não foram capazes de enfrentar por conta própria. Os tanques são então o principal alvo do fogo alemão e são destruídos um após o outro.

Ao cair da noite, os sobreviventes se retiraram, ainda sofrendo muitas baixas, a maioria deles por pane. No total, um quarto da tripulação foi morta ou ferida e 76 tanques foram perdidos, 56 dos quais pela artilharia alemã e entre eles 35 pegaram fogo. O grupamento do comandante Bossut, ele próprio morto em seu tanque, foi destruído por um efeito nulo. O entusiasmo por esta "Artilharia Especial" (Artillerie spéciale, AS) de repente diminui e se transforma em hostilidade com esse "desperdício de recursos".

Como explicar esse fracasso de uma inovação tão promissora?

Vamos voltar um pouco mais de um ano. A idéia de um veículo sobre lagarta com vocação militar surgiu no início do século XX como parte do emaranhado de experimentos em torno do motor de combustão interna. Estão surgindo vários projetos industriais que não encontram aplicação, pois em nenhum lugar consegue-se conectar essas máquinas pesadas, lentas e pouco confiáveis ​​a uma necessidade. Essa necessidade finalmente apareceu com o estabelecimento da frente a partir do outono de 1914, quando se tratou de neutralizar os ninhos de metralhadoras inimigas, firmemente entrincheirados e protegidos por redes de arame farpado. Estimulada pela emergência, a oferta técnica é muito importante na França. No entanto, os projetos apresentados sofrem por ignorar a realidade da frente e, até o trabalho da Société Schneider, por não usar a lagarta. Do lado da “procura”, o Grande Quartel-General (Grand quartier général, GQG) espera ter explorado todas as soluções de acordo com o paradigma atual antes de procurar novas soluções, que vem depois do desastre da “ofensiva decisiva” de Setembro de 1915.

Trincheira francesa de primeira linha na Champagne, 1915.

É neste contexto que o Coronel Estienne escreveu em 6 de dezembro de 1915 ao general em chefe:

“Considero possível a realização de veículos com tração mecânica que possibilitem o transporte através de todos os obstáculos e sob fogo, a uma velocidade maior de 6 quilômetros por hora, infantaria com armas e bagagem, e canhão”.

Estienne então tem todas as qualidades para defender um projeto inovador. Politécnico, recebeu uma sólida formação científica que coloca ao serviço de um espírito criativo. Em sua trajetória como artilheiro, muitas invenções lhe deram fama que lhe valeu, em 1909, a missão de organizar um centro de aviação em Vincennes onde desenvolveu suas idéias sobre a regulação aérea da artilharia, idéias que pôs em prática em 6 de setembro, 1914, em Montceaux-les-provins, com os dois aviões que fabricou.

Em particular, serviu na 6ª Divisão de Infantaria (DI) sob as ordens do General Pétain, com quem continuou a manter relações desde então. Graças à sua rede, Estienne sabe qual projeto de veículo da companhia Schneider é menos adequado à sua idéia e quando fala é mais facilmente ouvido do que as centenas de outros coronéis do exército francês. Estienne conseguiu persuadir Joffre a solicitar, a partir de 31 de janeiro de 1916, a fabricação rápida de 400 couraçados de guerra Schneider.

O problema é que a Direction du Service Automobile (DSA) do Ministério da Guerra se ressente. Não cabe ao pessoal operacional decidir sobre a escolha dos meios, mas ao Ministério da Guerra em conjunto com o dos Armamentos! A DSA não pode frustrar o projeto da coalizão Joffre-Estienne-Pétain-deputado Breton-Société Schneider, já aprovado e financiado, mas pode tentar neutralizá-lo. A nova coalizão que reuniu Albert Thomas, Ministro dos Armamentos, e o General Mourret, da DSA, conseguiu que o projeto do tanque Schneider fosse confiado a uma comissão excluindo Estienne, e também encomendou 400 exemplares de seu próprio tanque da Compagnie des Forges et Aciéries de la Marine et d'Homécourt, conhecida como “Saint-Chamond”, rival da Schneider e onde atua outro artilheiro famoso: o Coronel Rimailho. Depois de uma batalha de perímetro, no entanto, em setembro Estienne obteve o comando da artilharia de assalto (ou especial, AS). A AS está ligada ao GQG para emprego, mas até janeiro de 1918 depende organicamente do Ministério dos Armamentos, a D.S.A. e duas subsecretarias (Invenções e Fabricações), uma fonte de múltiplos atritos.

O primeiro grupo de tanques, de Schneider, foi criado em 7 de outubro de 1916, apenas dez meses após o lançamento do projeto, um desempenho notável devido em grande parte ao pragmatismo de Estienne que não esperou, ao contrário do que fará sistematicamente o DSA, o tanque de seus sonhos, mas adapta o existente neste caso o projeto do engenheiro Brillié, extrapolação das idéias do deputado Breton e do trator de agricultura “Baby Holt”. A DSA, por meio de sua burocracia, exigindo que os testes do Schneider fossem repetidos para chegar às mesmas conclusões, apenas atrasou o projeto em seis semanas. Quanto ao projeto Saint-Chamond, muito mais sofisticado, não estará pronto a tempo para os combates da primavera. E quando estiver pronto, descobrir-se-á que seu chassis foi mal projetado e dificilmente utilizável. Notar-se-á ainda que o Ministério dos Armamentos, embora respeitando o seu pedido de veículos, negligencia todo o seu ambiente de peças sobressalentes, o que acabará por causar tantos tanques imobilizados quanto a ação do inimigo.

O Saint-Chamond.

À medida que a primeira geração de máquinas é lançada. Estienne e a DSA já estão imaginando o seguinte. O primeiro quer uma máquina leve que possa ser transportada por caminhões, este será o FT-17, um dos instrumentos da vitória. O segundo, significativamente, prefere uma máquina muito pesada e poderosa, esta será o tanque 2C, um monstro da engenharia que só aparecerá depois da guerra e nunca terá qualquer utilidade. Nesse ínterim, de qualquer maneira, o alto comando mudou e Nivelle, o novo general-em-chefe, colocou em prioridade absoluta um programa de 850 tratores de artilharia que, desde o início de 1917, desacelerou consideravelmente a produção de tanques médios e interrompeu o início do tanque leve. Este projeto de trator será um fracasso.

Taticamente, tudo deve ser inventado. O laboratório da AS fica em Champlieu, perto de Compiègne. Os homens chegaram a partir de agosto de 1916. Voluntários de todas as armas, inicialmente eram "emigrantes" internos. No corpo de oficiais, duas categorias dominam. Os primeiros são oficiais de "complemento" (reservistas) ou de vindos dos praças. Vítimas do ostracismo por parte dos oficiais de carreira, eles são atraídos por novas armas onde ninguém pode reivindicar superioridade sobre eles. Para o deputado Abel Ferry, “os carros de assalto são fruto da imaginação de combatentes, reservistas, e gente da retaguarda. Não nasceram espontaneamente da meditação do alto comando”. Recorde-se, aliás, que a primeira utilização militar de viaturas de lagartas na França parece ser iniciativa do reservista Cailloux, nos Vosges, na primavera de 1915.

O segundo grupo importante é formado pelos cavaleiros. Disponível, por não ser utilizadas na guerra de trincheiras, a cavalaria enxameia nas outras armas, aonde chega com sua cultura de origem, mas também com suas frustrações. Na Aeronáutica, como na AS, eles reproduzem padrões muito ofensivos de cargas ou duelos e se recusam a cooperar com as outras armas. Acima das portas do arsenal da École Militaire de Paris, há dois nomes: Du Peuty e Bossut. Na verdade, trata-se de dois cavaleiros que trocaram os cavalos pelos aviões no primeiro caso e os tanques no segundo. Já famoso antes da guerra por suas habilidades equestres, um verdadeiro herói várias vezes citado em 1914, Bossut irá, portanto, comandar o grupo principal de tanques em Berry-au-Bac, mas ele terá tido antes uma grande influência nas orientações da AS.

É com todos esses homens que se tentou determinar a doutrina do emprego. Tirando lições dos muitos exercícios realizados nos polígonos do campo de Champlieu, com a particularidade de lhes faltar um pouco de realismo. Posteriormente, o Tenente Chenu, um dos primeiros oficiais de tanques, evocará a ilusão de trincheiras inimigas, "uma rede ideal e geométrica, fácil de atravessar para os tanques". Também há muito interesse na experiência dos britânicos que foram os pioneiros no uso de tanques, sem muito sucesso, no campo de batalha do Somme. A cooperação entre os Aliados será sempre excelente nesta área. Em agosto de 1918, um Centro Aliado foi criado em Recloses, reunindo vários batalhões de tanques e de infantaria de diferentes nações para reunir conhecimentos e experiências.

Carros leve Renault FT-17 do exérctio francês em Neuilly, no Aisne, 1918. 

Consertamos rapidamente as estruturas. As células táticas básicas são as baterias com 4 tanques, reunidas por 4 nos grupos. Em 31 de março de 1917, a A.S. tem 13 grupos Schneider e 2 grupos Saint-Chamond incompletos. Esses grupos formam grupos de tamanhos variados. Para facilitar o progresso dos tanques, o Comandante Bossut sugere a formação de uma infantaria de acompanhamento: será o 17º Batalhão de Caçadores a Pé (17e Bataillon de chasseurs à pied, BCP), com cada companhia de infantaria atribuída a cada grupo de ataque. Em seguida, ela se dividiu em "grupos de elite" de três homens responsáveis ​​por acompanhar cada máquina e em seções de acompanhamento para o desenvolvimento de passagens nas trincheiras. Por alguma razão misteriosa, o 17º BCP acabará não se envolvendo com tanques na ofensiva de abril e será substituído no último momento por uma unidade formada sumariamente.

Resta saber como usar esses tanques, que podem disparar efetivamente apenas 200 metros para os Schneiders e só podem viajar 30 quilômetros, incluindo o retorno. Existem apenas duas possibilidades então. A primeira é o acompanhamento. Nesse caso, as máquinas avançam no ritmo dos infantes para ajudá-los a destruir as resistências. Nesse caso, eles podem ser dispersos entre unidades de infantaria. A segunda é a carga. Os tanques então tiram proveito de sua blindagem para avançar o mais longe possível no interior das posições inimigas. É melhor então usá-los em massa para acentuar o efeito moral e serem capazes de apoiar um ao outro. Por outro lado, é inconcebível imaginar os Schneider e Saint-Chamond explorando em profundidade uma ruptura da frente ou realizando missões de reconhecimento. Para Bossut, as coisas ficam claras quando ele é destacado para o 5º Exército com sete grupos: "o carro é um cavalo com o qual se carrega", escreveu ele ao irmão. Indo o mais rápido possível e a infantaria avançando o mais rápido que ela pode, e ele próprio "golpeará com sabre" com seus homens embora sua função era de preferência permanecer no posto de comando do exército para tentar coordenar a ação dos tanques com aquela de outras armas. Sua citação póstuma expressa o espírito de muitos oficiais da AS daquela época:

"Depois de ter dado todo o seu grande coração como um soldado, como um cavaleiro intrépido, ele caiu gloriosamente, animando seus tanques em uma cavalgada heróica até as últimas linhas inimigas".

General Jean Baptiste Eugène Estienne, "Père de chars".

O que se passa é conhecido. A primeira batalha é um revelador de pontos fortes e fracos. Lá, as fraquezas ocultas, vulnerabilidades técnicas e falta de coordenação com outras armas, foram as mais numerosas. Essa falha inicial mostra como é difícil apreender a priori toda a complexidade de usar um novo sistema tático. O fracasso, portanto, parece ser a norma no uso inicial de uma arma criada recentemente. Esses problemas juvenis podem ser fatais para a organização. Esse é quase o caso da AS, que é salva por sua capacidade de resposta e retorno de evidência rápido, específico para pequenas estruturas. A AS foi engajada pela segunda vez em 5 de maio em torno da fábrica de Laffaux, não mais como um "cavaleiro sozinho", mas apoiando de perto a infantaria. Cada bateria de tanque é atribuída a uma unidade de infantaria nomeada para neutralizar objetivos específicos. O fogo de artilharia (ofuscamento de observatórios, contra-bateria) é cuidadosamente preparado; um avião de observação é responsável por informar o comando sobre a progressão das máquinas e de assinalar à artilharia as peças anti-carro. O 17º BCP é reempregado em sua função de acompanhamento. Na noite de 5 de maio, os resultados do VIe Armée (6º Exército) foram limitados, mas em grande parte devido à ação dos tanques. As múltiplas intervenções de 12 Schneider a mais de 3 quilômetros da linha de partida permitiram abrir brechas nas redes, neutralizar muitas metralhadoras e repelir vários contra-ataques alemães. Em contraste, o primeiro combate de um grupo de tanques Saint-Chamond seguiu o princípio do fracasso inicial. Para alinhar dezesseis máquinas, era necessário "canibalizar" tantas outras em Champlieu. Destes, doze conseguiram chegar em posição de espera, nove chegam ao ponto de partida e apenas um atravessa a primeira trincheira alemã. No total, as perdas finais em tanques dos dois tipos são limitadas a três máquinas. A ação restaura a confiança na AS.

Este pequeno sucesso tático e o apoio de de Pétain, o novo general-em-chefe, possibilitaram salvar a AS, então muito ameaçada, mas o prejuízo organizacional seria significativo. A produção foi quase interrompida por vários meses, e a DSA aproveitou a oportunidade para obter a suspensão do programa de tanques leves, cujos primeiros veículos não puderam ser contratados até maio de 1918. Mas os efeitos da "primeira impressão" terão efeitos de longo prazo. Em 1935, ao final de um relato dedicado ao ataque de Berry-au-Bac, na Infantry Review, o autor fez o desejo:

“Que os tanques franceses mantenham essa concepção tutelar de emprego em conjunto com outras armas, a infantaria em particular, que a adaptem moderadamente ao progresso técnico, em vez de rejeitá-la como algo antigo; que antes de se deixarem seduzir por esperanças de cavalgadas mecânicas, pensem na carga esplêndida, mas sangrenta e vã do ataque das AS 5 e 9 para a linha férrea 2km à frente dos primeiros infantes".


Extrato e resumo do livro L'Invention de la guerre moderne : Du pantalon rouge au char d'assaut 1871-1918 (A invenção da guerra moderna: das calças vermelhas ao tanque 1871-1918), editora Tallandier.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Patton na lama de Argonne27 de março de 2020.


Nenhum comentário:

Postar um comentário