segunda-feira, 5 de abril de 2021

Implicações da al-Qaeda na nova liderança do Magrebe Islâmico

Soldados franceses da operação militar Barkhane no Sahel, na África, durante uma patrulha no Mali. (Fred Marie/Getty Images)

Por Wassim Nasr, Newlines Institute, 8 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de março de 2021.

Com um novo líder no comando, o braço norte-africano da Al-Qaeda provavelmente continuará a trabalhar com grupos jihadistas locais e a representar um desafio para a segurança regional.

No final de novembro, mais de cinco meses após a morte do líder da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (Al-Qaïda au Maghreb islamique, AQMI), Abdelmalek Droukdel, em um ataque das forças francesas, o grupo anunciou que Abu Ubaydah Yusuf al-Annabi assumiria como o novo emir.

Confrontos de dezembro de 2020, todos os atores.

Al-Annabi é o cérebro por trás da evolução recente da AQMI. Embora a Al-Qaeda não reconheça fronteiras ou bandeiras nacionais, a AQMI recentemente tem se envolvido cada vez mais na dinâmica local da Argélia e do Mali, com líderes aparecendo em frente às bandeiras nacionais e endossando publicamente as causas locais. A ascensão de al-Annabi para liderar o grupo militante provavelmente significará uma continuação da flexibilidade que contribuiu para seu ressurgimento - não apenas na Argélia e no Mali, mas também cada vez mais em outras partes da África Ocidental.

O Anúncio da AQMI

O anúncio da ascensão de al-Annabi veio em uma compilação da Al-Andalus composta principalmente de vídeos antigos. O vídeo começa com um longo elogio a Droukdel e três jihadistas que morreram ao lado dele, incluindo o chefe da mídia do Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (Jama'at Nusrat al-Islam wal-Muslimin, JNIM), o grupo que uniu várias facções jihadistas sob a bandeira da AQMI para operar no Mali e no Sahel em 2017.

O vídeo continua descrevendo os últimos dias de Droukdel: "Abu Moussaab morreu entre seus irmãos e soldados do JNIM depois de compartilhar com eles tempos de paz e tempos de guerra", esta indicação da quantidade de tempo que Droukdel passou no norte do Mali, longe de seu santuário argelino, enfatiza seu envolvimento pessoal nas dinâmicas locais.

O vídeo também faz menção específica aos jihadistas mortos no mesmo ataque que Droukdel. Abu Abdel Karim, um dogon étnico do centro do Mali, era um conhecido pregador e estudioso religioso. A menção dos dogon no vídeo mostra o alcance do recrutamento de grupos jihadistas no Sahel, que agora vai além das comunidades étnicas árabes, tuaregues e fulanis que compõem principalmente o JNIM. O recrutamento da AQMI nesses grupos dá a ela um escopo geográfico mais amplo que pode atingir os países vizinhos.

Após essa longa introdução, o vídeo não leva mais de 45 segundos para anunciar al-Annabi como o novo emir antes de prosseguir com os elogios a Droukdel. O breve anúncio foi sujeito a algumas interpretações errôneas, com os observadores assumindo a brevidade do anúncio para indicar a fraqueza ou irrelevância do novo líder. Mas isso ignora vídeos de elogios jihadistas anteriores, que tendem a ser longos e floreados, especialmente quando contrastados com anúncios de liderança, que foram breves e sóbrios.

O único sobrevivente do ataque francês é o motorista, Boubacar Diallo (também conhecido como Abu Bakr al-Fulani), cujo nome constava da lista manuscrita dos prisioneiros que o JNIM exigia que fossem libertados em troca da libertação dos reféns Soumaïla Cissé e Sophie Pétronin. A lista indica que Diallo estava sob custódia dos serviços de inteligência do Mali (o autor confirmou que ele foi libertado). Que Diallo estava dirigindo o líder da AQMI e o chefe da mídia do JNIM no mesmo carro, e que ele estava na lista de troca de prisioneiros do JNIM, enfatiza os estreitos vínculos organizacionais e de subordinação entre JNIM e AQMI. Além disso, de acordo com a inteligência francesa, Droukdel realizou uma “reunião estratégica” com os líderes do JNIM, Iyad Ag Ghali e Hamadoun Kouffa, em fevereiro de 2020 no centro do Mali. A inteligência francesa diz que uma fonte gravou um vídeo da reunião, mas a filmagem também poderia ter sido recuperada pelas forças de operações especiais francesas após a morte de Droukdel e do chefe do escritório de mídia do JNIM.

O documento apresentado é a última página de uma lista de prisioneiros que o JNIM pediu para serem trocados em troca da refém maliana Soumaïla Cissé, uma política. Cissé foi feita refém em maio de 2020 pelo JNIM e eventualmente libertada em outubro de 2020.
O prisioneiro destacado é Abu Bakr al-Fulani, que foi capturado na operação que levou ao assassinato de Abu Mussaab Abdel Wadud. (Newlines Institute for strategy and Policy)

A ascensão de Al-Annabi foi de fato considerada cuidadosamente. O autor perguntou a uma fonte da AQMI logo após a morte de Droukdel por que um sucessor não havia sido nomeado, e a resposta foi breve, mas significativa: "Esses assuntos levam tempo para reorganizar os assuntos internos e estabelecer contato com outros afiliados da al-Qaeda" Podemos, portanto, supor que o protocolo foi seguido no que diz respeito à posição de Droukdel como o chefe mais duradouro de um braço da al-Qaeda.

Antecedentes de Al-Annabi

Al-Annabi, cujo nome de nascimento é Yazid M’barek, nasceu em 1969 em Annaba, uma cidade costeira no leste da Argélia, de acordo com seu arquivo da Interpol. Embora tenha sido designado como terrorista pelas autoridades dos EUA e da Europa desde 2015, a AQMI diz que ele "ingressou na jihad" em 1992 ou 1993.

É improvável que ele tenha participado da jihad afegã ou visitado o Afeganistão ou o Paquistão naqueles primeiros anos. Em vez disso, ele provavelmente se juntou a um dos muitos pequenos grupos locais ativos em sua região nativa que orbitavam ao redor do Grupo Islâmico Armado (Groupe Islamique Armé, GIA), que assumiu a responsabilidade por vários ataques, incluindo o sequestro de um vôo comercial da Air France em 1994 e o ataque à bomba da estação ferroviária de Saint Michel em Paris em 1995.


O GIA também foi uma das facções mais ativas durante a “Década Negra” - a guerra civil brutal de 10 anos entre o governo argelino e uma insurgência islâmica. Essa guerra chegou ao fim quando facções militantes fecharam acordos com as autoridades argelinas, culminando em uma lei de anistia de 1999. No entanto, algumas facções escolheram “limpar as fileiras” e continuar lutando, resultando na separação do Groupe Salafiste pour la Prédication et le Combat (Grupo Salafista para Pregação e Combate) do GIA em 1998.

Menos de uma década depois, esse grupo juraria lealdade à Al-Qaeda e se rebatizaria como Al Qaeda no Magrebe Islâmico. O homem que fez esse anúncio em 2007 foi al-Annabi. Três anos depois, em 2010, al-Annabi chefiava o Conselho de Notáveis, a assembléia mais alta que responde e assessora a liderança da AQMI. E três anos depois, ele estava convocando a jihad contra a França após o envolvimento militar francês no norte do Mali.

Cronologia da Al-Qaeda no Sahel: Datas seletas na história contemporânea da AQMI e JNIM na África.

O futuro da AQMI sob al-Annabi

No início de 2019, o autor enviou 12 perguntas a al-Annabi, que ele respondeu em uma compilação de áudio de 52 minutos. É uma ocasião rara para um alto representante da Al-Qaeda responder a perguntas da mídia ocidental, indicando que al-Annabi está se retratando mais como uma figura política do que como um comandante operacional.

As duas primeiras perguntas eram sobre o movimento de protesto argelino que começou em fevereiro de 2019, e al-Annabi dedicou mais da metade do tempo respondendo a elas. Ele disse que os protestos são "uma continuação natural da luta militar da AQMI", o que está de acordo com o apoio da Al-Qaeda aos levantes populares no mundo árabe, como Egito e Tunísia. A própria AQMI suspendeu as operações na Argélia desde o início dos protestos, “para evitar minar o levante”.

Entrevista de al-Annabi na Fundação Al-Andalus.

Significativamente, a primeira declaração da AQMI sob al-Annabi, emitida em 17 de janeiro, enfatizou “a necessidade de buscar a jihad pacífica, como para manifestações populares e atividades civis, e a jihad militar”. De acordo com uma fonte da AQMI, “Por enquanto, a AQMI não está convocando a retomada das ações militares contra o establishment argelino. Caso contrário, teria sido claramente escrito na declaração.”

Al-Annabi provavelmente influenciou fortemente Droukdel em relação aos movimentos da AQMI no Sahel, especialmente nas diretivas do grupo de 2012 para poupar os habitantes locais no norte do Mali de uma aplicação brutal da sharia. Essa postura levou a liderança central da Al-Qaeda a, às vezes, criticar Droukdel como sendo muito comprometedor e cedendo muito.

Mas a estratégia do grupo de se entrincheirar na política local do Mali parece ter dado frutos, exemplificados pela ascensão de Ag Ghali à liderança do JNIM em 2017. Antes de se tornar um jihadista, Ag Ghali era uma figura política respeitada e defensora da independência dos tuaregues no norte do Mali. Ele inspirou respeito entre os locais que o vêem como um deles, e sua presença ajudou o JNIM (e, portanto, a AQMI) a se entrincheirar na dinâmica local do Mali e ganhar vantagem em seu conflito em curso contra militantes do Estado Islâmico na região. (Nesse contexto, havia especulações de que Ag Ghali assumiria a AQMI após a morte de Droukdel, mas o grupo entende a importância do JNIM e de ter um ator local em sua liderança.)

Em suas respostas às perguntas do autor, al-Annabi deu uma visão sobre a dinâmica entre JNIM e AQMI: “O JNIM é uma parte indissociável da AQMI, que por sua vez é uma parte indissociável do centro da Al-Qaeda... Em relação à realidade geográfica e à pressão militar sobre seus líderes e comandantes, a Al-Qaeda teve que se adaptar com comando e controle flexíveis, dando, portanto, diretrizes gerais e estratégicas e, em seguida, taticamente, cabe a cada ramo chegar a alcançar essas diretrizes dependendo de suas realidades… A AQMI segue o mesmo processo de liderança em relação à sua atividade em diferentes países africanos.” Isso pode ser visto em um nível operacional - na verdade, al-Annabi consultou o JNIM antes de enviar as respostas às perguntas do autor sobre eles, mostrando um processo claro de consulta ao nível de liderança.

Lista da capturado da Al-Qaeda no Mali: A lista do serviço secreto malinense (Direction générale de la sécurité extérieure, DGSE) mostra nomes cruzados com aqueles que o JNIM exigiu para troca. O nome em destaque, Boubacar Diallo, é Abu Bakr al-Fulani, que foi o motorista do líder da AQMI, Abdelmalek Droukdel. (Download da lista completa aqui)

Al-Annabi disse que as atividades de seu grupo no Mali são “uma luta [por meio do JNIM] contra a França e seus aliados locais e regionais. Portanto, eles são alvos legítimos em seus países ou em nossos países.” Ele disse que a AQMI evitaria partes neutras: “Nossos objetivos são claros, lutar contra intrusos e ocupantes é legítimo nas leis celestiais e terrestres, então aqueles que permanecerem neutros serão poupados.” Esta declaração é um contraste interessante com a própria Al-Qaeda, cujo líder Ayman al-Zawahiri em 2017 chamou a famosa "jihad de Abidjan na Costa do Marfim a Ouagadougou em Burkina Faso e o Atlas no Marrocos e na Mauritânia". Um exemplo disso é a Mauritânia, que manteve canais abertos com a AQMI e em troca não foi atacada pela AQMI desde fevereiro de 2011, apesar de fazer parte do G5 Sahel. Por outro lado, Burkina Faso foi alvo e perdeu o controle de sua fronteira norte após o colapso de canais semelhantes. Como o Mali, Burkina Faso agora está aberto para negociações com facções jihadistas.

JNIM/AQMI como uma ameaça política

Desde meados de 2020, as forças francesas mudaram seu foco no Mali de mirar o Estado Islâmico para mirar o JNIM. A morte de Droukdel é o exemplo mais conhecido, e foi seguida pelo assassinato do oficial do JNIM Ba Ag Moussa, uma figura tuaregue e tenente de Ag Ghali, em novembro.

A campanha francesa enfraqueceu o controle do JNIM na região de fronteira do Mali com Burkina Faso e Níger e levou a uma ofensiva de "retorno" do Estado Islâmico que resultou na morte de um comandante de campo do JNIM e levou a um confronto sangrento entre os grupos militantes em dezembro. O JNIM prevaleceu pela segunda vez naquele conflito, mas uma combinação de pressão do Estado Islâmico e das forças francesas deixou sua mão de obra esgotada.

Confrontos entre a Al-Qaeda e o Estado Islâmico: de janeiro de 2020 a janeiro 20 de janeiro de 2021.

O entrincheiramento do JNIM (e, portanto, da AQMI) na dinâmica local do Mali faz parte do cálculo da França para intensificar a segmentação dos grupos. Moradores apanhados no meio do conflito entre o Estado Islâmico e o JNIM estão cada vez mais sendo forçados a escolher um lado entre os atores locais, todos cometendo abusos contra os direitos humanos. O Estado Islâmico carece de aceitação local significativa ou experiência política, enquanto a presença contínua do JNIM e o equilíbrio de medo que impôs com as forças governamentais, milícias e agora o Estado Islâmico no centro de Mali tornaram-no uma escolha mais palatável. A estratégia francesa de buscar alvos de alto valor contribuiu para perturbações nas negociações entre o Estado Islâmico e o JNIM, contribuindo para a inflamação da guerra entre grupos militantes no Sahel.

A estratégia também dá às autoridades do Mali uma vantagem na mesa de negociações, embora a morte de figuras jihadistas locais pelas forças francesas também possa minar a autoridade do governo aos olhos das populações locais. A crescente influência do JNIM e da AQMI no Mali tem sido a causa dos esforços renovados da França, mas a estratégia francesa poderia colocar suas forças em desacordo com os habitantes locais no norte do Mali que preferem o JNIM ao Estado Islâmico. Somado às últimas libertações de jihadistas das prisões do Mali e dinheiro de resgate despachado para operativos, isso poderia explicar a logística e mão de obra para os recentes ataques às forças francesas no Sahel, que mataram cinco e feriram seis militares entre 28 de dezembro e 2 de janeiro, bem como os incidentes de tiroteio contra as patrulhas francesas em Kidal. Os militares e oficiais franceses sustentaram que a França não negociará com terroristas, mas recentemente indicaram que não obstruiriam as negociações quando lideradas por partidos locais.

Como o JNIM é avaliado como uma ameaça política e de segurança sustentada e duradoura, o Estado Islâmico está sendo considerado uma única ameaça à segurança, sem experiência política, aceitação entre os moradores e logística constante em toda a região do Sahel. Isso pode estar mudando lentamente no Níger, onde algumas comunidades da área de fronteira estão buscando a ajuda do Estado Islâmico para resolver problemas locais, incluindo alguns dentro da mesma comunidade, levando a uma sangrenta "resolução de conflito".

Militante tuaregue da AQMI no Sahel em dezembro de 2012.
Ele fazia parte da então recém-criada brigada tuaregue do grupo.

Conclusão

A ascensão de al-Annabi para liderar a AQMI é uma afirmação de seus esforços para se entrincheirar localmente, com líderes fazendo discursos com bandeiras nacionais no fundo - uma raridade, dado que a AQMI não reconhece bandeiras nacionais ou fronteiras - e endossando publicamente as causas locais. Este é um esforço claro da parte do grupo para testar uma estratégia de abordar os muçulmanos no Mali, e parece estar funcionando: hoje, a maioria dos malianos aprova as negociações com o JNIM. O grupo declarou em 14 de janeiro que seu confronto com a França se limita ao Mali e à região do Sahel, observando que "nem antes nem depois" da intervenção francesa no Mali um malinês atacou a França em seu solo e pressionou o público francês a pedir a retirada das forças francesas, dizendo que o grupo nunca tentou mudar a forma como a França é governada ou o modo de vida francês.

Comunicado do AQMI.

A disposição da AQMI de ignorar as queixas pessoais e étnicas para unir vários grupos locais distintos sob a bandeira do JNIM deu-lhe flexibilidade e resistência à pressão militar, e a estratégia recebeu elogios do centro da Al-Qaeda - a mesma liderança que criticou Droukdel uma década antes por fazer muitas concessões. Estamos testemunhando uma mudança de batalhas sem fim para objetivos políticos previsíveis, a fim de evitar a repetição de experiências de governo fracassadas na Somália, no Iêmen ou mesmo na Síria. À medida que o grupo mudou seu foco para fora da Argélia para sobreviver, ele também começou a se expandir e agora pode ser visto como um jogador na África Ocidental. Essa mudança aconteceu sob Droukdel com a influência de al-Annabi; provavelmente continuará agora que al-Annabi é o líder da AQMI.

Wassim Nasr é jornalista da France24 e especialista em jihadismo. Nasr é o autor do livro "Etat islamique, le fait accompli" (Editora Plon, 2016). Ele também é consultor do documentário Terror Studios (2016) indicado ao International Emmy Awards (2017). Siga-o em @SimNasr.

Bibliografia recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário