sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

FOTO: Shermans soviéticos do 6º de Guardas

Um par de carros de combate Sherman M4A2(76) e uma peça de assalto SU-100 do 6º Exército de Tanques de Guardas, em Viena, março de 1945.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de janeiro de 2020.

O 6º Exército de Tanques de Guardas (6-ya Gvardeyskaya Tankovaya Armiya, chamado 6º de Guardas) foi uma unidade de elite soviética formada após a invasão do Eixo, e era uma unidade de elite (como denota o título Guardas) equipada com material soviético, britânico e americano: T-34, Matilda e M4 Sherman. Seu comandante foi o Tenente-General do Corpo de Tanques (depois Coronel-General) Andrei Kravchenko, um especialista em guerra blindada, veterano de Moscou e Stalingrado, e duas vezes Herói da União Soviética.

Inicialmente comandando o 5º Corpo Mecanizado e o 5º Corpo de Tanques de Guardas, o 6º Exército de Tanques teve a sua primeira grande operação na supressão do Bolsão de Korsun-Cherkassy, na região do Dnieper e Cárpatos, em janeiro e fevereiro de 1944. Foi então engajado na Ofensiva de Iassy-Kishinev em agosto de 1944, conquistando o título de Guardas em setembro de 1944. 

Sob este novo título, o 6º de Guardas foi engajado na Batalha de Debrechen, como parte da 2ª Frente Ucraniana sob o comando do Marechal Rodion Yakovlevich Malinovsky, que, de 6 a 29 de outubro de 1944, se opôs ao 6º Exército Alemão (2ª formação) comandado pelo General Maximilian Fretter-Pico e ao 3º Exército Húngaro do General József Heszlényi (condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro em 28 de outubro de 1944); formados no Grupo de Exércitos Sul da Hungria Oriental, chamado Armeegruppe Fretter-Pico. O General Maximilian era o irmão mais velho do General Otto Fretter-Pico, que se rendeu à Força Expedicionária Brasileira na Itália.


M4 Sherman do 6º de Guardas na Áustria.

Após encarniçados combates, Budapeste caiu sob cerco em 29 de dezembro de 1944, resistindo até 13 de fevereiro de 1945. O 6ª de Guardas foi então empenhada na Operação Despertar de Primavera (Unternehmen Frühlingserwachen) no Lago Balaton, manobrando em abril de 1945 e isolando Viena do resto do Reich. Uma de suas unidades subordinadas, o 2º Corpo Mecanizado de Guardas, terminou suas operações em Benešov, na Tchecoslováquia, em 9 de maio de 1945.

O 6º de Guardas foi então transportado para o Distrito Militar Transbaikal, na fronteira com a China, para tomar parte na Operação de Ofensiva Estratégica da Manchúria. O agora Coronel-General Andrei Kravchenko comandou o seu 6º Exército de Tanques de Guardas como a ponta-de-lança da Frente Transbaikal contra o Exército Japonês de Kwantung em 9 de agosto de 1945.

O 6º Exército de Tanques de Guardas consistia no 5º Corpo de Tanques de Guardas e nos 7º e 9º Corpos Mecanizado de Guardas, apoiados por muitas formações menores, ao todo, num total de 1.019 tanques e canhões autopropulsados. Para esta operação, o exército de tanques foi reestruturado de modo que a infantaria, artilharia e componentes blindados estivessem muito mais equilibrados do que tinham sido durante a guerra contra os alemães. Este foi o primeiro exemplo do que provou ser a organização militar mecanizada soviética padrão durante a Guerra Fria.

Participando da Operação Khingano-Mukden, o 6º de Guardas teve a missão de avançar impressionantes 800km. 

Passando 15 anos na Mongólia, o 6º de Guardas foi transferido para o Distrito Militar de Kiev, o mais importante distrito militar soviético, onde permaneceu como unidade de elite até o fim da União Soviética em 1991; quando foi transferido para o exército ucraniano. O agora 6º Corpo de Exércitos ucraniano serviu de 1993 até 2013, quando foi dissolvido e seus elementos colocados sob o atual Comando de Operações Sul.

Nenhum comentário:

Postar um comentário