sexta-feira, 9 de abril de 2021

GALERIA: A 2ª Divisão Blindada em direção a Estrasburgo

Carros M4 Sherman do 501e RCC nos subúrbios de Estrasburgo, 23 de novembro de 1944.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de abril de 2021.

Na manhã de 23 de novembro de 1944, os tanques do 501º RCC (Régiment de Chars de CombatRegimento de Carros de Combate) precipitaram-se no nevoeiro. Às 9h, as tropas chegaram aos subúrbios ao norte e ao cinturão oeste dos fortes da cidade, mas as valas antitanques cavadas pela população retardaram o avanço dos tanques da 2ª Divisão Blindada (2e Division Blindée, 2e DB do General Leclerc) que não possuía infantaria no momento. O mau tempo transformara os campos em um atoleiro onde os tanques não podiam manobrar.

O juramente de Leclerc feito em Kufra de ver a bandeira tricolor francesa tremulando na Catedral de Estrasburgo estava cumprido. A 2e DB hasteou a tricolor francesa livre sobre a catedral de Estrasburgo às 14:30h.

A reportagem do ECPAD apresenta os veículos blindados da 1ª e 4ª companhias do 501e RCC equipados com os M3A3 Stuart (canhão de 37,2mm) e Sherman M4A3 (canhão de 76 e 75mm). O repórter, identificado apenas como Raphel, concentra-se em dois tanques, o M3A3 Stuart "Valmy" da 1ª seção da 4ª companhia, e o Sherman M4A3 “Medenine II” da 2ª seção da 1ª companhia do 501e RCC. Os dois tanques estão carregados de infantaria, cada infante extremamente necessário na situação.

Carregado de infantaria, M4A3 Sherman "Medenine II" do 501e RCC avança em direção a Estrasburgo.

No nevoeiro da manhã, o Sherman M4A3 "Medenine II" e o Stuart M3A3 "Valmy" do 501e RCC na estrada para Starsbourg.

A lateral do M4A3 Sherman "Medenine II" mostrando a divisa da 2ª Divisão Blindada do General Leclerc.

A memória coletiva alemã da batalha é um pouco mais sombria. No livro A Batalha das Ardenas: A cartada final de Hitler (Ardennes 1944: Hitler's Last Gamble), sir Antony Beevor afirma que a Batalha de Estrasburgo foi um dos "episódios mais inglórios" da história militar alemã, com um colapso da defesa da Wehrmacht que foi prematuro e ignominioso. Foi acelerado pelo pânico da liderança nazista, já que muitos oficiais fugiram antes do ataque dos Aliados. Isso levou a uma desmoralização geral das forças terrestres do Heer, Waffen-SS e Luftwaffe, bem como a um colapso da disciplina. Ele afirma:

"Os SS saquearam Estrasburgo antes de se retirarem. De acordo com um general que defendia a cidade, os soldados ordenados a 'lutarem até a última bala' tendiam a jogar fora a maior parte de sua munição antes da batalha, para que pudessem alegar que haviam acabado. O Generalmajor Vaterrodt, o comandante (Heer), estava desdenhoso sobre o comportamento de oficiais superiores e oficiais do Partido Nazista. 'Estou surpreso que Himmler não tenha enforcado ninguém em Estrasburgo', disse ele a outros oficiais depois de ter sido capturado. 'Todo mundo fugiu, Kreisleiter, Ortsgruppenleiter, as autoridades municipais, o prefeito e o vice-prefeito, todos eles fugiram, funcionários do governo - todos fugiram....'"

O Magistrado Chefe, nascido na Alsácia, também fugiu para a Alemanha a pé com uma mochila - já que havia assinado muitas sentenças de morte e colaborado com o sistema de ocupação alemão e era um homem marcado.

O blindado leve Stuart M3A3 "Valmy" da 1ª seção da 4ª companhia na estrada para Estrasburgo.

O Tenente Nanterre, comandante da 4ª companhia, apresenta o galhardete do 501e RCC da 2ª Divisão Blindada à frente do Stuart M3A3 "Valmy".

O "Valmy" e o “Medenine II” na estrada coberta pelo nevoeiro.

O Sherman M4A3 "Medenine II" do 501e RCC da 2ª Divisão Blindada nos subúrbios de Estrasburgo durante a luta pela libertação da cidade.

O "Medenine II" em meio à arquitetura medieval de Estrasburgo.

A rápida libertação de Estrasburgo pela 2ª Divisão Blindada do General Leclerc produziu uma torrente de alegria na nação francesa recém-libertada e foi uma vitória extremamente simbólica para o povo francês e os Aliados ocidentais em geral. Leclerc era muito respeitado e apreciado por seus contemporâneos americanos, ao contrário de alguns outros comandantes franceses. A libertação da cidade e a tricolor erguida sobre a catedral foram considerados o último grande objetivo da Libertação da França.


Operação Nordwind


Em janeiro de 1945, os alemães lançaram a Operação Nordwind (Vento do Norte) e declararam pela rádio de Berlim que a suástica estaria tremulando novamente na Catedral de Estrasburgo em alguns dias. O General Eisenhower pretendia recuar e abandonar a cidade, mas de Gaulle e os demais oficiais do Exército Francês o convenceram que era possível manter a cidade; o povo estraburguês estava sendo ameaçado de invasão alemã, fugindo na direção oposta, pela quarta vez em duas gerações. Além disso, centenas de milhares de alsacianos seriam submetidos a represálias alemãs. Como uma mulher estraburguesa, identificada como Madame Siegfried, disse em uma entrevista:

"Ter desfrutado de seis semanas de liberdade após três anos de tensão permanente, medo permanente, e acreditar mais uma vez que eles [os alemães] voltariam; estava além das minhas forças. Foi um pânico, um medo verdadeiro como eu nunca soube desde então. Nem os bombardeios, nem qualquer outra coisa, mas ouvir que eles podem voltar! "

Foi então decidido que o 1º Exército Francês defenderia a cidade custasse o que custasse. O General Jean de Lattre de Tassigny declarou à população civil que Estrasburgo "libertada por franceses, será defendida por franceses".

As unidades francesas do 1º Exército lutariam obstinadamente sob o peso de cinco divisões alemãs e não cederiam - mesmo ao ponto de unidades serem virtualmente aniquiladas, como o Batalhão do Taiti (Bataillon du Pacifique), um veterano de Bir Hakeim. Os franceses mantiveram sua posição e o avanço alemão foi interrompido em uma luta desesperada a cerca de 40 quilômetros a oeste de Estrasburgo e a Operação Nordwind se tornou outro desastre para os alemães, com o Heer e Waffen-SS terminando a batalha com preciosas divisões sangradas e batidas. Estrasburgo estava salva e duas semanas depois o Bolsão de Colmar foi liquidado; a guerra entraria então na Alemanha.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:





Nenhum comentário:

Postar um comentário