Mostrando postagens com marcador Romênia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Romênia. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de junho de 2021

FOTO: Fuzis variantes do SVD Dragunov

Fuzis sniper baseados no SVD Dragunov.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de junho de 2021.

De cima para baixo:

  • M76 iugoslavo em 8mm Mauser,
  • PSL romeno em 7,62x54mmR,
  • NDM-86 chinês em 7,62x51mm,
  • NDM-86 chinês em 7,62x54mmR,
  • Tiger russo em 7,62x54mmR.

Norinco NDM-86.
A versão chinesa do Dragunov.

Teste de precisão com o NDM-86

O sistema Dragunov foi o primeiro fuzil desenhado especificamente para o tiro de precisão, sendo semi-automático ao invés de um sistema de repetição por questão doutrinária. A experiência soviética ditava tiros em sequência contra alvos em movimento que se expunham apenas por curtos períodos. O fuzil também foi projetado com um retém de baioneta por questões culturais. O Dragunov viu uso extensivo no Afeganistão na década de 1980.

O PSL romeno (Puşcă Semiautomată cu Lunetă, P.SA.L./PSL, literalmente "fuzil semi-automático com luneta"), por outro lado, foi desenhado com base na metralhadora RPK, a versão fuzil-metralhador do AKM (AK-47 modernizado), e projetado para realizar a mesma função do Dragunov e com a mesma ergonomia. A razão da diferença é que em 1968 os soviéticos invadiram a Tchecoslováquia e esmagaram a Primavera de Praga. Isto gerou uma rejeição internacional mesmo no Pacto de Varsóvia; o líder da Romênia comunista, Nicolae Ceaușescu, sendo o mais vocal opositor da invasão. Ceaușescu não apenas se recusou a participar da invasão, como denunciou a agressão soviética em discurso público ao povo romeno, chegando até mesmo a exortar o povo romeno a resistir e lutar caso a União Soviética ousasse invadir a Romênia.

Em 1968, o Dragunov ainda não havia sido suprido aos aliados não-soviéticos do Pacto de Varsóvia, e os romenos entraram na lista negra de Moscou e foram negados o novo armamento. Os romenos tiveram que desenvolver o sniper semi-automático com seus próprios recursos, redescobrindo a roda.

Apresentação do PSL


Variantes do Dragunov

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:




segunda-feira, 26 de abril de 2021

VÍDEO: Fuzil PM md. 63, o AKM romeno


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de abril de 2021.

Vídeos de demonstração da Ashley McMillion com o fuzil de assalto PM md. 63 romeno. Os entusiastas Justin e Ashley McMillion são os donos da loja americana JMac Customs LLC, e são personagens costumeiros das mídias de entusiastas de armamentos. Eles costumam resenhar armamentos ou apenas participarem das brincadeiras usuais da comunidade internacional de amantes das armas. Eles são ativos no Youtube e no Instagram.

1964 MD. 63 Romanian


O fuzil Pistol Mitralieră 1963 (abreviado PM md. 63 ou simplesmente md. 63) é um fuzil de assalto romeno calibre 7,62x39mm, projetado com base no AKM soviético. O md. 63 é exportado sob a designação AIM.

No início dos anos 1960, o exército romeno usava principalmente submetralhadoras PPSh-41 e Oriţa, e fuzis AK-47 importados. Com o desenvolvimento do receptor AKM Tipo 4 estampado e o apelo da União Soviética a cada uma das nações do Pacto de Varsóvia para que produzissem seus próprios fuzis de assalto calibrados em 7,62 mm, fossem eles do padrão AK-47 ou não, o Arsenal Estadual Romeno desenvolveu um clone do AKM com uma empunhadura frontal inclinada para a frente moldado no guarda-mão, chamado de Pistol Mitralieră model 63 (literalmente "pistola-metralhadora modelo 1963").

A versão de coronha dobrável é designada Pistol Mitralieră model 65 e apresenta uma empunhadura frontal voltada para trás, permitindo que a coronha seja dobrada para baixo completamente retraída.

Romanian MD. 90


A variante civil de exportação mais produzida deste fuzil é aquela da designação "Gardă", produzida para a Guarda Patriótica romena (Gărzile Patriotice). Esses fuzis têm uma letra "G" gravada no lado esquerdo do bloco da alça de mira. As versões da guarda civil são modificadas pela remoção da armadilha e modificação da chave seccionadora para ser apenas semiautomática. Dezenas de milhares desses fuzis foram importados para os Estados Unidos e vendidos como "kits de peças" (o receptor é destruído pelo corte de tocha de acordo com os regulamentos da BATF - sem o receptor, o kit não é mais considerado legalmente uma arma de fogo). Eles são coloquialmente conhecidos entre os entusiastas de armas de fogo como "Romy G's".

O Pistol Mitralieră model 1980 é uma variante AK de cano curto e a primeira versão de coronha dobrável lateralmente produzida na Romênia. Ele apresentava um bloco de gás mais curto e geralmente usava carregadores de 20 tiros. O poste da alça de mira é combinado com o bloco de gás para fornecer um comprimento geral curto. A dobragem lateral é reta e dobra para a esquerda. Existem dois tipos de freios de boca usados: um cilíndrico e, mais comumente, um ligeiramente cônico. Ele também é conhecido como AIMR.

1965 Romanian RPK


O Pistol Mitralieră model 90, também conhecido como PM md 90, é a resposta de 7,62 mm ao modelo Pușcă Automată 1986 de 5,45 mm. É internamente idêntico a um PM md. 63/65, e externamente difere por ter uma coronha dobrável de arame idêntico àquela do PA md. 86, e com o qual todos os fuzis são equipados com freios inclinados. Foi amplamente utilizado na Revolução Romena de 1989, juntamente com o md. 63 e md. 65.

A versão fuzil-metralhador do md. 63 é chamado de md. 64, sendo essencialmente idêntico ao RPK soviético. A versão carabina do modelo 90, chamada simplesmente de PM md. 90 cu țeavă scurtă (cano curto PM md. 90), tem um cano de 305mm, um comprimento total de 805mm (ou 605mm com a coronha dobrada) e pesa 3,1kg vazio. Ele foi projetado para tripulações de tanques e forças especiais. Além da coronha e do cano encurtados, ela apresenta as mesmas modificações do PM md. 80.

1981 Romanian Guard (Romy G)


Bibliografia recomendada:

The AK-47:
Kalashnikov-series assault rifles.
Gordon L. Rottman.


Leitura recomendada:

domingo, 26 de abril de 2020

GALERIA: O Renault R 35 em serviço na Romênia

Renault R 35 no Museu Nacional Militar Rei Ferdinando em Bucareste, capital da Romênia.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 26 de abril de 2020.

No total 1.540 unidades do R 35 foram produzidas na França, incluindo variantes, entre 1936 e 1940. Em 1938, a Romênia entrou em negociações com a França para a produção do R 35 sob licença. O esforço de mobilização francês encerrou a idéia quando ela já se encontrava em situação avançada e, em agosto e setembro de 1939, os romenos compraram 40 blindados R 35 como medida paliativa. Esses tanques serviram como o carro de combate principal do recém-formado 2º Regimento Blindado do Exército Real Romeno, sendo designados em serviço como "Carul de Luptă R35".

2º Regimento Blindado do Exército Real romeno com os R 35 e caminhões Laffly S15.

No final de setembro de 1939, mais 34 carros R 35 saídos da fábrica foram transferidos para os romenos quando o 21º Batalhão de Tanques Leves polonês (Batalion Czołgów Lekkich, BCL) cruzou a fronteira fugindo dos alemães. Com 74 tanques, o 2º Regimento Blindado foi expandido em dois batalhões.

Carros de combate Carul de Luptă R35 em desfile após sua invasão bem-sucedida de Odessa, 1941.

Os romenos usaram o R 35 na União Soviética, e, após a Batalha de Stalingrado, decidiram que os R 35 exigiam uma melhora significativa de sua capacidade anti-tanque.

Inicialmente, a torre de um R 35 do 2º Regimento Blindado da 1ª Divisão Blindada foi trocada pela torre de um T-26 soviético capturado. Em última análise, no início de 1943, foi decidido manter a blindagem mais espessa da torre francesa. Assim, a arma de 45mm do T-26 foi adotada como substituta da arma original de 37mm. A arma soviética foi anexada à torre francesa com a ajuda de uma extensão que continha o mecanismo de recuo da peça de 45mm. A desvantagem disso foi que, após essas modificações, não havia mais espaço suficiente na torre para manter a metralhadora coaxial, que foi então removida.

Blindado Vânătorul de Care R35, o Renault R35 com uma canhão soviético de 45mm.

Os tanques modernizados foram adotados como destruidores de tanques sob a designação "Vânătorul de Care R35", com trinta R 35 convertidos até junho de 1944 pela fábrica de Leonida em Bucareste. As armas soviéticas de 45mm foram retiradas dos tanques T-26 e BT-7 capturados. Essas unidades foram reformadas no Arsenal do Exército em Târgoviște enquanto as novas sustentações dos canhões, contendo o mecanismo de recuo, foram feitas na Oficina Concordia em Ploiești. Estes veículos serviram até o final da guerra.

Soldado soviético posando com um Vânătorul de Care R35 armado com o canhão do T-26. A Romênia trocou de lado em 1944, com os soviéticos pressionando suas fronteiras. 

Uma quantidade significativa das peças originais feitas na França, tanto dos tanques R 35 originais quanto dos convertidos, foi substituída por peças produzidas na Romênia em 1941-1942. As fábricas romenas produziram engrenagens de acionamento, eixos de acionamento, lagartas, novas rodas de metal e cabeças de cilindro. As rodas foram projetadas localmente para serem dez vezes mais duráveis. Adicionado a estes foram os suportes para os canhões de 45mm, adicionados como extensões de torre, que continham o mecanismo de recuo. Assim, o R 35 convertido romeno tinha partes significativas fabricadas na Romênia em seu chassis, transmissão e torre.

Vânătorul de Care R35 destruído na Ferrovia de Znojmo, 1945.

Outro ângulo do mesmo blindado, mostrando a situação difícil de defasagem onde os tanquistas romenos operavam em 1945.

Havia sessenta tanques R 35 no inventário romeno em 19 de julho de 1944, dos quais trinta haviam sido rearmados com canhões de 45mm.

Bibliografia 
recomendada:

Third Axis Fourth Ally: Romanian Armed Forces in the European War, 1941-1945 (1995), de Mark Axworthy, Cornel Scafeș e Cristian Craciunoiu.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 16 de março de 2020

FOTO Sentinela romeno em clima invernal

Sentinela romeno armado com um fuzil Berthier francês, 1940.

Fotos tiradas por Margaret Bourke-White para a Revista LIFE, 1940:

"Guarda do exército romeno, vestido em ordem de clima frio, durante serviço de sentinela sobre a ponte do congelado Rio Prut, em clima de 35 graus abaixo de zero que torna impossível que ele fique no posto mais do que uma hora de cada vez."