quinta-feira, 22 de outubro de 2020

FOTO: General Germán Busch Becerra - Herói do Chaco e presidente da Bolívia (1937-1939)

Tenente-General Germán Busch Becerra.
(Colorização de Krisgabwooshed)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 22 de outubro de 2020.

O General Germán Busch Becerra é uma figura reverenciada na Bolívia. Herói da Guerra do Chaco de 1932-1935, participou da derrubada de todos os seus 3 antecessores (Hernando Siles Reyes, Daniel Salamanca Urey e José David Toro Ruilova) antes de se tornar presidente em 1937. Ele tentou democratizar e promulgar reformas sociais e econômicas massivas na Bolívia, mas se cansou do "jogo político". Descrito como "errático", provavelmente por causa de PTSD não-diagnosticado 
(síndrome de estresse pós-traumático), ele se declarou ditador em 24 de abril de 1939, anulando assim a própria ordem política que ele havia criado meticulosamente, aparentemente "cometendo suicídio" 4 meses depois, em 23 de agosto de 1939.

Em 1922, aos 18 anos, Germán ingressou no Colégio Militar do Exército na capital La Paz, onde alcançou o posto de Segundo Tenente de Cavalaria em 1927, e se tornou ajudante de ordens do Estado-Maior Geral. Em 1931 foi promovido a 1º Tenente e condecorado com a Ordem do Condor dos Andes (La Orden del Cóndor de los Andes) por sua expedição às missões de San Ignacio de Zamucos no Chaco.

Em setembro de 1932, a Guerra do Chaco estourou entre a Bolívia e o Paraguai, onde ele participou do primeiro confronto na Batalha do Boquerón. Nas primeiras etapas da Guerra do Chaco, ele salvou uma divisão inteira da destruição certa durante a Batalha de Gondra, bem como 900 homens do seu próprio regimento de cavalaria, lutando a pé, o qual ele dirigiu para fora do bolsão de Campo Vía. Ele seria promovido a capitão por sua bravura em várias ações após a Batalha do Boquerón.

Como major, participou e executou o grosso da ação no polêmico golpe-de-estado que derrubou o presidente constitucional Daniel Salamanca em 27 de novembro de 1934, em plena guerra e a apenas doze quilômetros da linha de frente. A razão disso foi a constante confrontação de chefes do Alto Comando boliviano com Salamanca sobre a condução da guerra e a emissão de nomeações e promoções militares. Quando o presidente Salamanca decidiu viajar pessoalmente ao teatro de operações para demitir o General Enrique Peñaranda e substituí-lo, os principais líderes do exército boliviano ordenaram que os canhões fossem apontados contra o chalé da casa de Staudt onde o presidente estava hospedado. O Major Busch, por ordem do Coronel David Toro, cercou a residência e forçou a renúncia de Salamanca.

Busch conspirou novamente em 1936, desta vez derrubando o sucessor de Salamanca e ex-vice-presidente, José Luis Tejada. Tejada era desprezado pelos líderes militares bolivianos que o viam como parte das velhas elites políticas que irresponsavelmente os levaram à guerra e então não os equiparam adequadamente para vencê-la. A incapacidade do presidente de controlar os problemas econômicos que afetavam o país foi causa suficiente para que jovens oficiais como Busch o derrubassem. Germán Busch serviu como presidente interino por três dias entre 17 de maio e 20 de maio de 1936 antes de nomear seu amigo e camarada de alto escalão, David Toro, que era o chefe de estado-maior de Tejada, como presidente de fato.

Toro presidiu um experimento reformista chamado Socialismo Militar (defendido por Busch) por pouco mais de um ano. Logo, porém, o governo Toro conquistou o descontentamento da população indígena e do exército. O próprio Busch se sentia insatisfeito com o pragmatismo e compromissos políticos aparentemente intermináveis de Toro que para ele pareciam não levar a lugar nenhum. Em 13 de julho de 1937, Busch liderou um movimento político com o apoio de militares e apoiado pelos cidadãos, conseguindo a renúncia de Toro e instalando-se no Palácio Quemado. Busch assumiu a presidência aos 33 anos, o segundo presidente mais jovem da Bolívia, depois de Antonio José de Sucre.

Retrato original em preto-e-branco.

Embora Busch fosse um herói nacional, suas inclinações políticas eram desconhecidas da população em geral. A esquerda e a direita presumiram que ele voltaria do socialismo militar de Toro ao estabelecimento político tradicional que a Bolívia tinha visto antes da Guerra do Chaco, um sentimento que o próprio Busch pouco fez para esclarecer. Embora mostrando uma tendência para o conservadorismo econômico, politicamente seu regime começou a adotar elementos mais radicais da administração de Toro.

Em junho de 1938, o governo Busch anunciou a imigração aberta para a Bolívia em uma reversão repentina da política governamental anterior; permitindo a imigração irrestrita de judeus, tornando a Bolívia o primeiro país a fazê-lo, mas que foi contra as fortes simpatias nacional-socialistas e pró-alemãs do exército.

Diante do escândalo da imigração, insatisfeito com os resultados produzidos por suas poucas reformas e com pouco apoio da esquerda fragmentada, Busch decidiu que uma nova direção era necessária. Para espanto da nação, Busch, cansado do "jogo político" e, totalmente destituído da arte do compromisso, declarou-se ditador a partir de 24 de abril de 1939, anulando a própria ordem política que havia meticulosamente criado. A Constituição de 1938, embora ainda em vigor, seria agora aplicada por meio de decreto executivo com a suspensão do congresso. Ele também criou o Banco Nacional da Bolívia e o Banco Mineiro da Bolívia.

No entanto, nas últimas semanas de sua vida, a pressão da mídia contra seu governo tornou-se mais severa. Os ataques contra sua liderança incluíam alegações de “que ele era jovem e inexperiente para governar” e “que não tinha cultura nem conhecimento”. Como medida da natureza vulcânica e imprevisível de Busch e da aversão à imprensa, ele certa vez fez com que Alcides Arguedas - um respeitado diplomata, político e escritor boliviano - fosse levado a seu escritório, onde Germán o agrediu fisicamente com um tapa por uma coluna crítica ao seu regime. Na época, Arguedas tinha 60 anos e Busch 35.

Os ataques contra ele foram agravados pelas poderosas elites e barões do estanho que iniciaram uma cruzada contra Germán Busch, depois que ele lançou o decreto de 7 de junho de 1939 com o rótulo “Que a Bolívia se aproveite das suas riquezas”, que ordenava a entrega de 100% da moeda dos mineiros ao Estado.

Sua estranha morte foi muito discutida em sua época e ainda é hoje. Um dos seus biógrafos, o autor Marco Lora Callejas, afirma:

"Busch acordou na madrugada de 23 de agosto de 1939 com uma bala calibre 32 na cabeça, na mesa de trabalho de sua casa em Miraflores. A análise forense da autópsia realizada tardiamente em seu corpo e a investigação negligente para esclarecer sua morte polêmica, que foi marcada por omissões e irregularidades, apenas sustentam a tese do assassinato".

- Marco Lora Callejas, Germán Busch el Centauro del Chaco: La legendaria vida y obscura muerte del héroe boliviano, 2018.

Capa do jornal La Razón de 24 de agosto de 1939.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário