segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Os tanques Leopard 2 de Cingapura são equipados para a guerra urbana

Leopard 2SG no desfile de 9 de agosto de 2020.
 
Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de outubro de 2020.

O desfile blindado durante a celebração anual do Dia Nacional do pequeno enclave asiático revelou o arsenal ultramoderno das Forças Armadas de Cingapura (Singapore Armed Forces, SAF). Este ano, devido à quarentena, o desfile não permitiu telespectadores nas ruas, com a população prestigiando o evento das sacadas dos apartamentos.

Liderando a coluna móvel da Parada do Dia Nacional em 9 de agosto estavam os Leopard 2SG do exército, seguidos por seus homólogos menores sobre esteiras e rodas. Embora o Ministério da Defesa (Ministry of Defense, MINDEF) da próspera cidade-estado seja notavelmente transparente sobre suas atividades por meio de uma rede de contas online, muito permanece desconhecido sobre o Leopard 2SG. Com menos de uma centena desses tanques de batalha principais de 65 toneladas em serviço, a vantagem do poder de fogo que eles fornecem permanece formidável.

Foto compartilhada pelo MINDEF na sua página do Facebook uma semana antes do desfile.

Coluna blindada no desfile de 9 de agosto de 2020.

O foco predominante das SAF na segurança interna e na guerra urbana se reflete nas muitas melhorias do Leopard 2SG. Todo o chassis é coberto por uma camada de blindagem de apliques, com saias laterais grossas e seções de gaiola ou ripas protegendo os flancos, e o arco frontal da torre envolto em painéis compostos removíveis. O armamento do Leopard 2SG permanece o mesmo - um canhão principal de alma lisa de 120mm emparelhado com uma metralhadora coaxial - embora uma metralhadora secundária no telhado da torre esteja ausente. O nível de proteção aprimorado de cada Leopard 2SG é para garantir sua sobrevivência contra múltiplas ameaças explosivas, especialmente projéteis de alta velocidade em distâncias próximas, como as onipresentes granadas de foguete de um RPG-7.

O nível de proteção do Leopard 2SG e a capacidade de funcionar dia e noite (graças à câmera térmica oscilante do comandante no telhado da torre) dá às forças terrestres de Cingapura um excelente veículo de apoio de fogo em qualquer cenário de conflito onde todo o peso de sua frota mecanizada é necessário. Complementando o Leopard 2SG está o Hunter AFV sobre lagarta que entrou em serviço em 2019 cujos armamentos (um canhão de 30mm e um lançador de mísseis em tandem) e mobilidade colocam as tropas de Cingapura muito à frente de seus pares regionais. Até o momento, nenhum outro exército na Associação de Nações do Sudeste Asiático (Association of Southeast Asian NationsASEAN) colocou em serviço um veículo de combate sobre lagartas montado localmente. O sucesso do Hunter AFV está dando à ST Technologies um maior incentivo para buscar exportações viáveis e melhorias ao veículo; uma variante tem o Hunter convertido em um tanque leve com uma torre John Cockerill.

Desfile de 2017.

Desfile de 2019.

Embora Indonésia e Cingapura operem tanques de batalha Leopard 2, a variante de Cingapura é considerada mais avançada. Em 2010, o fabricante alemão Rheinmetall revelou sua atualização “MBT Revolution” para o Leopard 2A4, que mais tarde foi rebatizado como “Advanced Technology Demonstrator” ou ATD. Externamente, o ATD e o Leopard 2SG se pareciam, mas o ATD tinha recursos adicionais, como o lançador de granadas de fumaça ROSY, um sistema de detecção e proteção ativo e uma estação de arma remota montando um lançador de granadas de 40 mm. O MINDEF pode adicionar essas mesmas contra-medidas no Leopard 2SG em um futuro próximo, mas tais planos não foram anunciados. Internamente, os controles analógicos do ATD dentro da torre foram substituídos por subsistemas digitais e o Rheinmetall garantiu que a tripulação tivesse consciência situacional de 360 graus.

Visão de cima, de uma sacada, durante o desfile de 2019.

As frotas de tanques mantidas pelas forças armadas da ASEAN são limitadas pela logística e abrangem uma ampla variedade de modelos. O exército da Tailândia é único por sua coleção de tanques de segunda geração mais antigos, como o M47 e o M60 Patton, sem mencionar o obscuro tanque leve Stingray, que serve ao lado do chinês MBT 3000 e do ucraniano T-84. O Laos recebeu novos lotes de tanques T-72B1MS "Águia Branca", aposentando de vez os antigos T-34/85 e atuando com os T-55. O Exército Popular Vietnamita tem o mesmo problema, embora em uma escala maior, com até mil tanques médios chineses e soviéticos armazenados e um pequeno lote de modernos carros T-90S de fabricação russa entregue para fornecer um tanque de terceira geração equipado para missões futuras.

Apesar das dificuldades, as forças militares da ASEAN certificam-se de possuírem poderosas frotas blindadas de carros de combate principais, demonstrando a confiança na utilidade desses aparelhos, mesmo em uma região entrecortada por selvas e por cursos d'água, além de ambientes montanhosos; terrenos geralmente vistos como impróprios para os blindados pesados.

Uma companhia indonésia de Leopard 2RI e um Marder 1A3 cobertos na vegetação, norte da Sumatra, 2019.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


Carros de combate principais T-72B1MS no Laos, 22 de setembro de 2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário