quinta-feira, 8 de outubro de 2020

GALERIA: Comandos Navais na Baía de Ha Long

Um segundo-mestre em traje de passeio brinca com o comando de origem vietnamita apelidado de "Julot", condecorado com a Croix de Guerre do TOE e armado com uma carabina US M1. No centro, outro comando de origem vietnamita, apelidado de "Fredo".

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de outubro de 2020.

Fuzileiros navais do comando naval "de Montfort" treinando na baía de Ha Long, no Tonquim, em fevereiro de 1951. Desde outubro de 1950, commandos marine (comandos da marinha ou navais) estavam presentes no Tonkin para recuperar o controle das áreas costeiras e de fronteira, após o desastre da RC4 (Rota Colonial 4). Com base no Porto Wallut (Ilha Ke Bao), eles realizavam várias incursões e reconhecimentos na área da Baía de Ha Long à Ilha Cac Ba. 

O comando "de Monfort" foi criado em 1947 e batizado em homenagem ao enseigne de vaisseau de Monfort, morto em Haiphong em março de 1946. Assim como o comando "Jaubert", ele se distinguia pela integração de 50% de vietnamitas em suas fileiras.

Um comando relaxa no convés de um navio de transporte de tropas lendo um romance, sentado em cordas e com os pés apoiados no carrinho de um canhão Oerlikon de 20mm. Granadeiro, ele mantém um fuzi Lee-Enfield britânico à mão, modificado pela adição de um "tromblon" lançador de granadas.

O comando "de Montfort", à bordo dos Doris, pequenos barcos de assalto especialmente construídos no arsenal de Cherbourg, rebocados por barcos durante a fase de aproximação a uma praia.

O timoneiro de um barco Doris, ele usa a boina verde comando com distintivo à esquerda (no estilo britânico) e veste uma blusa camuflada, duas granadas ofensivas OF 37 penduradas em seus bolsos. Ele carrega uma carabina US M1 em bandoleira no ombro.

Como parte de um exercício na Baía de Ha Long, um atirador com o fuzil-metralhador 24/29 (e uma pistola automática Colt 1911A1 no cinto) do comando "de Montfort" está prestes a desembarcar assim que atracar, estando pronto para responder a um eventual fogo inimigo.

A reportagem apresenta um exemplo típico do tipo de missão atribuída aos comandos fuzileiros navais: um raide de curta duração após infiltração costeira para atacar o inimigo de surpresa e no centro do seu dispositivo. Após o transporte pelo LCI (Landing Craft Infantry) para se aproximarem do objetivo, os comandos tomam seu lugar a bordo de barcos de assalto Doris, desembarcam na praia e se posicionam nas primeiras coberturas onde os morteiros de 60mm são colocados em bateria e fuzis-metralhadores Châtellerault 24/29 (a fim de proteger a área antes que o comando se irradie para os arredores) enquanto os primeiros relatórios repassados através de uma estação de rádio SCR 300.

À esquerda o Tenente Servo, comandante do comando. Suas ordens são transmitidas aos pelotões por meio de uma estação de rádio SCR 300. O rádio-operador tem uma submetralhadora alemã MP 40 (Maschinenpistole 40) de calibre 9mm.

Os comandos fuzileiros navais do comando "de Montfort" colocaram em bateria um morteiro de 60mm. O atirador está pronto para deslizar um projétil para dentro do tubo, enquanto o apontador termina de regular a peça. Os outros dois comandos preparam a munição.

Um segundo-mestre com a função de comandante de grupo designa um objetivo para seu adjunto, um contra-mestre. Ambos estão equipados com uma carabina US M1; o contra-mestre pendurou granadas defensivas DF 37 e MK2 nos bolsos.

Um comando naval do comando "de Montfort" postou-se atrás de uma rocha após o desembarque. Ele está armado com uma carabina US M1 e colocou uma granada ofensiva OF 37 na gola da sua blusa camuflada para facilitar o acesso em caso de confrontação.

A reportagem enfoca os homens (com muitos closes), incluindo alguns vietnamitas, bem como a fase de transporte no LCI, a aproximação em barcos de assalto Doris e o desembarque. Destaca-se o uso característico da boina verde (com distintivo à esquerda segundo a tradição britânica) em operação, bem como a blusa camuflada tipo “Denison Smock” popular entre os comandos navais. Além das carabinas US M1 e dos fuzis semiautomáticos MAS 49, também deve ser destacado o uso regulatório da submetralhadora alemã tipo MP 40 (Maschinenpistole 40) de 9mm, precedendo a alocação da submetralhadora MAT 49 de concepção francesa.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário