quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Com a série de espiões "Teerã", os israelenses alcançam um inimigo

Esta imagem divulgada pela Apple TV+ mostra Niv Sultan como Tamar Rabinyan em uma cena de "Teerã". (Apple TV+ via AP)

Por Mark Kennedy, Associated Press, 25 de setembro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de outubro de 2020.

NOVA YORK (AP) - As coisas não são como parecem na nova série da Apple TV+, “Teerã” - como deveriam ser em um thriller de espionagem.

A série começa com um vôo comercial da Jordânia para a Índia que é repentinamente desviado para o Irã. Alguns passageiros a bordo têm segredos. Esses segredos logo terão jatos de guerra levantando vôo e uma caçada humana oculta lançada.

Tão audaciosa quanto a premissa, “Teerã” é igualmente ousada: uma produção israelense que oferece aos telespectadores uma visão simpática do Irã - um dos maiores inimigos de Israel - sem que ninguém da produção coloque os pés na República Islâmica.

“O núcleo do programa é lidar com a questão da identidade, nacionalidade, imigração e raízes familiares”, disse Moshe Zonder, de Tel Aviv, o co-criador e co-escritor do programa. “Ele pergunta como nos conectamos a eles e nossa obrigação para com eles e como podemos nos livrar deles? Isso é relevante para todos no globo”.

“Teerã” é centrado em uma agente-hacker de computador que realiza sua primeira missão na capital do Irã, que também é o lugar de seu nascimento. Quando a missão dá errado, o agente tem que sobreviver por sua própria perspicácia.

Com vários dos mesmos atores e apresentando uma espiã lidando com intrigas do Oriente Médio e da Ásia Central em seu centro, alguns espectadores podem ver semelhanças com a temporada recém-concluída de “Homeland”.

A atriz brasileira Morena Baccarin, na série Homeland, ao lado do ator Damian Lewis, famoso pelo papel do Major Dick Winters na série Bando of Brothers.

“Não há um inimigo claro. Não se trata de um lado contra o outro. É realmente sobre as pessoas”, disse Niv Sultan, de Tel Aviv, uma atriz israelense que interpreta a heroína espiã de“ Teerã". “Pela primeira vez, mostramos um ponto de vista diferente deste conflito”.

O cenário da série definitivamente não é o que parece. Seções da capital grega, Atenas, representaram Teerã, depois que a co-criadora Dana Eden visitou o país europeu em férias com a família e ficou impressionada com as semelhanças visuais entre as duas cidades. Os israelenses são proibidos de visitar o Irã.

Transformar Atenas em Teerã significou substituir postes de luz, placas de carros e placas de rua, bem como adicionar vendedores de rua e placas de fachada. O aeroporto de Atenas foi usado para imitar o de Teerã e, em uma cena, um enorme mural do tamanho de um prédio retrata um aiatolá, um acréscimo graças aos efeitos especiais de computador.

Esta imagem divulgada pela Apple TV+ mostra Navid Negahban como Masoud Tabrizi em uma cena de "Teerã". (Apple TV+ via AP)

Por meses antes das filmagens, Sultan mergulhou-se nas artes marciais israelenses Krav Maga e nas aulas intensivas de Farsi. Ela inicialmente abordou a atribuição do idioma com confiança, pensando que sua formação ajudaria.

“Eu pensei: 'Tudo bem. Sem problema'. Meu pai fala marroquino, que é árabe. Eu estava tipo, ‘Tudo bem, marroquino, farsi - provavelmente será parecido’. Não! Não tem nada a ver com hebraico e nem com árabe. A pronúncia é tão, tão difícil para um falante de hebraico”.

Zonder - que atuou como redator principal na primeira temporada de “Fauda”, a série de ação inovadora sobre o conflito israelense-palestino - passou anos pesquisando e escrevendo “Teerã”.

As duas séries compartilham uma tentativa de humanizar os inimigos. Em "Fauda", Zonder mostrou como um líder do Hamas com sangue israelense nas mãos também era um homem de família, assim como faz com o principal oficial de segurança iraniano perseguindo a heroína em "Teerã".

Zonder disse que voltou aos seus dias como jornalista investigativo, quando se sentava com os líderes do Hamas e da OLP e os entrevistava para entender seus pontos de vista.

“Eu sempre quero cruzar fronteiras - física e mentalmente - a fim de encontrar aquele que me disseram durante toda a minha vida é meu inimigo”, disse ele.

Esta imagem divulgada pela Apple TV+ mostra Shaun Toub como Faraz Kamali em uma cena de "Teerã". (Apple TV+ via AP)

Embora hoje o Irã e Israel sejam inimigos mortais, a série revela sua história compartilhada e o respeito que israelenses e iranianos tinham pelas culturas uns dos outros antes da Revolução Islâmica.

“É um país incrível. Eles têm uma natureza incrível, vistas e comida. Com sorte, algum dia, eu poderia visitar o Irã e Teerã”, disse Sultan. “Mas, por agora, estou me concentrando na possibilidade de que talvez nossa série abra os corações das pessoas e talvez abra um pouco de diálogo entre israelenses e iranianos”.

Embora a intenção possa ter sido construir pontes, a recepção do regime iraniano à série foi fria. O jornal Kayhan, alinhado ao governo, chamou a série de uma “produção anti-iraniana” que revela a agenda “pró-Ocidente e promíscua” de ativistas anti-Irã.

Ainda assim, isso não impediu os cineastas de esperarem que alguns no Irã encontrem uma maneira de ver o show e ficarem tocados com o que os israelenses estão alcançando.

“Embora não seja um documentário, é muito importante para nós que as pessoas do Irã vejam o show e pelo menos alguns deles sintam que alguns dos personagens são representativos”, disse Zonder.

Bibliografia recomendada:

Leitura recomendada:

O papel da América Latina em armar o Irã16 de setembro de 2020.

A influência iraniana na América Latina15 de setembro de 2020.

O desafio estratégico do Irã e da Venezuela com as sanções13 de setembro de 2020.

COMENTÁRIO: 36 anos depois, a Guerra Irã-Iraque ainda é relevante24 de maio de 2020.

PERFIL: Abu Azrael, "O Anjo da Morte"18 de fevereiro de 2020.

O regime do Irã planeja destruir a tumba de Ester e Mordechai?21 de fevereiro de 2020.

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank1º de março de 2020.

GALERIA: A Uzi iraniana3 de março de 2020.


Nenhum comentário:

Postar um comentário