Mostrando postagens com marcador Eurocorps. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Eurocorps. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 1 de setembro de 2021

COMENTÁRIO: A morte confirmada da indústria de armas francesa


Comentário do Grupo VaubanLa Tribune, 31 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de setembro de 2021.

O Grupo Vauban reúne cerca de vinte especialistas em questões de defesa.

Já há um ano, a tribuna do Grupo Vauban, intitulada a "morte programada da indústria armamentista francesa", desencadeou uma polêmica muito francesa: "estéril e puramente ideológica, no contexto de uma agradável caça às bruxas", segundo o Grupo Vauban. “E, no entanto, um ano depois, quem se atreve, com sinceridade e honestidade, a considerar infundadas nossas críticas, especialmente à Europa e à Alemanha, pois os acontecimentos nos provaram que estamos certos?”, Questionam os cerca de vinte especialistas em defesa.

“Obviamente culpada de corrupção, inevitavelmente auxiliar de ditadores e outros genocidas, inevitavelmente danosa a qualquer sociedade, a indústria de armamentos não deve mais ser financiada, nem para P&D nem para produção e a fortiori para exportação” (Grupo Vauban).

Primeiro, a Europa. Burocrática como de costume, Bruxelas teve o cuidado particular de acumular, em meio à crise sanitária, projetos que, juntos, desfazem, em um belo ímpeto esquizofrênico, os sistemas de defesa dos países membros: em primeiro lugar, essa pantalunata - ai de mim! sério - do tempo de trabalho dos militares. Por um acórdão no início de julho, o Tribunal de Justiça Europeu pura e simplesmente derrubou as forças armadas europeias: ao separar as atividades "normais" dos militares às quais o direito do trabalho europeu deve ser aplicável e as atividades excecionais (operações), como a Comissão e a Alemanha já havia endossado em outro lugar, que ela quebra a singularidade do regime militar cuja nobreza da profissão (e não a singularidade, uma palavra estranha que menospreza a vocação) é servir em todo tempo e em todas as circunstâncias seu país.

O Tribunal, ao inviabilizar assim o trabalho da gendarmaria, dos bombeiros, do serviço médico das forças armadas, etc., tem êxito onde a URSS não teve êxito: derrubar todo o sistema de defesa das nações europeias sem disparar um tiro.

Os fabricantes de armamento na mira


Depois do horário de trabalho, outro golpe violento de Bruxelas - o chamado projeto “Corporate Sustainability Reporting Directive” (Diretriz de Relatórios de Sustentabilidade Corporativa) - ameaça o braço armado das forças: a indústria de armamentos, sem a qual um aparato de defesa não pode sonhar com independência e eficiência. A transparência que se aplicava à área financeira e depois comercial (Lei Sapin-II) das empresas, passa a abordar as áreas do ambiente, questões sociais e de governança: é assim depois de ter submetido o comércio e a governança das empresas ao seu tirânico opaco e definitivo apelo mas nunca desinteressado, os mesmos atores (ONGs, advogados, fundos éticos, agências de classificação, etc.) agora desejam destruir o próprio cerne de sua existência: o financiamento de atividades industriais e comerciais de defesa.

Necessariamente culpada de corrupção, necessariamente auxiliar de ditadores e outros genocidas, necessariamente danosa a qualquer sociedade, a indústria armamentista não deve mais ser financiada, nem para P&D, nem para produção e, a fortiori, para exportação. Bancos, seguradoras, bolsas de valores: todas essas instituições financeiras agora tremem diante da ONG; pouco importa que seu financiamento seja opaco, que suas campanhas sejam orquestradas apenas nos países onde são toleradas e não nos países que mais precisam delas (China, Coréia do Sul, Turquia, Rússia, Bielo-Rússia, Ucrânia, Sérvia e Israel) e que suas análises e informações são falsas e infundadas quase SISTEMÁTICAMENTE, apenas a imagem conta.

Preferimos a turbina eólica às aeronaves de combate. Nenhum banqueiro, nenhuma seguradora, nenhuma pessoa encarregada dos fundos vai querer se comprometer com os traficantes de armas de que todos querem a pele. Este movimento, já em curso há anos, é agora legitimado pela Comissão com esta proposta de diretiva. Tal como acontece com o tempo de trabalho, a Europa ataca assim uma instituição cuja vocação não é a guerra, mas a paz. Os militares e os fabricantes de armas são os instrumentos desse ditado romano, pilar das nações civilizadas: si vis pacem, para bellum.

Tal realidade, tanto histórica como social, não é decentemente negável, que as autoridades europeias, portanto, realmente têm em mente, torpedeando assim em rápida sucessão os fundamentos humanos e financeiros de um sistema de defesa que “ao mesmo tempo" pretendem construir (bússola estratégica, Fundo de Defesa, DG Defesa, etc.)? “Como alguém pode ser europeu”, perguntava-se um Montesquieu moderno, debruçado sobre o nada inspirador caldeirão bruxelês?

Cooperação e exportação: sob o controle de Berlim


Então, a Alemanha, que sem dúvida será o GRANDE assunto nos próximos anos. É claro que as análises desenvolvidas há um ano foram todas verificadas, como as de Bainville que citamos; o divórcio estratégico fundamental entre Paris e Berlim? Salientou, em particular a dissuasão nuclear e o papel da NATO, dois obstáculos fundamentais que irão sempre destruir as esperanças ingénuas dos dirigentes franceses que SEMPRE não compreenderam que nunca se juntarão à Alemanha nestas duas posições.

Cooperação em armamentos? Também aí uma doutrina atlantista e pacifista só pode produzir desilusões, cuja melhor ilustração continua a ser a bofetada alemã que Paris recebeu sem vacilar no avião da patrulha marítima. É menos aqui a substância do que o método alemão que deveria ter chocado Paris, uma vez que, pela segunda vez (e não a última), Berlim não tirou as luvas para infligir isso a seus interlocutores franceses. Já tinha havido, recorde-se, o debate sobre a autonomia estratégica europeia, em que o Ministro da Defesa, embora desacreditado pela incompetência na própria Alemanha, levara o partido a criticar publicamente e por três vezes o Presidente francês com apoio vergonhoso mas apoio real da Chanceler... As dificuldades inerentes aos outros programas - aviões e tanques de combate - mostram bastante que a Alemanha não concebe a cooperação, mas apenas o domínio humano e tecnológico dos grupos europeus. Abandonada porque desprezada, a indústria francesa de armamentos terrestres vive no horário alemão todos os dias.

A exportação de armamento? Com o peso fundamental porque central que os Verdes estão em processo de ganhar na futura coalizão (seja liderada pela CDU ou pelo SPD), exportando armas para a Alemanha, então para o franco-alemão serão os piores. Esta oposição dos Verdes, dos Socialistas e da extrema-esquerda a qualquer exportação de armas não só convenceu a Alemanha, mas seduziu Bruxelas, o que é igualmente pior. O relatório da senhora deputada Neumann (setembro de 2020) já o anunciava: a exportação de armas deixará de ser autorizada a não ser no interior da União Europeia ou da OTAN e, mais uma vez, será preferida a cooperação sob controle estreito da Comissão Europeia. Basta dizer que a indústria armamentista francesa está condenada para a grande alegria de outros países.

Paris resignada


E a França? Apesar das decepções europeias e alemãs, o governo mantém o curso, ou seja, aceita sem pestanejar o curso das coisas como estão planejadas em Bruxelas e Berlim; nenhuma crítica é permitida; nenhuma ordem de resistência ao Tribunal de Justiça; nenhuma isenção pela defesa sob a diretriz da ESG; sem questionar os próprios termos de cooperação com a Alemanha.

Tudo se passa como se a realidade já não tivesse sustentação e, sobretudo, como se a Sra. Goulard, ainda efêmera Ministra da Defesa, tivesse feito triunfar definitivamente a sua doutrina ao anunciar profeticamente no dia 8 de junho de 2017: “Se quisermos fazer a Europe de la Défense (Europa da Defesa), haverá reestruturações para operar, escolhas de compatibilidade e, em última instância, escolhas que poderiam passar inicialmente a acabar em favor de consórcios nos quais os franceses nem sempre são líderes”.

Tudo foi dito há quatro anos: os partidários ferrenhos da Europa da Defesa, tal como está a ser construída perante os nossos olhos, apenas podem apoiar ou manter o silêncio. Mas, e esse é o interesse do período atual, nem tudo se esgota: um sobressalto é possível, e é nisso que se concentrarão nossas próximas tribunas.

Bibliografia recomendada:

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

Leitura recomendada:


sexta-feira, 16 de julho de 2021

Projetos militares da UE enfrentam atrasos, mostra documento que vazou

Durante décadas, a UE foi extremamente cautelosa em passar para o domínio militar.
(Alexander Koerner / Getty Images)

Por Jacopo BarigazziPOLITICO, 12 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de julho de 2021.

Mais de três anos após o lançamento do novo pacto, a maioria dos programas ainda não deu frutos.

O pacto de cooperação militar da Europa foi denominado “Bela Adormecida” - e um relatório de progresso obtido pelo POLITICO mostra que a tão alardeada iniciativa está lutando para despertar. O programa, conhecido como Cooperação Estruturada Permanente (Permanent Structured CooperationPESCO), reúne 25 países membros da UE, trabalhando em grupos menores em um total de 46 projetos conjuntos. Os projetos abrangem terra, mar, ar, espaço e ciberespaço e variam de defesa contra drones, vigilância marítima e treinamento de inteligência.

Mas três anos e meio depois que a PESCO foi lançada com grande alarde pelos líderes da UE, muitos dos projetos ainda estão em sua infância e um número significativo está atrasado, de acordo com o relatório anual. O documento, que reúne relatórios de progresso sobre todos os 46 projetos da PESCO, é um lembrete de que, apesar da conversa de alguns líderes e oficiais da UE sobre alcançar "autonomia estratégica", os esforços do bloco no domínio militar ainda têm muitos obstáculos a superar.

O documento de 115 páginas, preparado pelo secretariado da PESCO e enviado aos países membros no mês passado, afirma que atrasos foram relatados para 15 projetos, em comparação com seus cronogramas originais. Em seis casos, a pandemia de coronavírus é citada como motivo do atraso. Em outros casos, nenhum motivo específico é mencionado. O relatório também observa que em 14 casos, o ano em que a “entrega” de um projeto deveria começar “foi transferido para anos posteriores” e em seis casos o ano de “entrega final” também foi adiado. Ao mesmo tempo, “para 8 projetos o início da entrega…. foi puxado para a frente”, afirma o relatório. Mas “nenhum projeto foi relatado como tendo uma entrega final antecipada”.

Diplomatas da UE reconhecem que a PESCO enfrenta problemas. Mas alguns acham que está em seus estágios iniciais e argumentam que a direção da viagem é mais importante do que a velocidade. “O que conta é que o trem saiu da estação”, disse um diplomata sênior. Outro diplomata disse que "alguns dos projetos eram simplesmente imaturos" e acrescentou: "Ainda estamos em uma curva de aprendizado".

Tigres francês e alemão durante exercícios na base militar de Le Luc.

Durante décadas, a UE foi extremamente cautelosa em passar para o domínio militar. Alguns países membros argumentaram que a defesa cabia aos governos nacionais. Alguns observaram que a UE era um projeto de paz e não deveria se envolver na esfera militar. Alguns argumentaram que as questões militares e de defesa deveriam ser reservadas à OTAN. Mas os defensores de uma maior cooperação militar da UE argumentaram que a Europa nem sempre poderia contar com os EUA ou a OTAN e que os países membros poderiam alcançar muito mais juntos do que trabalhando em projetos de forma independente. E a saída do Reino Unido da UE removeu um dos maiores céticos de uma maior cooperação militar dentro do bloco.

A PESCO é a tentativa da UE de aumentar suas capacidades militares sem obrigar todos os membros da UE a participar e evitando a duplicação com a OTAN - uma grande preocupação especialmente para os países do Leste Europeu que vêem a aliança do Atlântico como crucial para rechaçar a agressão russa. A administração Biden parece satisfeita com este modelo limitado, em uma mudança marcante com relação à era Trump. No início deste ano, os EUA até se juntaram a um dos projetos da PESCO, um programa de mobilidade militar liderado pelos holandeses que visa facilitar o transporte de tropas e equipamentos rapidamente pela Europa.

A Bela de Juncker

Guarda-de-honra da Brigada Franco-Alemã.

O ex-presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, foi um grande campeão da PESCO durante seu mandato. Em um discurso em junho de 2017, ele disse que era hora de a UE começar a usar uma cláusula do Tratado de Lisboa que "torna possível a um grupo de Estados-Membros com ideias semelhantes levar a defesa europeia para o próximo nível".

“É hora de acordar a Bela Adormecida”, declarou ele.

Mas o relatório de progresso mostra que, em muitos casos, a bela adormecida mal começou a se mexer. No total, 21 projetos ainda estão em fase de “ideação” - ou seja, a ideia ainda está em desenvolvimento. Outras 17 estão em fase de “incubação”, onde é definido o escopo do projeto. Apenas oito estão na penúltima fase, a execução. Nenhum está na fase final de “fechamento”. No ano anterior, oito projetos passaram da primeira para a segunda fase e quatro da segunda para a terceira fase.

O relatório observou que “nenhum recurso financeiro nacional foi alocado até agora” para 20 projetos. No entanto, nem todos os projetos exigem que os governos abram suas carteiras. E algumas, como a maioria das iniciativas de treinamento, planejam contar também com o financiamento da UE e o envolvimento da indústria, de acordo com o relatório.

O relatório também mostra que os funcionários da UE às vezes têm dificuldade em obter uma visão geral adequada de um projeto. Um projeto liderado pela Alemanha, o Crisis Response Operation Core (Núcleo de Operação de Resposta a Crises) do EUFOR, visa fornecer à UE informações oportunas e confiáveis sobre as forças que podem ser mobilizadas para responder a uma emergência. Mas, ironicamente para um projeto que visa dar aos planejadores melhor visibilidade, o relatório observa que o ano de conclusão do projeto "não foi identificado". E um projeto liderado pela França chamado “co-basing”, que visa ajudar os membros da UE a fazerem uso comum das bases militares nacionais, parece estar em sérios problemas. O relatório diz que o projeto “precisa de atenção especial ou escrutínio particular”, nenhum recurso foi alocado até agora e não tem datas-alvo para execução ou conclusão.

Boina e distintivo do Eurocorps.

O relatório diz que há “baixo interesse” dos membros da PESCO no projeto, pois eles já estão engajados no trabalho de co-base. Diz que os coordenadores estão pensando em “fechar o projeto” ou usar o trabalho feito até agora para outro projeto na mesma área. Existem, no entanto, alguns pontos positivos para os oficiais de defesa da UE - por exemplo, no domínio virtual, onde o relatório observa que um projeto liderado pela Lituânia para criar um "kit de ferramentas cibernéticas comum" foi colocado em movimento em 2020. O relatório diz que uma indústria um consórcio para apoiar o projeto está sendo estabelecido e deve ser totalmente implementado no próximo ano. Outro projeto que deve dar frutos em breve é um comando médico europeu liderado pela Alemanha, colocado em ação em 2019 e com entrega total prevista no próximo ano.

Um documento separado sobre a situação da PESCO, um relatório de 39 páginas do chefe de política externa da UE, Josep Borrell, apresenta uma visão otimista. “Em relação aos projetos, a tendência geral é positiva. A maioria dos projetos da PESCO continua a se desenvolver de acordo com seus roteiros”, diz o relatório, apresentado nos últimos dias e visto pelo POLITICO. No entanto, continua a ser importante “que os Estados-Membros participantes envidem esforços para obter resultados tangíveis conforme planeado”, afirma o relatório.

Questionado sobre os relatórios, Peter Stano, porta-voz da política externa da UE, respondeu: “Como os documentos a que você se refere são documentos internos confidenciais e até classificados, não é possível comentá-los em público”.

Leitura recomendada:




A estratégia da Polônia, 5 de junho de 2021.


segunda-feira, 31 de maio de 2021

Secretário-Geral da OTAN duvida da autonomia europeia


Por Nicolas Barotte, Le Figaro, 19 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de maio de 2021.

“A UE não pode proteger a Europa ou substituir a OTAN”, declarou na sexta-feira Jens Stoltenberg, para se opor a esta “autonomia estratégica” europeia defendida em particular pela França.

Há palavras que não surgem espontaneamente da boca do Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, quando fala sobre o futuro da Aliança e o reforço dos laços transatlânticos: os da "autonomia estratégica europeia".

"Existem diferentes interpretações" do conceito, respondeu ele durante uma reunião com a imprensa, antes de sua intervenção na conferência de segurança de Munique, que aconteceu virtualmente na sexta-feira. Ele não escondeu um certo ceticismo em relação a este objetivo defendido pelo Presidente da República Emmanuel Macron e retransmitido por outros países da União.

Jens Stoltenberg durante uma conferência de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas em 17 de fevereiro. (Pool / Reuters)

Ao saudar "todos os esforços" empreendidos pelos europeus para investir nas suas capacidades de defesa ou para remediar a "fragmentação" da indústria de defesa europeia, o Secretário-Geral da OTAN adverte: "A UE não pode proteger a Europa ou substituir a OTAN". Ele insiste nas dimensões geográficas e políticas da defesa ocidental. A Aliança se estende ao norte até a Islândia ou Canadá. No flanco sul, a Turquia é um aliado essencial, segundo ele, para a proteção dos interesses aliados. Ele não menciona tensões com Ancara, que quer adquirir defesas russas S400.

Os argumentos de Paris

Diplomata, Jens Stoltenberg raramente se desvia do ponto de equilíbrio interno da OTAN. Também defende sua posição institucional. Enquanto faz campanha por laços transatlânticos mais estreitos com o novo presidente dos EUA, Joe Biden, ele se preocupa com qualquer coisa que possa "enfraquecer a solidariedade" entre os aliados. A ambição de defesa europeia não deve "ser entendida como uma alternativa ou um enfraquecimento da OTAN", afirmou. O governo francês continua repetindo que a "autonomia estratégica" não pretende substituir a Aliança, mas fortalecê-la. Obviamente, os argumentos não se suportam. Em Paris, esperamos convencer e principalmente o governo Biden.

O Secretário-Geral da OTAN também está realizando um trabalho perigoso de modernização da organização. Tratando-se de traçar um novo "conceito estratégico", o último datado de 2010, Jens Stoltenberg lançou várias propostas de evolução que ainda não encontraram apoio unânime. Seu método, considerado “iconoclasta” internamente, não foi apreciado.

Em particular, ele deseja reformar o método de financiamento de certas operações, permitindo que a OTAN cubra parte dos custos. Os países sem capacidade militar poderiam, assim, compartilhar melhor o fardo. Dentro da Aliança, os céticos, incluindo a França, alertam contra um sistema de “desincentivo” que levaria os estados a pararem de investir em suas próprias capacidades. O sistema também poderia prejudicar os principais contribuintes financeiros da Aliança, como a França, que pagaria por outros enquanto continua a financiar suas próprias intervenções fora do quadro da aliança, como, em particular, a Operação Barkhane.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:


A Alemanha pacífica30 de maio de 2021.

"Dia da Marmota" para o exército alemão conforme melhorias não saem do lugar, 31 de maio de 2021.






Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 202421 de maio de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?24 de fevereiro de 2020.

terça-feira, 13 de abril de 2021

"A criação de uma escola de guerra européia permitiria o desenvolvimento de uma estratégia militar indispensável na Europa"

"O fortalecimento do conhecimento mútuo entre os parceiros europeus promoveria a compreensão de suas várias abordagens e visões estratégicas do mundo."
(Frederick Florin / AFP)

Por Jean-Marc Vigilant, Le Figaro, 13 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2021.

FIGAROVOX / TRIBUNE - Para o Diretor-Geral da Escola de Guerra, o General Jean-Marc Vigilant, a defesa européia exige o treinamento conjunto das elites militares.

Jean-Marc Vigilant é general de brigada aérea e diretor geral da École de guerre.

O novo ambiente estratégico global de hoje é caracterizado por sua complexidade, mudanças rápidas e imprevisibilidade. Além dos desafios de segurança híbridos, que mesclam atores estatais e não-estatais, e que enfraquecem a fronteira entre guerra e paz, soma-se agora o retorno desinibido do equilíbrio de poder nas relações internacionais, na própria periferia do espaço europeu. Nenhum país pode enfrentar todos esses desafios sozinho.

Manobra franco-belga na Europa.

No desejo de desenvolver a sua autonomia estratégica, para além dos aspectos econômicos, industriais e digitais recordados nas reuniões de cúpula européias de 1 e 2 de outubro de 2020, pelo Presidente do Conselho, Charles Michel, a Europa deve também reforçar a sua defesa e segurança.

Embora a OTAN continue a ser a pedra angular da defesa coletiva do espaço Euratlântico e o cadinho da interoperabilidade entre os Aliados e parceiros da Aliança Atlântica, os Estados-Membros da União Européia devem prosseguir os seus esforços para desenvolver as suas capacidades militares. Isto contribuirá para uma melhor repartição dos encargos no seio da Aliança e para a credibilidade da defesa européia.

O desenvolvimento de capacidades militares não se trata apenas de adquirir novos equipamentos. Também requer treinamento do pessoal.

O desenvolvimento de capacidades militares não se trata apenas de adquirir novos equipamentos. Também pressupõe a formação do pessoal e, em particular, do pessoal militar superior, que desenvolverá novas estratégias, conceberá novas organizações, conceberá e implementará novas armas e sistemas de comando, e planificará e comandará operações militares.

Cada Estado membro é responsável pelo treinamento de seus oficiais, que podem ser chamados para servir em qualquer organização internacional. Após o treinamento inicial no exército, o caminho de educação continuada para oficiais europeus, às vezes chamado de ensino militar superior, geralmente consiste em três níveis.

Militares franceses e belgas.

O primeiro nível, que corresponde à aquisição de um alto conhecimento técnico ou tático, permite aos oficiais subalternos exercerem suas primeiras responsabilidades de supervisão em seu campo específico (especialidade profissional inicial e ambiente físico de origem de seu exército).

O segundo estágio, que geralmente ocorre dentro da Escola de Guerra ou equivalente, treina os oficiais superiores selecionados em questões estratégicas e desenvolve suas habilidades interarmas para servir em estado-maior de nível operacional ou na administração central. Eles também são preparados para ocuparem funções de comando e de direção subsequentes.

Por fim, o terceiro nível proporciona aos oficiais de altíssimo potencial, de patente equivalente a coronel, conhecimentos mais aprofundados nos campos político-militar e estratégico.

O desenvolvimento de uma cultura estratégica européia é o pré-requisito essencial para o advento da autonomia estratégica européia. Algumas iniciativas entre Estados-Membros já estão a contribuir para isso. Por exemplo, na área da formação inicial de oficiais, existe um programa militar Erasmus, a Iniciativa Européia para o Intercâmbio de Jovens Oficiais, inspirada no ERASMUS.

Deveríamos ter uma abordagem mais inovadora e decididamente ambiciosa, considerando a criação de uma escola de guerra verdadeiramente européia.

Do mesmo modo, para além do intercâmbio de alguns oficiais nas respectivas escolas de guerra, alguns países europeus desenvolveram uma cooperação mais específica no âmbito da formação dos seus jovens oficiais superiores. É o caso, em particular, da Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido, que realizam um exercício conjunto há vinte anos e que consideram o alargamento do seu campo de cooperação.

No outro extremo do espectro, desde 2005, o Colégio Europeu de Segurança e Defesa oferece a cada ano um curso de alto nível para oficiais do posto de coronel ou capitão-de-mar-e-guerra e funcionários civis de nível equivalente, a fim de promover a compreensão da Política Comum de Segurança e Defesa.

No entanto, para ir mais longe na construção da Europe de la Défense (Europa de Defesa), e para ser mais eficaz na formação dos futuros líderes militares europeus, deve ser adotada uma abordagem mais inovadora e decididamente ambiciosa, considerando a criação de uma escola de guerra propriamente européia.

Atirador de GC belga em evidência durante a manobra.

Com efeito, para além das escolas de guerra nacionais, tal instituição, cujo modelo de organização ainda está por se definir, seria um importante instrumento de interoperabilidade humana e cultural, entre oficiais dos diferentes Estados-Membros. Por um lado, estes oficiais aprenderiam a trabalhar em conjunto num quadro europeu e adquiririam as competências necessárias para ocupar as funções de oficiais do estado-maior (EM) em organismos como o EUMS ou o SEAE MPCC, bem como na OTAN e nos seus EM nacionais.

Além do planejamento de operações interarmas nos três domínios físicos tradicionais (terrestre, marítimo, aéreo), esses oficiais também seriam treinados para desenvolver as respostas adequadas às ameaças nas novas áreas de confronto que constituem o espaço, o ciberespaço e o campo da informação.

Os oficiais formados nesta escola construiriam uma consciência partilhada dos interesses comuns e coletivos da União Européia.

Ao aprender a integrar e sincronizar todos os efeitos militares em futuras operações multi-domínio, os oficiais assim formados contribuiriam para a implementação concertada de todos os instrumentos de poder da UE, como parte de uma abordagem verdadeiramente abrangente das crises. Por outro lado, os oficiais formados nesta escola construiriam uma consciência partilhada dos interesses comuns e coletivos da União Européia. Na verdade, o reforço do conhecimento mútuo entre os parceiros europeus das realidades históricas, geográficas e culturais de cada um promoveria a compreensão das suas várias abordagens e visões estratégicas do mundo.

Longe de conduzir à definição do mínimo denominador comum, esta combinação de conhecimentos seria um fator essencial para o desenvolvimento de uma cultura estratégica européia comum.

Ao preparar os futuros líderes militares europeus para enfrentar os desafios estratégicos de amanhã, a criação de uma escola de guerra européia daria um ímpeto adicional à construção da Europa de Defesa, bem como uma melhor visibilidade e maior legitimidade no seio das instituições européias.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: Por que ler Beaufre hoje?, 12 de fevereiro de 2021.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

GALERIA: Treinamento do Eurocorps com fuzis AK no CENTIAL-51e RI


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de abril de 2021.

Nesta segunda-feira, 12 de abril, o Curso de Parceria Militar Operacional (Partenariat Militaire Opérationnel, PMO) relizou treiamento com o fuzil AK em proveito do Eurocorps no CENTIAL do 51º Regimento de Infantaria francês (Centre d'entraînement interarmes et du soutien logistique - 51e régiment d'infanterie, CENTIAL- 51e RI).

Este mês, no âmbito da preparação para uma projeção da Missão de Formação da União Europeia (European Union Training Mission, EUTM), os soldados do Eurocorps se beneficiaram do armamento do centro e da sua infraestrutura para treinamento no sistema AK. Esses cursos de PMO permitem que os soldados do Exército se aculturem e dominem certas armas estrangeiras. Devido aos engajamentos no Oriente Médio e África, onde a plataforma AK é onipresente, o Exército Francês decidiu em dezembro de 2019 que o domínio desse armamento é uma prioridade. O treinamento é realizado em duas fases de aprendizagem:

- o manuseio do fuzil (características, montagem/desmontagem…);
- o tiro (em diferentes circunstâncias e ambientes).





Segundo o Ministério das Forças Armadas francês, a função dos PMO é:
  • Prevenção de conflitos: fortalecendo as capacidades de países amigos por meio de aconselhamento, formação, treinamento e apoio em combate;
  • Intervenção: apoiando parceiros no combate em combate;
  • Conhecimento e Antecipação: através de uma melhor compreensão dos vários países parceiros e diferentes ambientes;
  • Proteção: dos interesses franceses e de seus cidadãos no exterior por meio da presença permanente ou ad hoc de unidades francesas ao redor do globo.





O Eurocorps

Brasão do Eurocorps.

O Eurocorps (European Corps, Corpo Europeu) é um corpo militar intergovernamental com seu quartel-general de aproximadamente 1.000 soldados estacionados em Estrasburgo, Alsácia, na França. O corpo teve seu quartel-general estabelecido em maio de 1992, ativado em outubro de 1993 e declarado operacional em 1995. O núcleo da força é a Brigada Franco-Alemã criada em 1987, e contando quase 6 mil homens. O Tratado de Estrasburgo, assinado em 2004, deu ao corpo sua base legal quando entrou em vigor em 26 de fevereiro de 2009.

O Eurocorps possui 10 associados, sendo membros a Bélgica, França, Alemanha, Luxemburgo e Espanha. O tamanho e o tipo das unidades do corpo exigidas nas operações dependem da natureza e do escopo das missões designadas, do desdobramento provável e do resultado operacional esperado. No caso de todas as contribuições nacionais reservadas serem comprometidas, o corpo teoricamente compreenderia cerca de 60.000 soldados.

Boina e distintivo do Eurocorps.

Bibliografia recomendada:

The AK-47:
Kalashnikov-series assault rifles.
Gordon L. Rottman.

Rajadas da História:
O fuzil AK-47 da Rússia de Stálin até hoje.
Mikhail Kalachnikov e Elena Joly.

Leitura recomendada:




FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.




GALERIA: Os fuzis AK-74M da Síria, 29 de agosto de 2020.