terça-feira, 13 de abril de 2021

"A criação de uma escola de guerra européia permitiria o desenvolvimento de uma estratégia militar indispensável na Europa"

"O fortalecimento do conhecimento mútuo entre os parceiros europeus promoveria a compreensão de suas várias abordagens e visões estratégicas do mundo." (Frederick Florin / AFP)

Por Jean-Marc Vigilant, Le Figaro, 13 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2021.

FIGAROVOX / TRIBUNE - Para o Diretor-Geral da Escola de Guerra, o General Jean-Marc Vigilant, a defesa européia exige o treinamento conjunto das elites militares.

Jean-Marc Vigilant é general de brigada aérea e diretor geral da École de guerre.

O novo ambiente estratégico global de hoje é caracterizado por sua complexidade, mudanças rápidas e imprevisibilidade. Além dos desafios de segurança híbridos, que mesclam atores estatais e não-estatais, e que enfraquecem a fronteira entre guerra e paz, soma-se agora o retorno desinibido do equilíbrio de poder nas relações internacionais, na própria periferia do espaço europeu. Nenhum país pode enfrentar todos esses desafios sozinho.

Manobra franco-belga na Europa.

No desejo de desenvolver a sua autonomia estratégica, para além dos aspectos econômicos, industriais e digitais recordados nas reuniões de cúpula européias de 1 e 2 de outubro de 2020, pelo Presidente do Conselho, Charles Michel, a Europa deve também reforçar a sua defesa e segurança.

Embora a OTAN continue a ser a pedra angular da defesa coletiva do espaço Euratlântico e o cadinho da interoperabilidade entre os Aliados e parceiros da Aliança Atlântica, os Estados-Membros da União Européia devem prosseguir os seus esforços para desenvolver as suas capacidades militares. Isto contribuirá para uma melhor repartição dos encargos no seio da Aliança e para a credibilidade da defesa européia.

O desenvolvimento de capacidades militares não se trata apenas de adquirir novos equipamentos. Também requer treinamento do pessoal.

O desenvolvimento de capacidades militares não se trata apenas de adquirir novos equipamentos. Também pressupõe a formação do pessoal e, em particular, do pessoal militar superior, que desenvolverá novas estratégias, conceberá novas organizações, conceberá e implementará novas armas e sistemas de comando, e planificará e comandará operações militares.

Cada Estado membro é responsável pelo treinamento de seus oficiais, que podem ser chamados para servir em qualquer organização internacional. Após o treinamento inicial no exército, o caminho de educação continuada para oficiais europeus, às vezes chamado de ensino militar superior, geralmente consiste em três níveis.

Militares franceses e belgas.

O primeiro nível, que corresponde à aquisição de um alto conhecimento técnico ou tático, permite aos oficiais subalternos exercerem suas primeiras responsabilidades de supervisão em seu campo específico (especialidade profissional inicial e ambiente físico de origem de seu exército).

O segundo estágio, que geralmente ocorre dentro da Escola de Guerra ou equivalente, treina os oficiais superiores selecionados em questões estratégicas e desenvolve suas habilidades interarmas para servir em estado-maior de nível operacional ou na administração central. Eles também são preparados para ocuparem funções de comando e de direção subsequentes.

Por fim, o terceiro nível proporciona aos oficiais de altíssimo potencial, de patente equivalente a coronel, conhecimentos mais aprofundados nos campos político-militar e estratégico.

O desenvolvimento de uma cultura estratégica européia é o pré-requisito essencial para o advento da autonomia estratégica européia. Algumas iniciativas entre Estados-Membros já estão a contribuir para isso. Por exemplo, na área da formação inicial de oficiais, existe um programa militar Erasmus, a Iniciativa Européia para o Intercâmbio de Jovens Oficiais, inspirada no ERASMUS.

Deveríamos ter uma abordagem mais inovadora e decididamente ambiciosa, considerando a criação de uma escola de guerra verdadeiramente européia.

Do mesmo modo, para além do intercâmbio de alguns oficiais nas respectivas escolas de guerra, alguns países europeus desenvolveram uma cooperação mais específica no âmbito da formação dos seus jovens oficiais superiores. É o caso, em particular, da Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido, que realizam um exercício conjunto há vinte anos e que consideram o alargamento do seu campo de cooperação.

No outro extremo do espectro, desde 2005, o Colégio Europeu de Segurança e Defesa oferece a cada ano um curso de alto nível para oficiais do posto de coronel ou capitão-de-mar-e-guerra e funcionários civis de nível equivalente, a fim de promover a compreensão da Política Comum de Segurança e Defesa.

No entanto, para ir mais longe na construção da Europe de la Défense (Europa de Defesa), e para ser mais eficaz na formação dos futuros líderes militares europeus, deve ser adotada uma abordagem mais inovadora e decididamente ambiciosa, considerando a criação de uma escola de guerra propriamente européia.

Atirador de GC belga em evidência durante a manobra.

Com efeito, para além das escolas de guerra nacionais, tal instituição, cujo modelo de organização ainda está por se definir, seria um importante instrumento de interoperabilidade humana e cultural, entre oficiais dos diferentes Estados-Membros. Por um lado, estes oficiais aprenderiam a trabalhar em conjunto num quadro europeu e adquiririam as competências necessárias para ocupar as funções de oficiais do estado-maior (EM) em organismos como o EUMS ou o SEAE MPCC, bem como na OTAN e nos seus EM nacionais.

Além do planejamento de operações interarmas nos três domínios físicos tradicionais (terrestre, marítimo, aéreo), esses oficiais também seriam treinados para desenvolver as respostas adequadas às ameaças nas novas áreas de confronto que constituem o espaço, o ciberespaço e o campo da informação.

Os oficiais formados nesta escola construiriam uma consciência partilhada dos interesses comuns e coletivos da União Européia.

Ao aprender a integrar e sincronizar todos os efeitos militares em futuras operações multi-domínio, os oficiais assim formados contribuiriam para a implementação concertada de todos os instrumentos de poder da UE, como parte de uma abordagem verdadeiramente abrangente das crises. Por outro lado, os oficiais formados nesta escola construiriam uma consciência partilhada dos interesses comuns e coletivos da União Européia. Na verdade, o reforço do conhecimento mútuo entre os parceiros europeus das realidades históricas, geográficas e culturais de cada um promoveria a compreensão das suas várias abordagens e visões estratégicas do mundo.

Longe de conduzir à definição do mínimo denominador comum, esta combinação de conhecimentos seria um fator essencial para o desenvolvimento de uma cultura estratégica européia comum.

Ao preparar os futuros líderes militares europeus para enfrentar os desafios estratégicos de amanhã, a criação de uma escola de guerra européia daria um ímpeto adicional à construção da Europa de Defesa, bem como uma melhor visibilidade e maior legitimidade no seio das instituições européias.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:






COMENTÁRIO: Por que ler Beaufre hoje?, 12 de fevereiro de 2021.

Nenhum comentário:

Postar um comentário