terça-feira, 14 de janeiro de 2020

As forças armadas da Alemanha se tornaram uma completa piada

Ursula von der Leyen conversa com tropas alemãs. (Getty)

Por Ross Clark, The Espectator, 29 de agosto de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de agosto de 2019.

Elas não podem cumprir seu papel como um membro da Otan, e muito menos formar o coração de uma força de defesa européia.

Não é difícil pensar em momentos em que a fraqueza militar alemã teria sido elogiada como uma boa notícia em todo o resto da Europa, mas talvez não quando a ministra alemã acusada de jogar as forças armadas de seu país no chão acabou de ser nomeada a próxima presidente da Comissão Européia.

O constrangimento mais recente da Bundeswehr (“Defesa Federal”) - todos os seus 53 helicópteros Tiger foram colocados em terra impedidos de voar neste mês devido a falhas técnicas - é apenas a mais recente de uma longa série de humilhações que surgiram do feitiço de Ursula von der Leyen como ministra da Defesa. Um país um dia temido por sua implacável eficiência militar se tornou uma piada entre as potências européias.

Se von der Leyen puder ser transposta para a cena política britânica, ela pode ser vista como um Chris Grayling teutônico - atacado por todos os lados, inclusive pelo seu próprio, por péssimo manuseio crônico da sua pasta. Para citar o colega democrata cristão Rupert Scholz, que atuou como ministro da Defesa de Helmut Kohl: “A condição da Bundeswehr é catastrófica. Toda a capacidade de defesa da república federal está sofrendo.”

Não é justo culpar todos os problemas das forças armadas alemãs em von der Leyen, que é ministra da Defesa apenas desde 2013. Por razões compreensíveis, as forças armadas alemãs estavam um pouco limitadas em seu desenvolvimento entre 1945 e 1990, quando a defesa estava em qualquer caso efetivamente contratada para potências estrangeiras. Mesmo agora, a Alemanha permanece limitada por restrições militares - sob o Tratado para o Acordo Final com Respeito à Alemanha, que devolveu a soberania do país em 1991, as forças armadas alemãs estão limitadas a 370.000 militares, dos quais não mais que 345.000 podem estar no exército e força aérea. Elas não podem ter armas nucleares. Após a Guerra Fria, os governos alemães de todas as cores não consideraram a defesa uma prioridade - relutante em ver que a Rússia poderia voltar a ser uma ameaça.

No entanto, isso não desculpa algumas das inadequações das forças armadas que vieram à tona sob a liderança de von der Leyen. Durante a sua regência, os exercícios militares alemães foram reduzidos a um objeto de riso. Em 2014, um batalhão em um exercício da OTAN na Noruega foi forçado a usar uma vassoura pintada para simular uma metralhadora pela falta de uma de verdade. Quase metade dos soldados envolvidos no exercício não puderam receber pistolas.

As coisas não melhoraram este ano, quando a Alemanha assumiu o controle da Força-Tarefa Conjunta de Alta Prontidão da OTAN, encarregada de combater a ameaça da Rússia. A Alemanha comprometeu-se a ter 44 tanques Leopard 2 e 14 veículos de infantaria blindados Marder disponíveis para a tarefa, porém, no evento só conseguiu reunir nove e três, respectivamente. Um documento divulgado revelou que os caças Eurofighter e Tornado da Luftwaffe, juntamente com seus helicópteros de transporte, só estão disponíveis para uso por uma média de quatro meses por ano - passando o resto do tempo armazenados em manutenção e reparo.

Quanto às fragatas F-125 Baden-Württemberg, que deveriam entrar em serviço há dois anos, a marinha se recusou a comissioná-las. Elas falharam em seus testes no mar após problemas com radar, revestimento à prova de chamas nos tanques de combustível e no sistema central de computadores. As fragatas também não tinham tubos de torpedo ou sonar - essenciais para enfrentar a ameaça de submarinos.

O relatório anual do ano passado pelo Comissário Parlamentar das Forças Armadas - o equivalente alemão de um relatório do comitê de seleção de defesa - confirmou a incapacidade das forças armadas de manter seu equipamento em uso, acrescentando que por um período a partir de outubro de 2017, quando um submarino do tipo 212A danificou seu leme, nenhum dos seis submarinos do país estava disponível para uso.

Este ano, o governo superou o constrangimento ao disponibilizar informações sobre a disponibilidade de equipamentos classificados, de forma que ficasse de fora do relatório. O Comissário, Dr. Hans-Peter Bartels, não ficou impressionado. Ele descreveu a Bundeswehr - o equivalente das forças armadas e do Ministério da Defesa combinados - como um "monstro burocrático", citando o exemplo do comandante de um esquadrão aéreo tático com 1.500 funcionários militares e não-militares e ativos voadores totalizando 3 bilhões de euros sob seu comando - e, no entanto, a quem era confiado gastar apenas 250 euros por ano sem obter aprovação de cima.

Não que a centralização do financiamento tenha ajudado a promover cuidado com dinheiro. Um dos escândalos colocados à porta de von der Leyen é o do Gorch Fock, um navio de treinamento naval que foi enviado para uma revisão em 2016 e que ainda não foi devolvido às suas funções. Enquanto isso, o arco de custos estimados será familiar para quem segue projetos do setor público britânico - passou de 10 milhões para 135 milhões de euros.

O que von der Leyen fez foi aumentar o orçamento militar, que subiu acentuadamente no ano passado, de 38,5 bilhões de euros para 43,5 bilhões de euros. Outros 20 bilhões de euros por ano estão planejados para 2024. Mas, mesmo nesse nível, a Alemanha não cumprirá sua obrigação como membro da OTAN de gastar 2% do PIB por ano em defesa - apenas gastará de 1,2 por cento a 1,5 por cento. É verdade que poucos dos estados membros europeus da OTAN cumprem essa obrigação, mas de todos eles você poderia esperar que a maior economia do continente estaria dando o exemplo. Desde o final da Guerra Fria, a Alemanha considerou muito fácil se isentar, ou desempenhar apenas um papel simbólico, em operações militares conjuntas ao redor do mundo - seu passado agressivo servindo como uma desculpa conveniente, como se estivesse dizendo ao mundo: agora, você não gostaria de uma Alemanha que estava flexionando seus músculos militares, gostaria?

Gastar dinheiro é uma coisa; gastá-lo bem é outra. As forças armadas alemãs nunca fizeram realmente uma transformação bem-sucedida de uma força de conscritos para uma força profissional menor. O recrutamento obrigatório foi suspenso em 2011, dois anos antes da chegada de von der Leyen como ministra da Defesa. Mas várias vezes desde então o governo brincou com a idéia de revivê-lo - mais para fins sociais do que militares. As forças armadas da Alemanha são de tamanho semelhante às da Grã-Bretanha - 173.000 funcionários em comparação com os 155.000. No entanto, nem todos estão sendo mantidos em treinamento adequado. Em 2017, 19 dos 129 pilotos de helicóptero perderam suas licenças porque não conseguiram cumprir o número necessário de horas de vôo.

Há uma questão de quão comprometida von Leyen está em manter uma força de defesa alemã independente. Em 2014, ela disse ao Der Spiegel que uma única força de defesa conjunta da UE 'seria uma conseqüência lógica de uma cooperação militar cada vez mais estreita na Europa' - uma idéia que assusta até os mais leais britânicos eurófilos como Vince Cable. Desde que foi proposta como presidente da Comissão, von der Leyen recuou nessa idéia - talvez ciente de que seu histórico de comandar as forças armadas alemãs não inspire confiança.

Em 1945, as forças armadas dos EUA enviaram uma equipe para a Alemanha com o objetivo de capturar Albert Speer antes da polícia militar - eles ficaram tão impressionados com a capacidade da máquina de armamento nazista de se recuperar de ataques a bomba que estavam desesperados para interrogá-lo. Podemos não estar mais em risco da Alemanha colocar suas forças militares em uso agressivo. Mas há poucos sinais de que ela tenha organização e competência para cumprir seu papel como membro da OTAN, e muito menos formar o coração de uma força de defesa européia.

Original: https://www.spectator.co.uk/2019/08/germanys-military-has-become-a-complete-joke/

Nenhum comentário:

Postar um comentário