Mostrando postagens com marcador Heckler & Koch. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Heckler & Koch. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

The Heckler & Koch XM8: uma retrospectiva


Por David Schillerbrian C. Sheetz, American Rifleman, 16 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

O sistema XM8 surgiu do programa XM29 do Exército dos EUA.

Evolução


Eugene Stoner desenvolveu um fuzil operado a gás em 1955 na Armalite. As primeiras versões, conhecidas como AR-15, entraram no Exército e na Força Aérea dos EUA em 1962, bem a tempo da Guerra do Vietnã. Desde o início, o M16 foi afligido com problemas. Ao longo dos anos, o M16 sofreu inúmeras modificações e melhorias, que, no entanto, nunca conseguiram resolver completamente as deficiências básicas do sistema. Atualmente, a variante mais moderna, a carabina M4, é a quarta geração do projeto de Stoner. No entanto, alguns o consideram ainda muito sensível à sujeira e muito atormentado por interferências, o que, entre outras coisas, se deve ao projeto do carregador. Além disso, a carabina M4 é considerada por alguns muito instável para os muitos acessórios que os GIs e as Forças Especiais gostam de encaixar em suas armas.

O projeto original de pesquisa e desenvolvimento para a próxima geração de armas de infantaria dos EUA, chamado de Arma de Combate Individual Objetiva (Objective Individual Combat WeaponOICW), visualizou um novo tipo de arma combinada, que acoplou uma arma de assalto com tiro seletivo (ou seja, operação totalmente automática e semiautomática) com um lança-granadas 20x28mm semiautomático, com mira a laser e por computador. A Heckler & Koch e a Alliant Techsystems, parceiras no projeto multimilionário, terminaram um modelo de pré-produção, o XM29, em 1999, que então passou por testes de tropas. O “XM” designa um modelo experimental. Mesmo os materiais mais modernos não podiam contornar a física: com cerca de 17,6 libras (7,8kg) de peso de combate, a arma de cano duplo era muito pesada e desconfortável. Tecnologicamente, os desenvolvedores encontraram um obstáculo que, na época, o estado da arte da tecnologia de computadores, baterias e materiais e a ciência ainda não haviam superado.

Transformação e Progresso


O Arsenal Picatinny de Nova Jersey, sede do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia de Armamento (Armament Research, Development & Engineering CenterARDEC), serve como centro de todos esses novos desenvolvimentos. O escritório de desenvolvimento e aquisição é monitorado por uma nova hierarquia, chamada “Team Soldier”, criada em junho de 2002 em Fort Belvoir, Virgínia. Esta é apenas uma parte da nova reorganização abrangente e radical na política de defesa com a qual o governo Bush iria transformar as Forças Armadas dos EUA para as demandas do século XXI. No quadro da nova gestão orientada para os resultados e para a prática, o “Gerente de Projetos de Armas dos Soldados” é responsável pela categoria de produto de armas de equipa e individuais.

Como substituto provisório do OICW, foi considerada a possibilidade de separar os dois sistemas novamente. O lança-granadas do XM29, ampliado para 25mm, deveria ser desenvolvido como um sistema autônomo. Da mesma forma, o componente KE (energia cinética) de 5,56x45mm tornou-se a base de um novo fuzil de assalto. No verão de 2002, a H&K preparou algumas propostas para o novo desenvolvimento do M16/M4, bem como ideias para o desenvolvimento do componente KE. Naquela data, as deficiências das armas americanas durante a campanha afegã já haviam sido analisadas. Todos no establishment de Defesa dos EUA também perceberam que um novo vento estava soprando no Pentágono. Exigiam-se resultados rápidos — não estudos longos e demorados, procedimentos de seleção e comissões. Assim, a Alliant Techsystems (ATK) e a H&K competiram abertamente com outros fabricantes de armas portáteis e venceram a competição. Oficialmente, os dois parceiros receberam o contrato de desenvolvimento de US$ 5 milhões em outubro de 2002; no entanto, a decisão já havia sido tomada um mês antes. O prazo para o projeto é curto porque o Exército dos EUA desejava a produção das novas armas para o segundo semestre do ano fiscal de 2005.

Fim das Vacas Sagradas


Naturalmente, o Exército tinha uma longa lista de desejos para o novo sistema de armas: deveria existir em diferentes variações para a esquadra-de-tiro, de uma arma de combate aproximado a uma metralhadora leve e uma arma de mira telescópica. Era desejado um bloco de construção modular que pudesse, dependendo dos requisitos de cada operação de combate e de cada ambiente operacional, ser reconstruído para munição de 5,56x45 mm, 7,62x39 mm ou 5,45x39 mm e também para o novo cartucho de propósito especial de 6,8 mm (Special Purpose Cartridge, SPC).

Por outro lado, os compradores militares estavam surpreendentemente dispostos a abandonar as diretrizes até agora invioláveis. O perfil frontal desajeitado da carabina M4 - com seus trilhos Picatinny angulares, lanterna e sua unidade de infravermelho na extremidade do cano - agora foram relegados ao passado. Mesmo os trilhos Picatinny universais atuais poderiam ser abandonados. Os projetistas da H&K desenvolveram um perfil futurista e aerodinâmico que atendeu a todos os requisitos do gerente de projeto do Exército. O corpo e a coronha retrátil são compostos de materiais sintéticos que podem ser reforçados com fibra de vidro ou carbono e são coloridos em preto ou em tom de lama semelhante a junco.


Peças de poliuretano macias e semelhantes a borracha foram moldadas na extremidade dianteira e também na coronha, onde o atirador tem contato mais próximo com o corpo. Este fuzil foi desenvolvido de dentro para fora, em um período de tempo recorde para protótipos prontos para atirar e testar no verão de 2003.

As funções dos trilhos Picatinny agora são assumidas pelos Pontos de Fixação Picatinny (Picatinny Attachment PointsPCAP) embutidos, que se encaixam em uma forma de parafuso giratório em forma de prisma. Este sistema de conexão com patente pendente centra-se e pode ser localizado nas posições de três, seis e nove horas na extremidade dianteira e também sob o pedestal da mira óptica atrás da alça de transporte. Uma vez instalado e zerado, o acessório manterá seu alinhamento, mesmo desmontado. O ponteiro de mira IR e o iluminador IR formam uma unidade integral com o osciloscópio.

A peça central do XM8 - a culatra e a haste do tucho de gás - pode parecer familiar para qualquer pessoa que tenha manuseado o G36 ou SL-8 da H&K. O ferrolho giratório se assemelha ao projeto de Stoner, no entanto, ele vem apenas com seis olhais de trancamento em vez dos sete do AR-15/M16. Como a haste do tucho tem um desenho sólido e fechado, o sistema requer menos limpeza do que o impacto direto do AR-15/M16, onde o gás, incluindo resíduos de pó, é retirado do cano e encaminhado de volta à culatra.


A confiabilidade funcional deste sistema de carregamento automático surpreendeu os americanos quando viajaram para Oberndorf em outubro de 2003 para o primeiro teste de tiro dos protótipos: 
Um dos fuzis disparou mais de 15.000 tiros consecutivos sem limpeza e sem interferência, o que o Coronel Michael Smith, diretor administrativo do Gerente de Projetos de Armas dos Soldados, julgou “verdadeiramente notável”. Na revista das Forças Armadas dos EUA, Rich Audette, gerente de projeto interino, relembrou a demonstração em Oberndorf: “Eu estava envolvido no desenvolvimento do M16A2 e do M4, e nunca vi algo sair da caixa tão bem como esta arma de fogo!”

Em outubro de 2003, os primeiros 30 foram enviados para Aberdeen, Maryland, para testes adicionais no Campo de Testes do Exército. Cento e setenta armas de fogo adicionais chegaram em meados de dezembro, vindas de Oberndorf para testes com as tropas americanas.

Variantes


Esta família modular foi construída e testada pela primeira vez em 5,56x45mm, mas também pode ser facilmente adaptada para o novo SPC Remington 6,8x43mm. A configuração padrão do XM8 é a versão carabina, com cano de 121⁄2" (31cm) e, com coronha totalmente estendida, comprimento total de 33,3". Atualmente, o peso descarregado da arma de fogo é de 7,8 quilos, embora esteja programado para passar por um programa de redução de peso.

Uma versão mais longa com um cano de 20" (50cm) e um bipé opcional é concebida como um fuzil com luneta para atiradores designados ou snipers. A mesmo arma também funcionaria como um tipo de metralhadora leve para suporte de fogo, quando equipado com o bipé H&K e o carregador de tambor de 100 tiros. Na demonstração, os testadores da H&K dispararam quatro desses carregadores continuamente em rajadas curtas em um período de cinco minutos sem problemas. O projeto supera a meta dos militares de mais de 210 tiros de fogo contínuo sem nenhum cookoff (explosão prematura dentro da câmara).

Por fim, há uma variante curta, com uma coronha telescópica do tipo trilho chamada Special Compact que serve como uma arma de defesa pessoal aproximada (Personal Defense WeaponPDW) para tripulantes de veículos ou pilotos de helicóptero. Mesmo que esta arma compacta tenha apenas um cano de 9", ele ainda produz uma velocidade inicial de 2425 fps.

6,8x43mm SPC: mais gordo é mais chique


Não é segredo de estado que elementos das Forças Armadas dos EUA não estão muito satisfeitos com as capacidades balísticas terminais do 5,56x45mm. 
Particularmente das Forças Especiais vem a demanda por um cartucho mais poderoso, para o qual as existentes de 5,56mm possam ser adaptadas sem muito mais trabalho e despesas adicionais. Operadores do Quinto Grupo de Forças Especiais se reuniram com Chris Murray e Remington e criaram, ao longo de dois anos, através de vários testes práticos (nos quais participaram as equipes da SWAT de várias grandes agências policiais dos EUA) o cartucho de propósito especial de 6,8mm, que Remington anunciou no início de 2004.

O cartucho foi introduzido no mercado civil com, entre outros, o cartucho de 115 grains (grãos, 0,0648 de grama). Pontas ocas de tronco-cônico Sierra MatchKing e balas de ponta de polímero. Com um cano de 161⁄2" de comprimento (semelhante à carabina M4), a bala tem uma velocidade inicial de 2650 a 2690 fps. A energia excederia a do atual cartucho militar .223 Remington, o M855 62 grãos. M855, em mais de 50 por cento na boca do cano e, a 492 jardas (449m), em 80 por cento. O novo cartucho deve apresentar trajetória e precisão semelhantes ao .223 Remington.

O estojo .30 Remington, que é um pouco mais grosso que o estojo do 5,56mm, mas é exatamente cilíndrica, serve de base para o novo cartucho. O tamanho da bala foi determinado incrementalmente. Foram tentados os 6 e 6,5mm, e houve também uma série de testes de 7mm, mas a trajetória não foi plana o suficiente. A variação de 6,8 mm (.270) finalmente provou ser o melhor compromisso e alcançou o desempenho necessário.

As forças armadas americanas parecem agora estar quase onde John Garand estava na década de 1920 no Arsenal de Springfield, quando projetou seu fuzil de calibre .276 com uma bala de 125 grãos. Os britânicos também experimentaram, depois de 1945, um .280 que exibia capacidades balísticas semelhantes.

DESCRIÇÃO
Tipo: Fuzil automático.
Miras: Mira Óptica de ponto vermelho (red dot); abertas padrão, e trilho PCAP para montagem de miras reflexivas e lunetas.
Peso: 2,65kg (com carregador vazio e versão básica).
Sistema de operação: Tomada de gases e ferrolho rotativo.
Calibre: 5,56x45mm (.223 Remington).
Capacidade: 30 tiros (básico), 100 tiros (carregador Beta para apoio de fogo).
Comprimento Total: 84cm (versão básica).
Comprimento do Cano: Variável de acordo com a versão entre 9 polegadas,12,5 (versão básica) e 20 polegadas (versão de apoio de fogo e de tiro de precisão).
Velocidade na Boca do Cano: 920m/s (versão básica).
Cadencia de tiro: 750 tiros por minuto.

FIM


             

sábado, 31 de outubro de 2020

FOTO: Tropas de montanha testando o HK G11

Gebirgsjäger (Caçadores de Montanha) alemães testando o HK G11.
O Heckler & Koch G11 foi testado nas década de 1970 e 1980, mas acabou abandonado. 

Vídeo recomendado:


Leitura recomendada:

domingo, 16 de agosto de 2020

FOTO: PSG-1 em Sirinagar

Policial militar indiano da Força Policial da Reserva Central (Central Reserve Police Force, CRPF) armado com um fuzil de precisão HK PSG-1 em Sirinagar, na Índia.

Com 246 batalhões e vários outros estabelecimentos, a CRPF é considerada a maior força paramilitar da Índia e tem uma força de mais de 300.000 homens.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:



quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

FOTO: Operador CQB da Heckler & Koch USA


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de janeiro de 2020.

Foto famosíssima de um operador em uniforme CQB, trata-se, na verdade, de John T. Meyer Jr., o então vice-presidente de vendas e treinamento da Heckler & Koch USA, posando para uma foto promocional em 1992. A foto foi usada para promover o lançamento do HK USP no mercado americano em 1993, e mais tarde usada como arte da caixa do primeiro jogo Rainbow Six lançado em 21 de agosto de 1998.



Rainbow Six foi um sucesso internacional e a imagem como capa do jogo ficou muito mais famosa que a imagem promocional da HK. Segundo John Meyer, eles até enviaram instrutores para a Califórnia para captura de movimento quando o videogame foi desenvolvido, tendo seus movimentos sido usados para nos personagens no jogo.


O jogo, acompanhado de um romance, tem missões no Brasil e um dos comandos da Rainbow é brasileiro - apesar do nome hispânico e biografia imprecisa. Ele é o único latino-americano no primeiro jogo.


Vários outros jogos da saga Rainbow Six foram produzidos, com o título atual Rainbow Six: Siege contando com mais de 50 milhões de jogadores em 2020. No jogo atual, a operadora brasileira Caveira é um dos personagens mais queridos pelos fãs.



Quando da contribuição de Meyer, o CQB (Close Quarters Battle/ Combate Aproximado em Compartimento) era pouco conhecido do público. Hoje é uma febre, e o Brasil possui tropas treinadas nessa especialização, como o GERR da Marinha.

Bibliografia recomendada:

Rainbow Six.
Tom Clancy.

Leitura recomendada:




FOTO: Contra-terrorismo clássico, 3 de setembro de 2020.