terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Gun Review: Uma análise aprofundada de um Sturmgewehr alemão


Por Alex C., The Firearm Blog, 11 de janeiro de 2013.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de fevereiro de 2020.

O Sturmgewehr alemão é uma arma de fogo que não precisa de introdução. Foi o primeiro fuzil de assalto bem sucedido do mundo (apesar do que algumas pessoas precisam dizer sobre o Fedorov Avtomat) e foi usado com grande sucesso pelas forças do Terceiro Reich. Este instrumento de guerra verdadeiramente revolucionário inspirou inúmeros outros projetos e influenciou muitas armas portáteis desenvolvidas durante o século XX. É incrível que essas armas ainda sejam notícia e ainda sejam usadas em combate.


Rebelde do Exército Síria Livre com um StG-44.

Este exemplar em particular que iremos analisar é um modelo de pré-produção MP43/1 inicial. Este fuzil foi fabricado entre dezembro de 1942 e abril de 1943. Isso ocorreria logo após os testes iniciais de fabricação do MKb 42. Em dezembro de 1942, Hitler ordenou que todas as armas de teste de pré-produção parassem devido a alguns combates na hierarquia do Terceiro Reich, mas, indo contra o führer, alguns homens o designaram MP-43 para colocá-lo sob o contrato de submetralhadora e foi permitido continuar em sigilo (que só passou de 12/42 a 4/43, portanto esse fuzil provavelmente foi fabricado nesse período). A maioria dos MP43 de abril de 1943 e MP43 de produção tardia foram carimbados com STG-44 depois que Hitler aprovou a arma para combate. Esses são geralmente chamados de 44 super-estampados. Ele tem a visão frontal anterior e possui um cano de passo, o que o coloca no período de 1943.


Outra observação interessante é que este exemplar em particular não possui um retém de lançador de granadas, um recurso adicionado a fuzis posteriores. As datas de fabricação desses fuzis podem ser fixadas em meses, em vez de anos, porque foram feitos apenas por um curto período e com várias alterações importantes em rápida sucessão. Ele também não possui uma porca de boca. Isso não é necessariamente uma peça que falta, pois alguns dos primeiros MP43 não tinham uma. Este fuzil teria sido suprido quase que exclusivamente para soldados da SS na Frente Oriental*. Apenas uma quantidade muito pequena de MP43 chegou às mãos dos soldados da Wehrmacht e essas foram para as unidades Fallschirmjäger. A maioria dos MP43 capturados que sobreviveram foram recuperados pelos russos, que os venderam para os países do bloco oriental até os anos 60 e finalmente os levaram aos EUA através de vendas de exportação. Então, é provável que esse fuzil tenha pertencido a um soldado da SS na frente oriental. Muito legal, né?

*Nota do Tradutor: A 93ª Divisão de Infantaria recebeu alguns em outubro de 1943, e os utilizou na Frente Oriental. Segundo Chris McNab, as 1ª e 32ª Divisões de Infantaria fizeram testes preliminares com o MP43, sendo suprido para unidades específicas em 25 de abril de 1944.




Esta arma parece ser do fabricante Haenel (o fabricante original, e mais prolífico). Eles produziram cerca de 185 mil fuzis no total. Você pode encontrá-los com o carimbo “fxo”, que é visto tanto na parte superior quanto na inferior. No entanto, o cano não foi carimbado como deveria ser. É interessante notar que os números de série que não correspondem são comuns porque os canos Haenel não correspondem.




O Sturmgewehr se desmonta em primeiro escalão de maneira muito semelhante a um fuzil H&K G3 ou submetralhadora MP5. O retém traseiro que mantém a coronha no lugar é afixado e, quando removido, permite que a armação inferior abra, o que lembra estranhamente as armas de fogo H&K estampadas. O conjunto do gatilho ainda tem uma alavanca de disparo do gatilho no mesmo local.



As semelhanças com os projetos da H&K terminam aí, já que o fuzil não usa o famoso sistema operacional com trancamento por roletes, mas sim um pistão a gás de longo curso, semelhante à família AK. O ferrolho também é do tipo não-rotativo e se assemelha ao sistema de trancamento do ferrolho basculante do fuzil SKS/Simonov.



Segurando um Sturmgewehr é segurar um pedaço da história, pois cada um desses fuzis é realmente uma cápsula do tempo que representa um ponto alto na engenharia da metade do século XX que inspirou muitos projetos e projetistas. Um agradecimento especial ao meu amigo CJ por me ajudar a pesquisar a história deste exemplar. Fique atento para uma resenha de tiro!




Original: https://www.thefirearmblog.com/blog/2013/01/11/an-in-depth-look-at-a-german-sturmgewehr/

Alex é escritor sênior do The Firearm Blog e diretor da TFBTV.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Tentativas da Argentina de um fuzil indígena21 de abril de 2020.

Comandos Navais franceses com fuzis CETME23 de janeiro de 2020.

Como vídeos sobre armas de fogo antigas se tornaram um canal de sucesso no YouTube10 de março de 2020.

Mausers FN e a luta por Israel23 de abril de 2020.

Um comentário: