quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Resgate do vôo SQ 117 da Singapore Airlines em 30 segundos cravados

A Força-Tarefa de Operações Especiais das SAF, um comando antiterrorista, inclui membros da Força de Operações Especiais e da Unidade de Mergulho Naval. (Foto: Facebook/Modern Elite Forces)

Por Eric SOF, Spec Ops Magazine, 28 de março de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de janeiro de 2020.

Fred Cheong, 55 anos, fez muito mais do que a pessoa média em duas vidas completamente diferentes. O comando das Forças Especiais se formou no excruciante curso SEAL da Marinha dos EUA, invadiu um avião seqüestrado da Singapore Airlines e transformou vários lotes de cadetes oficiais em soldados.

Depois de deixar as Forças Armadas de Cingapura (SAF), Cheong se tornou um monge budista. Desde então, ele viveu simplesmente em um mosteiro, meditou nas montanhas cobertas de neve nas profundezas do Himalaia e liderou retiros de dharma em todo o mundo.

É por isso que Cheong prefere ser conhecido como o Venerável Tenzin Drachom, um nome dado pelo Dalai Lama e um reconhecimento de sua carreira militar de 32 anos.

"Em tibetano, 'dra' significa ilusão, 'chom' significa destruidor", disse ele ao Channel NewsAsia em sua casinha de templo em Pasir Ris. “Nas forças armadas, eu destruí o inimigo fora. Agora eu destruo o inimigo dentro.

Mas como um garoto jovem e esquelético, Drachom nunca teve ambições de se juntar às forças armadas. Ou quaisquer ambições fortes, nesse sentido. "Eu não era muito forte, nem sabia nadar", disse ele. "Talvez eu estivesse pensando que queria ser um comissário de bordo."

Em dezembro de 1982, o jovem de 18 anos se alistou no Serviço Nacional e, eventualmente, ingressou como cadete oficial, depois de ver seus companheiros de beliche fazendo o mesmo. "Também pudera", ele meditou. "Eu pensei que (ingressar) nas forças armadas não poderia ser errado."

Seqüestro de Vôo SQ117

26 de março de 1991 foi um dia em que os militares não podiam se dar ao luxo de errar.

O vôo SQ117 da Singapore Airlines com destino a Cingapura foi seqüestrado por quatro passageiros paquistaneses logo após decolar de Kuala Lumpur.

O avião, com 114 passageiros e 11 tripulantes, aterrissou no aeroporto de Changi por volta das 22h30. Os seqüestradores, armados com facas, isqueiros e o que pareciam explosivos, agrediram o piloto, atendentes e passageiros. Dois comissários foram empurrados para fora do avião.

Os seqüestradores, que queriam que o avião fosse reabastecido e transportado para Sydney, fizeram suas exigências: falar com o ex-primeiro-ministro do Paquistão, Benazir Bhutto, e pedir às autoridades que libertem várias pessoas presas no Paquistão.

Depois que as negociações chegaram às primeiras horas da manhã seguinte, os seqüestradores perderam a paciência e ameaçaram começar a matar reféns caso suas exigências não fossem atendidas.

Foi então que as autoridades deram o sinal: comandos da Força de Operações Especiais (SOF) foram ordenados para invadir o avião e resgatar os reféns. Drachom, na época um soldado da SOF, fazia parte da equipe.

"Quando chegou a hora, era 'apenas faça'", disse ele. "Não havia nenhum devaneia mental de eu irei, não irei ou vou ligar para minha namorada. Sem besteiras."

Desde o treinamento, os comandos conheciam o traçado interior de vários tipos de aeronaves, como as palmas das mãos. Sob a cobertura da escuridão, eles se aproximaram do Airbus A310.

A adrenalina estava pulsando, mas Drachom tratou a operação como "apenas mais um exercício".

"Você treinou sua mente para operar sob pressão", disse ele, respirando fundo. "Foi realmente cirúrgico ... então temos que ser muito claros, atirar com muita retidão, e vamos fazê-lo."


A operação de resgate naturalmente foi a primeira página dos jornais. (Foto: Facebook/National Library Singapore via Singapore Press Holdings)

Por volta das 6h50, os comandos invadiram o avião, gritaram para os passageiros deitarem e mataram todos os quatro seqüestradores. A operação durou apenas 30 segundos. Os anos de treinamento prepararam bem os comandos, mas ele também os preparou para tirarem vidas?

“Fomos muito claros quando entramos lá; sabíamos exatamente o que fazer - respondeu Drachom. “Você não pode ir lá e começar a pensar. Vamos lá e fazemos o que treinamos, porque haverá essa troca.”

Drachom enfatizou que "não havia qualquer ego" em cada membro da equipe. "Você estava lá apenas para fazer o trabalho", acrescentou. "Nada mais."

Quando os comandos retornaram à base, Drachom disse que ninguém lá sabia como a operação se desenrolara. Mas logo, as forças de elite de todo o mundo queriam visitar, curiosas sobre como haviam executado a missão com tanto sucesso.

Drachom observou que a operação havia elevado a reputação do jovem Exército aos olhos do mundo.

"Somente depois de tudo isso, percebemos que nos reunimos e nos unimos como equipe", acrescentou. “O que nos fez continuar foi um bom sistema de treinamento; nossa fé em todos os níveis de que todos farão seu trabalho.”

Os detalhes da operação ainda estão frescos na mente de Drachom, embora ele tenha dito que a equipe declarou o capítulo "fechado para sempre". "Fechamos porque desejamos que nunca mais aconteça", disse ele.

Original: https://special-ops.org/49521/rescue-of-singapore-airlines-flight-sq-117-over-in-30-secs-flat/


Nenhum comentário:

Postar um comentário