segunda-feira, 6 de abril de 2020

Aaron Cohen: Soldado, Ator, Escritor, Espião

Aaron Cohen. 

Por Gerri Miller, Jewish Journal, 11 de setembro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de abril de 2020.

Aaron Cohen viveu muitas vidas em seus 43 anos. Nascido em Montreal, ele se voluntariou para o exército israelense aos 18 anos e serviu por três anos em uma unidade de contraterrorismo de elite das Forças Especiais, sobre a qual escreveu em suas memórias "Brotherhood of Warriors" (Irmandade de Guerreiros, 2008). Então, usando seu treinamento das Forças de Defesa de Israel (FDI), ele abriu sua própria empresa, fornecendo segurança pessoal para celebridades e VIPs.



Agora, com questões de segurança mais importantes do que nunca, ele treina e aconselha agências policiais enquanto segue uma carreira em Hollywood. Sua última missão: interpretar um capitão da polícia em "Rambo: Last Blood" (Rambo: Até o Fim, 2019), ao lado de Sylvester Stallone. Cohen conversou com o Journal sobre sua jornada das missões secretas israelenses aos bastidores de Hollywood.



Jewish Journal: Como você veio para servir nas FDI?

Aaron Cohen: Depois que meus pais se divorciaram, minha mãe se casou com Abby Mann, roteirista de Oscar de Judgement at Nuremberg (Julgamento em Nuremberg, 1961), e nos mudamos para Los Angeles. Ele era um sionista e acreditava muito no estado judeu. Ele incentivou a idéia de eu ir para Israel e servir nas FDI. Então eu comecei a ler sobre Israel. Eu frequentei uma escola militar em uma parte do ensino médio e, quando me formei, eu realmente não sabia o que fazer. Eu não tinha planos para a faculdade. Fui para Israel e me ofereci no Kibutz HaZore'a, onde passei quatro meses aprendendo hebraico. Eu me apaixonei por Israel e entrei para as FDI porque pensei que seria uma grande oportunidade para aprender sobre Israel e fazer algo aventureiro. Após um período de treinamento de 18 meses, entrei para a unidade Duvdevan, na qual o programa “Fauda” (2015) é baseado. Os soldados se disfarçam de árabes com o objetivo de se infiltrar em bairros terroristas e enviar terroristas de volta a Israel para julgamento e interrogatório. Eu também aprendi árabe. Eu estive em mais de 200 missões.


Aaron Cohen no exército.

JJ: Você também trabalhou em operações secretas com o Mossad, certo?

AC: Não reconheço publicamente nenhuma conexão com o serviço de inteligência estrangeira de Israel, mas direi que trabalhei em estreita colaboração com a comunidade de operações especiais em Israel enquanto estava na unidade, e é tudo o que posso dizer sobre isso.



JJ: Você voltou para Israel? 

AC: Algumas vezes. Sou sionista e judeu que realmente acredita na importância do Estado de Israel. Eu sou filho de Israel. Eu nunca tirarei Israel do meu sangue. Eu quero levar minha futura esposa para lá. Eu acabei de ficar noivo.


Treinamento disfarçado em Israel. A túnica chama-se "galabia" e o cachecol xadrez "keffiyeh". O AK47 é chamado em Israel de "Kalatch".

JJ: Como foi sua educação judaica? 

AC: Eu venho de uma família com uma forte identidade judaica, mas não muito observadora. Meus avós são judeus russos do lado de minha mãe e meu pai é russo e romeno. Eles eram caminhoneiros e colecionadores de metais - judeus durões que emigraram para o Canadá pouco antes da [Segunda Guerra Mundial]. Existem alguns sobreviventes do holocausto do lado de meu pai.


Já como instrutor no terceiro ano de serviço.

JJ: Após as FDI, qual era seu plano? 

AC: Eu não sabia. Tive alguma depressão e provavelmente um pouco de PTSD e passei o próximo ano e meio descomprimindo. Então comecei a trabalhar como guarda-costas para Brad Pitt e os Schwarzeneggers. Pouco antes do 11 de setembro de 2001, abri minha própria empresa de segurança, contratando mais de 200 homens da minha unidade ao longo dos anos e devolvendo aos israelenses que queriam uma oportunidade aqui. Eu trabalhei com outras celebridades, fornecendo segurança residencial para a [modelo] Kate Moss, [ator] Jackie Chan e serviços de proteção para Pink, Katy Perry e outros músicos em turnê. Eu vendi a empresa há cinco anos. Foi uma corrida de 15 anos e me levou ao meu primeiro filme.



Em 2011, o [diretor] Steven Soderbergh estava trabalhando em “Haywire” (A Toda Prova, 2011) e me ligou. Ele disse: "Estou trabalhando em um filme com Channing Tatum, Gina Carano e Michael Fassbender, e estou procurando um consultor porque é um tipo de filme de operações especiais. Você estaria interessado?" Me pediram para treinar os atores com todas as armas de fogo e Krav Maga lutando por cerca de três meses antes do filme e ajudei a projetar a ação para torná-la real. Steven me deu um diálogo; eu tive algumas cenas no filme. Foi isso. Eu fiquei vidrado. Lembrei-me do quanto eu adorava atuar no ensino médio.



Depois disso, eu fiz “211” (211: O grande assalto, 2018), um drama policial com Nic Cage para a Netflix. Eu interpretei seu tenente. E fiz um curta-metragem chamado “Overwatch” (2014) como um exercício para construir meu rolo de filme. Um dia talvez ele se torne um recurso.



JJ: Como você se envolveu com "Rambo: Last Blood"?" 

AC: Os produtores de "211" ligaram e disseram que tinham uma ótima cena com Sly* para mim. Filmamos na Bulgária por cerca de um mês. Eu também fiz alguns aconselhamentos sobre o filme. Houve muitos efeitos especiais; era uma cena de chuva. Foi uma seqüência muito cara. Há um pouco de reviravolta que não posso revelar, mas me diverti muito fazendo isso.

*Nota do Tradutor: Sly é o apelido de Silvester Stallone.


Aaron Cohen e o General Danny Yatom, ex-sub-comandante do Sayeret Matkal, ex-comandante do Comando Central e ex-chefe do Mossad. "Quando eu servi, altos oficiais de inteligência estavam em todo lugar; eles gostavam de ter jovens guerreiros ao seu redor."

JJ: O que vem a seguir para você? 

AC: Há outro projeto para a Netflix baseado na vida da estrela pop mexicana Luis Miguel - há um papel nele para um [agente] do Mossad. Vou passar os próximos dois anos focando na transição para atuar em período integral. Enquanto isso, [com] a minha empresa Cherries - Duvdevan é cereja em hebraico - eu manufaturo produtos para aplicação da lei e reuni uma série de treinamento sobre contra-terror digital acessível. Tenho agências de todo o mundo baixando o conteúdo.


Aaron Cohen posando com membros da sua unidade, Sayeret Duvdevan, disfarçados de árabes palestinos. Todos na foto foram trabalhar para a sua companhia militar privada IMS Security Consultants.

JJ: Como especialista, que conselho você daria às sinagogas para se protegerem melhor contra ataques? 

AC: Contrate segurança armada ou monte uma equipe de segurança voluntária e treine-a no combate ao terrorismo baseado no comportamento e na resposta do atirador ativo. Pare de brincar com segurança desarmada. Este sistema falhará e os membros de sua congregação serão mortos. Quero ver sinagogas seguras, e isso significa uma resposta agressiva.


Posando diante da bandeira israelense no quartel em Miktan Adam. A carabina M4 era a grande novidade na época.

Original: https://jewishjournal.com/culture/304298/aaron-cohen-soldier-actor-writer-spy/

Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank, 1º de março de 2020.

GALERIA: O primeiro desfile militar das Forças de Defesa de Israel, 5 de março de 2020.

"Israel é minha família", diz mulher da Polícia de Fronteira após ser esfaqueada, 5 de abril de 2020.

FOTO: Reservista Israelense de 77 anos em Gaza31 de março de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.

GALERIA: Reencenação do salto no Passo de Mitla, 31 de março de 2020.

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário