sábado, 23 de maio de 2020

COMENTÁRIO: Proteger o futuro do empreendimento das forças de operações especiais

O Cmdr. Keith Marinics, oficial comandante do Comando de Treinamento Básico de Guerra Naval Especial (NSW), coloca um brevê de guerra especial (SEAL), conhecido como o Tridente, em um membro da Classe 336 de Treinamento de Qualificação SEAL durante uma cerimônia de graduação no Centro NSW em Coronado, Califórnia, 15 de abril de 2020. (Especialista em Comunicação de Massa de 1ª classe Anthony W. Walker/ US Navy)

Por Michael T. Hall, Military Times, 23 de maio de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de maio de 2020.

A semelhança entre forças de operações especiais (SOF) e Dixie Cups não é imediatamente óbvia, mas é uma comparação que muitos dentro da comunidade de operações especiais fazem com relutância. Os Dixie Cups vêm com um suprimento aparentemente ilimitado, você pode usá-los quando precisar deles - geralmente no último minuto - e depois jogá-los fora. Infelizmente, a falta de investimentos de longo prazo em operações especiais pode parecer o mesmo tratamento.

As SOF foram tipicamente propostas, criadas ou elevadas em tempos de crise. Os líderes governamentais e os serviços militares, em certa medida, apóiam esses períodos de crescimento das SOF em capacidade. Dinheiro, pessoas e equipamentos entram. Mas, inevitavelmente, não são disponibilizados recursos a longo prazo para sustentar, manter e aumentar a nova capacidade. E em algum momento, geralmente gradualmente, a percepção política da gravidade da crise recua. E, como resultado, os recursos direcionados às SOF são facilmente movidos para outras prioridades, principalmente porque raramente incluem investimentos de longo prazo.


As SOF têm sido um objeto brilhante por um tempo, mas seu brilho está diminuindo com a diminuição de forças no Oriente Médio e no Sul da Ásia, nosso foco renovado na “competição de grande potência” e o início de uma pandemia global. Operadores especiais sabem a "verdade das SOF" que SOF competentes não podem ser criadas da noite para o dia. Alguns de nós acreditam que pessoas fora das SOF entendem isso, mas não entendem. Quão terrivelmente trágico seria se, em algum dia e em algum lugar no futuro, nossa nação, mais uma vez, precisar de uma tarefa ousada, difícil e perigosa executada que exija habilidade requintada e solução de problemas incomparáveis - e nossas SOF não possam atender ao chamado por falta de apoio.

Alguns argumentam que os serviços militares podem e devem fazer um trabalho melhor como defensores das operações especiais. Mas as forças, em grande parte, não apreciam o que é necessário para criar um operador especial. De fato, eles não deveriam; não é responsabilidade deles. E é importante lembrar que as decisões de orçamento de defesa são tomadas pelo Congresso. Os membros do Congresso estão servindo os eleitores que os elegeram e recebendo conselhos de nomeados políticos no Departamento de Defesa. Infelizmente, as SOF não compreendem o círculo eleitoral de ninguém. Também não temos um nomeado político na forma de um secretário de força no Pentágono. Portanto, embora as forças armadas uniformizadas possam desenvolver tremendas capacidades dentro de suas fileiras, apenas a liderança civil pode garantir a sustentação dessas capacidades. Os dias de criação de capacidade, conforme necessário, bem a tempo, terminaram há muito tempo.

Estamos vendo o ciclo de aumento e desmanche acontecer agora. É a primeira vez em mais de 18 anos que o orçamento das SOF diminui, mesmo com o aumento das ameaças ao país. Sem um secretária de força ou equivalente próximo, as SOF sempre receberão diretrizes, mas terão pouca ou nenhuma influência nas decisões. Se não houver uma liderança civil forte, as SOF sucumbirão a outras prioridades; sempre foi assim! A menos que uma grande reforma seja empreendida, acredito que a incerteza indesejável de hoje sobre os recursos das SOF não ocorrerá apenas este ano, será repetida no futuro. É a burocracia, com recursos adequados, que pode impedir que os mesmos erros sejam cometidos novamente.

Os comitês de supervisão de defesa no Congresso devem pressionar para elevar o secretário de defesa assistente para operações especiais e conflitos de baixa intensidade (ASD (SO / LIC)) ao nível de subsecretário e nomear adequadamente a agência para refletir as realidades de hoje. O subsecretário de operações especiais, ponto; abandone o apelido de conflito de baixa intensidade, ele não se aplica hoje e não se encaixa em nenhuma estratégia de defesa há décadas.

Vivi os altos e baixos das SOF e das forças armadas do nosso país por quase quatro décadas e meia. Qualquer estudante honesto da história lhe dirá que as SOF desempenharam um papel desproporcional na transformação de nossas forças armadas de seu nadir depois do Vietnã para a força mais respeitada e capaz do mundo. Não podemos tomar isso como garantido. Não podemos tratar esses guerreiros como Dixie Cups.

Mike Hall é sergeant-major reformado e veterano de combate com mais de 34 anos de serviço ao Exército dos EUA e operações especiais. Ele é o único soldado que ocupou o cargo de praça mais antigo no Regimento Ranger, no Comando Conjunto de Operações Especiais (JSOC) e no Comando de Operações Especiais do Exército dos Estados Unidos (USASOC). Ele se reformou em 2008 após 32 anos de serviço e em 2009 foi retirado da reforma para servir como CSM e conselheiro sênior alistado da Força Internacional de Assistência à Segurança no Afeganistão.

Leitura recomendada:

Certos “aspectos culturais” das forças especiais dos EUA explicariam problemas de disciplina7 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário