sexta-feira, 15 de maio de 2020

Rei da Jordânia alerta para "conflito maciço" se Israel anexar terras na Cisjordânia

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, à direita, e o rei da Jordânia Abdullah II, durante a visita surpresa do primeiro a Amã em 16 de janeiro de 2014. (AP/Yousef Allan /Palácio Real da Jordânia)

Do jornal The Times of Israel, 15 de maio de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de maio de 2020.

Abdullah não descarta suspender o acordo de paz com o Estado judeu, insistindo na solução de dois estados "o único caminho a seguir".

O rei da Jordânia, Abdullah, alertou que, se Israel avançar com os planos de anexar partes da Cisjordânia, isso levaria a um "conflito maciço" com seu país, e não descartou a retirada do acordo de paz de Amã com o Estado judeu.

Em uma entrevista publicada sexta-feira pelo diário alemão Der Spiegel, Abdullah insistiu que uma solução de dois estados era "o único caminho a seguir" no conflito entre israelenses e palestinos.

“O que aconteceria se a Autoridade Nacional Palestina desabasse? Haveria mais caos e extremismo na região. Se Israel realmente anexasse a Cisjordânia em julho, isso levaria a um conflito maciço com o Reino Hachemita da Jordânia”, disse ele, quando questionado pelo entrevistador sobre a intenção do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de "aproveitar a oportunidade que [o presidente dos EUA Donald] Trump criou para capturar grandes partes da Palestina.”

"Não quero fazer ameaças e criar uma atmosfera de desacordo, mas estamos considerando todas as opções. Concordamos com muitos países da Europa e da comunidade internacional que a lei da força não deve ser aplicada no Oriente Médio”, acrescentou o rei, quando perguntado se seu país - uma das únicas duas nações árabes, junto com o Egito, a ter assinado um acordo de paz com Israel - poderia suspender esse tratado.


O rei jordaniano Abdullah II faz um discurso no Parlamento Europeu, em 15 de janeiro de 2020, em Estrasburgo, leste da França. (Frederick Florin/AFP)

A Jordânia tem uma grande população palestina e está profundamente investida na promoção de uma solução de dois estados. "Os líderes que defendem uma solução de um estado não entendem o que isso significaria", disse ele ao diário alemão.

Os comentários do rei ecoaram os comentários que ele fez em uma entrevista em setembro de 2019, alertando que a anexação da Cisjordânia teria "um grande impacto no relacionamento israelense-jordaniano". Na época, ele quase cortou laços diplomáticos.

Mais recentemente, o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, pediu a seus colegas em vários países que dissuadissem Jerusalém de seus planos de anexação. Implementá-los seria "devastador", marcaria a morte de uma solução de dois estados e poderia ter conseqüências explosivas para a região, ele teria alertado seus interlocutores. Mas, novamente, nenhuma palavra sobre o fim do acordo de paz.

A entrevista de sexta-feira foi publicada horas antes dos ministros das Relações Exteriores da União Européia se reunirem virtualmente para considerar possíveis medidas contra Israel sobre seu plano de anexar partes da Cisjordânia.

A Jordânia tem pressionado a UE a tomar "medidas práticas" para garantir que a anexação não ocorra. Em um comunicado, Safadi "enfatizou a necessidade da comunidade internacional e a União Européia, em particular, de adotar medidas práticas que reflitam a rejeição de qualquer decisão israelense de anexação".


O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, ouve durante uma conferência de imprensa após uma reunião em Belgrado, Sérvia, em 31 de janeiro de 2020. (Darko Vojinovic/AP)

Vários países europeus liderados pela França, incluindo Irlanda, Suécia, Bélgica, Espanha e Luxemburgo, manifestaram apoio a ameaças de ações punitivas, em uma tentativa de impedir o novo governo israelense - que deve prestar juramento no domingo - de realizar a manobra com uma luz verde de Washington.

Na terça-feira, o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, disse que os planos de anexação e a resposta da união a eles seriam "o item mais importante da agenda" da reunião.

O bloco da UE é o maior parceiro comercial de Israel, concede status de comércio privilegiado a Israel e ajuda a financiar a pesquisa e o desenvolvimento científico de Israel por meio de seu enorme programa Horizonte 2020.

Como parte de seu acordo de coalizão, Netanyahu e Benny Gantz, chefe do Partido Azul e Branco, concordaram que o governo pode começar a aplicar a soberania israelense aos assentamentos e ao vale do Jordão após 1º de julho, uma medida que deverá contar com o apoio da maioria dos legisladores no Knesset.

A anexação de assentamentos e do vale do Jordão - cerca de 30% da Cisjordânia - tem sido uma promessa importante de campanha de Netanyahu e seu partido Likud nas últimas eleições. Uma pluralidade de pouco menos da metade dos israelenses apóia a idéia, e menos de um terço acha que o governo realmente a seguirá, de acordo com uma pesquisa com israelenses divulgada no domingo.

O plano de Netanyahu de anexar partes da Cisjordânia recebeu críticas duras de quase toda a comunidade internacional, incluindo aliados europeus de Washington e principais parceiros árabes. O plano de paz do presidente Donald Trump no Oriente Médio permite a possibilidade de reconhecimento pelos Estados Unidos de tais anexações, desde que Israel concorde em negociar sob a estrutura da proposta que foi apresentada em janeiro.

Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo, à esquerda, com o Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu em sua residência em Jerusalém, em 13 de maio de 2020. (Kobi Gideon/PMO)

De acordo com o plano proposto, os EUA reconhecerão uma aplicação israelense de soberania sobre partes da Cisjordânia após a conclusão de uma pesquisa realizada por um comitê conjunto de mapeamento EUA-Israel e a aceitação de Israel de um congelamento de quatro anos nas áreas afetadas para um futuro Estado palestino e um compromisso de negociar com os palestinos com base nos termos do acordo de paz de Trump.

Sozinho entre a maioria dos governos, o governo Trump disse que apoiará a anexação do território da Cisjordânia reivindicado pelos palestinos para um eventual estado enquanto Israel concordar em entrar em negociações de paz.

O embaixador dos EUA, David Friedman, disse na semana passada que Washington está pronto para reconhecer a soberania de Israel sobre partes da Cisjordânia, caso seja declarado nas próximas semanas.

Original: https://www.timesofisrael.com/jordans-king-warns-of-major-clash-if-israel-annexes-land-in-west-bank/

Leitura recomendada:

PERFIL: Sua Majestade Rei Abdullah II da Jordânia, "O Rei Guerreiro"3 de fevereiro de 2020.

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank1º de março de 2020.

FOTO: Visita do Rei Abdullah II o Centro de Treinamento de Operações Especiais Jordanianas13 de abril de 2020.

GALERIA: Comandos femininas na Guarda Presidencial Palestina1º de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário