sábado, 9 de maio de 2020

Os pontos fracos nas forças armadas do Vietnã

Soldados vietnamitas guardam uma rua em Hanói durante a segunda cúpula Trump-Kim, em fevereiro de 2019. (VnExpress/Giang Huy)

Por Shang-su Wu, The Diplomat, 27 de junho de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de maio de 2020.

Apesar dos investimentos significativos em defesa, algumas partes negligenciadas das forças armadas do Vietnã são vulneráveis ao ataque chinês.

Um tanque Tipo 59 norte-vietnamita capturado pelas tropas do ARVN sul-vietnamitas em Hai Lang, na Província de Quang Tri, em 4 de julho de 1972; agora em exibição no Royal Australian Armoured Corps Tank Museum, em Puckapunyal, na Austrália. (Wikimedia Commons/ Bukvoed)

Nas últimas duas décadas, Hanói concentrou seus recursos limitados para fortalecer algumas de suas capacidades aéreas e marítimas, mas o restante do equipamento militar do Vietnã está se movendo em direção à obsolescência devido à falta de renovação. Apesar da falta de uma definição universal, a obsolescência militar pode ser vista de duas perspectivas: absoluta e relativa. O primeiro refere-se à prontidão operacional, e o segundo significa uma comparação de capacidades entre um estado e seu inimigo em potencial. No caso do Vietnã, a perspectiva relativa é mais saliente devido à abrangente modernização militar da China. Embora os novos caças, submarinos e fragatas de Hanói não sejam inferiores aos seus homólogos chineses, outras capacidades vietnamitas seriam vulnerabilidades disponíveis para Pequim explorar. Caça-minas, veículos blindados e artilharia são três exemplos principais.

Caça-minas

A Marinha do Exército Popular do Vietnã (VPAN) possui quatro tipos de embarcações caça-minas: Projeto 266, Projeto 1258, Projeto 1258, Projeto 1265 e Projeto T-361; todos são legados soviéticos da Guerra Fria com tecnologia antiga contra-minas, pequena capacidade e curta durabilidade. A longa costa do Vietnã e o grande território marítimo sobrecarregam esses caça-minas. Dado que a Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLAN) está preparada para criar um bloqueio colocando minas marítimas, o VPAN pode não conseguir manter suas linhas de comunicação marítimas (sea lines of communicationSLOC) abertas com sua capacidade limitada de caça-minas.

Além dos seis submarinos, Hanói carece de meios eficazes de retaliar com a mesma tática para interromper as SLOC da China. Obviamente, o VAPN pode atacar as embarcações e aeronaves de superfície do PLAN enquanto instala minas marítimas no mar, mas combater as minas marítimas colocadas pelos submarinos é um desafio diferente, graças à limitada capacidade anti-submarina de Hanói. Quando as opções de negação e punição não estão disponíveis, o Vietnã precisa tomar uma decisão difícil entre suportar o impacto, ceder ou escalar o conflito; todas são desagradáveis.

Veículos blindados

Na era da Guerra Fria, o Vietnã recebeu muitos sistemas terrestres da União Soviética em considerável qualidade e quantidade. Porém, mais de um quarto de século desde o final da ajuda militar, esses ativos gradualmente se tornaram obsoletos diante da contínua modernização militar da China.

Blindados T-55 vietnamitas. (Dai Viet)

Atualmente, os tanques de batalha principais (main battle tanks, MBT) do Vietnã são todos legados da linha de frente da Guerra Fria, T-54/55, T-62 e Tipo 59. Por outro lado, o PLA modernizou suas unidades MBT com modelos Tipo 88, Tipo 96 e Tipo 99, uma ou mais gerações à frente daqueles do VPA, refletindo maior poder de fogo, mobilidade e proteção. Embora Hanói tenha introduzido tecnologias israelenses para atualizar seus MBT T-55, a lacuna de geração não foi totalmente superada. Em outras palavras, uma batalha de blindados entre China e Vietnã favoreceria o primeiro.

T-54/55M3 modernizado por Israel. (Indo-Pacific News)

Trata-se de uma atualização muito econômica que melhora significativamente o desempenho do tanque com sensores de visão noturna, disparo preciso em movimento e melhor estabilização da torre. (Indo-Pacific News)

Como os MBT geralmente são a ponta de lança da ofensiva, essa lacuna tecnológica determinaria a situação estratégica nas fronteiras sino-vietnamitas. Embora os mísseis antitanque tenham se mostrado promissores em vários casos, os mísseis do VPA - os 9M14M e 9M111 - também são legados da Guerra Fria, o que significa que seus danos à nova blindagem dos MBT chineses podem ser incertos. Além disso, o VPA possui armas antitanque autopropulsadas e rebocadas, principalmente modelos da Segunda Guerra Mundial, e não se deve ter grandes expectativas por seu desempenho.

Artilharia

Tendo se beneficiado de projetos e tecnologias posteriores, os sistemas de artilharia chineses, especialmente armas auto-propulsadas e sistemas de foguetes múltiplos (multi-launch rocket systemsMLRS), têm alcance superior aos dos seus congêneres vietnamitas. Os intervalos mais longos não apenas fornecem à artilharia do PLA mais flexibilidade que aquela do VPA, mas também reduzem a oportunidade de retaliação deste último. Embora Hanói tenha foguetes e mísseis de artilharia com alcance maior, como o israelense EXTRA e o russo R-17 (Scud), aplicá-los convidaria uma retaliação mais forte dos maiores arsenais de munições de reserva de Pequim. Se a artilharia do VPA for suprimida pela do PLA, as unidades de linha de frente da primeira, incluindo os MBT, estariam em uma condição operacional ainda pior.

A demarcação das fronteiras terrestres através de tratados bilaterais entre Hanói e Pequim nos anos 90 removeu uma causa comum de conflito armado: disputas territoriais. A China não gostaria de criar uma impressão negativa através de uma invasão terrestre. No entanto, a capacidade militar inferior do VPA em defesa terrestre ainda apresenta um meio eficaz para o PLA exercer pressão estratégica. Exercícios, desdobramentos avançados, e até mesmo trocas de tiros em pequena escala enviariam mensagens adicionais da China. Apesar dos custos políticos mais altos para Pequim, Hanói não está distante da fronteira. O terreno montanhoso entre o Delta do Rio Vermelho e as fronteiras ajudaria o VPA a resistir a uma invasão ao norte, mas não faz nada para deter foguetes e mísseis de artilharia, sem mencionar raides aéreos. Assim, a China tem um espectro de opções de operação em terra para usar contra o Vietnã.

Soldado vietnamita em cima de um Tipo 59 chinês destruído, Batalha de Cao Bang, 3 de julho de 1979. O desmoralizado exército chinês executou várias atrocidades contra a população civil vietnamita após a batalha.

Esses recursos podem ser aprimorados muito com investimentos suficientes, mas a alocação do orçamento de defesa seria um dilema para Hanói. Por um lado, mesmo com a ênfase atual na defesa aérea e na negação do mar, essas capacidades não atingiram um estágio equivalente vis-à-vis aos congêneres chineses. A transferência de recursos para outras áreas pode atrapalhar os projetos existentes. Por outro lado, as vulnerabilidades estratégicas mencionadas acima serão piores para o envelhecimento, sem investimentos consideráveis.

Aumentar o orçamento pode resolver o dilema, mas é provável que crie um problema maior no equilíbrio entre defesa e outras necessidades. Construir aliados para encobrir as insuficiências nas capacidades militares de Hanói seria outra opção, mas iria contra a atual política externa do Vietnã. A hostilidade em relação à China pode ser forte demais para manter a política de restrição de Hanói em relação a Pequim. Além disso, mesmo uma aliança pode não dar ao Vietnã o apoio necessário. Como não há solução fácil, os planejadores de defesa vietnamitas ficarão obcecados com os desafios decorrentes da obsolescência militar no futuro próximo.

Shang-su Wu é pesquisador do Programa de Estudos Militares da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam (Rajaratnam School of International Studies, RSIS), Universidade Tecnológica de Nanyang.

Leitura recomendada:

Dissuasão à sombra do dragão: a modernização militar do Vietnã8 de maio de 2020.

Face à China, o Vietnã busca cooperação7 de janeiro de 2020.

A guerra de fronteira com o Vietnã, uma ferida persistente para os soldados esquecidos da China7 de janeiro de 2020.

A Guerra Sino-Vietnamita de 1979 foi o crisol que forjou as novas forças armadas da China1º de maio de 2020.

O mesmo de sempre: o oportunismo pandêmico da China em sua periferia20 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário