quinta-feira, 14 de maio de 2020

FOTO: Curso de Navegação Terrestre do ANASOC

Alunos comandos lendo mapas.

Comandos do Comando de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão (Afghan National Army Special Operations CommandANASOC), com policiais do Comando Geral de Unidades Especiais de Polícia (General Command of Police Special UnitsGCPSU) aprendendo técnicas de Apoio Aéreo Aproximado (Close Air Support, CAS), como parte do Curso de Navegação Terrestre do ANASOC de 6 semanas na Escola de Excelência das Forças de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão (Afghan National Army Special Operations School of ExcellenceSOE), perto de Cabul, Afeganistão, agosto de 2018

O curso de Navegação Terrestre começa com duas semanas de leitura de mapas e treinamento em navegação terrestre, seguidas de uma semana aprimorando as habilidades de rádio e GPS. O treinamento de navegação terrestre termina com duas semanas de treinamento de CAS.

As Forças de Segurança e de Defesa Nacionais Afegãs (Afghan National Defense and Security ForcesANDSF) iniciaram um programa agressivo para dobrar o tamanho das Forças Especiais de Segurança Afegãs (Afghan Special Security ForcesASSF). As ASSF são compostas por forças de operações especiais do Exército Nacional Afegão, do Ministério da Defesa (MoD) e do Comando Geral de Unidades Especiais de Polícia (General Command of Police Special UnitsGCPSU), do Ministério do Interior (MoI).

Comandos afegãos plotando as coordenadas de um Ataque Aéreo Aproximado (Close Air Attack, CCA) como parte do Curso de Navegação Terrestre do ANASOC.

Nos últimos anos, as ASSF conduziram 70% das operações ofensivas contra insurgentes em todo o país. Aconselhadas e assistidas pelas forças de operações especiais da OTAN, incluindo conselheiros militares operando o CAS, MEDEVAC, ISR e apoio de fogo no nível tático. As ASSF têm fornecido as unidades terrestres mais eficazes em combate das ANDSF. Eles são apoiados pela Ala de Missões Especiais (Special Mission WingSMW) da Força Aérea Afegã.


Os comandos afegãos passam por um curso de qualificação comando de 14 semanas. Após a conclusão, muitos dos graduados são enviados para um dos dez Kandaks (batalhões) de Operações Especiais (Special Operations Kandak, SOK).
No entanto, alguns são enviados para treinamento especializado avançado - participando de cursos de reparo e manutenção de armamento, Coordenador Tático Aéreo (Tactical Air CoordinatorATAC), treinamento médico e morteiro. 

A fase de pedido de apoio de fogo e a prática do simulador são importantes para fornecer fogos de apoio aéreo para as forças de operações especiais no solo. A fase de uma semana é seguida pelos procedimentos do espaço aéreo, onde os Comandos aprendem a desconfigurar o movimento da plataforma aérea, a solicitação de evacuação de baixas e a plotagem de quedas de suprimentos.


Durante o treinamento CAS, os alunos aprendem técnicas de plotagem usando um simulador de pedido de fogos. Existem três aeronaves de asas rotativas usadas pela Força Aérea Afegã (Afghan Air Force, AAF) para o apoio aéreo aproximado: o Mi-35 Hind D, o Mi-17 e o MD-530D Cayuse Warrior.

O Mi-35 e o MD-530 são usados para reconhecimento armado, escolta e CAA. Alguns dos Mi-17 afegãos foram equipados com armas e foguetes; mas ele é principalmente um helicóptero de transporte. Existem apenas alguns Mi-35 que voam (se houver). Os Mi-17 estão sendo gradativamente substituídos pelo UH-60 Black Hawk, fabricado nos EUA. O MD-530F é um helicóptero de observação menor fabricado nos EUA que também é armado.

Leitura recomendada:

GALERIA: Graduação na ANASOC em 11 de julho de 201313 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário