sábado, 9 de maio de 2020

LIVRO: Lawrence da Arábia em Guerra


Por Dr. Rob Johnson, The American, 2 de abril de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de abril de 2020.

Lawrence da Arábia: Lenda ou Gênio?

A maioria já ouviu falar de "Lawrence da Arábia" como um filme vencedor do Oscar ou, talvez, mais recentemente, como o personagem durão que luta contra os turcos otomanos no jogo do Xbox, Battlefield One. Um oficial militar americano em uma conferência há alguns anos em Kentucky me disse: "Eu não fazia ideia de que esse cara era real; Quero dizer, é apenas uma lenda, certo?"



Não é por acaso que vemos Thomas Edward Lawrence dessa maneira. Ele era um jovem e exótico tenente britânico que aconselhou insurgentes árabes sobre como combater o exército regular otomano nos desertos da Arábia. Ele era um dos dezenas de oficiais encarregados dessa missão, lutando bem atrás das linhas inimigas. Foi o precursor das Forças de Operações Especiais. Mas os raides de dinamite de Lawrence às ferrovias turcas chamaram a atenção de Lowell Thomas, um empresário americano da indústria do entretenimento.

Lowell Thomas foi para o Oriente Médio durante a guerra, tirando fotos e imagens em movimento do Exército Imperial Britânico do General Sir Edmund Allenby em 1918. Apesar das péssimas condições para as filmagens, ele poderia pelo menos fazer uso da luz constante e do drama da guerra. Cenário bíblico de sua história. Ele passou alguns dias entre o contingente árabe que trabalhou no flanco direito de Allenby, nas profundezas do deserto e descobriu Lawrence em Aqaba (Jordânia). Após a guerra, Lowell Thomas fez um show visual espetacular de son et lumière, suas dramáticas palestras ilustradas com fotos e clipes de filmes. Logo ficou claro para ele que a primeira parte, no exército de Allenby, era uma história dramática, mas familiar. No entanto, a segunda parte, Lawrence e seus árabes, teve um apelo de estrela.


Lawrence da Arábia em Guerra: A campanha no deserto 1916-18, Rob Johnson.

Viajando pelo mundo ocidental, os shows de Lowell Thomas atraíram milhares. A representação de Lawrence em suas vestes brancas esvoaçantes, travando sua guerra pessoal, atraiu uma audiência que queria escapismo e heroísmo em tempos sombrios. A noção de que um indivíduo poderia mudar o destino era um tema poderoso. Foi a mesma idéia que capturou a imaginação de David Lean, o cineasta britânico que produziu o sucesso de público Lawrence da Arábia em 1962.

O verdadeiro Lawrence era um indivíduo tímido, desajeitado, dotado intelectualmente e "motivado" pessoalmente. Existem muitas biografias ótimas desse homem enigmático, e uma "Sociedade de T.E. Lawrence" dedicada, que examina todos os aspectos de sua vida e obra. Mas sua experiência militar teve um apelo maior aos soldados e fuzileiros navais modernos. Simplificando, Lawrence é considerado o avô da guerra de guerrilhas que forneceu um modelo bem-sucedido de como derrotar um exército regular.



O problema é que, na Primeira Guerra Mundial, ele dependia da intervenção de forças aéreas e terrestres muito maiores, lideradas pelo General Allenby. Lowell Thomas tinha razão em apresentar as realizações dos regulares britânicos e das forças árabes juntas: era uma guerra híbrida, não uma guerra de guerrilha. O modelo era análogo ao esmagamento liderado pelos EUA do Taliban em 2001 ou à derrota do regime de Saddam no Iraque em 2003, em vez das insurgências que se seguiram.

Portanto, Lawrence é útil para quem deseja estudar conflitos armados e operações híbridas, e são suas idéias que merecem maior reconhecimento, mas há um aviso: elas também precisam de contexto.


Lawrence aceitando a rendição de tropas turcas na tomada do Porto de Aqaba em 6 de julho de 1917; uma das grandes vitórias da guerra no deserto. Ilustração de Peter Dennis para o livro Campaign 202: The Arab Revolt 1916-18 de David Murphy.

Lawrence acreditava que a guerra não era uma atividade inteiramente aleatória e caótica, pois havia sistemas ou princípios que poderiam ser aplicados. Ele admitiu a importância de fundamentar a teoria militar quando era tão inexperiente e não tinha a "intuição" de oficiais veteranos. Apesar de fazer uso de uma grande variedade de textos clássicos, medievais e modernos sobre a guerra, Lawrence acreditava que havia "passos" lineares comuns e uma abordagem sequencial necessária para estratégia e operações.

A ênfase militar tradicional era concentrar a força máxima contra o elemento mais forte do inimigo, provocar uma batalha decisiva e concluir as operações no menor tempo possível, a fim de evitar o esgotamento de recursos limitados. Lawrence colocou essa idéia de cabeça para baixo. Ele minimizou os aspectos "algébricos" da força física, números e equipamentos, em favor da pressão sobre as necessidades "bionômicas" (comida, água, descanso) do inimigo e maior estresse sobre os elementos "diatéticos" ou "hecásticos"*, que é o cognitivo e o psicológico. Lawrence tentou usar o espaço e o tempo a seu favor, tornar seus parceiros árabes evasivos usando a profundidade do deserto e, finalmente, deixar o soldado otomano com medo do seu ambiente.

*Nota do Tradutor: hecástico (geografia, clima, ferrovias etc), bionômico (gasto e usura, vida e morte, humanidade), diatético (psicologia, predisposição ou tendência mental).




Lawrence usou a ameaça de ataques irregulares árabes nas linhas de logística para criar um flanco cada vez maior contra os otomanos. Se os comandantes otomanos sentissem que suas linhas de comunicação poderiam ser cortadas, seriam compelidos a enviar um número cada vez maior de homens para protegê-las. Se os árabes pudessem permanecer ocultos e atacar em pontos nessa linha elástica, Lawrence acreditava que poderia fixar os otomanos e absorver sua maior massa em defesa inerte.

As observações de Lawrence sobre o efeito psicológico das operações de guerrilha então se desenvolveram. Ele escreveu: "em cada [tática e estratégia] encontrei os mesmos elementos, um algébrico, um biológico e um terceiro psicológico. O primeiro parecia uma ciência pura, sujeita às leis da matemática, sem humanidade". Esse elemento tratava do tempo, espaço, condições fixas, topografia, ferrovias e munições. Lawrence calculou que os otomanos não poderiam defender os 140.000 quilômetros quadrados da Arábia se as forças árabes fossem: algo invulnerável, intangível, sem frente ou retaguarda, flutuando como um gás". Ele supôs que: "nós [as forças árabes] poderíamos ser um vapor, soprando onde listamos. Nossos reinos estavam na mente de cada homem, e como não queríamos que nada material vivesse, talvez não oferecêssemos nada material à matança". Ele observou que, na guerra de guerrilha: "nossa guerra [era] uma guerra de destacamentos: devemos conter o inimigo pelas silenciosas ameaças de um vasto deserto desconhecido, não nos revelando sobre o momento do ataque."


A base medieval de Lawrence no deserto, onde ele planejou a "guerra de destacamento". (Foto cedida pela Biblioteca do Congresso)

A guerra de destacamento, a mobilização dos povos e a ênfase em dar o exemplo como meio de educar uma população, tudo isso foi aproveitado pelos praticantes das guerras revolucionárias subseqüentes. Os fundamentos de Lawrence da guerra de guerrilha foram copiados, emulados e adaptados desde então, com graus variados de sucesso.

A maior freqüência de insurgências e conflitos de guerrilha no século XX deu longevidade às idéias de Lawrence. As opiniões de Lawrence sobre insurgência e parceria com forças locais foram especialmente influentes nas campanhas dos Estados Unidos no Iraque e Afeganistão após 2001. No Exército dos Estados Unidos, não se podia escapar das referências aos "27 Artigos" de Lawrence: seu conselho para trabalhar com forças indígenas. Houve ênfase no 15º Artigo, que dizia: "Não tente fazer muito com as próprias mãos. Melhor que os árabes façam de maneira tolerável do que você fazê-lo perfeitamente. É a guerra deles, e você deve ajudá-los, não vencê-la por eles". A conseqüência infeliz desse mantra é que ele pode ter criado uma relutância em agir decisivamente, liderar ou dirigir quando apropriado. O problema com todos os códigos doutrinários é que eles podem ser aplicados dogmaticamente, e não como orientação. As idéias de Lawrence são invocadas em momentos que parecem muito distantes de seu contexto. Ele estava ciente de que as forças locais podem não ser confiáveis ou seguirem suas próprias agendas. Como axiomas na guerra derivados de outros pensadores do passado, eles não podem ser aplicados sem pensar.



Mas aqui está a maior contribuição de Lawrence para o pensamento e a prática militares. Ele defendeu a compreensão da guerra através de intenso estudo e condenou a adesão servil às regras. Ele foi obrigado a adaptar sua própria teoria quando confrontado com a dura realidade da guerra. Ele acreditava em suposições desafiadoras e fez uso de uma ampla variedade de casos históricos para procurar a solução ideal. Ele alertou contra afirmações simplificadas e confiantes com base em alguns casos selecionados, alegando que suas próprias idéias eram o resultado de um "trabalho intelectual duro", fermentado por experiências igualmente duras. Lawrence era mais do que uma lenda celulóide: ele defendia o pensamento, o aprendizado e a adaptação. Este é um bom conselho em qualquer crise.

Original: https://www.theamerican.co.uk/pr/ft-Lawrence-of-Arabia-Rob-Johnson

O Dr. Rob Johnson é o autor de Lawrence of Arabia on War (Lawrence da Arábia em Guerra, Oxford: Osprey, 2020) e o Diretor do Centro da Mudança de Caráter da Guerra (Changing Character of War Centre, CCW) da Universidade de Oxford.

Lawrence of Arabia on War oferece uma avaliação em ritmo acelerado de T. E. Lawrence e das operações militares britânicas no Oriente Próximo, revisando narrativas convencionais para contar a história completa dessa figura influente. É também um estudo da guerra e a maneira pela qual Lawrence avaliou o que estava mudando, o que era distinto, e o que era único na guerra de guerrilha no deserto. Colocando Lawrence em seu contexto histórico, o Dr. Rob Johnson examina o acordo de paz em que participou e descreve as maneiras pelas quais seu legado informou e inspirou àqueles que fazem parcerias e orientam forças locais hoje.

Bibliografia recomendada:


Lawrence da Arábia, da coleção Guerreiros.


Guerra Irregular, do operador de forças especiais Alessandro Visacro.


Lawrence of Arabia, da Osprey Publishing.

Os Sete Pilares da Sabedoria, do próprio T.E. Lawrence. Leitura obrigatória nas forças especiais.

Leitura recomendada:

A Esparta no Golfo: a crescente influência regional dos Emirados Árabes Unidos2 de fevereiro de 2020.

Como os Emirados Árabes Unidos exercem poder no Iêmen22 de fevereiro de 2020.

A Arábia Saudita tem o melhor equipamento militar que o dinheiro pode comprar - mas ainda não é uma ameaça para o Irã11 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário