sábado, 2 de maio de 2020

COMENTÁRIO: Os limites da tolerância

Quando nações inteiras - como os japoneses na Segunda Guerra Mundial - estão envolvidas, todos são alvos legítimos até que a ameaça seja neutralizada. Retratados: Paraquedistas das Forças Especiais de Desembarque Naval, 1942. (Wikimedia Commons)

Por Stewart Weiss, The Jerusalem Post, 21 de novembro de 2019. 
Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de maio de 2020.

[Nota do Tradutor: As opiniões expressas neste artigo são do autor e não representam, necessariamente, a opinião do blog Warfare.]


Há uma necessidade legítima, legal e até louvável de intolerância em certas situações - e a principal delas é o ataque a Israel.

Os livros judaicos de instrução moral se concentram principalmente em um objetivo final: a perfeição dos traços de personalidade de uma pessoa. Conhecidas em hebraico como middot - a palavra significa literalmente "medida", como na "medida de um homem" - essas qualidades invisíveis, porém essenciais, definem o tipo de pessoa que somos. Entre essas distinções estão honestidade, integridade, confiabilidade, compaixão, empatia, justiça, diligência e tolerância.

Este último item tornou-se um chavão fantasioso nos últimos anos. Somos convocados, como sociedade, a tolerar virtualmente toda e qualquer forma de expressão pessoal e comportamento cultural. Convicção religiosa, preferência sexual, origem racial e preferência política (exceto, é claro, em certos círculos, uma afinidade pelo presidente dos EUA, Donald Trump) são perfeitamente aceitáveis para outros e não estão sujeitas à nossa própria crítica e desaprovação individual.

Essa postura, na verdade, tem profundas raízes judaicas, como nos é dito em várias fontes "para não julgar os outros" e que "Deus ama aqueles que amam todos os outros seres humanos" (Ética dos Patriarcas).

De fato, a tolerância é um pré-requisito essencial para quem deseja ser um líder judeu. Quando dizem a Moisés que ele não acompanhará seu povo a Israel, ele apela ao "Deus dos Espíritos" para indicar um sucessor adequado. Rashi, o comentarista consumado, fica intrigado com esse título incomum e explica que é uma palavra de código para um Deus que tolera e tem paciência para uma variedade de disposições diferentes entre Seus súditos. Presumivelmente, Moisés estava insinuando que Finéias, um "fanático" por Deus que assassinou sumariamente um príncipe envolvido em comportamento perverso, não era o candidato mais adequado para líder. Embora seu comportamento extremo possa ter sido aceitável em uma circunstância rara e atenuante, não era a filosofia tolerante que se adequava a um chefe de Estado. Pouco depois, Josué foi escolhido para guiar a nação para a nova terra.

Mas middot não é unidimensional; eles têm seus limites e exceções. O orgulho, por exemplo, costuma ser um comportamento negativo ("o orgulho precede a queda"), mas o orgulho no país ou na família é certamente admirável. Paciência é geralmente uma virtude, mas não em tempos de emergência, quando é necessária uma ação rápida. Até o amor - a mais sublime de todas as emoções humanas - tem seus limites; somos convidados a odiar, em vez de amar, desigualdade, injustiça e ganho ilícito.

E assim é com tolerância; existem limites para quão tolerantes poderíamos e deveríamos ser. De fato, o próprio Moisés deixa isso muito claro. Quando acusado de liderar os israelitas para fora do Egito, ele é instruído a libertar o povo "mitahat sivlot Mitzrayim". Literalmente, isso significa "debaixo do fardo" colocado sobre eles. Mas a palavra "sivlot" também pode significar "a tolerância" da escravidão egípcia. De fato, explicam os rabinos, a primeira tarefa de Moisés foi convencer os escravos de que eles não precisavam aceitar as duras condições sob as quais estavam trabalhando, uma espécie de síndrome de "eu me acostumei à sua maça". Vivendo por mais de um século sob domínio tirânico, eles tiveram que ser reeducados que essa situação era moralmente inaceitável, que judeus - e todos os seres humanos - têm direito a um modo de vida muito melhor.

A sociedade judaica, sem dúvida, precisa de uma infusão saudável de tolerância. Construímos muitos muros de separação dentro de nossas comunidades, prejudicamos nossos vizinhos quase instantaneamente e reagimos com rapidez brusca ao menor desvio de nossas próprias noções preconcebidas sobre o que é certo e o que é errado. A velha piada sobre as duas sinagogas em uma ilha deserta, uma das quais é assistida pelo único sobrevivente, enquanto na outra ele se recusa veementemente a orar, se estende a inúmeras situações, desde o bullying nas escolas primárias ao comportamento arrogante no trânsito . A intolerância é arraigada, endêmica, quase uma reflexão tardia.

Mas há um limite para a tolerância e uma necessidade legítima, legal e até louvável de intolerância em determinadas situações. E o principal deles é o ataque a Israel, tanto do tipo verbal quanto violento.

Quando os membros da Lista Conjunta* entraram no escritório do Presidente Reuven Rivlin e declararam ousadamente: "Nós somos os donos legítimos desta terra", eles deveriam ter sido enxotados pra fora em cima de suas retaguardas presunçosas.

*NT: A Lista Conjunta (em árabe: القائمة المشتركة‎, al-Qa'imah al-Mushtarakah) é uma aliança política dos principais partidos da maioria árabe em Israel: Balad, Hadash, Ta'al e a Lista Árabe Unida. A lista é ideologicamente diversa e inclui comunistas, socialistas, feministas, islamitas e nacionalistas árabes. A terceira maior facção no Knesset, o parlamento israelense, estima-se que receba 82% dos votos árabes.

Quando as universidades permitem que os estudantes judeus sejam marginalizados e assediados, e os oradores israelenses convidados são impedidos de ministrar suas palestras, eles devem ser levados a julgamento e forçados a pagar por isso.

Quando judeus desorientados - mesmo aqueles vestidos com roupas hassídicas - vêm a Israel para minar o estado e nosso exército sagrado, eles devem ser imediatamente enviados de volta para onde vieram.

E quando Israel for atacado fisicamente - ou mesmo ameaçado - devemos nos defender com todo o poder à nossa disposição. 

Como é que, quando um presidente americano executa um terrorista vil como Baghdadi* - e várias de suas esposas de brinde - ele pode se orgulhar do ato e ridicularizar o canalha, mas quando matamos um assassino em série com barris de sangue nas mãos, temos que quase pedir desculpas, garantindo ao mundo em geral que bombardeamos super-cirurgicamente para que nenhum espectador inocente seja ferido.

*NT: Abu Bakr al-Baghdadi (em árabe: أبو بكر البغدادي‎) terrorista declarado o 1º Califa do Califado Islâmico da Síria e do Levante. Suas atrocidades incluíram o genocídio dos yazidis no Iraque, extensa escravidão sexual, estupro organizado, açoites e execuções sistemáticas. Ele dirigiu atividades terroristas e massacres, e ele mesmo possuía escravas sexuais. A brutalidade era parte dos esforços de propaganda do Estado Islâmico, produzindo vídeos publicados por hackers mostrando escravidão sexual e execuções, apedrejamentos e queimaduras. Baghdadi morreu durante uma incursão conjunta do Delta Force e 75º Regimento Ranger em 26 de outubro de 2019, quando ele se matou acionando um colete bomba, explodindo dois dos seus filhos pequenos na ocasião.

Diga-me, quantos “inocentes” existem em Gaza, os quais declararam genocídio sem fim contra o estado judeu? E quantos foguetes precisam cair, quantas crianças precisam dormir em abrigos antiaéreos, quantos campos precisam queimar antes de erradicar - por todos e quaisquer meios necessários - o perigo para nossos preciosos cidadãos, que realmente são inocentes?

Apesar dos mitos frequentemente promulgados nos círculos liberais, não existe algo como “punição coletiva” quando nações inteiras - como os nazistas e japoneses na Segunda Guerra Mundial e como o Hamas e a Jihad Islâmica hoje - estão envolvidas; todo mundo é um alvo legítimo até que a ameaça seja neutralizada. E é de fato o raro conflito que é resolvido pela diplomacia, e não por uma ação militar decisiva e clara.

Então, vamos trabalhar para ser mais tolerantes com nossos correligionários, nossos vizinhos e aqueles com quem devemos aprender a nos dar bem. Mas sejamos igualmente intolerantes com aqueles que nos privariam de nossas liberdades, começando pela liberdade de simplesmente viver.

Original: https://www.jpost.com/opinion/the-limits-of-tolerance-608571

Leitura recomendada:

Israel provavelmente enfrentará guerra em 2020, alerta think tank1º de março de 2020.

GALERIA: O primeiro desfile militar das Forças de Defesa de Israel, 5 de março de 2020.

FOTO: Reservista Israelense de 77 anos em Gaza31 de março de 2020.

GALERIA: Reencenação do salto no Passo de Mitla, 31 de março de 2020.

Aaron Cohen: Soldado, Ator, Escritor, Espião6 de abril de 2020.

"Israel é minha família", diz mulher da Polícia de Fronteira após ser esfaqueada5 de abril de 2020.

Jornal saudita chama a Irmandade Muçulmana de "nazistas"13 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário