quinta-feira, 14 de maio de 2020

O tanque britânico Streetfighter II tem visão de raios X e tem tudo a ver com a luta urbana


Por Joseph Trevithick, The Driver, 21 de janeiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de maio de 2020.

O Exército britânico modificou um Challenger 2 para ser ideal para combater as guerras do amanhã em megacidades.

O Exército Britânico mostrou recentemente um novo conceito para um tanque de batalha principal Challenger 2 otimizado para operações urbanas, apelidado de Streetfighter II. O veículo possui um sistema de visão distribuída IronVision fabricado por Israel, que permite que a tripulação veja em todas as direções, mesmo enquanto estiverem para dentro com todas as escotilhas fechadas, e uma maquete de um lançador do míssil anti-tanque Brimstone, cada vez mais popular, no topo da torre.



Elementos do Royal Tank Regiment (Regimento Real de Tanques, RTR) avaliaram o tanque Streetfighter II durante os exercícios em Copehill Down no início de janeiro de 2020. Copehill Down é uma das instalações da ampla área de treinamento do Ministério da Defesa do Reino Unido na planície de Salisbury e foi criado para simular o que as forças britânicas se referem como Combate em Áreas Edificadas, ou FIBUA (Fighting In Built Up Areas). Nos Estados Unidos, isso é mais conhecido como Operações Militares em Terreno Urbano, ou MOUT (Military Operations in Urban Terrain). O Exército Britânico iniciou o projeto Streetfighter em dezembro de 2018.

"Um dos principais objetivos do Streetfighter é identificar as lacunas de capacidade entre nós e os inimigos em potencial e, em seguida, recomendar soluções técnicas para as áreas de possível superação tática", disse um membro do Royal Tank Regiment, identificado apenas como Capitão Quant, disse em um vídeo de apresentação oficial sobre os testes, visto abaixo. "Estes estão em áreas como letalidade, capacidade de sobrevivência, [e] consciência situacional".



O tanque Streetfighter II, que carrega um esquema de camuflagem em bloco marrom-branco-azulado-cinza-azulado que lembra os veículos blindados do Exército Britânico estacionados em Berlim no final da Guerra Fria, baseia-se no protótipo original que o Exército Britânico criou para o programa quando este começou há pouco mais de um ano. A adição mais significativa é a inclusão do sistema IronVision, que a companhia de defesa israelense Elbit lançou pela primeira vez em 2018. A empresa diz que trabalha com o Exército Britânico para integrar o IronVision no veículo Streetfighter II desde janeiro de 2019, de acordo com a Jane's 360.

O IronVision consiste em uma série de câmeras eletro-ópticas e infravermelhas posicionadas em torno do chassis de um veículo blindado, que depois são fornecidos em uma tela especializada montada no capacete. O sistema então "costura" essa informação fornecida, dando ao indivíduo que usa o capacete a capacidade de "ver" através do chassis do tanque em qualquer direção, dia ou noite. Isso é semelhante em muitos aspectos ao AN/AAQ-37 Sistema de Abertura Distribuída (Distributed Aperture SystemDAS) no F-35 Joint Strike Fighter.



A consciência situacional adicional que isso oferece à tripulação, além de permitir que eles permaneçam protegidos dentro do tanque com todas as escotilhas "abotoadas", é valiosa, em geral, mas principalmente em ambientes urbanos. Áreas densas e edificadas, onde é cada vez mais provável a ocorrência de conflitos, oferecem amplas posições para as forças hostis se esconderem, fazerem ataques rápidos nos pontos cegos dos veículos que passam, mesmo aqueles apoiados com infantaria desembarcada, e depois se escondendo rapidamente.

As miras ópticas associadas ao canhão principal de um tanque ou aos sistemas de sensores complementares menos abrangentes só podem olhar em determinadas direções ao mesmo tempo e, geralmente, com um campo de visão muito estreito. A tripulação em escotilhas abertas ou outro pessoal que estiver no veículo pode ajudar a verificar ameaças, mas eles também estão expostos a ameaças, incluindo snipers. O conceito original do Streetfighter tinha uma câmera de 360 graus montada no torre, mas isso ainda oferecia campos de visão fixos e não permitia ao operador o mesmo tipo de liberdade natural e normal de simplesmente "olhar" ao redor que o IronVision fornece. A versão aprimorada do tanque conceitual ainda apresenta um sistema de câmera pendurado no cano que oferece um meio adicional de espiar pelos cantos, algo que as forças armadas dinamarquesas teriam empregado pela primeira vez operacionalmente no Afeganistão em seus tanques Leopard 2 fabricados na Alemanha, conforme observado no vídeo abaixo.



O veículo Streetfighter original também tinha um sistema externo de tipo tablet montado na parte traseira na qual a infantaria que trabalhava com o tanque poderia usar para examinar seus sensores para ter uma melhor noção do campo de batalha, mas não está claro se esse sistema pode bombear a informação para o IronVision. Outro membro do Regimento Real de Tanques, identificado simplesmente como Cabo Towers, destacou a capacidade aprimorada, em geral, para que as tropas se comuniquem com aqueles que estão dentro do tanque e vejam o que vêem no vídeo oficial. O Streetfighter II supostamente possui um conjunto de comunicações atualizado, que provavelmente inclui recursos de compartilhamento de dados também.

O tanque Streetfighter original já demonstrava equipes tripuladas e não-tripuladas com um pequeno veículo terrestre não-tripulado, o qual oferece outra opção para explorar à frente e investigar possíveis locais de emboscada ou outros perigos. Isso poderia até ajudar a investigar o interior dos prédios antes dos comandantes enviarem tropas desembarcadas.

A outra grande adição à configuração do Streetfighter II é uma maquete de um lançador de mísseis anti-tanque Brimstone no topo da torre. Quando o Exército Britânico coloca o tanque em exibição estática, ele coloca um míssil inerte no lançador, que parece capaz de acomodar potencialmente pelo menos duas dessas armas. Um produto do consórcio europeu de mísseis da MBDA, o Brimstone é uma arma multi-modo com sistemas de orientação por radar de ondas milimétricas e laser, que permite enfrentar ameaças a longas distâncias dia ou noite e com mau tempo ou em campos de batalha cheios de fumaça, poeira e outros obscurantes.

Brimstone já está em serviço com a Royal Air Force (Real Força Aérea, RAF) e fará parte das opções de armamento para os próximos helicópteros de ataque AH-64E Apache do Exército Britânico. A MBDA (Matra BAe Dynamics Aérospatiale) promove cada vez mais a arma, cada vez mais popular em todo o mundo, como uma opção para aplicações lançadas da superfície, inclusive em veículos terrestres e barcos.A capacidade do míssil de chegar a uma área-alvo geral usando navegação inercial e, em seguida, detectar e engajar alvos de forma autônoma daria ao Streetfighter II uma maneira de enfrentar ameaças que a tripulação do tanque talvez não consiga atacar com seu canhão principal de 120mm ou metralhadoras calibre .50 e 7,62mm. Ele também simplesmente oferece ao tanque uma opção de ataque independente.



Curiosamente ausente nas adições do Streetfighter para o Challenger 2, não existe qualquer tipo de sistema de proteção ativa, que está se tornando cada vez mais predominante em todo o mundo. Esses sistemas, que vêm de várias formas, geralmente são capazes de derrotar foguetes anti-tanque e mísseis guiados  de infantaria. Essas armas se tornaram uma característica crescente em muitos conflitos recentes com atores não-estatais, bem como com forças armadas de estados-nações, cada vez mais armados com tipos avançados.

Um sistema de proteção ativa para hard-kill ou soft-kill*, ou uma combinação de ambos, parece ser uma escolha óbvia a ser adicionada ao tanque Streetfighter II. Os tipos hard-kill usam sensores ligados a alguma forma de um conjunto explosivo, lançador de projéteis ou talvez até eventualmente uma arma de energia direcionada, como um laser, para detectar e derrubar fisicamente foguetes ou mísseis. Os sistemas soft-kill usam bloqueadores eletrônicos de guerra ou armas de energia direcionada para confundir, desativar ou até danificar sistemas de orientação ou outros componentes críticos para neutralizar a ameaça.

*Nota do Tradutor: Algo como abate-duro e abate-brando. O hard-kill geralmente se refere às medidas tomadas no último momento, pouco antes de uma ogiva/míssil atingir seu alvo; em geral afeta fisicamente a ogiva/míssil por meio de ações de explosão e/ou fragmentação. As medidas de soft-kill são aplicadas quando se espera que um sistema de armas baseado em sensor possa ser interferido com sucesso. O sensor de ameaça pode ser artificial, por exemplo, um detector de infravermelho de estado sólido ou o sistema sensorial humano (olho e/ou ouvido).

Ele também não possui estações de armas operadas remotamente para metralhadoras ou outras armas em cima da torre, outro recurso que é cada vez mais comum em veículos blindados em todo o mundo. Esses sistemas oferecem à tripulação de veículos meios adicionais para realmente combater as ameaças que detectam enquanto permanecem pressionados.

É possível que o peso possa ser um fator. Os modelos mais recentes do Challenger 2 já têm quase 83 toneladas quando equipados com kits de blindagem para melhorar sua sobrevivência geral. O Streetfighter II carece notavelmente dessa proteção adicional, mas possui uma lâmina de escavadeira para eliminar obstáculos, que as tropas também usaram como maca móvel improvisada para evacuar o pessoal ferido nos recentes testes em Copehill Down.


Outro tanque de teste Challenger 2 do Exército Britânico, conhecido como Megatron, equipado com vários sistemas de blindagem de apliques, uma cobertura de camuflagem macia que também reduz sua assinatura de infravermelho, uma estação remota de armas e outros recursos que podem ser encontrados em variantes modernizadas no futuro.

O peso do Challenger 2 já foi um fator importante no desenvolvimento das atualizações a serem incluídas no Programa de Extensão de Vida do Challenger 2, ou CLEP (Challenger 2 Life Extension Program), que visa ajudar a manter os tanques em serviço até pelo menos 2035. Isso também impactou sua mobilidade geral. Em 2016, o Exército Britânico contratou separadamente a BAE Systems no Reino Unido e Krauss Maffei Wegmann na Alemanha para trabalhar em conjunto no desenvolvimento de uma novo lançador-de-pontes blindado que pudesse suportar o peso das mais recentes variantes blindadas.

"Espero que esse conceito se torne realidade", disse o Cabo Towers do Royal Tank Regiment. "Isso facilita muito a nossa vida no terreno".

O Streetfighter II é certamente um conceito interessante e as áreas urbanas devem se tornar um campo de batalha mais comum para qualquer exército moderno. Será interessante ver como ele evolui e quais recursos adicionais, como sistemas de proteção ativos, podem ser adicionados com o passar do tempo e o Exército Britânico se aproxima de possíveis exemplos operacionais desses tanques modificados.

Original: https://www.thedrive.com/the-war-zone/31912/british-streetfighter-ii-tank-concept-has-x-ray-vision-and-is-all-about-the-urban-fight?mc_cid=40e872a16c&mc_eid=e51bf416d0&fbclid=IwAR2UGLGCSfu6f8z_tdwWQK2nc4QsDLuwr6nWsfRCkVNx07v2ONWZSi6-IBE

Leitura recomendada:

PROTEÇÃO BLINDADA. O que faz de um tanque, um tanque19 de novembro de 2017.

Um tanque durão: por que o Leclerc da França é um dos melhores do planeta21 de fevereiro de 2020.

As forças de tanques da Rússia tiveram um despertar muito rude na Síria7 de fevereiro de 2020.

A China tem um novo tanque: eis o que sabemos sobre o Tipo 1516 de janeiro de 2020.

A luta da Turquia na Síria mostrou falhas nos tanques alemães Leopard 226 de janeiro de 2020.

Fuzileiros navais americanos fecharão todas as unidades de tanques e cortarão batalhões de infantaria em grande reforma25 de março de 2020.

Tanques russos T-14 Armata estão sendo testados na Síria20 de abril de 2020.

GALERIA: Blindados soviéticos na Suécia7 de abril de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário