segunda-feira, 13 de julho de 2020

Repensando a estrutura e o papel das forças aeroterrestres da Rússia


Por Michael KofmanRussia Military Analysis, 30 de janeiro de 2019.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de julho de 2020.

As Forças Aeroterrestres Russas (VDV) compõem um dos instrumentos mais importantes do kit de ferramentas do Estado-Maior Geral, servindo como uma força de reação rápida para conflitos locais, apoiando operações especiais ou atacando atrás das linhas inimigas em uma guerra convencional. A VDV provou ser a vanguarda do poder militar russo (e soviético) em operações desde a intervenção de 1956 na Hungria até a tomada e anexação da Criméia em 2014. Uma arma de combate distinta das Forças Terrestres, a VDV pode ser usada taticamente, operacionalmente ou desempenhar um papel estratégico, dependendo de como é empregada. Seja respondendo a uma crise ou escolhendo visitar o território do seu vizinho sem aviso prévio, é provável que a Rússia se incline nas unidades de maior prontidão com treinamento de elite e boa mobilidade, o que em muitos casos significa a VDV.



Hoje, a VDV consiste em duas divisões paraquedistas, duas divisões de assalto aeromóvel, quatro brigadas independentes, juntamente com uma brigada de comunicações e outra de reconhecimento independente. As divisões paraquedistas podem ser aero-lançadas para capturar campos de pouso inimigos e pontos-chave, tornando-os um ativo estratégico, enquanto as unidades de assalto aeromóvel são transportadas para zonas de desembarque seguras. As brigadas representam uma mistura, geralmente com um batalhão paraquedista e dois batalhões de assalto aeromóvel. A operação russa na Criméia, juntamente com outras ações militares, demonstrou que, se a VDV puder tomar um aeroporto, então poderão trazer pelo ar batalhões de apoio, e essas unidades subsequentes poderão consolidar terreno para as forças terrestres da Rússia entrarem no espaço de batalha. Em teoria, é uma força aeroterrestre soviética, simplesmente reduzida ao tamanho russo (as divisões VDV costumavam ter três regimentos cada, mas há muito tempo foram reduzidas a dois).

O Estado-Maior Geral russo tem experimentado essa força desde 2016 e, de acordo com anúncios recentes de seu comandante, Coronel-General Andrey Serdyukov, a VDV está repensando seu paradigma. Serdyukov é uma figura bem conhecida nos círculos militares russos. Oficial aeroterrestre por treinamento, ele experimentara combate nas guerras da Chechênia. Como segundo em comando e chefe de estado-maior do Distrito Militar do Sul em 2013, ele ajudou a organizar a operação para capturar a Criméia. Serdyukov também foi sancionado pela Ucrânia, supostamente por comandar forças nas Donbas 2014-2015. Posteriormente promovido para comandar a VDV em 2016, Serdyukov foi gravemente ferido fora de Murmansk em um acidente de automóvel. Ele estava a caminho pessoalmente para observar operações aerotransportadas, juntamente com vários membros do estado-maior, como parte do exercício mais amplo de comando estratégico do estado-maior, Zapad 2017. Tendo se recuperado, o comandante da VDV anunciou sua intenção de remodelar a força, afirmando em outubro de 2018 que as Forças Aeroterrestres estão oficialmente em uma "busca, testando novas formas e métodos de emprego da força para responder aos desafios da guerra moderna".


VDV no Afeganistão.

VDV desembarcando de um helicóptero no Afeganistão.


E, de fato, nem tudo está bem com as forças aeroterrestres da Rússia. Dois problemas se destacam. O primeiro reflete um certo grau de confusão conceitual. A URSS tinha dois conceitos para a VDV: uma força era estratégica, composta por divisões paraquedistas, enquanto a outra era de assalto aeromóvel. Em teoria, as unidades paraquedistas respondiam ao Estado-Maior Geral, enquanto as unidades de assalto aeromóvel estavam subordinadas aos distritos militares e apoiavam seu avanço no campo de batalha. As unidades de assalto aeromóvel tomariam terreno-chave ou atacariam reservas inimigas não muito longe da linha de contato com as forças terrestres. Mas, na prática, a VDV sempre teve um terceiro papel. No início da década de 1960, e subsequentemente durante a guerra no Afeganistão em 1979-1989, as unidades aeroterrestres estavam armadas com equipamentos pesados no papel de unidades de fuzileiros motorizados, recebendo tanques e artilharia. Basicamente, eles eram usados como infantaria embarcada de elite. Essas mudanças ad hoc são semelhantes aos processos que moldam a VDV atual, embora, após algumas improvisações, pareça cada vez mais que o Estado-Maior Geral da Rússia esteja começando a impor uma visão real (mesmo que - em advertência - as visões do Estado-Maior Geral tendam a mudar a cada poucos anos, juntamente com as estruturas das forças russas).


VDV em um veículo blindado aero-lançável no Afeganistão.

Segundo, apesar do registro de serviço e do espírito de corpo, a VDV pode ser vista como um anacronismo: mais um pedaço de herança soviética que os russos podem qualificar como uma "mala sem alça". Em vez de saltar de pára-quedas em batalha, na prática, a VDV passou a maior parte do tempo no papel de unidades de fuzileiros motorizados em veículos levemente blindados. Alegadamente, em um momento durante as reformas de Nova Aparência, o ministro da Defesa Anatoly Serdyukov e o chefe do estado-maior Nikolai Makarov chegaram a pensar em cortar a arma de combate inteiramente e entregá-lo às forças terrestres. As razões não são difíceis de entender. As tropas aeroterrestres e a logística da Rússia estão terrivelmente desalinhadas - manter um parque alternativo de veículos de combate de infantaria aerotransportados e uma série de equipamentos especializados para a VDV não é barato - enquanto a força passa a maior parte do tempo lutando como outra forma de infantaria de fuzileiros motorizados. Portanto, não é surpresa que seu comandante pense que a VDV passará por novos conceitos operacionais e reestruturação de força.

Existem outros problemas. Otimisticamente, a aviação de transporte militar da Rússia (VTA) é capaz de lançar entre um e dois regimentos de uma só vez. O parque de aviação dos transportes pesados Il-76 simplesmente não é grande o suficiente para operações aerotransportadas sérias e, certamente, não em um ambiente contestado. Dado que a VDV da Rússia treina para gerar uma força como grupos táticos de batalhão, é mais do que provável que a capacidade máxima de transporte aéreo seja para duas ou três dessas formações. Na prática, isso significa que a Rússia possui uma das maiores forças aeroterrestres do mundo (aproximadamente 45.000 militares), mas sem a capacidade de transporte aéreo para usá-las em seu papel designado. De fato, de acordo com a jornalista russa de defesa Ilya Kramnik, se a Rússia quisesse lançar suas forças aeroterrestres no período inicial da guerra, teria que aumentar o parque de transporte aéreo em quatro vezes. Isso é simplesmente impossível, dada a taxa atual de modernização e produção de aeronaves Il-76MD-90. Na melhor das hipóteses, a VTA provavelmente se arrastará no número de aeronaves atualmente disponíveis no papel de transporte aéreo estratégico.


VDV praticando embarque de viaturas.

Portanto, o Estado-Maior Geral parece ter escolhido uma direção totalmente diferente: as divisões de assalto aeromóvel da VDV devem ficar mais pesadas, com uma estrutura de força expandida, tanques e defesas aéreas, enquanto brigadas independentes realizarão operações helitransportadas. As divisões paraquedistas ainda treinarão para executar a missão de assalto aéreo mais estratégica. No Vostok-2018, 700 soldados e 50 veículos foram aero-lançados na faixa de Tsugol, empregando aproximadamente 25 transportes Il-76MD. Enquanto as divisões aeroterrestres ainda treinam para o assalto aerotransportado via Il-76, a mobilidade tática e operacional pode vir cada vez mais de operações baseadas em helicópteros e incursões atrás das linhas inimigas em apoio às forças terrestres.

Serdyukov anunciou que experimentos durante as manobras estratégicas Vostok 2018 (11 a 18 de setembro) determinaram as táticas futuras e o desenvolvimento geral da força. Essas experiências empregaram um grupo tático de batalhão especial, baseado na 31ª brigada, sugerindo que o tamanho e o escopo do conceito são consideravelmente diferentes da formulação soviética da década de 1980. No segundo dia do exercício, as unidades VDV a bordo de 45 helicópteros Mi-8 e dois helicópteros Mi-26 praticaram três tipos de assalto aeromóvel: pára-quedas em baixa altitude, repulsão e desembarque. O apoio de helicópteros de ataque incluiu oito Ka-52 e quatorze helicópteros Mi-24. Os helicópteros Mi-26, muito maiores, entregaram veículos utilitários leves Tigr e ATVs de reconhecimento, servindo como reserva móvel aérea para a operação. Trata-se de uma formação de assalto de helicóptero distintamente grande, destinada a desdobrar um batalhão reforçado VDV, com apoio de helicópteros de ataque e reservas leves.





Reportagens recentes de jornalistas, como Aleksei Ramm, sugerem que a 31ª brigada se tornou uma unidade experimental, com seu próprio apoio de aviação do exército, composto por dois esquadrões de helicópteros Mi-8 e Mi-26. Isso daria à 31ª mobilidade aérea nativa, dando ao comandante liberdade para projetar e executar uma operação. Caso contrário, a VDV precisa negociar o acesso à aviação do exército, a qual não é necessariamente designada para apoiá-la, e pode ter outros requisitos concorrentes impostos pelas operações da força terrestre. Isso não apenas reduziria drasticamente o tempo necessário para a VDV executar uma manobra, mas acrescentaria considerável flexibilidade à força, embora as operações helitransportadas limitariam a força aeroterrestre a veículos utilitários leves. Esse redesenho da estrutura de força permitiria à VDV se desdobrar muito mais rapidamente em resposta a um conflito local ou executar seus próprios ataques atrás das linhas inimigas em uma guerra convencional. A VDV também se tornaria muito mais adequada para operações expedicionárias, onde há uma baixa barreira de entrada e boas perspectivas para a infantaria de elite fazer a diferença.

A disponibilidade pode ser a força motriz por trás desse redesenho da estrutura de força. Enquanto a VTA está em estagnação, a Rússia é muito mais rica em helicópteros. As forças armadas russas aumentaram substancialmente seu parque de helicópteros durante o primeiro Programa de Armamento Estatal (2011-2020), estabelecendo três brigadas e seis regimentos. Especialistas russos como Anton Lavrov sugerem que mais de 600 helicópteros (estavam comprando cerca de 130/ano desde 2011) podem ter sido comprados para as forças armadas e vários ministérios durante 2017. Cada exército de armas combinadas vem recebendo um regimento de helicópteros de apoio, enquanto cada distrito militar abrigará uma brigada de helicópteros independente. Embora o parque de asas rotativas também não esteja isento de problemas, dado que não há opções intermediárias entre as veneráveis variantes do Mi-8 e o gigante Mi-26. No entanto, a Rússia comprou muito mais helicópteros do que aeronaves de quarta geração e está constantemente preenchendo novos regimentos e brigadas de aviação do exército.



Essas alterações são principalmente, mas não exclusivamente, destinadas à VDV. As brigadas e divisões da força terrestre também desenvolverão destacamentos de tamanho de companhia ou pelotão certificados para operações aeromóveis - pelo menos no Distrito Militar do Sul, se o Coronel-General Aleksandr Dvornikov conseguir o que deseja (Serdyukov não é o único com uma visão para os recursos de helicópteros). Algumas dessas mudanças podem trazer nostalgia pela década de 1980, quando unidades helitransportadas da VDV foram designadas para apoiar grupos de manobra operacionais, e alguns destacamentos do exército soviético eram aeromóveis. Em 2002, o exército entregou seus helicópteros à força aérea, a qual então foi incorporada às forças aeroespaciais em 2015. Da mesma forma, eles entregaram brigadas de assalto aeromóvel à VDV, tornando essa área exclusivamente da VDV. Agora, o exército procura recuperar a mobilidade aérea e parece competir pelos mesmos recursos de helicópteros que a VDV precisará para realizar esse novo conceito de operações. A implicação para a OTAN, acostumada às forças russas chegando a lugares por trem ou rodovia, é que as forças ocidentais terão cada vez mais de pensar no nível tático e operacional sobre um segmento de forças russas que se tornarão aeromóveis no período inicial da guerra.

A introdução de tanques nas unidades russas de assalto aeromóvel representa uma tendência compensatória, sacrificando a mobilidade pelo poder de fogo. Em 2016, as 7ª e 76ª Divisões de Assalto Aeromóvel, juntamente com quatro brigadas, foram programadas para receberem companhias de tanques. Desde então, as 7ª e o 76ª estão sendo ampliadas com batalhões de tanques, enquanto um regimento (331º) receberá o novo caça-tanques aerotransportado Sprut-SD da Rússia como parte de um experimento de estrutura de força. A VDV deve adicionar três batalhões de tanques T-72B3 no total. Os tanques foram introduzidos e retirados da VDV durante todo o período soviético, assim como na Infantaria Naval (a qual também está recebendo tanques de novo). Parece quase uma questão de tradição que a VDV receba tanques após a experiência de combate demonstrar a necessidade de empregar maior poder de fogo em um papel de "fuzileiro motorizado", sendo posteriormente removidos, apenas para serem reintroduzidos posteriormente.


VDV com tanques no Afeganistão.

Geralmente, a VDV continua se saindo bem em termos de equipamento. Ele se saiu bem nos dois Programas de Armamento Estatais (2011-2020 e 2018-2027), talvez como um prêmio de consolação por não receber uma estrutura de força expandida. A primeira tendência continua, enquanto a última parece finalmente mudar. Em 2015, o chefe da VDV na época, o Coronel-General Vladimir Shamanov, procurou restaurar as quatro divisões para o seu tamanho anterior de três regimentos. Isso não aconteceu, uma vez que o dinheiro foi priorizado na aquisição de capacidades e na criação de novas formações do exército. No entanto, no final de 2018, a 76ª Divisão de Assalto Aeromóvel em Pskov está programada para receber um terceiro regimento*. Enquanto isso, já foi estabelecido na Criméia um batalhão de assalto aeromóvel independente, o 171º, parte estrutural da 7ª Divisão de Assalto Aeromóvel. A VDV também recebeu um batalhão de serviço de apoio de combate em Orehovo. Portanto, as forças aeroterrestres da Rússia não apenas ganharam melhorias no poder de fogo, mas também estão crescendo em tamanho e trabalhando em novos conceitos operacionais para tornar a arma de combate relevante nos conflitos modernos.

*Nota do Tradutor: A 76ª atualmente conta com os 104º, 234º e 237º regimentos de assalto aeromóvel.

Mas se tamanho e material são uma medida, e a qualidade? Segundo Andrey Serdyukov, a VDV agora possui 30.000 militares e sargentos sob contrato de serviço, o que representa 70% da força. Seu objetivo é focar a VDV em ser capaz de gerar grupos táticos de batalhão com pessoal totalmente contratado, com um nível de contrato geral para a força de 80%. Durante o tumulto das reformas militares, de 2008 a 2012, a VDV foi de fato a única força razoavelmente bem dotada de pessoal disponível para lidar com conflitos locais. Isso não é mais o caso, e as forças aeroterrestres da Rússia devem competir por um papel futuro ao lado de forças terrestres cada vez mais bem equipadas e maiores. Embora esteja mais uma vez sendo encarado com um papel de "fuzileiro motorizado leve", o Estado-Maior Geral ainda está posicionando a VDV como uma força de reação de alta prontidão e um componente aeromóvel que oferece às forças armadas russas novas opções em profundidades operacionais.

Original: https://russianmilitaryanalysis.wordpress.com/2019/01/30/rethinking-the-structure-and-role-of-russias-airborne-forces/

Michael Kofman é pesquisador sênior da CNA e membro do Wilson Center pesquisando e escrevendo sobre as forças armadas russas. Este é um blog não oficial sobre o exército russo.

Post Scriptum: Comentários

Newthinkingtron, 15 de março de 2019:

Obrigado por seus artigos. Passei algumas horas desfrutando do seu material sobre o Vostok 2018 e a VDV. Sua análise é equilibrada, bem informada e livre de histeria pró e anti-Rússia comum na maior parte da comunidade de observadores russos de fonte aberta.

Denis Mokrushin (twower blog) acompanhou anúncios do Ministério da Defesa russo sobre números de kontraktnik (contratados) nos últimos anos. Ele observa que parece que eles atingiram um muro com pouco menos de 400.000 soldados contratados. Ao mesmo tempo, o número de recrutados parece estar diminuindo um pouco, embora a Rússia tenha passado pelo pior do seu buraco negro demográfico. Como eles estão preenchendo essas novas unidades? Além disso, você pode comentar sobre o recente anúncio de que as forças terrestres estão recrutando 1 de 3 BTGs (grupos táticos de batalhão) com recrutados e mantendo-os afastados do combate na linha de frente?

Michael Kofman, 16 de março de 2019:

Não há um problema demográfico, mas uma escolha sobre onde gastar dinheiro. Os contratados são simplesmente uma questão de dinheiro, se eles quisessem mais contratados, eles poderiam tê-los. No entanto, com sequestradores de gastos de 3-5%, eles precisam fazer escolhas entre tamanho da força, prontidão e capacidade.

Os recrutados estão declinando de acordo com o plano, uma vez que desejam chegar a um número sustentável em torno de 220-230 mil. A resposta curta é que eles criarão formações diferenciadas preenchidas de 100-90-80% do pessoal e terão que consumir a mão-de-obra dessa maneira. Golts está errado nisso, prevendo algum retorno às formações de quadros. As grandes divisões não precisam de 100% de pessoal e podem ser configuradas no modelo de mobilização para receber pessoas durante o período de ameaça. Então, acho que a resposta curta para essa pergunta é mobilização.

A URSS tinha um ótimo sistema de mobilização, e um sistema de comando e controle não tão bom. As forças armadas russas agora têm um ótimo sistema de comando e controle, mas em grande parte destruíram o modelo de mobilização soviético - nenhuma reserva operacional, etc. Essa sempre foi uma das peças inacabadas das reformas militares.

Pelo que entendi, uma brigada deve gerar forças de 2 BTGs de qualquer maneira, e o resto é sua reserva. Este anúncio não nos diz muita coisa e sou cético em relação às estatísticas oficiais, embora seja útil ver que eles pensam na força em contagens de BTG e a estão estruturando menos no número de brigadas/divisões, mas principalmente na geração de força potencial (ao contrário da OTAN, que se concentra nos gastos com defesa e planilhas do Excel que não combaterão).

Newthinkingtron, 16 de março de 2019:

Obrigado por isso. Quantos soldados um BTG tem? Cerca de 1.000? Nesse caso, 2 BTGs gerados a partir de cada brigada não são muito maiores que um regimento soviético. Embora, um BTG provavelmente seja muito melhor treinado e equipado que um regimento. Como eles tiveram a idéia de um BTG em primeiro lugar?

Michael Kofman, 19 de março de 2019:

800-1200 dependendo, alguns podem ir até 1500. Uma brigada é realisticamente um regimento de tamanho extra-grande, já que possui 3 batalhões de manobra em seu núcleo. Um BTG é exatamente tão bom quanto seus componentes, é uma formação organizada por tarefas ou kampfgruppen. A maior parte da discussão sobre contratados e recrutas é bastante tensa por algumas noções estranhas sobre organização militar básica e funções de combate.

Bibliografia recomendada:






Leitura recomendada:

A História de um Veterano: Um oficial russo e sopa de picles7 de junho de 2020.

Paraquedistas: a arma secreta da Rússia em uma invasão no Báltico26 de janeiro de 2020.

Operação Molotov: Por que a OTAN simplesmente entrou em colapso no verão de 202421 de maio de 2020.

A Batalha pelo Aeroporto de Donetsk - A história por dentro19 de janeiro de 2020.

GALERIA: Bawouans em combate no Laos28 de março de 2020.

O primeiro salto da América do Sul13 de janeiro de 2020.

GALERIA: Paraquedistas brasileiros em 195729 de janeiro de 2020.

59 anos após o último uso em combate, por que os paraquedistas de Israel precisam de novos pára-quedas?31 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário