Mostrando postagens com marcador Comandos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Comandos. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de agosto de 2021

FOTO: Exercício de validação das forças especiais do antigo Exército Nacional Afegão

Operador das forças especiais afegãs durante o exercício de validação, Kandahar, 15 de outubro de 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de agosto de 2021.

Treinamento das Forças Especiais de Segurança Afegãs (Afghan Special Security Forces, ASSF) em um complexo de treinamento em Kandahar, no sul do Afeganistão, durante o treinamento de exercício de validação em 15 de outubro de 2017. Fotos do Sargento Matthew Klene, do Exército dos Estados Unidos.

As ASSF comportavam as forças especiais do exército, aeronáutica e polícia afegãos. Estas sendo:
  • Comando de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão (Afghan National Army Special Operations CommandANASOC);
  • Ala de Missão Especial (Special Mission Wing, SMW);
  • Comando Geral de Unidades Especiais de Polícia (General Command of Police Special Units, GCPSU).
Operador especial transmitindo orientações para sua equipe.

As ASSF foram treinadas e aconselhadas pelas forças de operações especiais da OTAN, e foram descritas como "as principais forças ofensivas" do Estado afegão, a agora defunta República Islâmica do Afeganistão.

O Diretório Nacional de Segurança (National Directorate of SecurityNDS) era o serviço de inteligência e segurança do Estado e não fazia parte das ANSF, respondendo diretamente ao presidente afegão.

Uma mulher soldado das ASSF.

Operadoras especiais femininas executavam uma variedade de tarefas de missão especializada, como fornecer alerta antecipado a mulheres e crianças antes da entrada no assalto em um objetivo. Elas eram organizadas em Pelotões Táticos Femininos (Female Tactical Platoon, FTP).

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:


sexta-feira, 30 de julho de 2021

O Reino Unido busca o novo "Fuzil da Brigada de Operações Especiais do Exército"

Comando do Exército Britânico com uma Carabina L119A1.
(MoD do Reino Unido)

Por Mathew Moss, The Firearms Blog, 30 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de julho de 2021.

A Brigada de Operações Especiais do Reino Unido está em busca de uma nova arma pessoal. Atualmente, elementos das forças especiais do Reino Unido estão equipados com uma mistura de carabinas L119A1/A2 e fuzis L85A2. O novo fuzil provavelmente equipará algumas unidades existentes, mas será predominantemente entregue à nova Brigada de Operações Especiais com quatro batalhões que está sendo criada.

A Brigada de Operações Especiais de Nível 2 consistirá de batalhões menores e será encarregada com funções  de treinamento e aconselhamento em pontos críticos. A brigada será conhecida como The Rangers e contará com tropas de batalhões de infantaria especializados já estabelecidos. Você pode ler mais sobre os Rangers em nosso site irmão Overt Defense.

Em 26 de julho de 2021, o Ministério da Defesa do Reino Unido publicou um concurso para um novo “Sistema de Armamento Individual Alternativo (Alternative Individual Weapon, AIW) duma plataforma do Fuzil Armalite (Armalite Rifle, AR) da Brigada de Operações Especiais do Exército”.

O concurso prevê um "sistema de fuzil que compreende um fuzil e um" sistema de redução de assinatura" - um silenciador, bem como uma óptica adequada. O Sistema de Arma Individual Alternativa (AIW) provavelmente será uma arma padrão AR-15, o termo "Fuzil Armalite" é usado. Este é um termo remanescente para se referir a armas padrão AR-15 que têm sido usadas desde que o Exército Britânico adquiriu seus primeiros fuzis padrão AR-15 e M16 no início dos anos 1960. O termo também abrange os C7 e C8 adquiridos da Diemaco/Colt Canada. O concurso continua explicando que "uma plataforma AR é definida como sendo operada a gás com um ferrolho rotativo e de trancamento". O que, no geral, não é muito específico.

Soldado do pelotão Pathfinder (Precursor) com o fuzil L119A1 equipado com uma armação CQB de 10,5 polegadas, 2018.
(Cabo Jamie Hart /
MoD do Reino Unido)

O fuzil será "otimizado para uso com L15A2, uma munição comum de 62gr em 5,56×45 OTAN, equivalente à munição SS109". Ele não deve ter uma alavanca de manejo recíproca e os controles do fuzil devem incluir: “um retém do carregador, retém  de peças de operação e uma alavanca seletora rotativa que incorpora uma configuração de segurança”. O MoD também deixa claro que o fuzil terá configurações padrão "não-bullpup, com o dispositivo do carregador na frente do guarda-mato do gatilho", enquanto as partes "superior e inferior da arma devem ser combinadas usando pinos de pivô/desmontagem padrão da indústria localizados na frente e traseira da armação inferior”. Não há menção ao comprimento do cano, o inventário atual tem a carabina L119 em dois comprimentos - 15,7" e uma configuração CQB (Close Quarter Battle / Combate Aproximado em Compartimento) de 10,5".

As especificações do concurso concluem dizendo "Como um sistema completo, o sistema AIW deve funcionar de forma consistente, independentemente de sua configuração, ou seja, com ou sem um Dispositivo de Redução de Assinatura (Signature Reduction Device) instalado, em todos os cenários operacionais."

As licitações desse tipo no Reino Unido são especialmente interessantes porque oferecem um vislumbre da doutrina e do pensamento sobre as armas portáteis, já que a substituição do sistema de armas SA80 não está planejada para pelo menos uma década. Será interessante ver o que é enviado e selecionado. As armas que se enquadram nos critérios gerais que podem ser apresentados incluem o HK416, o C8 da Colt Canada, o LWRC IC, o MCX da SIG Sauer ou o LMT MARS, entre outros - incluindo algumas armas de padrão estritamente não AR-15, como o BREN 2 ou o HK433.

Os fornecedores interessados terão até 18 de agosto para manifestar o seu interesse, com o Ministério da Defesa a lançar os editais de licitação ou participação até 10 de setembro. O valor da proposta é colocado em “entre £ 500.000 e £ 90.000.000”, o que pode representar uma categoria arbitrária para os valores da proposta, em vez do valor planejado do contrato AIW final. O MoD espera que entre 3 a 6 fornecedores apresentem propostas. A licitação prevê entre 88 e 528 armas para a fase de trilhas e avaliação e a entrega final de um mínimo de “3.000 sistemas com opções para a Necessidade Total da Frota em torno de 10.000 Sistemas”.

Bibliografia recomendada:

The M16.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.







FOTO: Brigada Franco-Alemã, 22 de janeiro de 2020.

FOTO: Hora do chá, 3 de março de 2021.

FOTO: Operador especial ugandense, 10 de julho de 2021.

sábado, 10 de julho de 2021

FOTO: Operador especial ugandense

Membro das Forças Especiais da Força de Defesa Popular de Uganda.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 10 de julho de 2021.

A Força de Defesa Popular de Uganda (Uganda People’s Defence Force, UPDF) são as forças armadas de Uganda. Entre 2007 e 2011, o grupo International Institute for Strategic Studies (IISS) estimou o contingente total do exército ugandense entre 40 000 e 45 000 tropas, incluindo forças terrestres e aéreas.

Inicialmente conhecidas como Exército de Resistência Nacional (National Resistance Army, NRA), desde a independência de Uganda em outubro de 1962, as forças armadas do país foram caracterizadas por divisões internas, corrupção e rixas entre os diversos grupos étnicos que compõem a nação. Quando um governo assumia o poder, normalmente ele enchia as principais patentes e posições de comando com pessoas de sua própria etnia ou de sua região de origem, usando o exército para fins políticos. Golpes de Estado por parte dos militares ou apoiados por estes tonaram-se comuns. Cada regime pós-independência expandiu o tamanho do exército, geralmente recrutando pessoas de uma região ou grupo étnico específicos, e cada governo empregou força militar para subjugar agitações políticas.

Quando da independência em outubro de 1962, oficiais britânicos mantiveram a maioria dos comandos militares de alto nível. Os ugandeses na na tropa alegaram que essa política bloqueava as promoções e mantinha seus salários desproporcionalmente baixos. Essas queixas acabaram desestabilizando as Forças Armadas, já enfraquecidas pelas divisões étnicas. Além das constantes lutas internas, Uganda enfrentou outros Estados, primeiro quando apoiou os rebeldes Simbas (a palavra "simba" significando "leão" em swahili/suaíle) ao lado de conselheiros cubanos, contra o ex-Congo Belga (este apoiado ativamente pela Bélgica) de 1964 a 1965 - ano em que os rebeldes Simbas foram derrotados. As forças armadas ugandenses foram lançadas contra a Tanzânia pelo ditador Idi Amin Dadá, o mesmo que abrigou os sequestradores dos passageiros israelenses em Entebbe. Essa guerra foi travada ao lado da Líbia de Kadaffi e da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), e levaria à derrocada do ditador Idi Amin e 1979.

A Segunda Guerra do Congo (1998-2002)


Uganda também travaria as duas guerras continentais na República Democrática do Congo (RDC, ex-Congo belga), uma guerra com Ruanda e conflitos de fronteira constantes e intervenções africanas (como na Somália, desde 2007).

Relativamente bem armada se comparada a seus vizinhos, boa parte de seus equipamentos são importados especialmente da Rússia e da China; mas também incluem material sul-africano, italiano e dos Estados Unidos. Atualmente, a UPDF é dividida em Comando, Forças Terrestres, Forças Aéreas, Forças de Reserva, Forças de Proteção da Pesca e Comando de Forças Especiais. O Comando das Forças Especiais é atualmente liderado pelo Tenente-General Muhoozi Kainerugaba, comandante desde dezembro de 2020.

Bibliografia recomendada:

Modern African Wars (4): The Congo 1960-2002.
Peter Abbott.

Leitura recomendada:


sábado, 26 de junho de 2021

Os últimos membros das forças especiais norueguesas estão deixando o Afeganistão

Forças especiais da Marinha da Noruega (Marinejegerkommandoen, MJK).

Por Robin-Ivan Capar, Norway Today, 26 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de junho de 2021.

No sábado, os últimos soldados noruegueses voltaram para casa do Afeganistão. Com isso, a contribuição norueguesa acabou. Desde 2001, 9.200 noruegueses serviram no país.

"Claro, há um pouco de melancolia, mas não é nada mais do que isso. Estamos ansiosos para voltar para casa e encontrar a família e amigos”, disse Erlend, o comandante do contingente das forças especiais, ao Norwegian Broadcasting (NRK). Por razões de segurança, apenas seu primeiro nome é usado.

No sábado, o primeiro-ministro, o ministro da defesa e o chefe do quartel-general operacional das Forças Armadas farão fila em Gardermoen para receber as últimas forças quando retornarem à Noruega.

Saudados por Solberg

Soldados norueguês e sueco no Afeganistão.

Em 14 de abril deste ano, a OTAN decidiu que todas as forças aliadas deveriam ser retiradas do Afeganistão.

No entanto, o governo norueguês decidiu estender sua contribuição para o hospital de campanha em Cabul até 2021. Portanto, alguns funcionários permanecerão para administrar o esforço.

Todos os outros deixarão o Afeganistão no sábado.

"Vácuo"

A Unidade de Resposta à Crise é o legado militar mais importante da Noruega no Afeganistão.
As forças especiais norueguesas estabeleceram, treinaram e trabalharam com a força de emergência afegã em Cabul.

“O que é muito desafiador sobre a situação hoje, a meu ver, é que o ISIS agora está explorando o vácuo que existe”, observou Erlend.

Crítico

A situação é crítica em muitos lugares no Afeganistão depois que os Estados Unidos e outros países ocidentais começaram sua retirada. O Taleban intensificou seus ataques e está constantemente conquistando novos territórios.

Forças especiais suecas com veículos especializados no Afeganistão.

Uma das províncias onde a luta foi mais violenta é Faryab, no norte do país. Também há confrontos na periferia da capital da província, Maimana. A agência de notícias DPA informou recentemente que a cidade estava sitiada pelo Talibã.

As forças norueguesas foram as principais responsáveis pela segurança em Faryab de 2005 a 2012. A Noruega liderou uma chamada força de estabilização, com base em Maimana.

Pressão aumentada

As perspectivas futuras para o Afeganistão são altamente incertas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu que as forças dos EUA estarão fora do país no 20º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Harpviken acredita que o Talibã continuará a aumentar a pressão militar e a explorar as divisões dentro do governo afegão.

Talibã provavelmente tentará fazer com que partes do aparato de poder mudem de lado e aceitem um novo regime islâmico.

Bibliografia recomendada:

Special Operations Forces in Afghanistan.
Leigh Neville.

Special Operations Patrol Vehicles: Afghanistan and Iraq.
Leigh Neville.

Leitura recomendada:

GALERIA: Retirada da Islândia do Afeganistão, 9 de maio de 2020.

A Rússia está involuntariamente fortalecendo a OTAN?, 24 de fevereiro de 2020.

Como a guerra boa se tornou ruim, 24 de fevereiro de 2020.

Redefinindo a política de serviço nacional, 19 de setembro de 2020.

FOTO: Soldado norueguesa em Bamako, 26 de fevereiro de 2021.

FOTO: FN Minimi na Noruega, 2 de novembro de 2020.

FOTO: Caçadores de artilharia no Ártico, 13 de novembro de 2020.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

FOTO: Homem-rã italiano com um Panzerfaust

Comando naval italiano Alberto Bellagamba, do Batalhão Lupo da famosa X MAS, com um Panzerfaust em frente a um tanque Sherman que ele destruíra com um Panzerfaust, norte da Itália, 31 de dezembro de 1944.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 23 de junho de 2021.

O Panzerfaust ("Esmurrador de Blindados") era um foguete portátil descartável capaz de destruir um carro de combate - como o Sherman da foto - dando ao soldado de infantaria uma capacidade de combate impressionante, especialmente nas emboscadas possíveis no terreno acidentado da Itália. Nos anos finais da guerra, o Panzerfaust respondeu por assustadores 25% dos tanques aliados destruídos.

Egidio Cateni, pelotão anti-carro da 1ª companhia Bardelli do Batalhão Barbarigo Decima MAS

Depoimento do Capo Marò (Cabo Marinheiro) Emilio Maluta do Batalhão Lupo da Decima MAS

Bibliografia recomendada:

Panzerfaust and Panzerschreck,
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

FOTO: Comandos anfíbios à moda antiga, 21 de setembro de 2020.

FOTO: Partisans italianas em Castelluccio31 de março de 2020.

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália26 de março de 2020.

FOTO: Goumiers com um carro italiano capturado, 24 de março de 2021.

FOTO: M4 Sherman no terreno acidentado italiano, 4 de maio de 2021.

sábado, 19 de junho de 2021

Expansão das forças de operações especiais do Afeganistão: dobrando seu sucesso ou diluindo ainda mais sua missão?

Inauguração da Brigada de Missão Nacional do ANASOC em 31 de julho de 2017. (Franz J. Marty)

Por Franz J. Marty, Afghanistan Analysts Network, 9 de março de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de julho de 2021.

Comandos do Exército Nacional Afegão estão em formação esperando para serem recebidos pelo Vice-Ministro da Defesa afegão, Dr. Yasin Zia, e pelo Comandante da Missão Apoio Resoluto (Resolute Support), General Scott Miller, em Cabul, capital do Afeganistão, 3 de março de 2020.

Um dos elementos-chave do roteiro do governo afegão para recuar a insurgência é aumentar as capacidades de combate das forças do governo afegão. Isso inclui a expansão das enaltecidas forças de operações especiais do Exército Nacional Afegão (Afghan National Army, ANA). No entanto, essa expansão está estimulando tendências já existentes que estão transformando essas unidades em tropas de choque, em vez de forças especiais de verdade. Além disso, esse foco nas tropas de choque concentra os esforços na captura de território da insurgência, em vez de abordar o problema mais premente - que é manter áreas liberadas. O autor convidado da Rede de Análise do Afeganistão (Afghanistan Analysts Network, AAN), Franz J. Marty, ilustra essas e outras questões examinando mais de perto as forças de operações especiais do ANA e o plano de expandi-las.

Quando as forças convencionais do Estado afegão não conseguem lidar com os insurgentes no campo de batalha, geralmente convocam unidades do Comando de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão (Afghan National Army Special Operations Command, ANASOC) para obter apoio. Essas unidades são frequentemente chamadas de "Comandos". Em comparação com as tropas convencionais, são forças superiores que geralmente conseguem derrotar os insurgentes ou pelo menos empurrá-los de volta. Devido a essa alta demanda pelo ANASOC, o governo afegão, apoiado por seus aliados, agora está dobrando o número dessas forças. Com isso, espera também dobrar seu sucesso. Um olhar mais atento revela, entretanto, que isso provavelmente não será feito tão facilmente e levará o ANASOC ainda mais longe de sua missão original - conduzir operações especiais de fato.


O panorama geral: o Roteiro das ANSF


A expansão pretendida do ANASOC deve ser vista no contexto do Roteiro das Forças de Segurança Nacional do Afeganistão (Afghan National Security ForcesANSF) (1), conforme estabelecido em um relatório do Departamento de Defesa dos EUA (DoD) ao Congresso dos EUA em junho de 2017. O Roteiro é um documento oficial da política afegã, embora se possa presumir que a coalizão liderada pela OTAN e especialmente os militares dos Estados Unidos forneceram apoio para desenvolvê-lo. De acordo com documentos não confidenciais da coalizão liderada pela OTAN vistos pelo autor, o Roteiro prevê quebrar o que vê como um impasse entre as forças do governo afegão e a insurgência; estender a segurança, com o objetivo de assegurar o controle sobre o que é visto como uma massa crítica de 80% da população afegã; e "expandir a governança e o desenvolvimento econômico e obrigar ou incentivar a reconciliação do Talibã". Conseqüentemente, o Roteiro não espera derrotar a insurgência, mas sim inclinar a guerra a favor do governo.

O Roteiro tem quatro elementos principais: (i) desenvolvimento de liderança; (ii) combate à corrupção; (iii) aumentar as capacidades de combate através da expansão das Forças Especiais de Segurança Afegãs (das quais a ANASOC constitui a maior parte, mas também existem outras unidades) (2) e a Força Aérea Afegã; e (iv) melhorar a unidade de comando e esforço.


Com relação ao Roteiro, é imperativo ter em mente que nem o governo afegão nem a coalizão que o apóia espera que o plano leve a qualquer mudança importante no campo de batalha em um futuro próximo. Pelo contrário, o plano é “realinhar” as forças do governo afegão em 2017 (3) (esta fase é apelidada de “criar impulso”) e “continuar a construir capacidade ofensiva... enquanto desorganiza pontos-fortes insurgentes” em 2018 (apelidado de “tomar a iniciativa”). O objetivo é definir as condições para “executar operações ofensivas em grande escala em 2019” (apelidadas de “explorar a iniciativa”) e, finalmente, em 2020, consolidar os ganhos esperados.


O último relatório trimestral do Inspetor Geral Especial dos EUA para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR), citando as Forças dos EUA-Afeganistão, observa, porém, que “[enquanto] o presidente [afegão] Ghani colocou a execução da estratégia em um prazo de quatro anos, sua implementação real será baseada nas condições, e não no tempo” (isso reflete a nova postura dos EUA no Afeganistão - veja o discurso do [ex-]presidente Trump dos EUA aqui e a análise da AAN aqui). "Com base nas condições", neste contexto, aparentemente significa que as pretendidas "operações ofensivas em grande escala" serão executadas uma vez que o terreno e as tropas tenham sido totalmente preparados, ao invés de acordo com um cronograma rígido - ou seja, caso realinhar a força, construir ofensiva capacidades e desmantelamento de fortalezas insurgentes deva levar mais tempo do que o planejado originalmente, isso causaria um atraso na execução das operações de grande escala.

Em qualquer caso, o ANASOC está definido para desempenhar o papel crucial em "desmantelar pontos-fortes insurgentes" e realizar "operações ofensivas".

Da divisão ao corpo


Foi relatado que o ANASOC foi estabelecido como uma divisão independente (chamada ferqa-ye amaliatha-ye khas) do Exército Nacional Afegão (ANA) em 2011 e oficialmente atualizado para um corpo (qul-e urdu-ye amaliatha-ye khas) em 20 de agosto de 2017. De acordo com o Tenente-Coronel Abdul Qayum Nuristani, Oficial de Relações Públicas do ANASOC, esta atualização implicará aproximadamente uma duplicação de sua força de cerca de 11.300 para 23.300 militares. Esta expansão de pessoal e unidades irá - devido à necessidade de recrutamento, treinamento e estabelecimento de unidades completamente novas, enquanto ao mesmo tempo manterá tropas suficientes como uma força de combate em campanha - levará anos. De acordo com um porta-voz do Ministério da Defesa afegão (citado aqui), a conclusão da expansão foi inicialmente planejada para 2020, mas uma fonte da coalizão disse à AAN que precisaria de mais tempo.

Essa expansão, de acordo com o relatório do DoD dos EUA citado acima, não aumentará a força final autorizada (4) das ANSF, pois “[a] mão-de-obra necessária para o crescimento do ANASOC virá do realinhamento das posições tashkil (5) das forças convencionais.” Em outras palavras: as forças convencionais do ANA serão realocadas para o ANASOC, e seu número diminuirá na mesma proporção que as tropas do ANASOC aumentarão.


Embora o ANASOC geralmente recrute seus membros diretamente dos centros de treinamento do ANA, Nuristani explicou que a expansão rápida e atualmente planejada será facilitada principalmente pela reatribuição das duas Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel (lewa-ye zarbati) - uma baseada em Cabul, a outra em Kandahar - para o ANASOC. Essas duas brigadas consistem em sete kandaks (batalhões) de Veículos da Força de Ataque MóvelDe acordo com o DoD americano, eles também devem fornecer ao ANASOC seus próprios veículos blindados de assalto terrestre e torná-los mais autossuficientes. (Até agora, o ANASOC não tinha tais ativos mecanizados em suas próprias unidades.) (6) (O possível impacto da reatribuição daquelas duas Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel será abordado com mais detalhes posteriormente no texto.)

Nuristani também afirmou que a Ala de Missão Especial (lewa-ye 777 hawayi) será incorporada ao corpo expandido do ANASOC. (Dado que se trata de meios aéreos, não será mais abordado nesta análise, que se concentra nas forças terrestres do ANASOC.)

Missão original

Um grupo de elite de comandos do Exército Nacional Afegão graduou-se para se tornar as primeiras Forças Especiais Afegãs durante uma cerimônia no acampamento Morehead em 13 de maio de 2010. (Sargento Sarah Brown / Força Aérea dos EUA)

De acordo com o relatório do DoD dos EUA de junho de 2017, “[a] missão do ANASOC é aumentar a capacidade do governo afegão de conduzir operações de contra-insurgência e estabilidade e, conforme instruído, executar operações especiais contra redes terroristas e insurgentes em coordenação com outros pilares [ANSF].” (7)

A peça central das operações especiais são as ações diretas comumente chamadas de "raides". Suas características - curta duração, pequena escala e o fato de serem conduzidos em áreas “negadas” (ou seja, não em um campo de batalha claro) e muitas vezes atrás das linhas inimigas - os diferenciam das operações convencionais. Outro exemplo de operações especiais é o reconhecimento em áreas negadas. (8) Ainda outro tipo de operações especiais são "missões de defesa interna" que visam combater uma insurgência no nível de "tribo" ou aldeia; portanto, essas missões são, ao mesmo tempo, operações de contra-insurgência e estabilidade. Por exemplo, no que os militares americanos chamam de Operações de Estabilidade da Aldeia (VSO), as forças especiais são designadas para apoiar os líderes das aldeias e treinar unidades de defesa da aldeia da Polícia Local Afegã. (9)

Auxiliares femininas das forças especiais afegãs visitadas durante treinamento por representante americana, outubro de 2019.

Essa, pelo menos, foi a ideia original por trás do ANASOC. No entanto, o ANASOC se afastou dessa missão original.

Mau uso e mudança de missão


Existem relatórios consistentes sobre as forças do ANASOC sendo usadas fora da missão inicialmente pretendida, conforme descrito acima. Por exemplo, o relatório do DoD americano de junho de 2017, citado anteriormente, afirma que “as [Forças de Segurança Especiais do Afeganistão; da qual o ANASOC é a parte principal] frequentemente são usadas como o braço ofensivo das [ANSF] e tendem a sofrer uso indevido pelas forças convencionais...”, chegando mesmo a “empregar [Forças Especiais de Segurança Afegãs] em postos de controle ou como destacamentos de segurança pessoal.” Nuristani reconheceu isso em parte, dizendo que as forças do ANASOC freqüentemente apóiam unidades convencionais do ANA para retomar o território perdido ou lutar contra insurgentes especialmente resistentes.

O que este uso do ANASOC significa é que ele se tornou, na prática, uma unidade de "choque" em vez de uma força especial - ou seja, uma força para aumentar as capacidades ofensivas de forças convencionais em operações convencionais, ao invés de uma que conduz operações altamente especializadas, em pequena escala, em terrenos que as forças convencionais não podem alcançar (veja também este relatório da mídia). (10) Não só isso. Um relatório do SIGAR observou que "no início de 2017, as [Forças Especiais de Segurança Afegãs] conduziram 80% de todas as operações ofensivas do ANA." Isso significa que o ANASOC, apesar de ser apenas uma pequena fração das forças convencionais do ANA, não se tornou apenas uma força de choque, mas a principal força ofensiva, suportando o peso da luta contra a insurgência - embora esta fosse claramente a missão de forças convencionais do ANA.


O mesmo relatório do SIGAR, datado de 30 de abril de 2017, afirma que o uso indevido das Forças Especiais de Segurança Afegãs tornou-se "principalmente isolado regionalmente" e que "[enquanto] ainda existem infratores reincidentes notáveis, a grande maioria do uso indevido [das Forças Especiais de Segurança Afegãs] diminuiu significativamente.”

No entanto, o relatório do DoD americano de junho de 2017, já mencionado, sugere uma mudança da missão do ANASOC longe das operações especiais inicialmente previstas para aquela de uma força de choque em vez de prevenir tal uso originalmente não pretendido. O relatório afirma: “[o] Roteiro [das ANSF] contém planos para... estabelecer as [Forças Especiais de Segurança Afegãs] como a principal força de manobra ofensiva dentro das [ANSF], enquanto as forças convencionais se tornam a principal opção para consolidar ganhos e manter terreno e infraestrutura chave” - com uma “força de manobra ofensiva primária” por definição conduzindo operações convencionais, e não especiais. (11)

Ao mesmo tempo, há esforços para, pelo menos, conter o uso indevido mais flagrante das forças de operações especiais, como empregá-las em postos de controle ou como destacamentos de segurança pessoal. Segundo Nuristani, as forças do ANASOC já não são mais utilizadas como destacamentos de segurança pessoal (isto não pôde ser verificado ou contestado). Ele reconheceu, porém, que às vezes ainda seria necessário que as forças do ANASOC permanecessem em campanha para manter uma área, mas insistiu que isso não seria permanente.

Comandos afegãos do 7º Kandak de Operações Especiais levantando a sua bandeira nacional após retomar Kuh-e Musa Qala em 17 de outubro de 2013, no distrito de Washer, província de Helmand, Afeganistão.

Dado o fato de que o Ministério da Defesa afegão freqüentemente enfatiza a condução de operações noturnas e que também haverá a necessidade de certas outras operações especiais, o ANASOC não se tornará meramente uma força de choque, mas continuará a conduzir certas operações especiais. Isso foi confirmado por um oficial do ANASOC, que, no entanto, esclareceu que as operações especiais, como raides noturnos, são bastante raros e que a grande maioria das operações do ANASOC visa retomar o território perdido para a insurgência ou para apoiar as forças convencionais em outras operações convencionais. Conseqüentemente, as operações especiais estão à margem da missão do ANASOC e não em seu centro, como seria de se esperar com o que são chamadas forças de operações especiais.

A este respeito, pode-se argumentar que - embora a existência de uma força de choque em si seja positiva - a indefinição de missões convencionais e não-convencionais não é aconselhável, pois as operações especiais (não-convencionais) são (conforme estabelecido acima) completamente diferentes das operações convencionais e requerem unidades e capacidades diferentes.

Ordem de Batalha

Comando do 3º Tolai, 1º SOK, em campo de papoulas no distrito de Khogyani, 9 de maio de 2013.

As questões levantadas acima são ainda mais ofuscadas por questões relativas à ordem de batalha do ANASOC (ou seja, sua organização e estrutura de comando). Para entender esses problemas, é preciso primeiro compreender a ordem geral de batalha do ANASOC.

De acordo com documentos oficiais, o ANASOC até agora era composto por duas Brigadas de Operações Especiais (lewa-ye amaliatha-ye khas), uma composta por quatro e a outra por cinco Kandaks de Operações Especiais (SOK, kandak-e amaliatha- ye khas / comando) que estavam alinhados com o Corpo do ANA regional. O DoD americano declarou em seu relatório de junho de 2017 já citado acima que "[os] SOK são os principais elementos táticos do ANASOC e conduzem operações de infantaria leve de elite contra redes de ameaças em apoio às operações de contra-insurgência do corpo regional e fornecer uma capacidade de resposta estratégica contra alvos estratégicos.” Os SOK também são chamados de Comandos Kandaks, já que são (pelo menos em grande parte) compostos de soldados especiais chamados Comandos (mais sobre isso abaixo). Um Kandak de Operações Especiais adicional e separado, o 6º SOK com base em Cabul, funcionou "como a unidade de missão nacional do ANA", fornecendo "ao Presidente do Afeganistão e ao [Chefe do Estado-Maior do ANA] uma força de operações especiais desdobrável rapidamente, capaz de responder a crises em nível nacional em todo o Afeganistão.” (12)

Operadores do 6º SOK em treinamento de CQB, 26 de novembro de 2013.

À porta, prestes a iniciarem o arrombamento.

O plano atual, conforme confirmado por Nuristani, prevê a expansão do ANASOC com duas Brigadas de Operações Especiais adicionais (aumentando o total para quatro dessas brigadas) e a chamada Brigada de Missão Nacional (lewa-ye wazayef-e khas-e melli). Questionado sobre quantos SOK adicionais isso abrangeria, Nuristani se absteve de dar um número específico, mas disse que poderia chegar a mais do que a duplicação dos dez SOK atuais. (13)

As quatro Brigadas de Operações Especiais serão - semelhantes às até agora nove SOK comuns - “orientadas regionalmente, [mas] controladas centralmente”, explicou uma fonte da coalizão. Isso sugere que os comandantes do Corpo do ANA terão, até o momento, de solicitar a assistência do ANASOC, sobre a qual o Chefe do Estado-Maior ou o QG do ANASOC decidirá e, se aprovado, dará às Brigadas de Operações Especiais estacionadas regionalmente suas respectivas ordens. A Brigada de Missão Nacional foi inaugurada em 31 de julho de 2017 e assumirá a função de 6º SOK. De acordo com o relatório do DoD americano de junho de 2017, ele já atingiu a capacidade operacional inicial e está programado para atingir a capacidade operacional total em março de 2018. O mesmo relatório também afirmou que a Brigada de Missão Nacional “e o elemento de quartel-general associado consistirão de elementos do 6º SOK do ANA e do [Qeta-ye Khas]. O Qeta-ye Khas (Forças Especiais em Dari; transcrito como Ktah Khas pelo Departamento de Defesa dos EUA) é (ou melhor, era) uma pequena unidade de forças especiais que existia além dos Comandos, que constituem a grande maioria da força de combate do ANASOC. Embora em teoria e (pelo menos inicialmente) também na prática houvesse uma diferença crucial entre Comandos e Qeta-ye Khas, essa diferença está longe de ser clara.

A limpeza no campo de papoulas pelo 1º SOK ocorreu no distrito de Khogyani, província de Nangarhar, 9 de maio de 2013.

Comandos e Qeta-ye Khas - e a confusão em torno deles


O Qeta-ye Khas era, como relatado aqui, originalmente uma unidade separada consistindo de várias equipes modeladas a partir do Destacamento Operacional Alfa das Forças Especiais dos EUA (Operational Detachment Alpha, ODA), informalmente chamadas de equipes A (A-teams). (14) Na primavera de 2015, havia 72 equipes A afegãs, de acordo com um membro do Qeta-ye Khas citado por uma publicação especializada. (15) Supondo o modelo americano de 15 pessoas por equipe A, isso equivaleria a 1.080 militares. O relatório do DoD americano de junho de 2017 indica um número um pouco maior, afirmando que o Qeta-ye Khas compreende 1.190 militares de uma força final autorizada de 1.291. (Este número pode incluir pessoal de apoio e não significa necessariamente que o número de equipes afegãs mudou até aquele momento.)

O plano original era que essas equipes-A das Qeta-ye Khas conduzissem várias operações especiais - particularmente ações diretas e reconhecimento especial. Isso também era o que diferenciava as Qeta-ye Khas das outras forças de operações especiais, os Comandos, que eram feitos exclusivamente para ações diretas (veja aqui). A este respeito, o Qeta-ye Khas normalmente conduziria as ações diretas mais especiais e secretas (por exemplo, mirar insurgentes de alto valor em terreno mais inacessível) do que os Comandos. (16)


No entanto, em algum ponto que não pôde ser determinado, o Qeta-ye Khas foi integrado ao ANASOC. Como isso foi feito exatamente e qual é o seu estado atual, também é difícil de determinar. Mas é relevante, pois afeta diretamente a forma como o ANASOC é capaz de conduzir missões - ou seja, se ainda retém pequenas equipes de forças especiais para operações especiais ou se, em vez disso, se transformou em uma unidade de Comandos que foi inicialmente planejada para raides mais abertos, mas tornou-se uma força de choque.

De acordo com Nuristani, o Qeta-ye Khas agora está totalmente integrado à Brigada de Missão Nacional e foi transformado em um SOK que não difere de outros SOK, nem na missão nem e nem no treinamento. Nuristani foi muito claro sobre isso, afirmando que o Qeta-ye Khas e os Comandos são a mesma coisa. Ele até usou os termos alternadamente ou em combinação (Qeta-ye Khas Comando). Ele afirmou, porém, que os Comandos (incluindo o ex-Qeta-ye Khas) seriam capazes de fornecer forças de choque e conduzir operações especiais ao mesmo tempo.

Armamento capturado pelas forças especiais e pelo Diretório Nacional de Segurança no distrito de Sayed Abad, na província de Wardak em 20 de novembro de 2013.

No entanto, um oficial do ANASOC que solicitou anonimato explicou as coisas de maneira um pouco diferente. Ele também confirmou que o ex-Qeta-ye Khas foi de fato completamente absorvido pelo ANASOC / Comandos e não tem mais um nome separado. O oficial explicou, porém, que cada SOK possui - além de várias companhias (hoje) de Comandos regulares - uma companhia “especial”. Essas companhias "especiais" conduzem as operações especiais reais, geralmente em equipes pequenas (aparentemente equipes A), enquanto a maior parte dos Comandos são usados como forças de choque (esta fonte, como Nuristani, descreveu o uso como força de choque - ao contrário de um entendimento ocidental - como operações especiais, acrescentando que as operações de comandos, pelo menos em teoria, não ultrapassam 72 horas). A fonte também insistiu que essas forças especiais - em comparação com outros Comandos - receberiam treinamento adicional e separado, como havia acontecido com os ex-Qeta-ye Khas (a partir de agora, essas companhias especiais são provavelmente compostas dos ex-Qeta-ye Khas). Isso é aparentemente apoiado pelo relatório do DoD americano de junho de 2017, que diz que “cada SOK contém oito equipes das Forças Especiais do ANA”.

Um comando afegão monta o cavalo recentemente tomado de um líder do IS-K na cerimônia de formatura dos Comandos em 9 de maio de 2018.
De acordo com o departamento de Assuntos Públicos do Comando de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão, o cavalo fora "tomado" durante uma batalha recente no distrito de Achin, província de Nangarhar, no Afeganistão.

No entanto, para aumentar a confusão, o mesmo relatório do DoD dos EUA afirma em outro ponto que "[o Qeta-ye Khas] é um SOK de infantaria leve que consiste em três companhias operacionais, uma companhia de treinamento, uma companhia de engenharia, um companhia de inteligência militar, militar de suporte e militar de quartel-general”, o que sugere uma unidade separada.

Essa unidade separada Qeta-ye Khas também foi exibida em documentos oficiais vistos por este autor em julho de 2017. Além disso, em uma conferência de imprensa realizada em Cabul em 24 de agosto de 2017 - após a inauguração oficial da Brigada de Missão Nacional em 31 de julho de 2017 que supostamente absorveu definitivamente o Qeta-ye Khas no ANASOC/Comandos - o general do Exército americano John W. Nicholson, comandante das Forças dos EUA no Afeganistão e da Missão de Apoio Resoluto liderada pela OTAN, referiu-se a “comandos e [Qeta-ye Khas]”, implicando dois tipos separados de forças. Ainda mais tangivelmente, na mencionada inauguração oficial da Brigada de Missão Nacional, os (ex) Qeta-ye Khas ainda usavam seus uniformes e boinas cor de areia que os distinguiam dos Comandos que usam camuflagem ligeiramente diferente e boinas vermelhas cor de vinho.

Operadores Qeta-ye Khas em formatura esperando para serem cumprimentados pelo Ministro da Defesa afegão Asadullah Khalid, e pelo comandante da operação Resolute Support, General Scott Miller em Cabul, no Afeganistão, 28 de abril de 2020.

Embora nenhuma dos relatos acima possa ser verificado definitivamente, na avaliação deste autor, a variante mais provável é que o antigo Qeta-ye Khas foi de fato integrado nos SOK, mas ainda existe como companhias especiais que frequentemente (mas provavelmente nem sempre) conduzem missões independentes.

Em qualquer caso, a confusão em relação ao Qeta-ye Khas aumenta a confusão do uso das forças ANASOC para operações especiais e sim como uma força de choque. Embora isso não tenha necessariamente de prejudicar a capacidade do ANASOC de conduzir operações especiais, certamente tem o potencial de fazê-lo, como veremos.

O que tudo isso significa para o campo de batalha?


Dado o histórico de sucesso do ANASOC (17), pode-se esperar que sua expansão irá, conforme planejado, de fato aumentar as capacidades de luta das ANSF e reforçar sua proeza ofensiva.

Alguns argumentam, porém, que esta expansão pode causar uma diminuição da qualidade do ANASOC. Por exemplo, um artigo do Washington Post advertiu que “aumentar rapidamente as forças de elite também poderia diluir as unidades comando a um ponto onde elas se tornariam indistinguíveis das unidades regulares, sofrendo os mesmos problemas com disciplina e moral enquanto aumentaria a ameaça de ataques internos.” Embora o crescimento rápido pretendido e a confusão exibida acima sobre o status do Qeta-ye Khas de fato carreguem o perigo de uma diminuição na qualidade, parece improvável que isso seja tão dramático quanto afirmado no artigo. Tal deve-se principalmente ao fato do centro de formação do ANASOC (Escola de Excelência do ANASOC) também ser ampliado e que, segundo uma fonte da coalizão, o aumento previsto de assessores estrangeiros incluir especificamente treinadores de forças especiais. Isso significa que as forças do ANASOC ainda receberão - em comparação com as unidades regulares - melhor treinamento, garantindo que mantenham sua vantagem sobre as forças convencionais. Mesmo assim, uma certa diminuição da qualidade não pode ser totalmente descartada.

Inauguração da Brigada de Missão Nacional do ANASOC em 31 de julho de 2017.
(Franz J. Marty)

O perigo mais significativo é que o ANASOC pode perder parte de sua capacidade de conduzir operações especiais e derivar ainda mais para se tornar uma mera força de choque. Na verdade, um ex-Comando e atual oficial regular do ANA disse a este autor em agosto de 2017 que o (antigo) Qeta-ye Khas principalmente, senão sempre, apoia os Comandos em missões que são difíceis até mesmo para os Comandos - isto é, implicando que (o antigo) Qeta-ye Khas deslizou para um papel semelhante em relação aos Comandos àquela que os Comandos desempenham para as forças convencionais. Isso não pôde ser verificado; no entanto, houve alegações semelhantes no passado. (18)

Outra questão, provavelmente mais crucial, é se a melhoria das capacidades ofensivas levará à extensão pretendida do controle governamental por todo o país. Nesse contexto, pode-se argumentar que derrotar os insurgentes em operações ofensivas - que será o principal, senão único objetivo do ampliado Corpo do ANASOC - nunca foi o principal problema das ANSF, pois a experiência mostra que os insurgentes foram e ainda são incapazes de resistirem aos esforços concentrados do governo, se e quando montado. O principal problema é que as ANSF falham em manter e proteger áreas após terem sido tomadas ou retomadas, dando aos insurgentes que se dispersam ao enfrentar uma força superior como o ANASOC a oportunidade de se infiltrarem novamente nessas áreas mais tarde.

Formatura de sargentos do Exército Nacional Afegão (ANA) no Centro de Treinamento Militar de Gazi, em Cabul, no Afeganistão, 15 de julho de 2010.

Embora não seja claramente articulada, a intenção do governo afegão e de seus apoiadores internacionais parece ser que aliviar as forças convencionais de suportar o peso da luta ao tornar um ANASOC expandido numa "força de manobra ofensiva primária", permitirá que as forças convencionais mantenham e assegurem terreno liberado. Isso, no entanto, pode ser uma falácia.

Em primeiro lugar, embora libertar as forças convencionais do combate lhes dê mais tempo para se concentrarem em manter o território, sem esforços específicos para manter o terreno e treinar as forças convencionais de acordo, isso pode continuar a ser um problema significativo. E, pelo menos para o conhecimento deste autor, o foco está em aumentar as capacidades ofensivas como o ANASOC; isto é verdade apesar dos relatórios recentes (aqui e, pela AAN, aqui) sobre o estabelecimento pretendido de uma força de ocupação adicional, uma vez que tais planos ainda estão em um estágio inicial e permanecem obscuros (ver também nota final 11). Em qualquer caso, Nuristani estava - mesmo antes dos relatórios dos planos para tal força de contenção serem publicados - confiante de que as áreas de contenção não seriam um problema, embora ele reconhecesse que na guerra sempre haveria a possibilidade de perder território novamente.

Em segundo lugar, isso poderia ser exacerbado pelo que o historiador militar Roger Beaumont chamou de ciclo de “seleção-destruição”. (19) Este conceito é baseado no fato de que o melhor pessoal disponível é selecionado para unidades de elite, que têm uma taxa de baixas mais elevada devido às suas missões envolvendo combate desproporcionalmente intenso (para os Comandos afegãos, o oficial ANASOC mencionado acima confirmou um alto taxa de baixas). Isso, no entanto, leva ao “efeito geral... de selecionar e, em seguida, destruir o talento dentro de uma força sob pressão”, de acordo com o especialista em contra-insurgência David Kilcullen. (20) No entanto, mesmo que o pessoal selecionado nas unidades de elite não seja morto, sua mera seleção “torna a liderança de alta qualidade menos disponível para unidades convencionais” (ver nota final 19). No caso atual das ANSF, isso poderia significar que - a fim de satisfazer a necessidade do ANASOC em rápida expansão - as forças convencionais poderiam ser esvaziadas de seu melhor pessoal. Isso, por sua vez, pode causar um declínio na qualidade de tais forças convencionais. (É também digno de nota que o texto fonte citando Beaumont (nota final 19) afirma claramente que "unidades convencionais... devem carregar a maior parte da carga de combate", reforçando assim o argumento acima mencionado de que as forças de operações especiais como o ANASOC não se destinam a serem a "força de manobra ofensiva primária".)


No entanto, essa degradação potencial das forças convencionais pode ser mitigada. Conforme mencionado, o crescimento do ANASOC será facilitado principalmente pela re-atribuição das duas Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel existentes para o ANASOC. Essas duas brigadas eram, de acordo com Nuristani, já independentes - ou seja, não faziam parte de nenhum Corpo regional do ANA. Consequentemente, isso significa que o Corpo regional convencional do ANA não terá seu pessoal significativamente esgotado ou será afetado negativamente pelo crescimento do ANASOC. Neste contexto, Nuristani também dissipou as preocupações de que - devido à rápida expansão - o ANASOC possa ser forçado a aceitar recrutas que não cumpram os mesmos elevados padrões de antes, apontando que as Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel já consistem em pessoal selecionado que atenderiam às altas exigências do ANASOC.

Além disso, dado que as Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel aparentemente não foram usadas com eficácia até agora, transferi-las para o ANASOC provavelmente terá menos impacto nas forças convencionais do que se poderia pensar à primeira vista. Um relatório anterior do DoD americanos, publicado em junho de 2016, afirmou que as Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel "são frequentemente usadas em operações defensivas ou empregadas em posições estáticas, o que impede seu uso pretendido como capacidade de manobra ofensiva". E dado que a coalizão está, em qualquer caso, pressionando as forças afegãs a abandonarem as posições estáticas, as Brigadas de Veículos das Forças de Ataque Móvel - até agora usadas defensivamente ou estaticamente - teriam sido realinhadas a outras missões, mesmo se não houvesse a transição para o ANASOC.

Comandos do 6º Kandak de Operações Especiais (6º SOK) se protegem durante um tiroteio noturno com o Talibã no distrito de Ghorband, província de Parwan, 15 de janeiro de 2014.

Se e em que medida a transição dos veículos blindados dessas forças (ver nota final 6) para o ANASOC terá um impacto significativo no desempenho do ANASOC, resta saber. Nuristani afirmou, porém, que a intenção é emparelhar cada dois SOK (infantaria) com um Kandak de Veículos da Força de Ataque Móvel (kandak-e zarbati), acrescentando que o ANASOC precisava de tais meios mecanizados.

Conclusão: melhoria ou diluição de tarefas e qualidade?


A quase duplicação do ANASOC emparelhado com seu bom histórico certamente aumentará a capacidade de combate das ANSF. No entanto, a expansão parece estimular tendências já existentes que transformaram o ANASOC mais em uma força de choque convencional do que em uma força de operações especiais real. Embora uma força de choque seja - visto que a insurgência se tornou mais agressiva nos últimos anos - em si mesma um recurso útil e talvez até necessário, pode-se argumentar que isso não deve ser feito à custa de operações especiais e que uma separação clara de choque e forças especiais seria aconselhável. Mais criticamente, pode-se mesmo dizer que fazer do ANASOC não apenas uma unidade de choque, mas a "força de manobra ofensiva primária" das ANSF, simplesmente contorna o problema real de que as forças convencionais do ANA aparentemente não estão à altura de sua tarefa principal, que seria suportar o impacto da luta, em ambas as operações ofensivas para recuperar o território da insurgência quanto operações defensivas para manter as áreas capturadas.

Além disso, como superar os insurgentes em esforços concentrados nunca foi um problema significativo para as ANSF, pode-se argumentar que a expansão do ANASOC conserta algo que não está quebrado, enquanto o problema real - manter áreas liberadas com sucesso - aparentemente não foi adequadamente tratada (no entanto, veja os planos mencionados, até agora pouco claros para uma nova força de ocupação). Dado que a expansão do ANASOC permitirá que as forças convencionais do ANA se concentrem principalmente no terreno ocupado e se uma força de ocupação separada for de fato estabelecida, o aspecto de ocupação pode, no entanto, melhorar. Isso, no entanto, precisa ser provado primeiro e pode acabar sendo uma miragem.


Franz J. Marty é jornalista freelance baseado no Afeganistão e se concentra em questões militares e de segurança. Ele pode ser seguido pelo perfil @franzjmarty no twitter e contatado via franz.j.marty@icloud.com.

Notas

1) A AAN continua a usar o termo original (e mais curto) Forças de Segurança Nacional Afegãs (Afghan National Security ForcesANSF), embora outras entidades oficiais, entre elas o Departamento de Defesa dos EUA, tenham passado a usar o termo Forças de Segurança e Defesa Nacional Afegãs (Afghan National Defence and Security ForcesANDSF).

2) O termo geral "forças de operações especiais" mencionado no título e no início deste despacho não está claramente definido no contexto descrito neste despacho (ou seja, não está claramente definido quais forças além do ANASOC, se houver, abrange), e foi usado apenas para facilitar a introdução. No entanto, esta análise abrangerá apenas o ANASOC, incluindo o Qeta-ye Khas. Além da introdução, sempre que possível, fará referência a termos estritamente definidos de unidades ou forças, a fim de garantir a precisão.

Na terminologia do Departamento de Defesa dos EUA, as Forças Especiais de Segurança Afegãs consistem no ANASOC, incluindo os Qeta-ye Khas (Forças Especiais), a Ala da Missão Especial (Special Mission Wing, lewa-ye 777 hawayi) e o Comando Geral das Unidades Especiais da Polícia (General Command of Police Special UnitsGCPSU). Alguns relatos indicam que também algumas forças do Diretório Nacional de Segurança, o serviço de inteligência do Afeganistão, fazem parte das Forças Especiais de Segurança Afegãs; isto não pôde, entretanto, ser verificado.

A Ala de Missão Especial é uma ala aérea especial, independente da Força Aérea Afegã, que apóia as Forças Especiais de Segurança Afegãs com meios aéreos. O GCPSU é, ao contrário do ANASOC, uma unidade policial e não uma unidade militar - embora conduza operações paramilitares, principalmente respostas a ataques terroristas de alto perfil.

O Roteiro das ANSF também prevê um crescimento da Ala de Missão Especial e do GCPSU, embora em uma escala muito menor do aquela do crescimento do ANASOC. O pessoal da Ala de Missão Especial está planejado para crescer de 788 (de uma força final autorizada até agora de 902) para supostamente 1.000. O pessoal do GCPSU está planejado para crescer de 6.426 (de uma força final autorizada até agora de 7.042) para supostamente 9.000.

3) Os principais aspectos do realinhamento das ANSF são: (i) a realocação de forças convencionais para o ANASOC a fim de facilitar a expansão desta (ver em mais detalhes posteriormente no texto principal); e (ii) a transferência da Polícia Nacional da Ordem Civil Afegã (Afghan National Civil Order PoliceANCOP), uma unidade policial separada que desempenha funções paramilitares, bem como "as partes paramilitares da Polícia de Fronteira Afegã (Afghan Border PoliceABP)", ambas as quais até agora têm sido subordinadas ao Ministério do Interior, ao Ministério da Defesa. Isso é, de acordo com o Departamento de Defesa dos EUA, feito para "consolidar as capacidades de combate das [ANSF] sob o [Ministério da Defesa] e permitir que o [Ministério do Interior] concentre seus esforços no desenvolvimento de capacidades de policiamento comunitário e na defesa ao governo da lei."

4) De acordo com um relatório do SIGAR, em 20 de maio de 2017, o ANA (incluindo 8.413 pessoal da Força Aérea Afegã; e também todo o pessoal do ANASOC) era composto por 180.031 pessoas de uma meta de força final aprovada de 196.534 (91,6%). (Todos os números também incluem o pessoal civil.) Dadas as flutuações gerais devido ao recrutamento e desgaste, a diminuição das forças convencionais provavelmente será ligeiramente diferente do aumento do pessoal do ANASOC; no entanto, essas pequenas diferenças provavelmente serão insignificantes.

5) Tashkil significa "forma" ou "estrutura" em Dari e "refere-se à lista oficial de requisitos de pessoal e equipamento usados pelos [ministérios da defesa e assuntos internos afegãos] para detalhar as posições de pessoal autorizadas e itens de equipamento para cada unidade," de acordo com o relatório do Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) de junho de 2017 já citado acima.


6) O relatório do DoD dos EUA já citado na nota final 5 não esclarece se as duas Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel consistem em sete kandaks (batalhões) cada ou no total. A AAN não foi capaz de esclarecer este ponto.

De acordo com o relatório do DoD dos EUA de junho de 2016, as Brigadas de Veículos da Força de Ataque Móvel "consistem em veículos blindados médios sobre rodas que fornecem uma capacidade de infantaria mecanizada rapidamente desdobrável para realizar e reforçar as operações". Mais especificamente, de acordo com o Jane’s World Armies (julho de 2015), as ANSF foram equipadas com três variantes do M1117 Armored Security Vehicle construído pela Textron Marine & Land Systems: “1. um transportador de pessoal blindado (APC) com uma torre fechada; 2. um APC com torre de uma pessoa armada com uma metralhadora calibre .50 e lançador de granadas automático de 40mm que também possui o Kit de Proteção de Atirador Objetivo do Exército dos EUA; e 3. uma versão para ambulância. Todos estão no mais recente Padrão de Sobrevivência Aprimorada (Enhanced Survivability StandardESV), que apresenta suspensão atualizada, assentos aprimorados e um nível mais alto de proteção contra minas e IEDs (dispositivos explosivos improvisados) do que o oferecido pelos veículos Protegidos de  Emboscada Resistente a Minas (Mine Resistant Ambush Protected, MRAP). Foi relatado que 50 também podem carregar morteiro, capaz de transportar 82 granadas, mas isso ainda não foi confirmado”.

Em 28 de setembro de 2017, o DoD dos EUA concedeu um contrato de vendas militares estrangeiras de preço fixo firme em dólares americanos para uma empresa dos EUA, Textron Systems Marine & Land Systems, para fornecer às ANSF um número não especificado de veículos adicionais da Força de Ataque Móvel. A data de conclusão estimada é 28 de setembro de 2018. Não está claro para quais forças dentro das ANSF esses veículos se destinam.

7) A passagem citada do relatório do DoD dos EUA de junho de 2017 descreve a missão para a qual o ANASOC foi originalmente planejada. Isso deriva de vários relatórios anteriores do Departamento de Defesa dos Estados Unidos que, no entanto, não tinham uma declaração de missão condensada de forma semelhante.

8) As ações diretas são, de acordo com a terminologia militar dos EUA, definidas como "ataques de curta duração e outras ações ofensivas de pequena escala conduzidas como uma operação especial em ambientes hostis, negados ou diplomaticamente sensíveis e que empregam capacidades militares especializadas para apreender, destruir , capturar, explorar, recuperar ou danificar alvos designados.” De acordo com a mesma terminologia (aqui), reconhecimento especial consiste em "ações de reconhecimento e vigilância conduzidas como uma operação especial em ambientes hostis, negados ou sensíveis diplomática e/ou politicamente para coletar ou verificar informações de importância estratégica ou operacional, empregando capacidades militares normalmente não encontrado em forças convencionais.”

9) “Afghan National Army Special Forces: An insider’s account” (“Forças Especiais do Exército Nacional Afegão: Relato de um insider”), publicado no Jane’s Defense Weekly, 19 de maio de 2015.


10) Para estabelecer relações: as Forças Armadas do Reino Unido (Exército Britânico, Marinha Real, Fuzileiros Navais Reais, Força Aérea Real, incluindo Reservas) (em 1º de julho de 2017, cerca de 196.000 militares) são - embora existam, é claro muitas diferenças significativas - em tamanho quase comparável ao do Exército Nacional Afegão (incluindo a Força Aérea Afegã) (em 20 de maio de 2017, 180.031 militares de uma meta de força final aprovada de 196.534 (91,6%); ver nota final 4). No entanto, as altamente conceituadas forças especiais britânicas, especificamente o Special Air Service (SAS) e o Special Boat Service (SBS), somam apenas algumas centenas de homens (nenhum número exato disponível), enquanto o ANASOC aumenta de 11.300 para 23.300. Isso mostra claramente que o SAS e o SBS são unidades altamente especializadas para operações especiais de pequena escala reais, enquanto o ANASOC se tornou algo muito mais convencional.

11) Tornar as forças convencionais do ANA responsáveis pela manutenção do terreno também visa liberar as forças policiais de tais funções de detenção, para que possam "concentrar [seus] esforços no desenvolvimento de capacidades de policiamento comunitário e na defesa do governo da lei" - ou seja, trabalho policial real (consulte o relatório do DoD dos EUA de junho de 2017). É também por esta razão que as forças paramilitares da Polícia Nacional da Ordem Civil Afegã (ANCOP) e partes da Polícia de Fronteiras Afegã (ABP) serão transferidas do Ministério dos Assuntos Internos para o Ministério da Defesa, visto que isto fará a distinção entre tarefas militares e paramilitares de combate, bem como de defesa do terreno (responsabilidade do Ministério da Defesa) e o trabalho policial real (responsabilidade do Ministério dos Assuntos Internos) mais claras. Até que ponto isso será ou pode ser implementado de forma eficaz é, obviamente, outra questão.

A este respeito, deve-se notar que existem planos para estabelecer uma nova força sob a responsabilidade do Ministério da Defesa, que será principalmente encarregada de manter o terreno depois de liberado (veja a análise da AAN aqui). Embora esta força supostamente tenha o modelo do Exército Territorial Indiano, no momento da redação (23 de setembro de 2017), os detalhes continuavam obscuros. (Diferentes relatos sugerem configurações diferentes, que vão desde a construção de tal força com novos recrutas até a incorporação ou realocação de forças convencionais do ANA, da ANCOP e/ou da Polícia Local Afegã para esta nova força).

12) A última citação a respeito da missão do 6º SOK refere-se tecnicamente à nova Brigada de Missão Nacional. No entanto, dado que foi assumido pelo 6º SOK, ainda assim é aplicável aqui.

13) O relatório do DoD dos EUA de junho de 2017 dá algumas dicas sobre detalhes adicionais da suposta expansão; no entanto, eles não formam uma imagem coerente.

14) Uma equipe A geralmente consiste de 15 militares: um capitão, um primeiro tenente oficial executivo, um sargento de equipe, dois sargentos de armas, dois sargentos engenheiros, dois sargentos de comunicações, dois sargentos de inteligência, dois sargentos médicos, um sargento de disseminação de informações e um especialista em operações civis-militares.

15) “Afghan National Army Special Forces: An insider’s account” (“Forças Especiais do Exército Nacional Afegão: Relato de um insider”), publicado no Jane’s Defense Weekly, 19 de maio de 2015.

16) “Afghan National Army Special Forces: An insider’s account” (“Forças Especiais do Exército Nacional Afegão: Relato de um insider”), publicado no Jane’s Defense Weekly, 19 de maio de 2015.


17) O Gal. Nicholson declarou em uma entrevista coletiva em Cabul em 24 de agosto de 2017 que “[o] Talibã nunca venceu os comandos e [Qeta-ye Khas].” Embora não tenha sido possível verificar se o ANASOC realmente sempre prevaleceu, eles certamente o fizeram na esmagadora maioria das operações, já que os insurgentes (empregando táticas de guerrilha tradicionais) tendem a se dispersar ao enfrentar um adversário superior para lutar outro dia.

18) “Afghan National Army Special Forces: An insider’s account” (“Forças Especiais do Exército Nacional Afegão: Relato de um insider”), publicado no Jane’s Defense Weekly, 19 de maio de 2015.

19) Citado do Ten-Cel Gary L. Bounds, "Notes on Military Elite Units" ("Notas sobre Unidades Militares de Elite"), CSI Report No. 4, US Army Combined Arms Center, Combat Studies Institute, Fort Leavenworth, junho de 1990.

20) Citado por David Kilcullen, "Why Donald Trump’s 'mini-surge' in Afghanistan invite skepticism" ("Por que o 'mini-surto' de Donald Trump no Afeganistão atrai ceticismo"), publicado em The Australian, 27 de maio de 2017.

Bibliografia recomendada:

A história secreta das Forças Especiais,
Éric Denécé.

Guerra Irregular: Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história,
Major Alessandro Visacro.