terça-feira, 14 de julho de 2020

Corpo de Comandos do Exército Nacional Afegão

Soldado comando do ANA ao lado de um operador especial dos EUA durante a Operação Enduring Freedom.

Por Eric SOF, Spec Ops Magazine.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de julho de 2020.

No Exército do Afeganistão, o Corpo de Comandos do Exército Nacional Afegão desempenha o papel principal, mas começar do início. Em 2007, o Exército Nacional Afegão (ANA) formou seu primeiro batalhão de comandos (ANACDO), o qual possui a mesma estrutura e treinamento dos Rangers do Exército dos EUA, que mais tarde se tornaram parte da Brigada de Comandos do ANA. O objetivo geral era melhorar a situação de segurança no país e criar uma certa força capaz de lutar contra o terrorismo e a insurgência.


Um grupo de combate de comandos do Exército Nacional Afegão realiza exercícios de tiro real durante o treinamento em Camp Pamir, província de Kunduz, Afeganistão, 13 de fevereiro de 2018

Mais tarde, a Brigada de Comandos do ANA se tornou o Corpo de Comandos do Exército Nacional Afegão.

História



O projeto foi iniciado sob a supervisão das Forças Armadas dos EUA e incluiu vários treinamentos conjuntos, dirigidos por instrutores americanos (principalmente das Forças Especiais do Exército dos EUA - os Boinas Verdes). O treinamento básico do ANACDO dura 3 meses e inclui habilidades táticas avançadas, habilidades avançadas de infantaria, além de treinamento em primeiros socorros e gerenciamento tático sob fogo, semelhante ao padrão mundial. A missão americana lá foi totalmente usada como treinamento e equipamento, de modo que basicamente eles assumiram a gestão completa da educação e do treinamento.


Soldados afegãs, servindo em apoio às forças especiais afegãs, durante uma visita surpresa da democrata Nancy Pelosi ao país em outubro de 2019. (Reuters)

Os primeiros batalhões dos Comandos do ANA foram equipados pelos padrões militares americanos, que acabaram transformando os comandos do ANA em um componente militar de elite das forças de segurança do Afeganistão, capaz e pronto para aceitar todos em suas fileiras, incluindo mulheres que podem passar por um rigoroso treinamento de seleção.

Nos próximos anos, eles superaram dezenas de operações e tarefas ao lado da ISAF e das forças parceiras americanas e ganharam experiência até 2011, quando o Exército Nacional do Afeganistão decidiu ativar o Comando de Operações Especiais do ANA (ANASOC). A nova sede das forças especiais foi assinada pelo Chefe do Estado-Maior Geral em abril de 2011. O objetivo era que o ANASOC continuasse a desenvolver e implementar seus planos de mão-de-obra, treinamento e equipamento de suas forças, ao mesmo tempo em que alcançava efeitos no campo de batalha.


Kandak de comandos afegãos em 2011.

O desenvolvimento do ANASOC continua sendo um componente crítico da estrutura de força e estratégia gerais para sustentar a transição para a liderança de segurança afegã.

Para a OTAN e a ISAF (forças de coalizão), a criação do ANASOC foi considerada uma grande ajuda para a segurança geral e para a luta contra insurgentes e terroristas, especialmente na guerra nas montanhas e no setor doméstico (para soldados afegãos).

Organização

Após sua criação, o QG do ANASOC em 2011 consistia em 7.809 ANACDO e 646 ANASF (Forças Especiais do ANA). As taxas de graduação para os operadores do ANACDO e do ANASF permaneceram estáveis e estão dentro do cronograma para cumprir as metas de resistência final. De outubro de 2011 a março de 2012, a Escola de Excelência do ANASOC produziu um total de 1.817 novos comandos e 183 novos operadores das forças especiais.


Comandos afegãos se preparam para uma missão de assalto aeromóvel partindo da Forward Operation Base Airborne, Afeganistão, 28 de setembro de 2009. (Foto do Sgt. Teddy Wade/Exército dos EUA)

O desenvolvimento de questões de segurança com insurgência aumentou a capacidade do ANASOC e direcionou a criação de novos kandaks (batalhões). Até 2015, aproximadamente 10.700 militares estavam sob o comando do ANASOC. O ANASOC estava agrupado em 10 kandaks geograficamente dispersos pelo Afeganistão.

Objetivos e tipos de missões

Os comandos do ANA (ANACDO) são treinados para realizar todos os tipos de missões e operações especiais contra forças hostis em todos os ambientes. Eles são treinados para guerra urbana e guerrilha, busca de combate e reconhecimento. Os comandos do ANA também são capazes de lidar com situações de tomada de reféns, mas seu principal objetivo é gastar todo tempo possível para ajudar o povo afegão; portanto, não é incomum ver os comandos do ANA escoltando comboios de ajuda humanitária ou vê-los distribuindo ajuda humanitária diretamente.


Grupo de Forças Especiais dos EUA e Comandos do ANA durante a Operação Enduring Freedom.

Eles alcançaram a capacidade de conduzir operações independentes em todo o Afeganistão e, quando engajados, o ANACDO vence decisivamente. Quase todos os kandaks de operações especiais, incluindo membros do ANACDO, estavam conduzindo operações independentes em nível de companhia, e vários realizaram missões unilaterais conduzidas pela inteligência afegã reunidas sem o envolvimento de forças de operações especiais da coalizão. Unidades comando rotineiramente realizavam ataques noturnos de forma independente, usando sua própria inteligência para conduzir suas operações.

Equipamento



Como já mencionado, o equipamento e atende aos padrões militares dos EUA; portanto, os comandos do ANA costumam usar armas padrão de nível militar dos EUA, incluindo:


  • Fuzil de assalto M16;
  • Carabina M4;
  • Metralhadora leve M249;
  • Metralhadora M240;
  • Lança-granadas M203;
  • Além de outras armas principalmente produzidas no ocidente.



Os comandos do ANA geralmente usam o Humvee americano como seu veículo principal. O Humvee é conhecido por sua grande mobilidade e proteção sólida contra armas pessoais. Eles distinguem entre outras unidades do ANA por suas Boinas Vermelhas.



Hoje, o quartel-general do Corpo de Comandos do Exército Nacional Afegão está localizada em Camp Morehead, província de Wardak, Afeganistão e possui cerca de 21.000 comandos (2017). Os comandos compreendem 7% das forças de segurança nacional afegãs, mas conduzem de 70% a 80% dos combates.

Leitura recomendada:

GALERIA: Graduação na ANASOC em 11 de julho de 201313 de abril de 2020.

Aliados, inimigos, ou apenas inúteis? Um operador das forças especiais sobre trabalhar com as SOF afegãs, 15 de fevereiro de 2020.

FOTO: Curso de Navegação Terrestre do ANASOC14 de maio de 2020.

GALERIA: A Guarda Presidencial Emirática no MCAGCC5 de julho de 2020.

GALERIA: Exercício "Shamrakh 1"12 de março de 2020.

FOTO: Operadores paquistaneses21 de abril de 2020.

GALERIA: Comandos femininas na Guarda Presidencial Palestina1º de fevereiro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário