sábado, 15 de fevereiro de 2020

Aliados, inimigos, ou apenas inúteis? Um operador das forças especiais sobre trabalhar com as SOF afegãs

A ANASF realiza ensaios antes de uma missão, 6º Batalhão de Operações Especiais.

Por John Black, SOFREP, 11 de fevereiro de 2020.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de fevereiro de 2020.

Fato: As Forças Especiais do Exército Nacional do Afeganistão (ANASF) são a força mais excessivamente empregada no Afeganistão.

Eu trabalhei pessoalmente com vários Kandaks (unidades), e seu treinamento, motivação e programação de operações variam muito. Um capitão das forças especiais estará visitando, construindo relações e convencendo o comandante da unidade a realizar mais operações.

Esses comandantes de Kandak lutam para realizar mais operações. Eles são usados em excesso e a motivação é geralmente baixa. As Forças Especiais dos EUA não podem operar sem eles e precisam que eles liderem da frente; no entanto, ainda tenho que ver ou ouvir sobre isso acontecer. Depois de estar no país trabalhando com eles por quase duas décadas, eles ainda não podem realizar operações por conta própria e contam com o exército dos EUA para apoio aéreo e poder de fogo superior.




O sigilo e as ameaças internas são uma preocupação genuína das Forças dos EUA. Dois soldados do 7º SFG (A) foram mortos na semana passada e muitos outros foram feridos por forças parceiras em um ataque verde-azul. Por esse motivo, freqüentemente, apenas o comandante da ANASF sabe de antemão onde a ANASF irá operar. Isso leva a um planejamento muito vago da ANASF, enquanto as equipes de SF dos EUA passam por um processo de planejamento muito detalhado e deliberado.

Durante uma operação que eu conduzi com a ANASF, no meio de um tiroteio, muito em menor número que os combatentes do Taliban, a ANASF entrou em um complexo, tirou todo o equipamento e começou a almoçar. Eu rapidamente me aproximei do tenente para perguntar o que estava acontecendo, e a resposta dele para mim foi: não se preocupe, os americanos cuidarão disso. Não tinha tempo no momento para debater isso com ele; no entanto, mais tarde me forçou a pensar no que ele disse e no que o levou a dizer uma coisa dessas.



O ponto principal é que os EUA são a espinha dorsal das operações há tanto tempo que os afegãos confiam em nós. E por que não? Eu nunca vi um jato afegão voando por aí, fornecendo suporte aéreo. Aparentemente, toda vez que levamos seus pilotos para a América para treinar, eles desaparecem e nunca mais são encontrados. Não posso dizer que os culpo.

O treinamento é inexistente. As forças dos EUA não estão contribuindo com munição de treinamento para treiná-las ainda mais. E toda a sua munição está indo para operações. Enquanto eles passam por seu processo de seleção e são melhores que seus irmãos regulares do exército, qualquer coisa acima do que simples táticas de infantaria é inexistente. O ciclo vermelho-âmbar-verde foi estabelecido para alcançar e manter a competência técnica e tática e manter a proficiência em treinamento em um nível aceitável. Vermelho sendo descanso e licença, âmbar sendo treinamento e verde sendo operações. Embora pareça um ciclo razoavelmente simples, muitas vezes fica muito sombrio. Em teoria, três companhias poderiam alternar ao longo de um período de tempo. No entanto, nunca vi isso realizado. Com atrito, licenças, escolas, e mortes, muitas vezes, as companhias são misturadas emergencialmente com os ainda alunos e os favoritos das equipes SF afegãs.




Depois de quase duas décadas de luta no Afeganistão, não parece que haja algum progresso real. O Washington Post revelou que oficiais superiores dos EUA falharam em dizer a verdade sobre a guerra no Afeganistão durante a campanha de 18 anos, fazendo pronunciamentos positivos que sabiam serem falsos e escondendo evidências inconfundíveis de que a guerra havia se tornado impossível de ser vencida. Desde 2001, mais de 775.000 soldados dos EUA foram enviados para o Afeganistão, muitos repetidamente. Desses, mais de 2.400 morreram lá e mais de 20.000 foram feridos em ação, segundo dados do Departamento de Defesa.

Original: https://sofrep.com/news/allies-enemies-or-just-useless-a-special-forces-operator-on-working-with-afghan-sof/?fbclid=IwAR3fmWK88eqqoItg7B-UHNttYZuyPC84T7tj4gijyFUk5rRdk373uPmCpg0

John Black é um "Boina Verde" das Forças Especiais aposentado, com mais de 20 anos de experiência nas Forças Armadas no 5th SFG (A) e no 3º SFG (A). Além disso, ele tem dez missões de combate em lugares como Iraque, Curdistão, Afeganistão e países da África. Ele é formado em Estudos Estratégicos e Análise de Defesa e atualmente está trabalhando em seu Mestrado.









Forças Especiais de Segurança Afegãs (ASSF)
Comando de Operações Especiais do Exército Nacional Afegão (ANASOC)


As Forças Especiais de Segurança Afegãs (ASSF) são uma tropa de elite bem treinada e operacional, aconselhada por militares da OTAN. Em 2016, após a diminuição das forças dos EUA e da Coalizão, a ASSF se defendeu com sucesso contra oito ataques a capitais provinciais ao longo da temporada de combates. A ASSF vai além da formação de operações e conduz 70% das operações ofensivas do Exército Nacional Afegão (ANA), mesmo contendo apenas 7% das forças, sendo frequentemente a “força de escolha” ofensiva dos comandantes de Corpo do ANA e altos funcionários do Ministério da Defesa; o que acaba tornando o ANASOC mais em uma unidade de choque convencional do que uma de operações especiais.

O ANASOC possui um efetivo autorizado de 21 mil homens, organizados em quatro Brigadas de Operações Especiais (SOB) e uma Brigada de Missões Nacional (NMB). A NMB difere dos SOBs por possuir um pacote de comando de missão mobilizável, incluindo o 6º Kandak (Batalhão) de Operações Especiais (SOK), Ktah Khas (KKA) e dois Kandaks das Forças Especiais (cada SFK inclui cinco AOBs com oito equipes das Forças Especiais do ANA por unidade AOB). Os SOKs, os principais elementos táticos do ANASOC, realizam tarefas essenciais de operações especiais contra redes de ameaças para apoiar as operações COIN dos corpos regionais e fornecer uma capacidade de resposta estratégica contra ameaças selecionadas. Nove dos dez SOKs estão alinhados com SOBs regionais com a capacidade de trabalhar com um corpo específico do ANA, caso solicitado. O 6º SOK (atribuída ao NMB), localizada na área de Cabul, funciona como a unidade de missão nacional do ANA.

As lacunas de capacidade do ANASOC incluem uma falta de ativos de coleta de inteligência orgânica e recursos insuficientes de logística e manutenção devido à dependência dos corpos de exército do ANA para suporte. As prioridades adicionais do ANASOC incluem melhorar a proficiência de soldados por meio da Escola de Excelência do ANASOC, aprimorar as habilidades de comando da missão, operações de logística durante operações de combate e melhorar ainda mais a rede de direcionamento e guiagem de ataque a alvos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário