Mostrando postagens com marcador Iraque. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Iraque. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

FOTO: Caveira no Iraque

Operador do CTS iraquiano na fronteira do Iraque com a Síria, 2017.

Comando do Serviço de Contra-Terrorismo do Iraque (Counter-Terrorism Service, CTS) com uma pintura de caveira como máscara em cima de um Humvee blindado, com a cúpula improvisada e usando duas metralhadoras, e pintado de preto que é a cor das forças especiais iraquianas.

Além da caveira, o operador também usa o famoso shemag e o uniforme preto. O distintivo do CTS é claramente visível no seu braço.

Leitura recomendada:


FOTO: Caveira emergindo da fumaça, 8 de janeiro de 2022.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

Contra-Terrorismo no Iraque: Capturando um Terrorista de destaque


Do site Unipath, 3 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de dezembro de 2021.

O Serviço de Contra-Terrorismo do Iraque passou anos rastreando pacientemente um dos líderes do Daesh.

A eficácia da guerra contra grupos terroristas depende fortemente de um trabalho cuidadoso de inteligência e do rastreamento da liderança de alto nível de uma organização. Esse trabalho inerentemente complexo requer horas exaustivas e longas para identificar líderes de alto nível, determinar seu paradeiro e a natureza de suas operações e aprender como eles se comunicam com seus subordinados para conduzir as operações. No nível mais básico, os oficiais de inteligência precisam conquistar os corações das pessoas porque são eles que possuem informações importantes que levam aos esconderijos terroristas.

Diante disso, informações fornecidas por cidadãos comuns aos homens do 1º Batalhão de Reconhecimento do Serviço de Contra-Terrorismo do Iraque (Counter-Terrorism Service, CTS) ajudaram a rastrear e deter o terrorista Ahmed Mohsen Najm Hussein Al-Kartani, também conhecido como Abu Naba. Ele foi capturado em outubro de 2020 enquanto tentava reacender uma campanha de terror do Estado Islâmico (Daesh) em Bagdá.

Abu Naba serviu como coordenador administrativo do “Wilayat Iraque” para o Daesh. De acordo com relatórios de inteligência, ele se juntou às facções "jihadistas" em 2003, jurando lealdade à rede al-Qaeda de Abu Musab al-Zarqawi em 2006 após a formação do chamado Estado Islâmico do Iraque (ISI). Abu Naba se tornou um líder do ISI em Bagdá em seu papel de “líder da sharia do distrito de Karkh no sul de Bagdá” antes de assumir um cargo administrativo no mesmo distrito. Ele tinha um relacionamento próximo com Manaf al-Rawi, autoproclamado “wali de Bagdá”, preso em 2010.

Abu Naba nasceu em Bagdá em 1970 em uma família numerosa. Ele se formou na Faculdade de Administração e Economia da Universidade de Bagdá. Ele se tornou um leitor ávido de textos religiosos na década de 1990, quando o antigo regime no Iraque adotou o que é conhecido como Campanha da Fé para neutralizar a indignação pública causada pela deterioração das condições de vida após a primeira Guerra do Golfo.

Uma unidade tática CTS conduz uma missão na cidade velha de Mosul em 2020.

Como resultado, ele aprendeu muito sobre a jurisprudência da sharia, tendo sido um leitor voraz que devorou todos os livros extremistas seculares e islâmicos que conseguiu encontrar. Ele não apenas possuía um profundo conhecimento da jurisprudência islâmica, mas também estudou todos os tipos de teologia. Antes de ingressar em organizações extremistas, ele jogou futebol e era bem conhecido nos clubes, jogando pelo Al-Talaba e Al-Quwa Al-Jawiya.

Durante a violência sectária em Bagdá em 2007, ele foi detido pelas forças da coalizão e encarcerado no centro de internação Camp Bucca, ao sul de Basra, administrado pelas forças da coalizão. Ele permaneceu na prisão por dois anos e foi libertado em 2009 junto com os demais detidos, em um momento em que a situação de segurança no Iraque era estável e o governo iraquiano lançou um programa de reconciliação nacional. De acordo com o programa, os detidos se comprometeram por escrito a se reintegrarem à sociedade e a não retornarem às atividades terroristas. No entanto, Abu Naba não cumpriu sua promessa e, em vez disso, voltou ao terrorismo poucas semanas após sua libertação, desta vez ocupando uma posição importante na fabricação e desenvolvimento de armas e explosivos em “Wilayat Bagdá”. Ele trabalhou como assistente principal do agora morto Mutez Numan Abd Nayef al-Jabouri, também conhecido como Haji Tayseer, emir de desenvolvimento e preparação para o ISI. Abu Naba foi encarregado de recrutar engenheiros e técnicos, oferecendo incentivos materiais e morais e usando ameaças e intimidação caso eles recusassem sua oferta.

O plano de Haji Tayseer e Abu Naba se concentrava na tentativa de construir dispositivos explosivos improvisados em grande escala, cuja capacidade destrutiva excederia os ataques de mísseis para multiplicar as perdas humanas e materiais e minar a segurança e estabilidade relativas em Bagdá. Caminhões pesados carregados com mais de uma tonelada de explosivos foram detonados em áreas sensíveis da capital. O primeiro foi o ataque da “Quarta-feira Sangrenta” que teve como alvo o Ministério das Relações Exteriores no bairro de Al-Salehiya, em Bagdá, em 2010. Isso foi seguido por explosões semanais semelhantes contra edifícios do governo provincial de Bagdá, o Ministério da Justiça e o Ministério das Finanças. As explosões mataram pessoas inocentes que eram patrocinadores e funcionários do ministério.

Depois de um golpe devastador para o ISI em 2010, quando Manaf al-Rawi foi preso e tanto Abu Omar al-Baghdadi, o chamado emir do grupo terrorista, quanto Abu Ayyub al-Masri, seu comandante militar, foram mortos em uma operação de segurança na região de Tharthar da província de Anbar, o grupo foi desmantelado e a maioria de seus líderes presos. Outros, incluindo Abu Naba, fugiram do Iraque ou se esconderam nos desertos. Depois disso, o Iraque experimentou uma estabilidade notável entre 2011 e 2012.

Mas, tão rapidamente quanto desapareceu a organização terrorista, ela reapareceu no final de 2012 com o lançamento de um ataque terrorista no distrito de Haditha. O ataque não teve impacto, mas serviu como ferramenta de recrutamento e propaganda para tranquilizar os membros de que a organização ainda estava ativa em campanha.

Em 2013, no auge da violência na Síria, com um influxo de doações financeiras e mobilização de elementos suspeitos e clérigos extremistas, a arena síria tornou-se um refúgio para organizações extremistas e fugitivos do deserto chegaram a áreas controladas por grupos extremistas. O terrorista Ibrahim Awad, mais conhecido como o emir do Estado Islâmico do Iraque, Abu Bakr al-Baghdadi, anunciou a anexação da Síria ao seu chamado Estado. Seu novo nome se tornou Estado Islâmico do Iraque e Al-Sham (Daesh). Derramamento de sangue na forma de decapitações, bombardeios e assassinatos com pistolas equipadas com silenciador tornou-se familiar em várias cidades, e fugitivos procurados como Abu Naba tornaram-se líderes do Daesh.

Após uma reunião de líderes do Daesh em Fallujah em 2013 para finalizar suas operações de ocupação e moldar a futura política do Daesh, Abu Naba foi nomeado qadi, ou juiz, do "Wilayat Bagdá" e tornou-se um confidente de Abu Jaafar, o "wali de Bagdá”.

Após a ocupação de algumas províncias pelo Daesh, ele foi nomeado para gerenciar os assuntos administrativos do Daesh, escondendo-se na governadoria de Erbil, que não estava ocupada. Durante sua estada em Erbil, ele recebeu cartas editadas do "wali do Iraque" Haji Tayseer contendo perguntas, pedidos de veredictos da sharia e questões consultivas sobre a política da organização.

Abu Naba foi responsável pela transferência de famílias de líderes terroristas da Síria e da Turquia para a governadoria de Nínive durante a ocupação do Daesh. Estes incluíam a família do Dr. Ismail al-Ithawi (Abu Zeid al-Iraqi), um membro do comitê delegado da organização.

Soldados CTS conduzem treinamento especial no Rio Tigre.

Em 2016, Abu Naba foi convocado pelo comitê delegado, especificamente por Abu Zeid al-Iraqi (mais tarde capturado pelo Serviço Nacional de Inteligência) e com a tarefa de estabelecer oportunidades de investimento em áreas sob o controle da organização para autofinanciar o Daesh. Abu Naba foi de Erbil para a Turquia, onde foi recebido por Taleb Al-Zub'i, que fazia parte de uma rede de contrabandistas que transportava pessoas e correspondência para o Daesh. Da Turquia, Abu Naba foi levado para a governadoria síria de Raqqa, onde estabeleceu frentes comerciais, como investimentos imobiliários, empresas corporativas e outros negócios administrados por habitantes locais para disfarçar o envolvimento da organização, mas cujas receitas foram canalizadas para o Daesh.

No início de 2020, Abu Naba foi convocado de Raqqa para a Turquia por Abu Bakr e Abu Muhammed, que estavam ligados ao comitê delegado e diretamente ligados ao chamado califa. Ele foi nomeado para administrar e coordenar os negócios do "Wilayat Iraque" e recebeu ordens de retornar a Bagdá, onde estabeleceria destacamentos de segurança, militares e de mídia em uma tentativa de revigorar o Daesh na capital depois que as forças de segurança iraquianas o reprimiram. Nunca ocorreu a Abu Naba que a inteligência do CTS estava monitorando seus movimentos e que ele seria pego na rede da justiça.

Depois que Abu Naba entrou no Iraque, a Diretoria de Inteligência do Serviço de Combate ao Terrorismo formou uma equipe de seleção de alvos para monitorar seus movimentos e contatos dentro do Iraque e obter mandados de prisão para ele.

Após meses de monitoramento e vigilância pela divisão de inteligência da unidade de reconhecimento, a operação policial para derrubar a célula terrorista administrada por Abu Naba foi lançada em outubro de 2020. Abu Naba deveria estar em Bagdá para se encontrar com o wali e o comandante-em-chefe do chamado Wilayat Bagdá. A unidade CTS havia se infiltrado e rastreado com sucesso este grupo terrorista desde o momento em que realizou reuniões na Turquia até a chegada de Abu Naba ao Iraque na governadoria de Erbil.

As equipes de monitoramento e vigilância da Primeira Unidade de Reconhecimento foram alertadas e por dois dias as equipes acompanharam Abu Naba, desde sua saída da governadoria de Erbil até sua entrada em Bagdá. Durante esse tempo, Abu Naba mudou-se entre vários bairros de Bagdá. No terceiro dia, Abu Naba completou sua missão e planejou voltar para Erbil. Membros da equipe de reconhecimento, um deles se passando por um motorista de táxi, atraiu Abu Naba enquanto ele se dirigia para a estrada do aeroporto de Bagdá. Os militares de inteligência do CTS acionaram sua armadilha.

E assim, depois de muitos anos de perseguição, um dos terroristas mais perigosos do Iraque foi levado à justiça por seus crimes contra inocentes.

terça-feira, 7 de dezembro de 2021

FOTO: Boinas Verdes com uniforme preto no Iraque

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos ISOF enquanto destacados como uma CRF no Iraque, 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de dezembro de 2021.

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos das forças especiais iraquianas - ISOF - enquanto destacados como uma Força de Resposta à Crise (Crisis Response ForceCRF) no Iraque, 2021.

Foto postada no perfil Gunslinger Central (@gunslinger_central) do Instagram, uma página especializadas em fotos táticas, geralmente de forças especiais. A palavra Gunslinger é o equivalente em inglês de "pistoleiro".

Também apelidado como Força In-extremis do Comandante (Commander’s In-extremis ForceCIF), esses elementos boinas verdes foram projetados para "fornecer opções para resgatar pessoas sob ameaça, para recuperar materiais sensíveis, como armas de componentes de destruição em massa, para fornecer ajuda humanitária ou para lidar com outros requisitos sem aviso prévio". Apesar do portfolio glamoroso, as companhias CRF foram dissolvidas por serem caras e subutilizadas, não justificando o investimento em dinheiro e pessoal (que era necessário em outras funções).

As CRF eram um quadro de elite de boinas verdes que se especializavam em missões de Ação Direta (DA), Contraterrorismo (CT) e Resgate de Reféns (HR). Cada Grupo de Forças Especiais (1º, 3º, 5º, 7º e 10º) possuía uma companhia CRF, sendo estas consideradas reservas estratégicas de cada comando combatente em caso de emergência em todo o mundo. Após a redução, as forças especiais americanas mantiveram apenas uma pequena capacidade CRF.

Os boinas verdes do fiasco na Venezuela vinham de uma CRF, e o Warfare Blog tratou deste assunto aqui.

As operações especiais no Iraque são atualmente conduzidas por tropas montadas em Humvees blindados, possuindo cúpolas improvisadas, atuando como colunas móveis ao invés do sistema de incursões helitransportadas de antigamente; mais caras e não mais eficientes. Entre os operadores está um TERP, um intérprete iraquiano, facilmente identificável por ser barrigudo e não carregar um fuzil.

O terceiro homem à esquerda, visivelmente fora de forma, é um intérprete e carrega apenas uma pistola para sua proteção em caso de emergência.

Os vários fuzis AR-15 possuem variações personalizadas com guarda-mão e sistemas ópticos de gosto pessoal dos operadores.

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

COMENTÁRIO: A maldição do indicador verde

Último soldado americano a deixar o Afeganistão.

Pelo Coronel Michel GoyaLa Voie de l'Épée,, 23 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de novembro de 2021.

Como quase todo mundo, fiquei surpreso com o súbito colapso do castelo de cartas montado pacientemente e caro durante anos pela coalizão liderada pelos americanos no Afeganistão. Não deveria, pois a distância entre a pintura que é feita de uma situação estratégica e a realidade é muitas vezes muito grande. Isso não é necessariamente uma mentira deliberada, mas sim um processo coletivo mais ou menos consciente de produzir uma visão tão simplificada e otimista das coisas que acaba se encaixando na realidade apenas por acaso. Porém, o acaso, aqui sinônimo daquilo que realmente não entendemos, sempre acaba se revertendo.

Muitas crises estratégicas modernas realmente se parecem com a crise das hipotecas subprime de 2007. As pessoas vendem produtos financeiros que ninguém entende, incluindo vendedores, mas que são rotulados como confiáveis ​​por instituições que têm interesse em minimizar o risco. Outras pessoas os compram não entendendo nada, mas confiando nas métricas de confiabilidade mais do que ganham dinheiro. A compra em massa dá aos vendedores a confiança de que devem continuar. Todos estão felizes, pois todos são aparentemente vencedores até que o rei se descobre nu. Isso também é chamado de “momento de Minsky”. O otimismo então dá lugar à depressão brutal. Algumas ilustrações nos últimos vinte anos.

Green Lantern

Estamos em março de 2004 no Iraque, o General Swannack comandando a 82ª Divisão Aerotransportada americana torna público seu relatório de fim de missão na província iraquiana de Anbar. Lendo o resumo para o leitor com pressa, entendemos que ele está muito feliz consigo mesmo. Lendo o resto, percebemos que se trata principalmente de um balanço contábil, com inputs (entradas) de um lado: número de patrulhas, soldados e policiais iraquianos treinados, dinheiro gasto em ações com a população, etc., e os outputs (saídas) do outro que atuam como resultados: número de inimigos neutralizados, número de ataques contra tropas americanas e perdas americanas. Para torná-lo mais sexy, há algumas fotos de ataques de helicópteros e cartas de baralho retratando dignitários do regime de Saddam Hussein que foram eliminados.

O que emerge de tudo isso é a ideia de que podemos esperar com confiança o que acontecerá a seguir. Os sucessores deste primeiro contingente americano terão apenas que administrar a transição política da autoridade provisória da Coalizão com um novo governo iraquiano e militares com as novas forças de segurança locais. Isso não vai acontecer de jeito nenhum.

Pequeno passo para trás. Primeiro, por que apresentar relatórios militares com indicadores quantificados? Tudo depende de como se combate.

Na conquista ou nas operações sequenciais, basta olhar para o movimento das bandeiras em um mapa para entender quem está no sentido da história. Este é mais freqüentemente o caso em combates terrestres entre exércitos estatais espalhados ao longo de uma linha de frente. O movimento da linha então dá a tendência. Mas pode ser o caso contra uma organização armada, como durante a operação militar Serval no Mali no início de 2013. Os objetivos são então pontos geográficos, cidades a serem libertadas e bases a serem destruídas, e quando todas forem alcançadas a campanha está acabada.

Em operações de pressão, ou cumulativas, desta vez trata-se de multiplicar pequenas ações para que surja repentinamente um efeito estratégico, geralmente uma submissão. Pode ser o caso em conflitos entre Estados, como o bombardeio da Sérvia em 1999, mas é especialmente o caso em conflitos contra adversários irregulares escondidos no ambiente local e lutando de forma fragmentada, que também chamamos de “guerrilha" e “contra-guerrilha”. Essa é toda a diferença entre Serval e Operação Barkhane. É muito mais difícil, neste contexto, ver quem está no sentido de história. Você pode multiplicar os acertos, ataques, incursões, eliminações, distribuições de dinheiro, sessões de treinamento, etc., e não ver nada de retorno. Colocamos os inputs em uma caixa, geralmente preta porque as coisas são complicadas por dentro, e esperamos.


O problema é que não são apenas os militares que estão esperando. Existem também políticos nacionais que são responsáveis, especialmente quando as eleições se aproximam, mas também Aliados locais ou apenas muitas pessoas assistindo à TV, à Internet ou lendo jornais. Uma das dificuldades das operações militares modernas é, portanto, que é necessário obter efeitos em diversos públicos diferentes e às vezes contraditórios. Diante do público "inimigo", é preciso correr riscos para ter efeitos significativos sobre ele, mas ao mesmo tempo o público "político" não gosta muito de riscos, porque está convencido de que o público "de opinião" é muito sensível a perdas.

Em suma, depois de um tempo, quando nada de decisivo sai da caixa preta, acabamos procurando pistas de que estamos indo na direção certa e pistas que também possamos mostrar para públicos prioritários. Sem uma bandeira para se mover em um mapa, há uma forte tentação de confiar em indicadores numéricos para determinar se você está progredindo para a vitória. Você ainda precisa escolher os corretos. Os indicadores escolhidos em 2003 pelos americanos no Iraque foram as 55 cartas dos dignitários do regime baathista ainda em liberdade e algumas figuras-chave muito centradas nos americanos, como a quantidade de dinheiro americano gasto ou o número de ataques contra americanos e as perdas americanas. Formamos assim um discurso sobre a evolução da guerra dirigido sobretudo aos americanos: a própria instituição militar, a opinião pública e os parlamentares que votam as verbas, ou seja, todos os que julgam, concedem promoções e recursos.

Ponto especial: quando aqueles que apresentam os resultados também são julgados pelos mesmos resultados, é muito raro que este último seja ruim, mesmo que às vezes signifique fazer as estimativas do lado certo e principalmente se forem difíceis de contestar. As intervenções externas ocorrem, na maioria das vezes, na periferia ou na superfície de realidades locais complexas. Para tentar ver com clareza, você tem que trabalhar, documentar-se extensamente, fazer perguntas, se possível ir até lá. Poucas pessoas realmente fazem esse esforço, apenas porque geralmente há algo mais para fazer ao mesmo tempo. Então, lemos alguns arquivos, ouvimos algumas apresentações e isso é o suficiente. A realidade apresentada pelos militares aos políticos, políticos à mídia, a mídia ao público, e pessoas entrando em redes sociais é muitas vezes uma realidade absurdamente simplificada e, portanto, tão falsa quanto o Iraque no filme Sniper Americano (American Sniper, 2014) de Clint Eastwood. Quem na França se esforça para especular sobre as políticas particulares dos 30 e de alguns grupos armados presentes no Mali? Preferimos agrupá-los por rótulos, inclusive os famosos “grupos armados terroristas” onde tudo é dito em três palavras, ou mesmo três letras “GAT”. Palavras são abstrações da realidade, acrônimos são abstrações de abstrações. T = vilão sem dúvida psicopata que deve ser destruído, fim da análise. Voltamos ao assunto: quando as ideias são simples acima de coisas complicadas, sua precisão é mais frequentemente uma questão de acaso.


Claro, se os indicadores em verde são o alfa e o ômega daqueles que estão no terreno, eles às vezes serão privilegiados em detrimento de todo o resto. As perdas tornam-se sensíveis, não importa que não corramos mais riscos, não façamos mais patrulhamento e fiquemos nas bases. Spoiler: Isso é o que em grande parte explica o bom desempenho do General Swannack na primavera de 2004, que se esquece de apontar que os rebeldes rapidamente reocuparam o vazio.

Outro efeito perverso: uma vez estabelecido um padrão que atenda aos indicadores escolhidos, é difícil para quem está no terreno se desviar dele. No início dos anos 2000, o economista David Romer mostrou que as estratégias da maioria dos treinadores de times da Liga Nacional de Futebol eram sub-ótimas. Não que esses treinadores fossem ruins, mas eles tendiam a seguir o padrão de estilo de jogo. Por quê? Porque eles têm carreiras e rapidamente perceberam que serão mais facilmente desculpados se falharem dentro da norma do que por tentarem algo novo. Os generais americanos destacados no Iraque não precisam vencer a guerra contra os rebeldes, a maioria não chegará ao fim, mas ficará apenas por um período. Eles serão julgados durante este período e, portanto, a maioria será tentada a fazer como todos antes e depois, mesmo que sintam que não é necessariamente a melhor coisa a fazer. Para ser justo, no caso iraquiano, o General Petraeus, comandante da 101ª Divisão de Assalto Aéreo designada ao norte do Iraque em 2003-2004, tentou coisas diferentes de seus três colegas, mas é verdade que o período ainda era fluido e que a norma dominante padrão não fora totalmente estabelecida.

Mesmo assim, com todas essas boas notícias voltando do terreno na primavera de 2004, uma decisão político-estratégica foi tomada para reduzir o tamanho da pegada. Em vez de quatro divisões, três serão suficientes, e essas divisões são mais voltadas para a estabilização e a passagem do bastão para as novas forças de segurança locais do que para o combate. Ninguém se lembra visivelmente de que um ano antes, em 1º de maio de 2003, o presidente Bush anunciou o fim dos combates no Iraque tendo como pano de fundo uma faixa "Mission Accomplished" (Missão Cumprida) pendurada na torre do porta-aviões Abraham Lincoln. Nesse ponto, 97% das baixas americanas no Iraque ainda estão por vir e a luta aumenta em forma de guerrilha poucos dias após este discurso.

Operações de Sísifo


O mesmo padrão se repete em abril de 2004. O que sai da caixa preta após a chegada da próxima rendição não é o que se esperava. Mal chegados para substituir a 82ª Aerotransportada, os fuzileiros navais da 1ª Divisão são engajados em Fallujah para vingar as mortes filmadas de quatro contratados da Blackwater em Fallujah. Os fuzileiros navais ficam surpresos ao ver que a cidade abandonada pelas forças americanas está firmemente controlada por gangues armadas e que um cerco terá de ser realizado. Eles também observam ocasionalmente a extrema fraqueza das novas forças de segurança iraquianas criadas sob a égide da coalizão, que quase desapareceram completamente durante o mês. Por fim, surpreendem-se ao ver que seu próprio governo acaba impondo novamente o levantamento do cerco sob a pressão da emoção despertada pelas imagens da batalha na CNN, claramente em descompasso com a realidade dos combates. Nesse ínterim, eles tiveram tempo de ver também em todas as telas de televisão as revelações sobre o que havia acontecido algum tempo antes na prisão de Abu Ghraib. Esses foram os dias em que seus antecessores queriam resultados rápidos para tornar seus indicadores de desempenho verdes e a tortura lhes pareceu uma ideia interessante para isso.

Durante esse tempo, as províncias xiitas do sul do Iraque foram ocupadas por várias dezenas de contingentes militares nacionais com objetivos, percepções, meios e métodos muito diferentes. Essa coleção não pegou realmente no terreno e um movimento como o Exército Mahdi foi capaz de criar raízes sem muita dificuldade nos círculos populares. Quando a Coalizão planeja prender seu líder Moqtada al-Sadr antes da rendição, este último precisa apenas iniciar uma insurgência que surpreenda a todos, paralisa parte de Bagdá e quase todas as cidades do sul. Os outros setores não são melhores. Várias organizações rebeldes, incluindo aquela que logo se tornaria a Al-Qaeda no Iraque e depois o Estado Islâmico no Iraque em 2006 (com a benevolência da Síria de Bashar al-Assad, não esqueçamos) aproveitaram a retirada parcial americana para, como em Fallujah, se deslocar discretamente nas cidades do Tigre e do Eufrates. Se fevereiro foi o mês menos mortal para os americanos desde que entraram no Iraque, com 19 soldados mortos, abril foi de longe o mais violento com 136 mortos.

Tudo tem que ser feito de novo. Ao custo de um ano de esforço e 1000 soldados mortos, a rebelião mahdista é sufocada temporariamente, no lugar da maioria dos contingentes aliados que não querem lutar, e as forças americanas recuperaram o controle aparente das cidades sunitas. Na virada de 2005 para 2006, os indicadores estão verdes novamente ou pelo menos tudo é feito para torná-los verdes antes das eleições de meio de mandato nos Estados Unidos. Não apenas as divisões americanas recuperaram uma posição em cada cidade, mas eleições foram realizadas, um governo democraticamente eleito está sendo estabelecido e um "novo" novo exército de mais de 150.000 homens foi formado.

Então agora é a hora, acredita-se novamente, de cortar um pouco os custos, retirando-se novamente das cidades para se reagrupar em grandes bases externas enquanto se espera a rendição pelas forças locais. E aí, novo desastre. Em fevereiro de 2006, o país entrou em guerra civil. As províncias sunitas e a capital são um grande campo de batalha entre o Estado Islâmico no Iraque, as organizações nacionalistas sunitas e as várias milícias xiitas, algumas delas lideradas pelo governo e especialmente o Exército Mahdi.

Passamos de um choque em choque, seguindo pontos de situação brilhantes, até que os americanos finalmente conseguiram se recuperar em 2007-2008. Note-se de passagem que a mudança de estratégia só ocorreu após uma constatação geral que no final de 2006 só poderia ser negativa. Para o General Petraeus, então comandante-em-chefe, era tudo por causa dele. Isso não está completamente errado, mas, em uma inspeção mais próxima, ignora o papel essencial do retorno da maioria das organizações nacionalistas e tribos sunitas contra o Estado Islâmico no Iraque. Nomeado a partir daí também comandante-em-chefe no Afeganistão, os mesmos inputs não produzirão os mesmos resultados, pois desta vez não há reversão de grande parte do inimigo. Portanto, voltamos a uma política de números batizada "contraterrorismo" para fazer crer no novo e onde os drones e as Forças Especiais são os principais fornecedores de indicadores. Depois de 2014 e da partida da maior parte das forças da coalizão, é o Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos que tem a "liderança" nas operações e aproveita a oportunidade para se sair bem e, principalmente, para torná-la conhecida. Ele fornece bons números de eliminação, algumas cabeças de líderes, belas imagens de "operadores" em ação que irão inspirar muita gente, inclusive a polícia. Tudo isso contribui para a reputação e recompensas, lugares e orçamentos, mas no final do dia mantém uma ilusão de solidez para um conjunto cada vez mais vazio.


Tenho falado muito sobre os americanos, porque eles ocupam o espaço e são tanto mais visíveis porque há uma necessidade em casa e mais do que em qualquer outro lugar de mostrar absolutamente muita coisa no curto prazo, como esses relatórios trimestrais de empresas que deve agradar absolutamente aos acionistas. Mas o fenômeno é geral em todas as nações modernas que praticam a contra-insurgência (ou para fazer parecer que algo diferente está sendo feito). Podemos nos perguntar, por exemplo, se ficamos surpresos com o ataque jihadista de janeiro de 2013, o retorno da guerrilha à partir de 2015, seu estabelecimento no centro do Mali, o surgimento de novos grupos jihadistas, o desenvolvimento de milícias de autodefesa, os golpes de Estado em Bamako, o assassinato de Idris Déby, etc. ao mesmo tempo que nunca deixamos de alinhar bons números, desde o número de soldados locais treinados aos rebeldes eliminados até o dinheiro investido na ajuda à população. O envolvimento francês e europeu no Sahel ainda é muito empolgante por causa de uma grande caixa preta da qual às vezes surgem resultados felizes, mas também muitas vezes surpresas desagradáveis.

A solução? Primeiro, a aceitação da análise crítica. Está tudo nos termos: “aceitação” significa que toleramos, como em qualquer boa democracia, que o que é feito seja “criticado” no interesse do país e com base em verdadeiras “análises”, ou seja, o trabalho em profundidade dos militares, representantes da nação, pesquisadores, cidadãos comuns e trabalho que tem uma chance de ser ouvido. Tantas luzes para estratégias forçosamente míopes. E aí se você quer dominar a caixa preta, você tem que realmente ir lá, viver lá e lutar no terreno. Devemos também deixar que um líder comande com um efeito político a ser obtido a longo prazo e não com números.

Os exemplos do subprime e do SOCOM no Afeganistão foram retirados de Cole Livieratos, The Subprime Strategy Crisis: Failed Strategic Assessment in Afghanistan, no site War on the Rocks.

terça-feira, 2 de novembro de 2021

A Humilhação do Exército Britânico

Por Aris Roussinos, Unheard, 2 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de novembro de 2021.

As Forças Armadas, e o Exército em particular, são certamente as únicas armas do Estado britânico que ainda mantêm uma reputação popular de competência institucional. Considere o recente livro The Habit of Excellence (O Hábito da Excelência), uma espécie de recauchutagem para CEOs civis das antologias motivacionais distribuídas em Sandhurst. Ou a convocação do governo do ex-vice-chefe do Estado-Maior de Defesa (embora um Royal Marine em vez de um soldado do exército) para instituir reformas abrangentes para o NHS - um claro aceno à reputação residual dos militares de rigorosa e intransigente eficiência.

É difícil conciliar essa percepção com o recente histórico desorganizado e esbanjador do Exército em aquisições. E ainda persiste a sensação, verdadeira ou não, de que as forças armadas continuam a ser uma área de refúgio para um tipo de eficácia estóica perdida para o resto do país, uma capacidade de fazer o trabalho, sem reclamar, contra obstáculos intimidantes.


Isso pode dizer tanto sobre a Grã-Bretanha como um todo quanto sobre as próprias forças armadas. Considere a onda de sentimentalismo afetuoso em relação ao Exército, talvez um análogo da classe trabalhadora ao sentimentalismo da classe média em relação ao NHS, que varreu o país no final dos anos 2000. O clima popular na época, manifestado na campanha Help for Heroes (est. 2007) e no Sun's Military Awards (est. 2008), foi imediatamente inflamado pela sensação de que as tropas em campanha estavam sendo colocadas em risco pelos cortes orçamentários do governo e pela insatisfação com o barulho e a queima de papoulas por simpatizantes da jihad enquanto as tropas voltavam do Afeganistão para casa. Na época, o Exército era um símbolo poderoso de uma instituição pura e traída em torno da qual o povo britânico poderia explorar suas ansiedades mais amplas, uma metáfora para o crescente desconforto com a direção do próprio Estado britânico.

No entanto, mesmo o apoiador mais dedicado do Exército seria forçado a admitir que as duas últimas décadas não aumentaram sua reputação. As duas guerras escolhidas pelo governo trabalhista foram dolorosas falhas estratégicas e táticas, iniciadas com pouco entusiasmo popular e abandonadas com pouca fanfarra. Em ambas as guerras, as unidades e os soldados individuais lutaram bravamente em um nível tático, em busca de objetivos estratégicos equivocados e, em última análise, infrutíferos.


É nesse contexto que dois livros recentes visam dissecar as falhas do Exército no Iraque e no Afeganistão para dar sentido a esse desempenho sem brilho. Em The Changing of the Guard (A Troca da Guarda), Simon Akam, um ex-oficial de ano sabático, narra o Exército como um amante desapontado, enfiando a faca nas feridas mais dolorosas da instituição. Em Blood, Metal and Dust (Sangue, Metal e Poeira), o Brigadeiro Ben Barry, ex-diretor do Estado-Maior do Exército Britânico, escolhe um alvo mais alto. Sim, os sucessos das pequenas intervenções dos anos 90 levaram os chefes militares a descansarem sobre os seus louros, de modo que “o sucesso operacional se tornou a mãe da complacência”. Mas para Barry, cujo livro foi extraído de seu post mortem oficial ainda classificado das guerras pós-11 de setembro, a causa final do fracasso pode ser colocada nas mãos dos políticos trabalhistas administrando a guerra.

Ambos recontam os fatos nus e dolorosos das duas derrotas mais recentes do Exército. No Iraque, a captura e ocupação iniciais de Basra, travadas com gorros ao invés de capacetes e a autoconfiança de um Exército que acreditava liderar o mundo na manutenção da paz e na contra-insurgência, culminaram em uma humilhante retirada negociada das forças britânicas para a orla do cidade, onde, imobilizados pelos ataques à bomba constantes das milícias xiitas que agora dirigiam a cidade, perderam toda a capacidade de exercerem sua influência.

Os americanos, claramente impressionados com o fracasso dos oficiais britânicos, foram forçados a ajudarem as forças iraquianas a retomar a cidade em 2008 na operação Charge of the Knights (Carga dos Cavaleiros), uma humilhação para a Grã-Bretanha. “Isso prejudicou a reputação das forças britânicas com os Estados Unidos e os iraquianos e infligiu grandes danos à autoconfiança militar britânica”, observa Barry. Akam é menos estóico, descrevendo-o como “uma humilhação aguda e duradoura para o Exército Britânico”, que “permanecerá e seguirá as tropas ao redor do mundo até o Afeganistão”.

Na verdade, para exorcizar esse fantasma, os líderes políticos e militares britânicos imprudentemente se ofereceram para uma campanha em uma paisagem de Helmand de fazendas muradas e vegetação densa que os soviéticos tiveram dificuldade para pacificar, mesmo enquanto o Exército tinha dificuldades no Iraque. No Afeganistão, eles acreditavam, o Exército recuperaria sua reputação, deixando para trás as dificuldades no Iraque.

Eles estavam errados. Espalhados em complexos rurais isolados, ou “casas de pelotão”, as tropas britânicas foram sitiadas por ondas de combatentes talibãs e só evitaram serem tomados de assalto por meio do uso devastador do poder aéreo, que por sua vez alienou os civis cujas casas destruiu. Junto com uma necessidade desesperada de evitar baixas, a dependência de patrulhas de curto alcance, ímãs para emboscadas do Talibã e atolados por IEDs, significava que o Exército nunca poderia manter o domínio tático no campo, muito menos obter a iniciativa estratégica.

Como em Basra, a proteção da força tornou-se o objetivo dominante e a iniciativa passou para o inimigo local. As tentativas de alterar o equilíbrio de poder, por meio de operações ousadas, mas equivocadas, como a Operação Panther’s Claw (Garra da Pantera) ou por meio de esquemas grandiosos de corações e mentes como o transporte de uma turbina gigantesca através do território talibã até a represa onde permaneceria sem uso por anos, todas falharam. No Afeganistão, como no Iraque, o rico tributo de sangue e tesouro que a Grã-Bretanha despejou na poeira foi inteiramente em vão.

Onde está a culpa? Barry critica políticos trabalhistas como Clare Short, cuja recusa intransigente em fornecer às tropas britânicas que de repente se viram governando Basra, uma cidade de 1,5 milhão de habitantes, até mesmo com o apoio básico do DFID devido à sua oposição à guerra, fez muito para incitar a raiva local nas primeiras semanas e meses vitais de ocupação. Ele mira em Gordon Brown, que como chanceler forçou cortes de defesa que reduziram a frota de helicópteros do Exército, e depois mentiu sobre isso como primeiro-ministro quando soldados morreram em Helmand como resultado direto.

Mas ele reserva sua maior ira para o arquiteto da entrada da Grã-Bretanha nessas guerras desnecessárias: Tony Blair. No entanto, como Barry deixa claro, os chefes militares também não conseguiram impressionar os políticos com a necessidade de reavaliar sua estratégia à luz do fracasso de sua missão. A apreciação franca e sóbria dos fatos concretos pelos quais o Exército é conhecido estavam tragicamente ausentes.


Para Akam, grande parte da culpa pode ser atribuída ao próprio Exército. Ele desenha um retrato etnográfico de uma instituição que luta para dar sentido a um mundo em mudança, cujo acalentado ethos regimental, a fonte do orgulho individual e da busca pela excelência, também o reduz a "uma coleção desajeitadamente organizada de tribos guerreiras, inadequadamente coordenada e muitas vezes lutando entre si”. Com medo de cortes futuros, os generais oferecem o Exército para a subestimada missão de Helmand, mesmo quando o Iraque está falhando: "É usá-los ou perdê-los", Akam cita o general Sir Richard Dannett sobre a decisão malfadada. Os generais dizem aos políticos o que eles querem ouvir, em vez das verdades difíceis que atrapalhariam a promoção: "a determinação do Exército Britânico em ‘botar pra quebrar’ colocou o exército em uma terrível bagunça."

Para Akam, a ausência de responsabilidade por tal falha é corrosiva para a capacidade do Exército. Os escalões mais jovens são levados aos tribunais por crimes de guerra individuais - com razão, ele sente - enquanto os generais são recompensados pelo fracasso estratégico com títulos e sinecuras. Ao contrário de Israel, onde o fracasso da Guerra do Líbano de 2006 levou a um expurgo de oficiais superiores fracassados, “nenhum general britânico foi demitido ou renunciou por conta do Iraque e Afeganistão”. O resultado, para Akam, é a podridão institucional: “aquela hipocrisia havia se infiltrado na instituição abaixo deles e a estava azedando”.

Além disso, afirma Akam, think tanks de defesa como o RUSI "podem parecer mais clubes confortáveis financiados em parte por fabricantes de armas - forças amigas, no jargão das forças - do que supervisores externos rigorosos", inibindo-os de guiar o Exército por meio de reformas dolorosas.


A presença americana paira sobre ambos os livros, como um pai vitoriano, cuja aprovação é desejada, mas que em vez disso emana apenas uma fria decepção. A trágica ironia, como observam Akam e Barry, foi que as campanhas de Basra e Helmand foram iniciadas inteiramente para ganhar o prestígio de Blair aos olhos americanos, mas o resultado do desempenho decepcionante do Exército foi apenas o desdém americano. Como Akam observa sobre seus soldados informantes na véspera da invasão do Iraque, “muitos reconhecem que a verdadeira razão de estarem aqui é para manter a posição dos militares britânicos aos olhos dos americanos”.

No entanto, mesmo durante a própria invasão, antes da retirada humilhante, a capacidade de seleção do Estado britânico já havia rebaixado a reputação do Exército aos olhos americanos. Basra, logo depois da fronteira com o Kuwait, foi escolhida como alvo da Grã-Bretanha, segundo Akam, porque a recente adoção da logística just-in-time* pelo Exército a deixou com peças de reposição insuficientes para viajar mais longe. A falta de veículos blindados, de coletes à prova de balas, helicópteros e até munição deixou o Exército vasculhando o que podia dos americanos não-impressionados e equipando-se quase inteiramente com fundos de emergência do Tesouro.

*Nota do Tradutor: O sistema Just-in-Time (JIT) é um conceito japonês de estoque zero, onde as peças entram diretamente na produção, dessa forma sem entrarem em depósito.

Citando a muito tempo atrás a Malásia e a mais recente Irlanda do Norte (como se isso fosse um sucesso militar não-qualificado) em seu favor, o Exército desviou seu senso de insegurança em sua capacidade amplamente reduzida em comparação com os EUA com uma crença arrogante e, em última análise, equivocada de que a contra-insurgência centrada na população era seu ofício inigualável. Oficiais americanos citados por Barry reviraram os olhos para "‘mais basófias britânicas’" conforme os eventos provaram o contrário.

Mas mesmo os americanos, cujos recursos eram ilimitados em comparação, acabaram perdendo as duas guerras. Como Barry observa: “A decisão do governo dos EUA de invadir o Iraque deve ser considerada a pior decisão militar do século XXI. Foi uma loucura estratégica militar em um nível igual ao do ataque de Napoleão em 1812 à Rússia e ao ataque de Hitler de 1941 à União Soviética.” O fracasso, então, foi em última análise político, de políticos britânicos seguindo cegamente seus patronos americanos em guerras invencíveis: o pecado essencial do Exército foi apenas tentar fazer o melhor em um trabalho ruim, uma falha de caráter não-ignóbil.

É difícil evitar a dolorosa conclusão de que o Exército Britânico funciona para os americanos como os Gurkhas para o Exército Britânico: uma força auxiliar leal e altamente motivada, incapaz de conduzir uma campanha por conta própria, cujas tradições coloridas ainda carregam o romance de uma era anterior e mais gloriosa.


Hoje, no entanto, mesmo este papel limitado está agora em dúvida: com o novo foco do governo na capacidade naval e a tão alardeada Pacific Tilt (Guinada ao Pacífico) formando a base da visão de defesa da Grã-Bretanha, o novo Chefe do Estado-Maior de Defesa, Almirante Sir Tony Radikin, é supostamente preparado para supervisionar um corte dramático nos números já perigosamente reduzidos do Exército, reduzindo as fileiras da infantaria em mais de um terço do número atual.

O “Melhor Pequeno Exército do Mundo” pode estar ficando cada vez menor, mas não é para melhor. Como adverte o analista de defesa Francis Tusa, o resultado de seus problemas de compras auto-infligidos por décadas é que agora é mais ou menos “incapaz de combater contra ameaças de ponta”. Duas décadas de combate a insurgentes mal-equipados distraíram o Exército de sua missão principal de defender o país contra um adversário competente e bem equipado como a Rússia ou a China.

Talvez isso seja menos desastroso do que pode parecer à primeira vista. O perigo não é tanto a incapacidade do Exército, mas a incapacidade de nossos políticos de combinarem suas ambições com seus recursos, ou a coragem moral de seus generais para dissuadi-los gentilmente. Apesar de zombarmos da fraqueza militar da Alemanha, não é muito claro que a Grã-Bretanha tenha ganhado muito durante a década de guerra que os alemães conseguiram evitar. Depois do uso promíscuo do Exército por Blair para aplacar sua ânsia de glória, talvez um período de abstinência forçada possa fazer algum bem à instituição, se for para se reequipar para os desafios mais graves e não-escolhidos do próximo século.

O foco do Exército nos novos batalhões Rangers, encarregados de treinar e dirigir as forças parceiras locais, no lugar da infantaria de linha, sugere um mundo de conflito onde a luta é cada vez mais deixada para proxies dispensáveis. No entanto, um Exército encolhido e mais focado também representa um desafio para um Estado britânico despojado, que cada vez mais depende de soldados para compensar sua própria capacidade perdida.


Sua disposição de assumir tarefas fora de seu papel central pode evitar cortes, por um tempo, mas não necessariamente em seu próprio interesse ou nos melhores interesses do Estado; distrai de sua tarefa urgente de modernização e reorganização e dá aos governos britânicos cobertura para peneirar ainda mais a capacidade do Estado, confiantes de que os soldados sempre estarão lá para compensar a falta.

Como o Relatório Chilcot sobre o Iraque observou, "uma atitude ‘pró-ativa’ está enraizada nas forças armadas do Reino Unido, uma determinação de continuar com o trabalho, por mais difíceis que sejam as circunstâncias - mas isso pode impedir que a verdade fundamental chegue aos ouvidos mais graduados." Talvez a capacidade do Exército de vencer a próxima guerra, como o Estado britânico de enfrentar a próxima crise, fosse melhor servida por generais que encontrassem coragem, quando necessário, de dizer aos políticos que algumas coisas simplesmente não podem ou não devem ser feitas.

Leitura recomendada:


segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Basra: O "Momento de humilhação final" da Grã-Bretanha no Iraque

Militares do Exército Britânico, um deles dobrando a Union Jack, transferiram o comando da província de Basra, rica em petróleo, no sul, para os Estados Unidos em março de 2009.
(Jehad Nga / The New York Times / Redux)

Extrato do livro The Changing of the Guard (A Troca da Guarda), de Simon Akam.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de outubro de 2021.

Esta é uma história sobre o nadir, o fim dos dias. Segunda-feira, 24 de março de 2008, marcou cinco anos após o mês depois da chegada do Exército Britânico no Iraque, pregando aos americanos sua aparente perícia em operações de contra-insurgência e compreensão, no vernáculo histórico da classe alta britânica, das múltiplas formas "do Árabe." Esta é a história de como essa complacência - o legado reivindicado do policiamento imperial e de Belfast; da Grécia-a-sua-Roma e o desprezo anglo-americano mal-disfarçado - tornou-se aparente.

O Exército Britânico cometeu aquela falha espantosamente comum do século XXI: exalava superioridade em relação a uma entidade exterior, e então sentiu uma surpresa genuína quando aquela mesquinhez não gerou admiração e sentimento de companheirismo em troca.

E quando o Exército Britânico em Basra, sul do Iraque, experimentou o que alguns observadores descreveriam mais tarde como o maior desastre militar britânico desde Suez em 1956, ou a queda de Cingapura em 1942 - embora outros contestem o drama dessas comparações - a própria instituição iria, em um nível mais amplo, começar a se envolver em um programa de reforma por atacado (e muito necessária).

Em 2008, para o Exército Britânico, os caminhos do fracasso e da melhoria se cruzaram.

Esta semana de março era para ser o descanso e recuperação do Brigadeiro Julian Free, uma oportunidade no meio da viagem para voltar à Europa para o comandante de 45 anos da 4ª Brigada Mecanizada do Exército Britânico. No entanto, o Major General Barney White-Spunner, responsável pela divisão e chefe de Free, pediu para trocar com ele e, bem, White-Spunner superou Free. Portanto, em 24 de março, com o primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki vindo de Bagdá para Basra com metade de seu governo a reboque, era Free quem estava esperando por ele, enquanto White-Spunner estava na estação de esqui austríaca de Zürs.

Maliki não era fã do Exército Britânico. Ele o culpou publicamente a terrível situação no sudeste do Iraque, e em Basra em particular. Mas, naquele momento, ele esperava salvar uma operação de limpeza na cidade, lançada impulsivamente para finalmente resolver a ferida purulenta em que Basra havia se tornado. O primeiro-ministro desejava ir do aeroporto ao Palácio de Basra, o antigo edifício de Saddam no centro da cidade, às margens do Shatt al-Arab. Mas sua operação estava começando a sair dos trilhos e o caos na cidade significava que a única maneira viável era por meio de helicópteros da base britânica no aeroporto.

Free encontrou Maliki no edifício do terminal e o primeiro-ministro apertou sua mão, aparentemente sem saber quem era o oficial. Free, no entanto, apertou a mão de Maliki com as duas mãos, no estilo iraquiano - proporcionando assim um melhor agarramento porque o primeiro-ministro não conseguiria se afastar, permitindo que Free transmitisse uma mensagem a ele. “Faríamos o que fosse necessário para apoiar as forças iraquianas entrando em Basra”, disse Free.

Um dia antes, as tropas iraquianas começaram a aumentar em quantidade no enorme acantonamento britânico no aeroporto de Basra. No total, 28.000 soldados iraquianos e americanos (700 deles iraquianos) chegariam em uma semana. Lá fora, a 14ª Divisão do Exército Iraquiano - treinada pelos britânicos - foi desdobrada em Basra para reprimir a insurreição na cidade, mas uma das três brigadas constituintes da divisão simplesmente se dissolveria, deixando de existir como uma entidade militar. Na primeira semana da operação, 50 mortos e mais 650 feridos passariam pelo hospital britânico no campo de aviação.

Dentro do terminal, o Tenente-General Mohan al-Furayji, chefe do Comando de Operações de Basra, um quartel-general iraquiano que comandava todas as forças de segurança iraquianas na província de Basra, incluindo exército, polícia e forças de fronteira, estava em um canto. Furayji era para ser o homem que ajudaria a colocar Basra sob controle, mas naquele momento, ele pensou que seria demitido por Maliki e implorou a Free para intervir. Free não teve a chance de defender Furayji: Maliki, assim que teve sua mão de volta, não queria contato com a liderança britânica. Sua intenção era simplesmente transferir seu grupo em helicópteros para chegar ao palácio.

O primeiro-ministro permaneceu em um canto do terminal com Furayji. Free estava com Ben Ryan, um major dos Royal Dragoon Guards. Maliki levantou-se apenas quando os helicópteros estavam prontos e partiu com Furayji. Free e Ryan foram deixados no aeroporto. O primeiro-ministro iraquiano acaba de esnobar publicamente o alto oficial britânico no sul do Iraque.

"E agora?" Ryan perguntou.

"Não tenho bem certeza, Ben", respondeu Free.

Uma banda dos Royal Marines espera a chegada dos VIPs para a cerimônia do dia em uma cerimônia de transferência do comando da coalizão do aeroporto de Basra em março de 2009.
(Jehad Nga / The New York Times / Redux)

Esta operação iraquiana deveria acontecer meses depois e com preparação cuidadosa, mas a pedido de Maliki foi precipitada para uma ação imediata e caótica. Os americanos decidiram que, por mais desorganizado que fosse, a vida política de Maliki estava investida nisso, e Maliki era o homem deles. Para manter o empreendimento de trilhões de dólares da guerra no Iraque, a operação do primeiro-ministro não podia falhar. Como resultado, o Tenente-General Lloyd Austin - comandante do Corpo Multinacional - Iraque, a organização responsável pelo comando e controle das operações da coalizão no país, e segundo em antiguidade apenas para o General David Petraeus - desceu a Basra. Austin, agora secretário de defesa de Joe Biden, era um conceito estranho nos círculos militares britânicos em 2008: um general negro.

Free viajou com Austin para o palácio de helicóptero. “Olha, Julian, não acho que você pode entrar”, lembrou Free de Austin dizendo quando eles chegaram. Free disse que entendia; Maliki não queria ver nenhum britânico. (Austin não respondeu a um pedido de entrevista para este livro.)

A cena no palácio era caótica, com xeiques locais vindo para ver Maliki e todo o governo iraquiano residindo efetivamente. Soldados iraquianos perambulavam, mas o local também sofria ataques periódicos de foguetes. Se um [foguete] atingisse Austin, Free lembrou-se de ter pensado, deixe-me ficar bem ao lado dele. O resultado de tal situação seria impossível.

Maliki deixou Austin esperando por horas, mas eles eventualmente realizaram sua reunião. Levar Austin de volta ao campo de aviação foi difícil, no entanto: os pilotos americanos pegaram Austin e Free do campo de aviação, mas um helicóptero americano se recusou a pousar para recolhê-los, citando os ataques, então Free convocou um helicóptero Merlin britânico. O Palácio de Basra é na verdade uma série de estruturas em um vasto complexo fechado com um perímetro total de 8km e, em meio a alguma confusão, Austin, Free e sua comitiva foram levados para o local de pouso errado, de modo que o helicóptero britânico decolou inicialmente sem eles. Free teve que chamar a aeronave de volta, e Austin foi incluído.

O helicóptero também carregava iraquianos feridos de volta ao campo de aviação, então Austin acabou segurando um soro intravenoso durante o vôo. De acordo com a prática britânica para evitar o fogo antiaéreo, o Merlin saltou por toda parte, em um ponto passando por baixo de uma linha de energia. Depois que pousaram no campo de aviação, Free disse que Austin recorreu a um soldado antigo que o acompanhava na viagem e pediu-lhe que classificasse a viagem em termos de experiências de vida de todos os tempos, em uma escala de um a dez.

"Isso foi um 10, senhor."

“Não, foi um 11.”


O interlúdio mais leve foi breve. De volta ao escritório de Free, o oficial britânico disse que Austin perguntou a ele como ele iria resolver a situação na cidade. De acordo com Free, ele disse a Austin que faria o que foi proibido até agora: enviar tropas britânicas para a cidade e se associar a unidades iraquianas. Free disse que Austin perguntou se ele tinha autoridade para fazê-lo e que ele respondeu que, embora não tivesse, o faria de qualquer maneira.

Nesse estágio de sua turnê, Free sabia que, para os americanos, “sua palavra” e “dizer a verdade” eram absolutamente vitais. Em troca, ele listou seus requisitos, dizendo a Austin que precisava do Blue Force Tracker, a tecnologia americana para monitorar a localização de unidades amigas, bem como faróis localizadores pessoais, para que, se as forças que operavam com os iraquianos fossem sequestradas, elas pudessem ser rastreadas.

Austin vôou de volta para Bagdá, mas não foi o único americano a visitar Basra. Os Estados Unidos precisavam fazer esse trabalho e, de repente, pela primeira vez neste empreendimento de meia década, Basra era o foco dos eventos no Iraque: o "principal esforço do 'corpo'".

Em 28 de março, o Major-General George Flynn, vice de Austin no Corpo Multinacional - Iraque e um nova-iorquino baixo e enérgico, vôou com o Coronel Chuck Otterstedt, um oficial de planejamento do estado-maior do 18º Corpo Aerotransportado (XVIII Airborne Corps) dos EUA, outro assessor, a equipe de segurança de campanha de Flynn e um intérprete.


Flynn mais tarde participou de uma reunião de altos comandantes britânicos e americanos, sentados na cadeira de White-Spunner, que ainda estava de férias. Free o apresentou e presidiu a reunião. Exatamente o que Flynn disse nesta fase é contestado - as lembranças de Free e Flynn diferem - mas ele se referiu à capacidade da Grã-Bretanha para "overwatch" (vigiar), onde uma força militar é mantida fora da área de combate, mas pode intervir em apoio a outra, se necessário.

“Fui enviado aqui para garantir que a overwatch (vigilância) não volte a falhar”, é a versão que Free lembrou, e que mais tarde se tornou uma apresentação oficial do evento. “Overwatch tem tudo a ver com consciência situacional, o que você não tem.”

“Foi”, lembrou o Tenente-Coronel Paul Harkness, um oficial britânico que estava presente, “o momento de humilhação e constrangimento definitivos”.

O que quer que Flynn tenha dito com precisão, o grafite americano escrito na parede azul de um banheiro portátil que Eric Whyne, um capitão fuzileiro naval americano, viu naquela época era totalmente inequívoco.

P: Quantos britânicos são necessários para limpar Basra?

R: NENHUM. ELES NÃO PUDERAM MANTÊ-LA, ENTÃO MANDARAM OS FUZILEIROS NAVAIS.