Mostrando postagens com marcador Iraque. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Iraque. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

O Iraque diz que capturou um alto funcionário do Estado Islâmico na... Turquia!


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 11 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de outubro de 2021.

Em 10 de outubro, enquanto os eleitores iraquianos eram chamados às urnas para renovar seu parlamento, Bagdá lançou uma operação além de suas fronteiras para capturar Sami Jasim Muhammad al-Jaburi [também conhecido como Hajji Hamid], um alto funcionário da organização Estado Islâmico [EI ou Daesh], cuja cabeça fora avaliada pelos Estados Unidos a um preço de cinco milhões de dólares.

Na ficha biográfica divulgada pelas autoridades norte-americanas, al-Jaburi, na casa dos 40 anos, é descrito como tendo sido o "ministro das finanças" do Daesh para supervisionar "atividades geradoras de renda", incluindo a venda "ilícita" de petróleo, gás, antiguidades e minerais. As sanções foram aplicadas contra ele pelo Departamento do Tesouro em setembro de 2015.

Então, após a morte de Abu Bakr al-Baghdadi, o chefe da organização terrorista morta pelas forças especiais americanas em outubro de 2019, al-Jaburi teria continuado a ocupar o cargo de "supervisor dos arquivos financeiros e econômicos" no sucessor deste último, a saber, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi.

Primeiro, em 11 de outubro, via Twitter, o primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi anunciou a captura deste líder sênior do Daesh em uma "operação externa".

"Enquanto nossos heróis [das Forças de Segurança do Iraque - FSI] se concentravam em garantir as eleições, seus colegas [nos serviços de inteligência] realizaram uma complexa operação externa para capturar Sami Jassim", disse al-Kadhimi, sem dar mais detalhes sobre onde o líder jihadista estava escondido.

Os detalhes foram fornecidos à AFP por um oficial militar iraquiano, sob condição de anonimato. Assim, ele afirmou que al-Jaburi havia sido capturado "na Turquia".

De momento, as autoridades turcas não reagiram a esta informação. No entanto, é improvável que tenham autorizado a operação liderada pelos serviços de inteligência iraquianos, embora não tenham vergonha de fazer o mesmo quando se trata de colocar as mãos em militantes curdos...

No entanto, em maio passado, Ancara anunciou a captura, em Istambul, de um certo "Basim", um cidadão afegão apresentado como tendo sido um dos braços direitos de al-Bagdhadi, que ele ajudava a esconder. Na região síria de Idleb , precisamente na localidade de Barisha, localizada em uma área que se acredita estar sob o controle turco. Além disso, os Estados Unidos não haviam informado à Turquia a operação que então realizariam para "neutralizar" o líder do Daesh.

De qualquer forma, a captura de al-Jaburi é mais um golpe pesado contra o Daesh.

“O dinheiro é a força vital dos grupos terroristas. Portanto, atacar seus financiadores é essencial para combatê-los. Não apenas podemos aprender mais sobre como o Daesh operava quando estava em seu auge, mas também seremos capazes de ter uma ideia melhor de suas prioridades para o futuro. Na minha opinião, al-Jaburi é uma das engrenagens mais importantes de toda a rede do Daesh”, disse Colin Clarke, do Grupo Soufan, ao The Times.

terça-feira, 31 de agosto de 2021

O último soldado americano deixa o Afeganistão

Último soldado americano a deixar o Afeganistão.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de agosto de 2021.

Foto do último soldado americano deixando o Afeganistão publicada pelo Comando Central Americano (United States Central Command, US CENTCOM), com o quartel-general baseado em Tampa na Flórida, mas responsável pelo Oriente Médio, Egito, Ásia Central e partes do Sul da Ásia; sendo o comando responsável pelo Afeganistão.

"O último soldado americano deixa o Afeganistão.
O General Chris Donahue, comandante da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército dos EUA, embarca em um avião de carga C-17 no Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul, Afeganistão."

A postagem foi retuitada pelo professor Michael Shurkin, da RAND Corporation, com o comentário:

"Se bem me lembro, as primeiras imagens que vimos das tropas americanas no Afeganistão foram de Rangers fazendo uma incursão à noite. Também em verde de visão noturna. Finais de livros apropriados, eu suponho."

Um epitáfio interessante para a saída inglória dos americanos na calada da noite. A incursão citada pelo professor trata-se da Operação Rhino (Rinoceronte), onde uma tropa de 200 homens (um Chalk valor companhia) do 3º Batalhão Ranger fez um salto de combate, na noite de 19 para 20 de outubro de 2001, sobre uma pista de pouso abandonada nas cercanias de Kandahar, a segunda maior cidade no Afeganistão. O salto foi liderado pelo então Coronel Joseph Votel, comandante do batalhão e atualmente um general de quatro estrelas aposentado.

Rangers embarcando em um dos quatro Lockheed MC-130.

A pista de pouso havia sido bombardeada por aviões de ataque AC-130 Combat Talon e outras aeronaves, causando algumas baixas (30-100 mortos) e dispersando os talibãs. Os Rangers saltaram em zero visibilidade sobre a pista de pouso deserta, com um único talibã tentando atirar nos paraquedistas, mas sendo rapidamente morto a tiros. Os Rangers tiveram dois feridos no salto, e mais tarde dois 2 Rangers mortos na queda de um helicóptero sobrevoando em volta da zona de lançamento (ZL) em missão de Busca e Resgate em Combate (Combat Search and RescueCSAR).

Rangers lançam-se no espaço durante a Operação Rhino na noite de 19 para 20 de outubro de 2001.

Vídeo do salto Ranger na Operação Rhino

O salto foi principalmente uma peça de propaganda, com um risco basicamente inexistente, com os únicos dois mortos por acidente de helicóptero - uma certa tradição americana, com as primeiras baixas ocorrendo dessa forma antes mesmo do início da invasão - e uma ZL virtualmente vazia.

A façanha foi repetida na invasão do Iraque, com o salto sem oposição da ZL Bashur sobre a pista de pouso de 2,1km de Bashur, classificada como "base aérea" no norte do Iraque, na Operação Northern Delay (Operação Atraso ao Norte, o que indica seu objetivo). Na noite de 26 de março de 2003, paraquedistas da 173ª Brigada Aerotransportada (173rd Airborne Brigade), partindo da Itália, saltaram sem oposição sobre a pista abandonada e fizeram a baliza dos vôos de re-suprimento em Bashur.

A operação foi classificada como salto de combate pelo Exército, embora a zona de lançamento já estivesse protegida por forças curdas aconselhadas por forças especiais americanas. O salto, comandado pelo Coronel William Mayville Jr., levou um total de 58 segundos, embora 32 paraquedistas não tenham conseguido saltar porque teriam pousado muito longe do resto da força.

Segundo o Comando americano, a presença dos paraquedistas forçou o Exército iraquiano a manter aproximadamente seis divisões na área para proteger seu flanco norte, fornecendo alívio estratégico para as Forças da Coalizão avançando em Bagdá a partir do sul. A força acabou espalhada em uma zona de lançamento de mais de 9km e levou 15 horas antes de estar completamente reunida. Nas semanas anteriores havia chovido forte e a lama criou problemas para quem saltava. Os paraquedistas protegeram a pista de pouso, permitindo que os aviões C-17 pousassem e trouxessem blindados pesados e os contingentes do 1º Batalhão do 63º Regimento Blindado.

O salto sobre Bashur

Uma força total de 996 ou 969 Sky Soldiers saltaram no dia em 10 Chalks ("Giz"), apelido para o grupo total dentro de uma aeronave. Um Chalk geralmente corresponde a uma unidade do tamanho de um pelotão para operações de assalto aeromóvel (helitransportado) ou a uma organização igual ou abaixo da companhia para operações paraquedistas. Para operações de transporte aéreo, pode consistir em uma unidade igual ou maior que uma companhia. Freqüentemente, uma carga de paraquedistas em uma aeronave, preparada para um salto, também é chamada de Stick.

O termo Chalk foi cunhado pela primeira vez na Segunda Guerra Mundial para tropas aerotransportadas durante a Operação Overlord, a invasão aliada da Europa. O número de vôo da aeronave era colocado nas costas das tropas com giz. Mais tarde, foi usado durante a Guerra do Vietnã, quando era prática comum numerar com giz as laterais dos helicópteros envolvidos em uma operação. No 75º Regimento Ranger do Exército Americano, eles usam o termo Chalk desde uma formação do tamanho de uma companhia ou tão pequena quanto uma esquadra-de-tiro de quatro homens; a menor formação tática.

Bibliografia recomendada:

82nd Airborne.
Fred Pushies.

AIRBORNE:
A Guided Tour of an Airborne Task Force.
Tom Clancy.

Leitura recomendada:



terça-feira, 27 de julho de 2021

FOTO: T-62 iraquiano atolado

Um T-62 iraquiano atolado num pântano durante a guerra contra o Irã, anos 1980.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de julho de 2021.

A Guerra Irã-Iraque, que durou de 1980 a 1988, viu incontáveis batalhas em terreno pantanoso nas regiões de Abadan, próxima à península de al-Faw, de Bostan, nos pântanos de Hawizeh e nas ilhas Majnoon.

O T-62, já ultrapassado pelo T-72, enfrentou carros de combate ocidentais iranianos comprados na época do Xá. Em algumas ocasiões até conseguiram alguns disparos de sorte, mas ambos os lados operavam seus equipamentos com baixíssima capacidade por falta de treinamento.

Chieftain Mk3/5 iraniano nocauteado por um disparo de 115mm de um tanque T-62 iraquiano (munição 3UBM5 ou 3UBM9 APFSDS/Flecha).
Disparo de sorte, atravessou o mantelet, o ponto menos blindado possível.

Cena de combate entre iranianos e carros T-72 iraquianos


Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

Leitura recomendada:




FOTO: T-62M no Passo de Salang, 28 de janeiro de 2020.


quarta-feira, 30 de junho de 2021

FOTO: Combatente xiita iraquiano

Um combatente muçulmano xiita das Saraya al-Salam (Companhias de Paz) na linha de frente de Jurf al-Sakhr ao sul de Bagdá em 18 de agosto de 2014. (AFP)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de junho de 2021.

As Companhias de Paz (árabe: سرايا السلام, Sarāyā as-Salām), frequentemente mal traduzidas como Brigadas de Paz na mídia americana, são um grupo armado iraquiano ligado à comunidade xiita do Iraque. Eles são um renascimento de 2014 do Exército Mahdi (جيش المهدي Jaysh al-Mahdī) que foi criado pelo clérigo xiita iraquiano Muqtada al-Sadr em junho de 2003 e dissolvido em 2008. Apoiadas pelo Irã, as Companhias de Paz foram recriadas em 2014.

O Exército Mahdi alcançou proeminência internacional em 4 de abril de 2004, quando liderou o primeiro grande confronto armado da comunidade xiita contra as forças dos Estados Unidos e seus aliados no Iraque. O confronto tratou-se de um levante que se seguiu à proibição do jornal de al-Sadr e sua subsequente tentativa de prisão, que durou até uma trégua em 6 de junho. A trégua foi seguida por medidas para desmantelar o grupo e transformar o movimento de al-Sadr em um partido político para participar nas eleições de 2005; Muqtada al-Sadr ordenou que os combatentes do Exército Mahdi cessassem as hostilidades, a menos que fossem atacados primeiro. A trégua foi quebrada em agosto de 2004 após ações provocativas do Exército Mahdi, com novas hostilidades surgindo. O grupo foi dissolvido em 2008, após uma repressão das forças de segurança iraquianas.

No auge, a popularidade do Exército Mahdi era forte o suficiente para influenciar o governo local, a polícia e a cooperação com os sunitas iraquianos e seus apoiadores. O grupo era popular entre as forças policiais iraquianas; além de ser acusado de operar esquadrões da morte. Suas batalhas mais notáveis nesse período foram a Batalha de Karbala em 2007 e o Cerco de Basrah em 2008. Um dos seus membros mais célebres é Abu Azrael, "O Anjo da Morte".

Moqtada al-Sadr (centro) ao lado do clérigo Ali Khamenei e do General Qassem Soleimani, Teerã, 2019.

As Companhias de Paz estavam armadas com uma variedade de armas leves, incluindo dispositivos explosivos improvisados (improvised explosive devicesIEDs). Muitos dos IEDs usados durante os ataques às Forças de Segurança e Forças de Coalizão do Iraque usaram sensores infravermelhos como gatilhos, uma técnica amplamente usada pelo IRA na Irlanda do Norte no início a meados da década de 1990.

O grupo foi re-mobilizado em 2014 para lutar contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS) e ainda estava ativo em 2016; participando na recaptura de Jurf al-Sakhr (Operação Ashura, 24–26 de outubro de 2014) e na Segunda Batalha de Tikrit (2 de março a 17 de abril de 2015).

Bibliografia recomendada:

Estado Islâmico: Desvendando o exército do terro.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Leitura recomendada:


PERFIL: Abu Azrael, "O Anjo da Morte", 18 de fevereiro de 2020.



GALERIA: Os fuzis AK-74M da Síria, 29 de agosto de 2020.


sexta-feira, 28 de maio de 2021

GALERIA: A Divisão Daguet no Golfo

A praça d'armas do PC da divisão Daguet em Miramar. Um merlon circunda o acampamento Miramar, na Arábia Saudita, dezembro de 1990.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de maio de 2021.

A partir de 2 de agosto de 1990, a França condenou o Estado iraquiano contra sua agressão ao Kuwait e envolveu-se em um conflito que se desenrolaria no coração da Península Arábica.

A ação francesa resultou na criação da Divisão Daguet, composta por 14.500 soldados deslocados no terreno. A partir de setembro de 1990, a divisão Daguet teve que desdobrar meios técnicos colossais para garantir as posições francesas no coração do deserto saudita, nos campos de Miramar ou do Rei Khaled e, assim, preparar seus contingentes para a ofensiva direta dos meses de janeiro e Fevereiro de 1991.

Soldados do 1er REC (1er Régiment Étranger de Cavalerie / 1º Regimento Estrangeiro de Cavalaria) aguardando embarque em Toulon, no sul da França, em setembro de 1990.
(Christian Fritsch / ECPAD)

O TCD "Foudre" ("Relâmpago") no mar carregado de helicópteros Gazelle e atracado em Yanbu, na Arábia Saudita, fevereiro de 1991.
(Didier Charre / ECPAD)

Desembarque dos tanques de combate pesados ​​AMX 30 B2 do 4e Régiment de Dragons (4º Regimento de Dragões), à partir do "Saint Romain" em Yanbu, na Arábia Saudita, fevereiro de 1991.
(Didier Charre / ECPAD)

A Operação "Tempestade do Deserto", lançada em 16 de janeiro de 1991, consiste sobretudo em um ataque aéreo de 43 dias contra o exército iraquiano, seguido de uma ofensiva terrestre de 24 a 26 de fevereiro, durante a qual os soldados franceses avançam em direção à cidade de As-Salman (ou Al-Salman) a fim de assumir o controle do eixo do Texas. Objetivo alcançado em 48 horas, menos tempo que o previsto no cronograma do planejamento do estado-maior. O aeroporto de As-Salman foi tomado após um avanço rápido de 150km em apenas dois dias, perdendo apenas 2 homens mortos e 35 feridos.

As imagens produzidas pelos repórteres do ECPA (Établissement cinématographique et photographique des arméesEstabelecimento Cinematográfico e Fotográfico das Forças Armadas) tendem a mostrar a eficiência estratégica e logística do exército francês, em um terreno desértico localizado a mais de 7.000 quilômetros da França e dentro de uma coalizão internacional.

Foto aérea do campo do Rei Khaled (camp du roi Khaled, CRK) na Arábia Saudita, novembro de 1990.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Os marsouins do 2e RIMa (2e Régiment d'Infanterie de Marine / 2º Regimento de Infantaria Naval) praticam a condução de prisioneiros no campo de passagem de Clémence, na Arábia Saudita, em fevereiro de 1991. Falsos prisioneiros jazem no chão sob a vigilância dos marsouins armados com fuzis FAMAS, baionetas caladas.
(Christian Fritsch / ECPAD)

Um soldado do 1er RI (1er Régiment d'Infanterie / 1º Regimento de Infantaria) descansa à sombra de seu veículo Peugeot P4 no campo de Miramar, na Arábia Saudita, em janeiro de 1991.
(Didier Charre / ECPAD)

Manutenção em Jaguars pelos mecânicos de pista de Al Ahsa, Arábia Saudita, dezembro de 1990.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Em Olive, na Arábia Saudita, uma estrada cortada com Hummers e caminhões americanos e transformada em um aeroporto. Ao fundo, um avião de transporte americano Hercules C-130, fevereiro de 1991.
(Didier Charre / ECPAD)

Quatro Mirage 2000 da Força Aérea Francesa armados com mísseis Matra R 550 Magic II estão prestes a decolar na pista da base aérea de Al Ahsa, na Arábia Saudita, dezembro de 1990.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Um caça a jato Mirage F1-CR da Força Aérea Francesa, armado com mísseis Matra R-550 Magic II na ponta das asas e bombas, avança pela pista da Base Aérea de Al Ahsa, Arábia Saudita, outubro de 1990.
(Christian Fritsch / ECPAD)

Na base aérea de Al Ahsa, no retorno de uma missão, são verificados os armamentos dos aparelhos da Força Aérea Francesa: canhão de 30mm em um Jaguar, outubro de 1990.
(Christian Fritsch / ECPAD)

Um avião de combate francês Jaguar da base aérea de Al Ahsa em patrulha é reabastecido em vôo por um avião de reabastecimento KC-135, outubro-dezembro de 1990.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Sistema de radar de baixa altitude Aladdin (autônomo leve de desdobramento instantâneo) da Força Aérea Francesa, próximo à base aérea de Al Ahsa, Arábia Saudita, dezembro de 1990. (Yann Le Jamtel / ECPAD)

Jaguar da Força Aérea Francesa pousando na frente de um avião de transporte Hercules C-130 na pista de taxiamento da base aérea de Al Ahsa, Arábia Saudita, dezembro de 1990. (Yann Le Jamtel / ECPAD)

No centro operacional da Divisão Daguet, em Olive, na Arábia Saudita, tendas camufladas e VAB posto-de-comando (PC) cobertos por antenas. Um helicóptero Puma sobrevoa o acampamento, janeiro de 1991.
(Christian Frisch / ECPAD)

Vista aérea das posições fortificadas iraquianas e dos tanques T-55 destruídos em Rochambeau, na Arábia Saudita, fevereiro de 1991.
(Michel Riehl / ECPAD)

Pouco antes da ofensiva terrestre, um soldado do RICM (Régiment d'Infanterie de Char de Marine / Regimento de Infantaria de Blindados Navais) é iluminado em contraste ao pôr do sol, em observação em frente à sua toca de combate no Camp Olive, zona de desdobramento operacional em Rahfa, na Arábia Saudita, fevereiro de 1991.
(Michel Riehl / ECPAD)

Os AMX-10 RC do 1er REC na posição de tiro em Hafar El Batin, outubro-novembro de 1990. Um veículo blindado acaba de disparar: a partida do projétil causa um deslocamento de ar.
(Yann Le Jamtel / ECPAD)

Os marsouins do 3e RIMa (3e Régiment d'Infanterie de Marine / 3º Regimento de Infantaria Naval) investem a cidade de Al-Salman, no Iraque, fevereiro de 1991: alguns estão deitados, armados com FAMAS, outros avançam e cruzam uma cerca.
(Michel Riehl e Yann Le Jamtel / ECPAD)

Marsouins do 3e RIMa sondam setor por setor a vila de Al-Salman. Atrás deles, um retrato de Saddam Hussein está pintado na parede. Os homens vestem o traje S-3P, o ​​capacete e o colete à prova de balas. Eles se comunicam pelo rádio TRPP-13, fevereiro de 1991.
(Michel Riehl / ECPAD)

Em Rochambeau, na Arábia Saudita, uma equipe de filmagem do ECPA filma prisioneiros iraquianos rendidos, fevereiro de 1991.
(Yann le Jamtel / ECPAD)

No eixo Texas, no Iraque, um caminhão americano rebocando um obus M-198 de 155mm cruza com soldados iraquianos se rendendo, fevereiro de 1991.
(Michel Riehl / ECPAD)

Evacuação de feridos da Divisão Daguet para a metrópole em Orly, na França, fevereiro-março de 1991. Pessoal do Serviço de Saúde, incluindo um capitão-médico, cuidam dos feridos em Fort Al-Salman dentro de um Boeing C-135-FR em versão de evacuação médica. A fotografia foi tirada sob luz artificial.
(Fabienne Seynat / ECPAD)

A bandeira tricolor foi içada novamente na Embaixada da França na Cidade do Kuwait, capital do Kuwait, em 28 de fevereiro de 1991.
(Claude Savriacouty / ECPAD)

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

BATTLEGROUND:
The Greatest Tank Duels in History.
Steven J. Zaloga.

Leitura recomendada:







sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

GALERIA: Armas iraquianas capturadas na Operação Tempestade do Deserto


Por Matthew Moss, Silah Report, 26 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de fevereiro de 2021.

Este mês marca o 30º aniversário da Guerra do Golfo. Um conflito que viu uma grande coalizão de países ocidentais, nações árabes e Estados do Golfo se unirem para libertar o Kuwait das garras de Saddam Hussein. Neste artigo, daremos uma olhada em algumas das armas portáteis e pesadas capturadas pelas forças da coalizão durante a campanha terrestre de 100 horas que viu as forças aliadas varrerem o Kuwait e o Iraque antes que um cessar-fogo fosse convocado em 28 de fevereiro de 1990.

Essas fotos foram tiradas pelas forças americanas em campanha e foram obtidas dos Arquivos Nacionais dos EUA (NARA). Nesta primeira fotografia está uma seleção de fuzis padrão AKM/S calibrados em 7,62x39mm, sendo difícil distinguir marcas de identificação que nos permitiriam saber o país em que foram fabricados.

Legenda original: “Fuzis de assalto AKM capturados são marcados e exibidos durante a Operação Tempestade do Deserto”. (NARA)

Abaixo estão várias fotos de armas antiaéreas ZPU-4 montadas em quadriciclo. As próprias armas são metralhadoras pesadas KPV de 14,5x114mm. Há pelo menos dois vistos na fotografia, bem como vários veículos montados em metralhadoras pesadas DShK 12,7x108mm, estes foram chamados de “Doshka” pelos iraquianos.

Legenda original: “Uma vista frontal direita de uma metralhadora antiaérea ZPU-4 que foi capturada das forças iraquianas durante a Operação Tempestade do Deserto”. (NARA)

Legenda original: “Uma vista frontal esquerda de uma metralhadora antiaérea ZPU-4 que foi capturada das forças iraquianas durante a Operação Tempestade no Deserto”. (NARA)

Legenda original: “Um sargento fuzileiro naval da 1ª Divisão de Fuzileiros Navais se ajoelha ao lado de um morteiro M-19 de 60mm que é parte de uma exibição de armas e equipamentos iraquianos capturados sendo mostrado aos repórteres após o cessar-fogo que encerrou a Operação Tempestade do Deserto. Um fuzil AKM e um lança-foguetes RPG-7 estão no canto inferior esquerdo”. (NARA)

A fotografia abaixo mostra militares do USMC discutindo uma seleção de armas iraquianas capturadas que incluem um fuzil automático de 7,62x39mm Tipo 56 de fabricação chinesa de modelo posterior (observe a empunhadura de pistola de plástico característico), um lançador de granadas de propulsão de foguete RPG-7 e um pequeno morteiro de 50mm, possivelmente de fabricação soviética, junto com alguns foguetes RPG e granadas de morteiro de calibre maior.

Legenda original: “O Tenente-Coronel Michael H. Smith, à esquerda, oficial comandante do 3º Batalhão, 9º Regimento de Fuzileiros Navais e o General-de-Brigada Thomas V. Draude, à direita, comandante assistente de divisão, 1ª Divisão de Fuzileiros Navais, fala com o Cabo Lance D. Wilson sobre uma exibição de armas e equipamentos iraquianos capturados após o cessar-fogo que encerrou a Operação Tempestade do Deserto. As armas incluem um fuzil AKM e um lança-foguetes RPG-7 no canto inferior esquerdo e um morteiro M-19 60mm no centro superior”. (NARA)

Na imagem abaixo, dois fuzileiros navais da 2ª Força Expedicionária de Fuzileiros Navais posam em frente a um HMMV equipado com um TOW com um fuzil automático Tipo 56 7,62x39mm de fabricação chinesa do padrão inicial e um lança-granadas de propulsão de foguete RPG-7.

Legenda original: “Dois membros da 2ª Força Expedicionária de Fuzileiros Navais exibem um fuzil de assalto AKM iraquiano capturado, à esquerda, e um lança-granadas RPG-7 enquanto estão ao lado de seu M998 veículo sobre rodas multifuncional de alta mobilidade (M998 High-Mobility Multipurpose Wheeled Vehicle, HMMWV) durante a fase terrestre da operação Tempestade do Deserto. Uma arma anti-carro TOW 2 lançada por tubo, opticamente rastreada e guiada por fio (Tube-launched, Optically-tracked, Wire-guided, TOW) é montada no teto do HMMWV. Os fuzileiros navais ainda estão usando suas roupas de proteção Química-Biológica-Nuclear (QBN) e sobrebotas”. (NARA)

Abaixo está uma fotografia de um veículo blindado BMP-1 completamente destruído. O fotógrafo colocou uma pistola sinalizadora e um fuzil automático Tipo 56-2 7,62x39mm, fabricado na China, muito queimado e sem a tampa da culatra.

Legenda original: “Um fuzil de assalto AKM carbonizado e uma pistola sinalizadora repousam no casco de um veículo de combate mecanizado de infantaria BMP-1 iraquiano destruído durante a fase terrestre da Operação Tempestade do Deserto.” (NARA)

A fotografia final abaixo reflete uma longa tradição de ações comemorativas e participação em campanhas históricas com a apresentação de armas capturadas como troféus. Abaixo está uma metralhadora de uso geral PKM 7.62x54mmR capturada que foi capturada no aeroporto da Cidade do Kuwait. A arma tem uma placa fixada em sua coronha e foi presenteada ao Major-General Francis X. Hamiliton Jr.

Legenda original: “Uma metralhadora leve PKM de 7,62 mm de fabricação soviética capturada por membros do 1º Grupo de Apoio e Serviço de Força (Force Service Support Group, FSSG) durante a Operação Tempestade do Deserto no Aeroporto Internacional do Kuwait, em 26 de fevereiro de 1991. Foi presenteada ao Major-General Francis X. Hamiliton Jr., comandante das Bases Logísticas do Corpo de Fuzileiros Navais e comandante geral, Base Logística do Corpo de Fuzileiros Navais, Albany, GA., pelo General-de-Brigada James A. Brabam Jr., general comandante do 1º FSSG em reconhecimento ao apoio de seu comando durante a Operação Tempestade do Deserto”.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:




FOTO: Furão no Golfo, 26 de setembro de 2020.




FOTO: Xadrez QBN, 10 de fevereiro de 2020.



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

LIVRO: A mudança da Guarda - O Exército Britânico na Guerra ao Terror

Corações e mentes... um jovem atira uma pedra contra soldados britânicos durante um protesto violento de candidatos a emprego em Basra, março de 2004. (Atef Hassan / Reuters)

Por Jason Burke, The Guardian, 10 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de fevereiro de 2021.

The Changing of the Guard: The British Army Since 9/11, de Simon Akam - a verdade sobre o exército britânico. Uma investigação rigorosa expõe uma instituição com capacidade limitada de mudança - o que significa que as coisas dão muito errado no campo de batalha.

Na Grã-Bretanha, o exército é uma das poucas instituições às quais é quase impossível submeter-se a críticas sérias sem provocar indignação. Uma razão é que qualquer pessoa que levantar a possibilidade de que não seja um campeão mundial corre o risco de acusações de serem antipatrióticos e desrespeitosos para com os bravos homens e mulheres que colocam suas vidas em risco para nos manter seguros.

Outra razão, que o autor Simon Akam explora detalhadamente em seu excelente e valioso livro, é que o exército britânico fez grandes e muitas vezes eficazes esforços para encerrar qualquer crítica, construtiva ou não. A publicação do livro foi repleta de dificuldades à medida que o establishment militar cerrou fileiras. (A editora original foi a Penguin Random House, que colocou o livro em espera, dizendo a Akam que havia um “nível sem precedentes de retirada de apoio e cooperação de fontes múltiplas ao livro”). Isso por si só já ajuda a substanciar a poderosa acusação do autor de que o exército, uma instituição reflexivamente defensiva, instintivamente conservadora e opaca, tem capacidade limitada de adaptação às mudanças, sejam militares, sociais ou políticas. E isso significa que as coisas dão errado.

Nem tudo o que deu tão errado no Iraque e no Afeganistão pode ser convenientemente atribuído aos políticos ou aos mesquinhos mandarins do Tesouro. Como mostra Akam, os oficiais superiores cometeram graves erros de julgamento. Alguns podem ter ficado traumatizados ou exaustos, mas outros podem simplesmente não ter sido particularmente competentes. Há muito material aqui sobre as rivalidades pessoais entre o número relativamente pequeno de soldados seniores do exército relativamente pequeno da Grã-Bretanha.

A narrativa densa e detalhada do livro começa em 2002 com um veterano especialista dando uma exibição virtuosa da guerra blindada em um campo de treinamento canadense. Ele recebe elogios generalizados de seus oficiais superiores, embora este tipo de combate seja inadequado para as guerras que seus companheiros de armas estão prestes a travar - e apesar do uniforme de oficial nazista que ele está usando por baixo do britânico.

Mas isso aparentemente está bem no exército britânico, no alvorecer do novo milênio. Akam nos leva para os quartéis e bases na Alemanha às vésperas da guerra do Iraque. Há oficiais chiques que só bebem champanhe Pol Roger, sessões de cerveja "beba até morrer" para outras patentes, rituais terríveis para humilhar novos recrutas, uma hierarquia inflexível, esnobismo e quase ninguém que tenha realmente lutado. Akam aponta que, ao contrário de quase todas as outras profissões, os soldados podem passar décadas treinando sem realmente fazer o que foram treinados para fazer: combate.


E assim, para a derrocada do exército britânico no Iraque, que veio depois de anos de soldados de alta patente dizendo a jornalistas, políticos e todos os outros que eles enfaticamente não eram como os americanos, porque o Reino Unido tinha visto conflitos de baixa intensidade na Irlanda do Norte, no Iêmen e na Malásia e dessa forma entendiam como “ganhar corações e mentes”. Quando eu estava relatando o conflito, acompanhei patrulhas na cidade de Basra, no sul do Iraque, dadas aos britânicos por planejadores americanos enquanto se dirigiam para o norte, para Bagdá. Os soldados usavam boinas, não capacetes, e eram liderados por sargentos berrando “Salaam alaikum” em fortes sotaques regionais para moradores locais desconcertados.

Dirigi até uma pequena cidade chamada Majar al-Kabir onde, poucos meses após a invasão de 2003, seis policiais militares britânicos em uma missão de treinamento foram linchados. Eu ouvi o que as pessoas tinham a dizer sobre os assassinatos, e ficou claro que a confiança do exército britânico em seu suposto know-how estava totalmente equivocada. No final, os EUA tiveram que intervir. Akam também fez um trabalho minucioso nos alegados abusos cometidos pelas tropas britânicas durante o conflito.

No Afeganistão, a partir de 2006, uma série de outras deficiências foram reveladas. Nunca houve tropas suficientes, nem helicópteros, nem o equipamento adequado. Uma política de rotações de seis meses para as unidades promoveu rivalidades e descontinuidades dramáticas. As cadeias de comando eram incrivelmente complexas. "Pornô de guerra" filmado em smartphones de soldados durante o combate não foi apenas tolerado, mas ativamente disseminado por oficiais, enquanto dezenas de livros cheios de histórias de coragem em batalha foram apoiados por oficiais superiores. Essa cultura de violência de vídeo game e uma perseguição frenética por medalhas tornaram-se o pivô para uma estratégia menos “cinética” muito difícil de executar quando os comandantes decidiram que uma mudança de abordagem era necessária. No Afeganistão, como no Iraque, os militares americanos vieram para terminar trabalhos que os britânicos não conseguiram. Quando as guerras no Iraque e Afeganistão terminaram, houve grandes inquéritos públicos que receberam muita atenção, mas quase nenhum escrutínio sério ou sanção para os soldados de alta patente.

Este é um livro longo. Existem capítulos de investigação útil e rigorosa de alegados abusos cometidos por tropas britânicas em ambos os teatros, e isso pode ter explicado a ira de alguns entrevistados. É impressionante que Akam tenha se dado ao trabalho de entrevistar prostitutas sobre os soldados britânicos assustados que vinham até elas para conversar com tanta frequência quanto para fazer sexo na véspera da guerra do Iraque. O detalhe muitas vezes contribui para episódios individuais emocionantes, mas às vezes obscurece o argumento geral e a narrativa.

Seria injusto esperar mais análises ou relatórios do contexto mais amplo da intervenção britânica no Iraque ou no Afeganistão em uma obra que levou cinco anos para ser escrita. Mas sem ela, o fator mais importante para o sucesso ou fracasso - a política local e regional - é subestimado. Em ambas as guerras, o autoproclamado “melhor pequeno exército do mundo” foi apenas um ator secundário e teve um impacto limitado. Esta é outra verdade amarga que muitos soldados de alta patente têm dificuldade em aceitar. Nisso, pelo menos, o exército é um representante do país pelo qual luta.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: