quarta-feira, 1 de julho de 2020

ENTREVISTA: A biógrafa Jung Chang diz que a Imperatriz-Viúva "Não é um modelo a ser seguido"

"Empress Dowager Cixi: The Concubine Who Launched Modern China" (Alfred A. Knopf, 2013) por Jung Chang (direita). (Lisa Weiss)

Por Wilfred Chan, Asian Society, 12 de novembro de 2013.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de outubro de 2019.

A nova biografia de Jung Chang, Empress Dowager Cixi: The Concubine Who Launched Modern China (A Imperatriz-Viúva Cixi: A concubina que lançou a China Moderna (Alfred A. Knopf, 2013) narra a notável vida da Imperatriz Cixi da China (1835-1908), que governou a China por 47 anos e ajudou a trazê-la para a era moderna.

Trabalhando a partir de novos documentos históricos disponíveis, Chang pretende revisar as noções tradicionais de Cixi como déspota reacionária e a época em que ela governou. Avaliando a imperatriz-viúva Cixi para a resenha do New York Times em outubro, o diretor do Centro de Relações China-EUA da Sociedade da Ásia, Orville Schell, escreveu que o "uso extensivo de novas fontes chinesas por Chang faz um forte argumento para uma reavaliação" do papel de Cixi no desenvolvimento da China. (Para outra resenha digna de nota, consulte Rahul Jacob no Business Standard da Índia.)

Os livros anteriores de Chang são Wild Swans (Cisnes Selvagens, 1991), uma história familiar que vendeu mais de 10 milhões de cópias e também foi proibida na China, e Mao: The Unknown Story (Mao: A história desconhecida, 2005), em co-autoria com seu marido, o historiador britânico Jon Halliday.

Chang se junta a Orville Schell para uma discussão na Sociedade da Ásia de Nova York nesta noite, 12 de novembro. [...] A turnê de livros de Chang também a levará ao Centro da Sociedade da Ásia do Texas em 17 de novembro e à Sociedade da Ásia do Norte da Califórnia em 18 de novembro.

Chang conversou com o Asia Blog por telefone pouco antes de sua aparição na Sociedade da Ásia de Nova York.

O que o atraiu para a Imperatriz-viúva como assunto?

Eu me interessei por ela quando estava pesquisando Wild Swans. Percebi que foi ela quem proibiu a amarração dos pés. Eu tinha pensado, de alguma maneira, que a amarração dos pés foi banida pelos comunistas porque era isso que minha educação me dizia. Então isso me interessou. E então, depois que escrevi Wild Swans, depois que escrevi Mao: The Unknown Story, quando amigos sugeriram escrever sobre a Imperatriz-viúva, eu a procurei na Web e descobri que sua reputação era tão ruim quanto, você sabe , meus dias de lavagem cerebral quando eu estava na China. O pouco que eu sabia sobre ela era completamente diferente de sua reputação. Isso me fez sentir que poderia encontrar novos materiais e ter novas idéias. Não quero escrever coisas em que todos concordem. Em outras palavras, há controvérsia sobre ela - eu gosto disso.

Como o personagem da Imperatriz-viúva se tornou tão distorcido e difamado mais tarde na história?

Bem, três anos depois que ela morreu, a China se tornou uma república. Os republicanos queriam criticá-la. Bem, não apenas os republicanos - os governantes depois dela, as pessoas no poder depois dela, não queriam vê-la tendo uma boa reputação porque queriam dizer que, você sabe, ela fez uma bagunça na China, e caiu sobre eles resgatar a China dela.

Como Cixi melhorou a vida das mulheres na China?

Além de proibir a amarração dos pés, ela deu educação às mulheres e as libertou do lar. Ela as incentivou a terem educação. E ela basicamente defendia a libertação das mulheres. Tanto que, em uma revista na China em 1903, as pessoas declaravam que o século XX seria o "século dos direitos das mulheres".

Você a vê como um modelo para as mulheres chinesas hoje?


Não. Não acho que ela seja um modelo. Ela foi uma imperatriz - a Imperatriz-viúva. Ela veio de uma China medieval; ela era capaz de imensa crueldade, quero dizer, ela era uma política. Quando ela enviou um exército para recuperar Xinjiang, a expedição foi extremamente brutal. Sabemos que ela envenenou o filho adotivo ao longo do caminho. Você sabe, ela era uma figura medieval. Meu livro também descreve sua transformação dessa imperatriz medieval, ou concubina imperial, em uma pessoa moderna - sua própria transformação e a transformação da China. Eu acho, sabe, que ela tem uma certa qualidade, acho que as pessoas podem aprender, ela tinha consciência, ela se importava com seu povo, ela não gostava de derramamento de sangue, etc. Pode-se apreciar essas qualidades. Mas modelo, quero dizer, (risos) ser a governante absoluta da China?

Mas você não acha que há uma falta de mulheres na política chinesa?

Sim. Eu acho que sim. Não conheço o processo de seleção dos líderes. Eu certamente gostaria de ver mais mulheres políticas na China.

Marinheira chinesa à bordo do Jinggangshan como parte de uma força-tarefa no Golfo de Áden, 2013. (People's Daily Online/Chen Geng)

Você acha que há perspectivas de mais mulheres ingressando nos escalões superiores da liderança chinesa em um futuro próximo?

Sim, acho que essa é a tendência do mundo - ter mais e mais mulheres no círculo de tomada de decisão. Eu acho que provavelmente essa também seja a estrada pela qual a China também estará embarcando.

Você acha que os líderes chineses de hoje podem aprender algo estudando a liderança da Imperatriz-viúva?

O problema é, que eu não escrevi uma fábula política. Eu apenas registrei a vida dela. Como livro, acho que os leitores podem tirar o que for relevante para eles. Não sei o que as pessoas tirarão da Imperatriz-viúva Cixi, nem tenho essa intenção deles tirarem uma certa mensagem. Meu lema sobre a mensagens em um livro é: flores em mel, sal em água. As mensagens desapareceram, mas os sabores estão por toda parte. Meu livro não é um livro de mensagens.

Em termos de processo, como este livro foi diferente do seu último?

É diferente de escrever sobre Mao no sentido de que, com Mao, meu marido Jon Halliday e eu passamos 12 anos pesquisando e escrevendo. O principal problema foram as fontes, os documentos. Porque houve muito encobrimento - ainda existe - sobre Mao. Então tivemos que desenterrar todas as informações. Mas com a Imperatriz-viúva, todos os documentos foram disponibilizados: os estudiosos, os arquivistas na China e no resto do mundo, têm trabalhado muito compilando, fotocopiando, editando, fazendo obras completas disso e daquilo, liberando documentos de tribunal, alguns até digitalizados, por isso são relativamente fáceis de obter. Então eu posso sentar em Londres no meu computador e exibir decretos imperiais na minha tela.

Se as informações estavam disponíveis, por que um trabalho como o seu nunca foi feito antes?

Bem, as pessoas têm escrito - não uma biografia como a minha, mas aspectos dela. Quero dizer, os estudiosos chineses têm coberto vários aspectos do seu governo e seu tempo, e produziram muito material. Eles não escreveram uma biografia, mas eu me beneficiei de suas descobertas e trabalhos.

É triste para você que o livro não esteja amplamente disponível na China no momento?

Bem, não apenas não está amplamente disponível, espero que não seja banido! Estou traduzindo o livro para o chinês e será publicado no próximo ano. Espero que seja publicado na China continental. Mas eu não sei - teremos apenas que ver.

Quais são seus planos depois de terminar esta turnê?

Meu plano no momento é traduzir o livro para o chinês. É muito trabalho - já fiz metade do trabalho - e só preciso de mais tempo para me concentrar na tradução, que é o que farei depois que voltar dos Estados Unidos para Londres.

Mas depois disso?

Não tenho planos. Sem dúvida, em algum momento, em algum lugar, a inspiração virá.


Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:


Nenhum comentário:

Postar um comentário