sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

GALERIA: Chegada de reforços ao posto de Yen Cu Ha

Tirailleurs do 4e BM/7e RTA monitoram a chegada dos prisioneiros Bô Doï, transferidos por um LCM da 3e Dinassaut.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de fevereiro de 2021.

Como parte da Batalha do Rio Day, o posto de Yen Cu Ha, um dos parafusos da linha de defesa da região do Tonquim, foi atacado pelos Bô Doï (regulares do Viet-Minh) do Tieu Doan 88 (88º Regimento), apelidado de "o regimento do rio claro". Na noite de 4 para 5 de junho de 1951, a guarnição (uma companhia de guerrilheiros nativos de Hung Yen, reforçada desde 30 de maio por 120 homens do comando “Romary”) foi espancada por duas horas a golpes de “SKZ” (Sung Khong Zat: canhões chineses sem recuo) e morteiros (pela primeira vez, o Viet-Minh usou obuses de fósforo branco).

"Voluntários da morte" - sapadores de assalto Viet-Minh - minaram as paredes com cargas ocas e o assalto geral submergiu a posição; o posto mudaria de mãos quatro vezes e algumas casamatas seis vezes seguidas. Os sobreviventes da guarnição lutaram com a energia do desespero em uma luta corpo-a-corpo com armas brancas dentro dos limites do posto.

Três oficiais do 4e BM/ 7e RTA durante da operação de desobstrução do posto de Yen Cu Ha. O militar em primeiro plano apresenta a insígnia do regimento, cujo lema escrito em árabe é "a vitória ou a morte".

No posto de Yen Cu Ha, durante a Batalha do Rio Day, escaramuçadores do 4e BM/ 7e RTA observam os paraquedistas do 7e BPC e seus coolies (carregadores) carregando caixas de rações a bordo de um LCM da 3e Dinassaut.

Enquanto o punhado de combatentes liderados pelo Tenente Romary (ferido por duas balas e vários fragmentos) se imaginam à beira da aniquilação, o LSSL nº 6 (Landing Ship Support Large/ Navio de Desembarque de Apoio - Grande) da 3e Dinassaut (Division Navale d'Assaut/ Divisão Naval de Assalto) surgiu no rio Day e, disparando todas as suas metralhadoras, pegou o inimigo pela retaguarda e cortou sua retirada com canhões. A 13ª companhia (Capitão Sausse) do 7e BPC (7e Bataillon de Parachutistes Coloniaux/ 7º Batalhão de Paraquedistas Colonial) foi desembarcado por um LCM (Landing Craft Material/ Embarcação de Desembarque de Material) e correu para resgatar os sitiados.

A redução dos atacantes envolveu até mesmo a dinamitação da torre dominando as defesas do posto, onde uma companhia inimiga se refugiou encurralada e se recusou a cessar o combate (55 Bô Doï acabariam se rendendo). Instalando-se nas ruínas cobertas de cadáveres de Yen Cu Ha, os paraquedistas coloniais se prepararam para repelir um novo ataque (eles repelirão quatro deles na noite de 5 a 6 de junho de 1951).

Sob a guarda dos tirailleurs do 4e BM/ 7e RTA, alguns Bô Doï entre os milhares que contavam os Daï Doan 308, 304 e 320 que participaram do ataque no rio Day, mas foram surpreendidos pela contra-ofensiva ordenada pelo General de Lattre de Tassigny. No final da batalha, contou-se 12.000 Bô Doï mortos e 1.800 outros prisioneiros.

O Tenente de Philiperville (centro) e tirailleurs (escaramuçadores) do 4e BM/ 7e RTA observam a chegada de reforços do 7e BPC ao posto de Yen Cu Ha, 5 de junho de 1951. O equipamento individual da unidade na época era britânico (do tipo "Pattern 37") enquanto o armamento é francês com fuzis-metralhadores 24/29 e fuzis MAS 36.

O fracasso do ataque ao posto de Yen Cu Ha custou à Dai Doan 308 (308ª Divisão), uma unidade de elite do Viet Minh (a notória "divisão de ferro") cerca de mil mortos. Os prisioneiros são reagrupados e transferidos pelos LCM da 3e Dinassaut e confiados à guarda dos tirailleurs do 4e BM/ 7e RTA (4e Bataillon de Marche du 7e Régiment de Tirailleurs Algériens/ 4º Batalhão de Marcha do 7º Regimento de Escaramuçadores Argelinos) que os ajudam a transportar os seus feridos durante a aterragem no margem direita do rio Day enquanto são organizadas várias rotações para reforçar o posto recém-reconquistado. O LSSL nº 6, que foi criticado e atingido duas vezes por um "SKZ" em sua corrida noturna no rio para chegar a Yen Cu Ha o mais rápido possível, estando então ancorado não muito longe do posto.

Paraquedistas coloniais do 7e BPC avançam em um dique após repousarem e entram no posto. Um transmissor paraquedistas monta seu posto SCR 694 nas ruínas, ajudado por guerrilheiros enquanto seus camaradas examinam um canhão curto de 155mm que está no meio dos escombros. Os escaramuçadores argelinos acabaram de evacuar Bô Doï os feridos com macas improvisadas ou, na sua falta, carregando-os nos braços.

Um Bô Doï ferido sendo evacuado para um LCM da 3e Dinassaut por um de seus camaradas capturado ajudado por tirailleurs do 4e BM/ 7e RTA.

Tirailleurs da 5ª companhia do 2e BM/ 1er RTA (2º Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Tirailleurs Argelinos) inspecionam a igreja de Ninh-Binh, destruída por morteiros e canhões sem recuo dos sitiantes Viet-Minh que assediaram 73 homens do comando naval "François" entrincheirados no edifício. Submergidos por 3.000 Bô Doï (soldados regulares) da 308ª Divisão que varreram a posição e engajaram os comandos fuzileiros navais em uma furiosa luta corpo-a-corpo, os sobreviventes tentando uma saída forçada.

Uma vista interna da igreja de Ninh-Binh, saqueada pelo Viet-Minh em 1947 e abandonada antes de ser ocupada por 73 homens do comando naval "François" que serão atacados ali por milhares de Bô Doï da Daï Doan 304 (304ª Divisão) em 29 de maio de 1951, primeiro ato da Batalha do Rio Day.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

GALERIA: Uma missão da Marinha Francesa na Indochina9 de outubro de 2020.

GALERIA: Retomada do rochedo de Ninh-Binh pelos Tirailleurs Argelinos16 de outubro de 2020.

GALERIA: Ratissage dos Tirailleurs Argelinos na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobra dos comandos navais no Tonquim9 de outubro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário